Navigation – Plan du site
Les ports de la monarchie espagnole (II) : variété des modèles (XVIe-XVIIIe siècle)

Uma cidade cercada: Malaca durante a União Ibérica (1580-1640)

Rui Manuel Loureiro

Résumés

Malacca, l’une des possessions orientales les plus précieuses de la couronne portugaise, occupait une position unique sur la côte ouest de la péninsule malaise, au carrefour de routes, de cultures, d’intérêts et de sphères d'influence. Élément clé de l’organisation de l’Estado da Índia, Malacca, pour des raisons géographiques, écologiques et stratégiques vivait presque toujours en état de siège, entourée par des potentats asiatiques hostiles qui essayaient périodiquement d’en déloger les Portugais. Si l’Union ibérique a contribué au début à la croissance et à la prospérité de cette ville portuaire, elle a eu des conséquences désastreuses à long terme, en vertu de l’arrivée dans le monde oriental d’autres puissances européennes, notamment les Néerlandais. Implantés sur l’île voisine de Java, les Hollandais ont fait de Malacca une cible prioritaire de leurs attaques, tout en assiégeant la navigation lusitanienne qui traversait les détroits de Malacca et de Singapour. Les relations entre Malacca et Manille, même pendant l’Union ibérique, n’ont jamais permis l’organisation d’un front commun contre les Hollandais, qui finiraient par conquérir la place portugaise en 1641.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 Sobre a transição dinástica em Portugal, ver Rafael VALLADARES, A Conquista de Lisboa: Violência Mi (...)

1Em 1578, o rei Dom Sebastião, embarcado num projecto expansionista de conquista do Norte de África, desapareceu na batalha de Alcácer Quibir, em Marrocos. O jovem monarca português morria sem sucessores. Como consequência do confronto entre os vários pretendentes ao trono lusitano, a União Ibérica entraria em vigor a partir de 1581, pois nas cortes que nesse ano reuniram em Tomar, o poderoso Felipe II, rei de Espanha, apresentara argumentos convincentes, escudados em força militar, e assumira a Coroa de Portugal. Registado ficava o compromisso de manter uma separação formal entre os dois impérios ultramarinos, o português e o espanhol, acordo esse que com o passar dos anos tenderia a dissolver-se e a cair no esquecimento1. Malaca, uma das mais valiosas possessões orientais da Coroa portuguesa, ocupava uma posição geográfica e estratégica singular, na costa ocidental da Península Malaia, e num ponto de cruzamento de rotas, culturas, interesses e esferas de influência.

  • 2 A fórmula remete para a obra célebre de Carlo CIPPOLA, Canhões e velas na primeira fase da expansão (...)
  • 3 Ver uma síntese da construção do império oriental português em Sanjay SUBRAHMANYAM, The Portuguese (...)

2Ao longo do século XVI, os portugueses tinham construído no Oriente um vasto império de natureza essencialmente marítima, designado como Estado da Índia, que era constituído por uma densa rede de fortalezas, cidades e feitorias, dispersas pelo litoral asiático, que eram ligadas entre si por rotas marítimas bem definidas, habitualmente frequentadas por navios portugueses dotados de poderoso armamento. O Estado da Índia era dirigido a partir de Goa por um imenso aparelho político, militar e administrativo, comandado por um vice-rei ou um governador, geralmente oriundo da alta nobreza portuguesa e normalmente dotado de um mandato de três anos. Uma tecnologia militar e naval muito avançada, resumida na fórmula ‘canhões e velas’, era evidentemente um dos segredos do enorme sucesso dos portugueses no mundo oriental2. Mas havia também outros segredos, como o recurso regular a colaboradores de origem oriental, a recolha sistemática de informações sobre as realidades circundantes, o estabelecimento de alianças e acordos com potentados asiáticos regionais, a cooperação com parceiros comerciais locais, e ainda os casamentos ou uniões informais dos portugueses com mulheres asiáticas, que abriam determinadas portas das sociedades envolventes3.

  • 4 Sobre esta ligação marítima, ver Rui Landeiro GODINHO, A Carreira da Índia: Aspectos e problemas da (...)

3Num primeiro momento, a Coroa lusitana investira sobretudo no tráfico intercontinental, através da recém-aberta rota do Cabo, com armadas que anualmente ligavam Lisboa a Goa, a chamada «carreira da Índia», e que regressavam à Europa pesadamente carregadas de drogas, especiarias, sedas, porcelanas, e outras tantas mercadorias de luxo4. Mas desde cedo os portugueses efectuaram uma descoberta surpreendente: os tráficos de pequeno e médio curso entre portos asiáticos ou entre a Índia e a costa oriental de África, que implicavam investimentos e meios navais assaz modestos, podiam ser muito mais lucrativos do que a longa e perigosa rota marítima que conduzia a Lisboa, que na melhor das hipóteses demorava um ano e meio a completar nos dois sentidos. Esta constatação teve como consequência o crescimento da presença portuguesa nas regiões orientais que se estendiam para leste do cabo da Boa Esperança, com a multiplicação de homens, navios, fortalezas e feitorias um pouco por todo a Ásia marítima. O porto de Malaca, ocupado por Afonso de Albuquerque em 1511, era um dos nós da gigantesca rede configurada pelo Estado da Índia, que eventualmente se estenderia desde Moçambique, na costa oriental de África, até às ilhas mais meridionais do Japão, e que tinha outras bases estratégicas em Ormuz, na embocadura do golfo Arábico-Pérsico (ocupada também por Albuquerque em 1515), e em Macau, no litoral meridional da China, onde os portugueses se haviam estabelecido de modo informal, mas com a cumplicidade das autoridades chinesas, a partir de 1555.

  • 5 A Suma circulou manuscrita de modo assaz limitado, nos círculos ligados à Coroa lusitana. O erudito (...)
  • 6 Armando CORTESÃO (ed.), A Suma Oriental…, p. 441.
  • 7 Ver Roderich PTAK, «Reconsidering Melaka and Central Guangdong: Portugal's and Fujian's Impact on S (...)

4Utiliza-se habitualmente a Suma Oriental como ponto de partida para uma descrição de Malaca. Trata-se da primeira geografia global da Ásia produzida depois da chegada dos portugueses ao Oriente, escrita precisamente em Malaca, pelo boticário português Tomé Pires, entre 1512 e 1515, quando ali desempenhava funções de feitor. É um texto bem conhecido, graças uma célebre edição publicada na década de 19405. Mas, atenção, esta obra, cujo único manuscrito integral se conserva em Paris, na Bibliothèque de l’Assemblée nationale, apresentava a última imagem da cidade portuária malaia antes da conquista portuguesa de 1511. Tomé Pires falava de uma metrópole imensa, com mais de 100 mil habitantes, onde se entrecruzavam mercadores originários de mais de oitenta destinos geográficos distintos. A extraordinária importância de Malaca era resumida na fórmula célebre do boticário português: «quem for sõr de malaqa tem a mãao na garganta a veneza»6. Acreditou-se amiúde que as características de Malaca apresentadas por Tomé Pires – uma gigantesca cidade portuária, com dezenas de milhares de habitantes, e um movimento incessante de navios originários dos quatro cantos da Ásia – se aplicavam ao porto que passou a estar sob domínio português. Nada de mais seguro, como foi recentemente demonstrado7.

5Em primeiro lugar, existe o testemunho de Gaspar Correia, cronista português que viveu na Índia desde 1512 até à sua morte, por volta de 1563. Durante este período, Correia foi escrevendo as suas Lendas da Índia, uma monumental crónica dos feitos marítimos e militares dos portugueses no Oriente, que na época ficou manuscrita, e que é ilustrada com uma série de vistas de portos. Malaca figura nestas ilustrações que revelam a primeira mirada portuguesa sobre as realidades urbanas asiáticas.

  • 8 O original conserva-se no Arquivo Nacional Torre do Tombo, em Lisboa, e é aqui reproduzido a partir (...)

Malaca, desenho de Gaspar Correia, c. 1520-15308.

Malaca, desenho de Gaspar Correia, c. 1520-15308.
  • 9 Gaspar CORREIA, Lendas da Índia (1860-1866), ed. Manuel Lopes de Almeida, 4 vols., Porto: Lello & I (...)
  • 10 Sobre a fortaleza de Malaca, ver Rui Manuel LOUREIRO, «Historical Notes on the Portuguese Fortress (...)

6Não existe segurança absoluta sobre a cronologia dos desenhos atribuídos a Gaspar Correia, mas a imagem poderá ser datável da década de 1520-15309. E ela revela a fortaleza portuguesa, tal como é descrita em fontes textuais da época, ao lado de uma urbe portuária típica da Ásia do Sueste, com construções em materiais vegetais, mas de dimensões assaz modestas. A posição da fortaleza não está totalmente adequada à realidade, pelo que é provável que a ilustração de Gaspar Correia não derivasse de uma visita do cronista a Malaca, mas antes de informações recolhidas em segunda mão10.

  • 11 Roderich PTAK, «Reconsidering Melaka and Central Guangdong».
  • 12 Para uma abordagem informada da história de Malaca nesta época, ver Luís Filipe F. R. THOMAZ, Early (...)

7As fontes chinesas coetâneas confirmam a dimensão extremamente modesta de Malaca nos inícios de Quinhentos11. E, procurando um pouco, encontram-se cartas portuguesas manuscritas da primeira metade do século XVI que revelam uma cidade com não mais de 20 mil habitantes, incluindo: os portugueses (cem homens); os seus dependentes, entre familiares e escravos (cerca de 1500 pessoas); a comunidade queling, isto é, os indianos da costa do Choromandel, o mais importante grupo mercantil (cerca de 1000 pessoas); os chineses, um grupo minúsculo; os javaneses, habitantes quase sempre temporários da urbe; os menencabos, sobretudo lavradores e mineiros; e os malaios, um grupo humano cuja dimensão se avalia com dificuldade na documentação disponível12. Portanto, será necessário ter em conta que Malaca, com toda a probabilidade, não era nas primeiras décadas do século XVI a enorme cidade portuária que frequentemente aparece descrita nas descrições e nas crónicas de origem portuguesa. Existe um elemento de inflação nos relatórios dos funcionários régios portugueses de Malaca (e que depois se reflecte nas crónicas), os quais querem de forma sistemática apresentar aquela cidade como uma possessão extremamente importante da Coroa lusitana, com o objectivo de atraírem acrescidos recursos ou de suscitarem recompensas adequadas.

  • 13 O estudo clássico sobre este mundo asiático continua a ser M. A. P. MEILINK-ROELOFSZ, Asian Trade a (...)

8Contudo, é certo que todas as fontes portuguesas do século XVI confirmam que Malaca era um porto de excepcional importância no contexto da Ásia marítima, pois situava-se numa localização geográfica estratégica, do ponto de vista da navegação à vela. Ali aportavam regularmente navios oriundos, por um lado, de portos do Índico ocidental e do Golfo de Bengala e, por outro lado, vindo de portos do Mar do Sul da China e da Insulíndia. Malaca, parafraseando Tomé Pires, situava-se no fim de uma monção e no princípio de outra, ou seja, no ponto exacto de interligação de duas grandes áreas geográficas, que ali intercambiavam as respectivas produções. E embora nem todo este movimento mercantil demandasse Malaca, pois existiam portos rivais na região dos Estreitos, é certo que a cidade sob domínio português conseguiu atrair importantes fluxos mercantis, que ao longo de décadas consolidaram a sua fortuna. No fim de contas, o posto de capitão de Malaca era um dos mais rentáveis na estrutura organizativa do Estado da Índia. A fortuna de Malaca, entretanto, ficou a dever-se não só a uma sólida posição militar, patente nas fortificações que foram sendo erigidas, mas também a uma activa diplomacia económica praticada pelas autoridades da cidade, que procuraram rentabilizar um alargado conjunto de ligações marítimas com centros produtores ou distribuidores de produtos mercantis13.

  • 14 Ver o estudo fundamental de James C. BOYAJIAN, Portuguese Trade in Asia under the Habsburgs, 1580–1 (...)

9Para os portugueses, o porto de Malaca tinha um interesse fundamental, pois, além da sua importância intrínseca, também permitia o acesso às ilhas de Maluco, as afamadas Ilhas das Especiarias, onde desde 1522 existia uma fortaleza portuguesa, à China, esse gigantesco mercado asiático na periferia do qual os portugueses haviam conseguido abrir um entreposto em 1555, e também às ilhas do Japão, contactadas logo desde 1542. A partir de Malaca, foram-se desenhando rotas marítimas directas, controladas pelas autoridades portugueses, rumo a todos estes destinos da Ásia mais oriental, onde eram realizadas profícuas transacções mercantis, que não só beneficiavam a Coroa lusitana, através de investimentos directos ou concessionados, mas também uma multidão de fidalgos portugueses e de funcionários régios, e a uma miríade de mercadores e investidores privados14.

  • 15 Ver reprodução e estudo deste desenho em Pierre-Yves MANGUIN, «Of Fortresses and Galleys: The 1568 (...)

10A Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro conserva um desenho anónimo de Malaca, datado de 1568, extremamente detalhado, que permite apreender de forma bastante rigorosa a dimensão da cidade luso-malaia nessa época. O investigador francês Pierre-Yves Manguin dedicou-lhe um elaborado estudo que analisa com detalhe as questões urbanísticas15. Trata-se de uma representação de um dos periódicos cercos que o sultanato de Achém, na parte setentrional da ilha de Samatra, organizava contra Malaca. Mas o autor era decerto um desenhador profissional, pois apresenta uma vista cavaleira muito precisa da cidade e dos seus subúrbios, com detalhes absolutamente surpreendentes sobre as muralhas de Malaca, a fortaleza, as igrejas, e os edifícios mais relevantes, nos quais de resto se conseguem identificar diversos tipos de materiais construtivos. Em termos de dimensões, o perímetro urbano parece ser consentâneo com uma cidade de dimensão média, que albergaria umas poucas dezenas de milhares de habitantes, mas nunca a megalópolis de que falam algumas fontes portuguesas.

  • 16 Pierre-Yves MANGUIN, «Of Fortresses and Galleys…», p. 626.

11Esta vista de Malaca permite constatar que a componente europeia da urbe se tinha alterado desde os tempos em que Gaspar Correia traçara o seu desenho, cerca de quarenta anos antes. As muralhas citadinas tinham-se desenvolvido substancialmente, envolvendo os bairros portugueses. Ou seja, Malaca, fortificando-se, fazia face aos seus mais poderosos adversários na região dos estreitos de Malaca e de Singapura, por um lado, o sultanato de Johore, que era o herdeiro do antigo sultanato de Malaca, por outro lado, o sultanato de Achém, o mais persistente inimigo da presença portuguesa na Ásia do Sudeste. O anónimo desenho de 1568 inclui no seu canto esquerdo uma legenda elucidativa, que refere, entre outras informações, que «Soltão Allaharadim Rey do d’Achem e doutros Reinos, veio cercar esta cidade de Malaca sendo capitão della dom Lionis Pereira, o qual lha defendeo cõ dozetos portugueses». Constata-se que os habitantes de origem portuguesa capazes de pegarem em armas na cidade não ultrapassavam as duas centenas. Entretanto, a legenda mencionava também que as forças inimigas incluíam «trezentas vellas e quinze mjl homes de peleja, em que entrauão muitos turquos e arreneguados, e outras gentes de diuersas nações E dez mil homes de seruiço», indício claro de que aquele entreposto português tinha de enfrentar periódicas e violentas ameaças oriundas de potentados regionais hostis à presença lusitana16.

  • 17 Para uma análise das complicadas relações de Malaca com as potências da região, ver Paulo Jorge de (...)
  • 18 A respeito dos jesuítas na Ásia, ver Dauril ALDEN, The Making of an Enterprise: The Society of Jesu (...)

12O assédio de 1568 não foi de forma alguma um evento isolado, mas antes uma de muitas tentativas organizadas pelo Achém e por Johore para tentarem desalojar os portugueses de Malaca.17 Ou seja, o porto malaio, durante o alargado período em que esteve submetido à Coroa de Portugal, de forma alguma teve uma existência pacífica, mas antes viveu frequentemente sob a ameaça de cerco e de ataque por parte de potentados asiáticos vizinhos. O ambiente de isolamento era ainda mais agravado pelo facto de Malaca, por razões meramente ecológicas, ter de importar muitos dos bens de primeira necessidade de que precisava para a sua sobrevivência enquanto metrópole autónoma. Se as causas destes conflitos militares de Malaca com os seus vizinhos são quase sempre redutíveis a interesses económicos e geo-estratégicos, é possível detectar também em alguns momentos, e em algumas fontes, uma componente de antagonismo religioso, incentivada por fundamentalismos diversos. A partir de meados do século XVI, com efeito, com a chegada aos estabelecimentos portugueses no Oriente de sucessivas ondas de missionários católicos, sobretudo ligados à Companhia de Jesus, assiste-se ao crescimento de posições ideológicas mais intolerantes face à diferença religiosa, da parte das autoridades lusitanas, as quais encontram a sua contrapartida em pronunciamentos mais intransigentes de determinados potentados islâmicos, de que o Achém constituiu, nomeadamente durante o longo reinado de Iskandar Muda, o mais elaborado paradigma18.

  • 19 Sobre o estabelecimento dos espanhóis nas Filipinas, ver Manel OLLÉ, La empresa de China: De la Arm (...)

13Numa curiosa coincidência cronológica, a década de 1560 assistiu ao estabelecimento dos espanhóis nas Filipinas, depois da descoberta por Andrés de Urdañeta da rota de regresso à Nova Espanha, que possibilitou de imediato a organização de regulares viagens transpacíficas, as quais a partir de inícios da década de 1570 tinham como destino a cidade de Manila, escolhida como base estratégica pela Coroa de Espanha. O galeão de Manila, evidentemente, seria na mente dos estrategas de Felipe II uma forma expedita de aceder ao mundo mercantil asiático, e sobretudo chinês, avidamente buscado pelos espanhóis desde que haviam começado a chegar à Europa notícias sobre a imensa prosperidade do entreposto português de Macau. Durante toda a década de 1570 assiste-se na Península Ibérica, e também nas Filipinas, a intensas movimentações diplomáticas, no âmbito da discussão da exacta localização do anti-meridiano de Tordesilhas, que visavam abrir as portas da Ásia aos espanhóis19. O desaparecimento de Dom Sebastião numa célebre batalha nos campos do norte de Marrocos, ao permitir o acesso do monarca espanhol ao trono de Portugal, veio num primeiro momento abrir perspectivas encorajadoras a Espanha, no que dizia respeito aos tráficos orientais.

  • 20 Sobre a União Ibérica em contexto asiático, para além de James C. BOYAJIAN, Portuguese Trade in Asi (...)

14Logo depois da concretização da União Ibérica, diversos relatórios foram preparados no âmbito da administração ultramarina portuguesa, com vista a fornecer a Felipe II e aos seus mais próximos colaboradores informações essenciais à gestão desta nova componente imperial20. Entre esta documentação diversa, destacava-se, no que diz respeito à Ásia, um anónimo Livro das cidades, e fortalezas, que a Coroa de Portugal tem nas partes da India, o qual traçava um panorama verdadeiramente exaustivo dos entrepostos sob domínio ou influência portuguesa em todo o Oriente.

  • 21 O manuscrito original conserva-se na Biblioteca Nacional de Espanha, e é aqui reproduzido a partir (...)

Anónimo, Livro das cidades, e fortalezas, 158221.

Anónimo, Livro das cidades, e fortalezas, 158221.
  • 22 F. P. Mendes da LUZ (ed.), Livro das cidades, e fortalezas…, fl. 58.

15O anónimo autor ocupava-se também de Malaca, que referia ser «a mayor e mais riqua escalla do mundo, em que mór concurso e trato ha de toda sorte de mercadorias»22. Aludia nomeadamente às características da fortaleza, aos diversos cargos do funcionalismo nela existente, com o capitão à cabeça, aos salários pagos aos funcionários, às possibilidades que cada um destes homens tinha de aumentar a sua renda, através de operações mercantis, aos bens mais importantes que eram transaccionados naquela praça luso-malaia, e sobretudo às muitas viagens que dali se organizavam em direcção a um conjunto alargado de destinos (Bengala, Sião, Maluco, China, Japão, etc.). Apresentava-se, em suma, uma verdadeira geografia politico-mercantil da vasta região de que Malaca era o centro, com destaque para todas as possibilidades de intervenção comercial.

  • 23 Para este período, ver o estudo de Manuel LOBATO, Política e comércio dos portugueses na Insulíndia (...)
  • 24 Ver Rui Manuel LOUREIRO, «Historical Notes on the Portuguese Fortress of Malacca…». Relativamente a (...)
  • 25 Para uma edição moderna da «Declaraçam de Malaca», ver Manuel Godinho ERÉDIA, Eredia’s Description (...)

16A União Ibérica trouxe a Malaca um período de reorganização administrativa e de relativa prosperidade, embora por razoes não totalmente atribuíveis a Espanha. Por volta de 1600, viviam na cidade luso-malaia mais de 300 casados, ou seja, portugueses que haviam abandonado o serviço militar oficial e ali se tinham fixado definitivamente, mais ou menos o triplo daqueles que se conseguem contabilizar no período anterior a 158023. O monarca espanhol desencadeara um pouco por toda a Ásia marítima intervenções de carácter militar e urbanístico, sobretudo através do envio do arquitecto italiano Giovanni Battista Cairato, que tinha por missão efectuar as necessárias reparações e melhoramentos nas principais fortalezas portuguesas. Embora pouco se conheça da actuação concreta de Cairato em Malaca, sabe-se que com ele viajou da Índia o matemático e cartógrafo Manuel Godinho de Erédia, que produziu nas últimas décadas do século XVI um alargado conjunto de materiais sobre a cidade luso-malaia e a região envolvente. Nestes desenhos, mapas e plantas tornam-se evidentes os melhoramentos das estruturas defensivas de Malaca, bem como o alargamento do espaço construído, que testemunham obviamente um período de crescimento económico24. Valerá a pena destacar que Erédia produziu por estes anos a mais extensa e documentada descrição de Malaca desde os tempos de Tomé Pires, na qual se podem colher abundantes notícias sobre a vida económica e social da praça e de todas as regiões circundantes25.

  • 26 Ver, a propósito, James C. BOYAJIAN, Portuguese Trade in Asia…
  • 27 Sobre esta carreira mercantil, ver Charles R. BOXER, The great ship from Amacon: Annals of Macao an (...)

17Outra das consequências da União Ibérica, no que toca a Malaca, foi uma relativa liberalização do comércio. Por estes anos, com efeito, a Coroa lusitana – agora sob dominação espanhola – abandonara algumas das práticas monopolistas que haviam caracterizado as primeiras décadas de experiência asiática, e passara a concessionar a privados muitas das viagens mercantis que partiam de Malaca26. Entretanto, estes são também os anos de ouro da nau da China, a viagem que se efectuava anualmente entre Goa e Macau, e com uma extensão até Nagasáqui desde inícios da década de 1570. O entreposto de Malaca não podia deixar de beneficiar da regular passagem deste enorme navio da Coroa lusitana e das embarcações menores que sempre o acompanhavam no trajeto até ao arquipélago nipónico, e que transportavam a bordo fabulosos carregamentos de porcelanas, sedas e muitas outras mercadorias exóticas27.

  • 28 Ver José Manuel GARCIA, «Relações históricas entre Macau e as Filipinas: uma perspectiva portuguesa (...)
  • 29 Resulta essencial a abordagem de James C. BOYAJIAN, Portuguese Trade in Asia… Para o estudo de um c (...)
  • 30 Jacques de COUTRE, Andanzas Asiáticas, ed. Eddy Stols, B. N. Teensma & J. Werberckmoes, Madrid: His (...)
  • 31 Referência em Sanjay SUBRAHMANYAM, Improvising Empire: Portuguese Trade and Settlement in the Bay o (...)

18A união das coroas de Portugal e de Espanha permitiu também uma relativa aproximação entre Macau e Manila. Anteriormente a 1582, as relações entre ambos os portos eram oficialmente proibidas. Mas depois da subida de Felipe II ao trono de Portugal, os contactos de natureza sobretudo privada entre Macau e Manila conheceram desenvolvimentos importantes. Curiosamente, as autoridades de Macau foram especialmente cuidadosas, não permitindo o estabelecimento de espanhóis na cidade do rio das Pérolas, por motivos ligados à manutenção de um bom relacionamento com os mandarins de Cantão, que, para além dos portugueses, não pareciam tolerar outras ingerências estrangeiras28. O mesmo não sucedeu em Manila, onde o almojarifazgo régio registou regularmente a presença de comerciantes portugueses, muitos dos quais mantinham residência naquela cidade e estavam inseridos em redes mercantis de âmbito verdadeiramente mundial, ligadas a famílias de cristãos-novos29. Malaca terá beneficiado indirectamente desta aproximação entre Macau e Manila, pois na passagem do século XVI para o século XVII multiplicam-se os contactos marítimos directos entre o porto luso-malaio e a cidade filipina, como o testemunham relatos de diversos viajantes europeus, entre os quais o flamengo Jacques de Coutre, que em 1597 viajou sem problemas de maior entre Malaca e Manila, regressando depois ao ponto de partida30. Houve mesmo quem sugerisse o início de uma ligação regular e directa entre Malaca e Manila; contudo, a ideia não mereceu a aprovação das autoridades do Estado da Índia31.

19Mas a união de coroas que tivera lugar na Península Ibérica deu também origem a desenvolvimentos menos positivos para o império oriental dos portugueses. Algumas potências europeias mantinham conflitos abertos com Espanha, que de súbito passaram a envolver também Portugal. Tal foi a caso dos Países Baixos, que em 1595 pela primeira vez despacharam para o Oriente uma expedição marítima sob o comando de Cornelis de Houtman, antigo morador de Lisboa, a qual viajou directamente até à ilha de Java, sem fazer qualquer escala em outros territórios asiáticos, para depois regressar a salvo à Europa. Esta rota meridional, nunca antes ensaiada pelos portugueses, fora adoptada a conselho de Jan Huygen van Linschoten, que durante a década de 1580 vivera em Goa, onde tivera ocasião de recolher preciosas informações geográficas e cartográficas sobre o mundo asiático, que no seu regresso aos Países Baixos se apressou a divulgar sob forma impressa, no seu conhecido Itinerario, impresso em Amesterdão em 1595.

  • 32 Portada reproduzida a partir de Jan Huygen van LINSCHOTEN, Itinerário, Viagem ou Navegação de Jan H (...)

Itinerario de Jan Huygen van Linschoten, 159532.

Itinerario de Jan Huygen van Linschoten, 159532.
  • 33 Jan Huygen van LINSCHOTEN, Itinerário…, p. 116-118.
  • 34 Sobre a expansão holandesa no Oriente, ver Ernst van VEEN, Decay or Defeat? An inquiry into the Por (...)

20Linschoten afirmava a respeito da ilha de Java que seria «um bom lugar para traficar, sem impedimento de ninguém, pois os portugueses aí não vêm, uma vez que são os próprios javaneses que tudo levam a Malaca, para venderem no mercado»33. As notícias trazidas por esta expedição provavam sem qualquer dúvida que o monopólio português da rota do Cabo não era completamente estanque e de imediato desencadearam preparativos desenfreados para novos empreendimentos asiáticos. Poucos anos mais tarde, os neerlandeses estabeleciam uma base sólida no norte da ilha de Java, no porto de Jacatra, mais tarde designado como Batávia, e organizavam uma companhia mercantil, a VOC ou Vereenigde Oostindische Compagnie, especificamente vocacionada para comerciar nas Índias Orientais34.

  • 35 Sobre este incidente e o respectivo contexto, ver Peter BORSCHBERG, «The Santa Catarina incident of (...)

21A partir de então, a situação no Oriente nunca mais voltaria a ser a mesma, pois a VOC, dirigida por um conselho alargado, começou a levar a cabo uma política consistente relativamente aos assuntos asiáticos, não totalmente dissimilar da que os portugueses haviam adoptado um século antes: conquista de bases sólidas em lugares estratégicos, demonstração de superior poder naval e militar, construção de feitorias mercantis por toda a Ásia marítima, estabelecimento de alianças com potentados asiáticos, intervenção consistente nas redes mercantis orientais, e política de agressão sistemática contra os interesses portugueses. Os números, só por si, são significativos: entre 1595 e 1605, no curto espaço de uma década, a Holanda e a Zelândia despacharam cerca de uma centena de navios rumo às Índias Orientais. E os ataques neerlandeses concentravam-se precisamente em Malaca e na navegação portuguesa que demandava aquele porto luso-malaio. Talvez o feito mais espectacular, nestes primeiros anos de conflito aberto luso-neerlandês, fosse a captura por Jacob van Heemskerk, perto de Johore nos princípios de 1603, da grande nau Santa Catarina, oriunda de Macau. De acordo com estimativas ibéricas coetâneas, sem dúvida algo exageradas, esta era a mais poderosa e rica nau que jamais partira da China para Malaca, levando a bordo um fabuloso carregamento de sedas e de porcelanas avaliado em mais de um milhão de cruzados, qualquer coisa como o equivalente a cerca de 28 toneladas de prata35.

  • 36 Jorge Manuel dos Santos ALVES & Pierre-Yves MANGUIN, O Roteiro das Cousas do Achem de D. João Ribei (...)
  • 37 Ver Jorge de LEMOS, História dos Cercos de Malaca, ed. Pedro da Silveira, Lisboa: Biblioteca Nacion (...)

22A situação de Malaca tornou-se progressivamente mais complicada. A pressão do sultanato de Achém mantinha-se, com ataques periódicos e regulares anúncios de assédio à praça luso-malaia. Figuras destacadas do Estado da Índia proclamavam a necessidade de atacar de frente o problema, através da conquista da parte setentrional da ilha de Samatra. Dom João Ribeiro Gaio, bispo de Malaca, no seu Roteiro das cousas do Achem, manuscrito preparado entre 1584 e 1588, advogava abertamente esta hipótese36. Mas não era o único a defendê-la, pois outros portugueses com experiência oriental, nas últimas décadas do século XVI, advogavam precisamente a mesma ideia, notavelmente Jorge de Lemos, autor da Hystoria dos cercos que Achens & Iaos puserão a Malaca, (impressa em Lisboa em 1585), e Diogo do Couto, o conhecido cronista das Décadas da Ásia (que foram publicadas em Lisboa a partir de 1602)37. Agora, terminada a centúria de Quinhentos, uma nova ameaça se desenhava no horizonte, por obra dos neerlandeses, que bloqueavam a entrada do porto luso-malaio nas épocas críticas da monção, rondavam os Estreitos em demanda de navios mercantes portugueses, desenvolviam uma activa diplomacia anti-portuguesa junto dos potentados regionais, e montavam mesmo assédios em forma à praça de Malaca.

  • 38 Ver Charles R. BOXER & José Frazão de VASCONCELOS, André Furtado de Mendonça, Macau: Fundação Orien (...)
  • 39 Para um recente estudo sobre as últimas décadas da presença portuguesa em Malaca, ver Anthony DISNE (...)
  • 40 Sobre este episódio, ver Peter BORSCHBERG, «Security, VOC Penetration and Luso-Spanish Co-operation (...)
  • 41 Ver A. Botelho de SOUSA, Nuno Álvares Botelho, Capitão Geral das Armadas de Alto Bordo e Governador (...)
  • 42 António BOCARRO, O Livro das Plantas de todas as Fortalezas, Cidades e Povoações do Estado da Índia (...)

23Em 1606, Cornelis de Matelief de Jonge pôs cerco à cidade durante quatro meses, até à chegada de reforços lusitanos da Índia, sob o comando do vice-rei Dom Martim Afonso de Castro38. As autoridades portuguesas, a partir de Goa, procuraram manter o apoio logístico e militar a Malaca nos anos que se seguiram, de modo a fazer face às ameaças dos recém-chegados europeus39. Houve mesmo ocasiões em que o auxílio veio directamente de Manila, como em 1615-1616, através de uma poderosa armada comandada pelo governador das Filipinas, Don Juan de Silva, que viria a falecer em Malaca40. Entretanto, uma das campanhas anti-neerlandesas mais conseguidas foi coordenada por Nuno Álvares Botelho, que em 1629-1630 conseguiu significativas vitórias na região dos Estreitos41. Mas ao longo das primeiras décadas do século XVII os neerlandeses foram consolidando posições na Insulíndia, construindo fortalezas, dominando rotas marítimas, controlando centros de produção e de distribuição de mercadorias, estabelecendo tratados de amizade e de cooperação com inúmeros potentados indonésios, hostilizando outros sempre que tal parecia necessário, através de uma política coordenada e de um modelo de actuação organizado. Curiosamente, recorriam por sistema à língua portuguesa nos seus contactos com o mundo asiático, já que um português mais ou menos asiatizado assumira desde longa data estatuto de língua franca em muitos centros portuários orientais. Por volta de 1635, o cronista António Bocarro chamava a atenção, desde Goa, para o declínio irreversível dos rendimentos da alfândega de Malaca, apontando como principais causas, por um lado, o facto dos «olandezes terem senhoriado todo o comercio do Sul» e, por outro lado, a circunstância de «as principais rotas marítimas correrem oje por suas mãos» e eles «impedirem a passajem das nossas embarcações da banda da China, Manilha e Maluco, com assistencia continua que fazem naquelle Estreito»42.

  • 43 Sobre a queda de Malaca, vale ainda a pena consultar P. A. LEUPE, «The Siege and Capture of Malacca (...)
  • 44 Ver, a propósito, Jacky DOUMENJOU, Recherche sur les communautés interlopes portugaises dans l’arch (...)
  • 45 Charles R. BOXER, Francisco Vieira de Figueiredo: A Portuguese Merchant-adventurer in South East As (...)
  • 46 Ver Maria do Carmo Mira BORGES, Os Portugueses e o Sultanato de Macaçar no Século XVII, Cascais: Câ (...)

24Enfim, em Janeiro de 1641, na sequência de um cerco de cinco meses e meio, os neerlandeses conquistavam a cidade de Malaca43. Após décadas de resistência a assédios e ataques de toda a ordem, por parte de rivais asiáticos e europeus, a praça portuguesa sucumbia finalmente ao assalto de forças europeias equipadas com superiores meios navais e militares, frente aos quais as fortificações existentes se revelaram insuficientes. Após a conquista holandesa de Malaca, os moradores da cidade que a decidiram abandonar seguiram vários destinos. Um primeiro grupo, no qual se incluíam altos funcionários portugueses, foi levado sob prisão para Batávia, de onde em anos subsequentes alguns destes foram sendo resgatados. Não é improvável que antigos residentes de Malaca se tenham fixado naquela cidade javanesa, pois sabe-se que alguns anos mais tarde ali existia uma importante comunidade de origem portuguesa. Outro grupo significativo dos moradores da antiga praça lusitana ter-se-á espalhado pelas cidades portuárias de Java e de Samatra, numa diáspora ainda pouco conhecida44. Ainda outro agrupamento encaminhou-se para diversos estabelecimentos portugueses na Índia. Um quarto conjunto de moradores rumou a Macau, cidade que se manteve sob administração portuguesa através de todas as crises de meados do século XVII. Enfim, um último grupo de antigos residentes de Malaca dirigiu-se para Macáçar, onde anteriormente existia já uma importante comunidade luso-asiática. Pouco tempo antes, em 1638, o vice-rei Pêro da Silva, escrevendo para a Europa a respeito do soberano macáçar, afirmara que «em todo o Archipelago do Sul, não houve outro que com mais firmesa e amor recolhesse aos portugueses»45. Durante duas décadas, aquele sultanato da parte meridional das Celebes abrigará uma próspera comunidade portuguesa, que manterá intensas ligações mercantis através de todos os mares orientais46.

  • 47 Sobre o Japão, ver Valdemar COUTINHO, O Fim da Presença Portuguesa no Japão, Lisboa: Sociedade Hist (...)
  • 48 Ver Glenn J. AMES, Renascent Empire? The House of Braganza and the Quest for Stability in Portugues (...)

25A queda da praça luso-malaia, que tinha estado em mãos portuguesas desde os tempos de Afonso de Albuquerque, coincidiu cronologicamente com a expulsão definitiva dos portugueses do Japão, que ocorrera em 1639 e que constituiu um abalo profundo para os interesses portugueses na região do Mar do Sul da China, e também com a restauração da independência em Portugal em 1640, com a subida ao trono de Dom João, duque de Bragança, em rebelião aberta contra Espanha47. A partir de então, as relações dos portugueses com as Filipinas passariam a ser mais problemáticas. No espaço de poucos anos, pois, assistia-se na parte mais oriental da Ásia a alterações muito significativas no jogo de forças entre as potências europeias. A perda de Malaca constituiu um rude golpe para o Estado da Índia, tanto do ponto de vista simbólico, como em termos políticos, militares e comerciais. As ligações entre as bases lusitanas situadas na parte ocidental do Índico (e sobretudo Goa) e aquelas que se localizavam para leste do Estreito de Singapura (como Macau, Solor e Timor, por exemplo), tornaram-se mais difíceis. Mas em anos seguintes as autoridades lusitanas conseguirão desenvolver mecanismos de adaptação e de resistência, que permitirão a sobrevivência da presença portuguesa, quer na sua componente oficial, centrada sobretudo na costa ocidental da Índia, quer na sua componente informal, dispersa por uma miríade de comunidades luso-asiáticas espalhadas por toda a Ásia marítima48. Contra todas as expectativas, o império português sobrevivia à ameaça neerlandesa e à queda de Malaca.

Haut de page

Notes

1 Sobre a transição dinástica em Portugal, ver Rafael VALLADARES, A Conquista de Lisboa: Violência Militar e Comunidade Política em Portugal, 1578-1583, trad. Manuel Marques, Alfragide: Texto Editores, 2010.

2 A fórmula remete para a obra célebre de Carlo CIPPOLA, Canhões e velas na primeira fase da expansão europeia: 1400-1700, trad. Ana Mónica Faria de Carvalho, Lisboa: Gradiva, 1989.

3 Ver uma síntese da construção do império oriental português em Sanjay SUBRAHMANYAM, The Portuguese Empire in Asia, 1500-1700: A Political and Economic History, Londres/Nova Iorque: Longman, 1993.

4 Sobre esta ligação marítima, ver Rui Landeiro GODINHO, A Carreira da Índia: Aspectos e problemas da torna-viagem, 1550-1649, Lisboa: Fundação Oriente, 2005.

5 A Suma circulou manuscrita de modo assaz limitado, nos círculos ligados à Coroa lusitana. O erudito veneziano Giovanni Battista Ramusio publicou em Veneza, em 1550, uma tradução italiana parcial, que não incluía a secção dedicada a Malaca. A primeira edição moderna foi publicada por Armando Cortesão em 1944, nas colecções da Hakluyt Society. Ver Armando CORTESÃO (ed.), A Suma oriental de Tomé Pires e o Livro de Francisco Rodrigues, Coimbra: Imprensa da Universidade, 1978.

6 Armando CORTESÃO (ed.), A Suma Oriental…, p. 441.

7 Ver Roderich PTAK, «Reconsidering Melaka and Central Guangdong: Portugal's and Fujian's Impact on Southeast Asian Trade (Early Sixteenth Century)», in: Peter Borschberg (ed.), Iberians in the Singapore-Melaka Area (16th to 18th Century), Wiesbaden / Lisboa: Harrassowitz Verlag/Fundação Oriente, 2004, p. 1-21.

8 O original conserva-se no Arquivo Nacional Torre do Tombo, em Lisboa, e é aqui reproduzido a partir da versão impressa em Gaspar CORREIA, Lendas da Índia (1860-1866), vol. II, p. 250-251 (Lenda de Albuquerque, cap. 29).

9 Gaspar CORREIA, Lendas da Índia (1860-1866), ed. Manuel Lopes de Almeida, 4 vols., Porto: Lello & Irmão, 1975.

10 Sobre a fortaleza de Malaca, ver Rui Manuel LOUREIRO, «Historical Notes on the Portuguese Fortress of Malacca (1511-1641)», Revista de Cultura/Review of Culture, 27, 2008, p. 78-96.

11 Roderich PTAK, «Reconsidering Melaka and Central Guangdong».

12 Para uma abordagem informada da história de Malaca nesta época, ver Luís Filipe F. R. THOMAZ, Early Portuguese Malacca, trad. Manuel Joaquim Pintado & Maria Pia Mozart Silveira, Macau: Comissão Territorial de Macau para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses & Instituto Politécnico de Macau, 2000.

13 O estudo clássico sobre este mundo asiático continua a ser M. A. P. MEILINK-ROELOFSZ, Asian Trade and European Influence in the Indonesian Archipelago between 1500 and about 1630, Haia: Martinus Nijhoff, 1969.

14 Ver o estudo fundamental de James C. BOYAJIAN, Portuguese Trade in Asia under the Habsburgs, 1580–1640, Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 2008.

15 Ver reprodução e estudo deste desenho em Pierre-Yves MANGUIN, «Of Fortresses and Galleys: The 1568 Acehnese Siege of Melaka, after a Contemporary Bird’s-eye View», Modern Asian Studies, 22 (3), 1988, p. 607-628.

16 Pierre-Yves MANGUIN, «Of Fortresses and Galleys…», p. 626.

17 Para uma análise das complicadas relações de Malaca com as potências da região, ver Paulo Jorge de Sousa PINTO, Portugueses e Malaios: Malaca e os Sultanatos de Johor e Achém, 1575-1619, Lisboa: Sociedade Histórica da Independência de Portugal, 1997, e Jorge Manuel dos Santos ALVES, O Domínio do Norte de Samatra: A História dos Sultanatos de Samudera-Pacém e Achém, e suas Relações com os Portugueses (1500-1580), Lisboa: Sociedade Histórica da Independência de Portugal, 1999.

18 A respeito dos jesuítas na Ásia, ver Dauril ALDEN, The Making of an Enterprise: The Society of Jesus in Portugal, Its Empire, and Beyond, 1540-1750, Stanford, Califórnia: Stanford University Press, 1996. Sobre o ambiente de guerra religiosa nesta época na Ásia do Sudeste, ver Anthony REID, Southeast Asia in the Age of Commerce, 1450-1680, 2 vols., New Haven / Londres: Yale University Press, 1988-1993, vol. II, p. 132-201. Sobre o referido sultão do Achém, ver o estudo clássico de Denys LOMBARD, Le sultanat d’Atjeh au temps d’Iskandar Muda, 1607-1636, Paris: École Française d’Extrême-Orient, 1967.

19 Sobre o estabelecimento dos espanhóis nas Filipinas, ver Manel OLLÉ, La empresa de China: De la Armada Invencible al Galeón de Manila, Barcelona: El Acantilado, 2002, e também Clotilde JACQUELARD, De Séville à Manille, les Espagnols en mer de Chine 1520-1610, Paris: Les Indes Savantes, 2015.

20 Sobre a União Ibérica em contexto asiático, para além de James C. BOYAJIAN, Portuguese Trade in Asia…, ver Rafael VALLADARES, Castilla y Portugal en Asia (1580-1680): Declive imperial y adaptación, Lovaina: Leuven University Press, 2001.

21 O manuscrito original conserva-se na Biblioteca Nacional de Espanha, e é aqui reproduzido a partir da edição de F. P. Mendes da LUZ (ed.), Livro das cidades, e fortalezas, que a Coroa de Portugal tem nas partes da India, Lisboa: Centro de Estudos Históricos Ultramarinos, 1960.

22 F. P. Mendes da LUZ (ed.), Livro das cidades, e fortalezas…, fl. 58.

23 Para este período, ver o estudo de Manuel LOBATO, Política e comércio dos portugueses na Insulíndia: Malaca e as Molucas de 1575 a 1605, Macau: Instituto Português do Oriente, 1999.

24 Ver Rui Manuel LOUREIRO, «Historical Notes on the Portuguese Fortress of Malacca…». Relativamente a Erédia, ver Rui Manuel LOUREIRO, «Manuel Godinho de Erédia e os seus tratados geográficos/Manuel Godinho de Erédia and his treatises on geography», Oriente, 9, 2004, p. 94-107.

25 Para uma edição moderna da «Declaraçam de Malaca», ver Manuel Godinho ERÉDIA, Eredia’s Description of Malaca, Meridional India, and Cathay, ed. J. V. Mills & Cheah Boon Kheng, Kuala Lumpur: Malaysian Branch of the Royal Asiatic Society, 1997.

26 Ver, a propósito, James C. BOYAJIAN, Portuguese Trade in Asia…

27 Sobre esta carreira mercantil, ver Charles R. BOXER, The great ship from Amacon: Annals of Macao and the old Japan trade, 1555-1640, Lisboa: Centro de Estudos Históricos Ultramarinos, 1963.

28 Ver José Manuel GARCIA, «Relações históricas entre Macau e as Filipinas: uma perspectiva portuguesa», Anuario de Estudios Americanos, 65 (2), 2008, p. 39-70; e também Rui d’Ávila LOURIDO, «O Comércio de Macau com as Filipinas: Galeão de Manila – Grande Nau de Macau», Revista de Cultura/Review of Culture, 32, 2009, p. 53-72.

29 Resulta essencial a abordagem de James C. BOYAJIAN, Portuguese Trade in Asia… Para o estudo de um caso singular, ver Lúcio de SOUSA, The Early European Presence in China, Japan, the Philippines and Southeast Asia (1555-1590): The Life of Bartolomeu Landeiro, Macau: Fundação Macau, 2010.

30 Jacques de COUTRE, Andanzas Asiáticas, ed. Eddy Stols, B. N. Teensma & J. Werberckmoes, Madrid: Historia 16, 1990, p. 143-148.

31 Referência em Sanjay SUBRAHMANYAM, Improvising Empire: Portuguese Trade and Settlement in the Bay of Bengal, 1500-1700, Nova Delhi: Oxford University Press, 1990, p. 161-187.

32 Portada reproduzida a partir de Jan Huygen van LINSCHOTEN, Itinerário, Viagem ou Navegação de Jan Huygen van Linschoten para as Índias Orientais ou Portuguesas, ed. Arie Pos & Rui Manuel Loureiro, Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1997.

33 Jan Huygen van LINSCHOTEN, Itinerário…, p. 116-118.

34 Sobre a expansão holandesa no Oriente, ver Ernst van VEEN, Decay or Defeat? An inquiry into the Portuguese decline in Asia, 1580-1645, Leiden: Research School of Asian, African, and Amerindian Studies, 2000, e também Robert PARTHESIUS, Dutch Ships in Tropical Waters: The Development of the Dutch East India Company (VOC) shipping network in Asia, 1595-1660, Amesterdão: Amsterdam University Press, 2010.

35 Sobre este incidente e o respectivo contexto, ver Peter BORSCHBERG, «The Santa Catarina incident of 1603: Dutch freebooting, the Portuguese Estado da Índia and Intra-Asian Trade at the Dawn of the 17th century», Revista de Cultura/Review of Culture, 11, 2004, p. 12-25.

36 Jorge Manuel dos Santos ALVES & Pierre-Yves MANGUIN, O Roteiro das Cousas do Achem de D. João Ribeiro Gaio: Um olhar português sobre o Norte de Samatra em finais do século XVI, Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1997.

37 Ver Jorge de LEMOS, História dos Cercos de Malaca, ed. Pedro da Silveira, Lisboa: Biblioteca Nacional, 1982, fls. 62-64. Sobre Couto, ver Rui Manuel LOUREIRO, A Biblioteca de Diogo do Couto, Macau: Instituto Cultural de Macau, 1998.

38 Ver Charles R. BOXER & José Frazão de VASCONCELOS, André Furtado de Mendonça, Macau: Fundação Oriente/Centro de Estudos Marítimos de Macau, 1989.

39 Para um recente estudo sobre as últimas décadas da presença portuguesa em Malaca, ver Anthony DISNEY, «Malacca in the Era of Viceroy Linhares (1629-35)», in Laura Jarnagin (ed.), The Making of the Luso-Asian World: Intricacies of Engagement, Singapura: Institute of Southeast Asian Studies, 2011, p. 48-66.

40 Sobre este episódio, ver Peter BORSCHBERG, «Security, VOC Penetration and Luso-Spanish Co-operation: The Armada of Philippine Governor Juan de Silva in the Straits of Singapore, 1616», in Peter Borschberg (ed.), Iberians in the Singapore-Melaka Area…, p. 35-62.

41 Ver A. Botelho de SOUSA, Nuno Álvares Botelho, Capitão Geral das Armadas de Alto Bordo e Governador da Índia, Lisboa: Agência Geral das Colónias, 1940.

42 António BOCARRO, O Livro das Plantas de todas as Fortalezas, Cidades e Povoações do Estado da Índia Oriental, ed. Isabel Cid, 3 vols. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1992, vol. 2, p. 254. Sobre a visão da ameaça holandesa nas fontes portuguesas da época, ver Rui Manuel LOUREIRO, «Early Portuguese Perceptions of the Dutch Threat», in Ernst van Veen & Leonard Blussé (eds.), Rivalry and Conflict: European Traders and Asian Trading Networks in the 16th and 17th Centuries, Leiden: CNWS Publications, 2005, p. 166-187.

43 Sobre a queda de Malaca, vale ainda a pena consultar P. A. LEUPE, «The Siege and Capture of Malacca from the Portuguese in 1640-1641», Journal of the Malayan Branch of the Royal Asiatic Society, 14, pt. 1, 1936, p. 1-178; ver também Charles R. BOXER, «Karl Marx and the Last Days of Portuguese Malacca, 1640-1641», in: Charles R. Boxer, Portuguese conquest and commerce in Southeast Asia, 1500-1750, Londres: Variorum Reprints, 1985, V, p. 123-128.

44 Ver, a propósito, Jacky DOUMENJOU, Recherche sur les communautés interlopes portugaises dans l’archipel insulindien au lendemain de la chute de Malacca, Leiden: Rijks Universiteit, 1992 [dissertação de doutoramento inédita].

45 Charles R. BOXER, Francisco Vieira de Figueiredo: A Portuguese Merchant-adventurer in South East Asia, 1624-1667, Haia: Martinus Nijhoff, 1967, p. 57.

46 Ver Maria do Carmo Mira BORGES, Os Portugueses e o Sultanato de Macaçar no Século XVII, Cascais: Câmara Municipal de Cascais, 2005.

47 Sobre o Japão, ver Valdemar COUTINHO, O Fim da Presença Portuguesa no Japão, Lisboa: Sociedade Histórica da Independência de Portugal, 1999; sobre a Restauração, ver Rafael VALLADARES, A Independência de Portugal: Guerra e Restauração, 1640-1680, trad. Pedro Cardim, Lisboa: A Esfera dos Livros, 2006.

48 Ver Glenn J. AMES, Renascent Empire? The House of Braganza and the Quest for Stability in Portuguese Monsson Asia, ca.1640-1683, Amesterdão: Amsterdam University Press, 2000, e também George Bryan SOUZA, The Survival of Empire: Portuguese Trade and Society in China and the South China sea, 1630-1754, Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Malaca, desenho de Gaspar Correia, c. 1520-15308.
URL http://e-spania.revues.org/docannexe/image/25971/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 1,2M
Titre Anónimo, Livro das cidades, e fortalezas, 158221.
URL http://e-spania.revues.org/docannexe/image/25971/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 1,2M
Titre Itinerario de Jan Huygen van Linschoten, 159532.
URL http://e-spania.revues.org/docannexe/image/25971/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 3,2M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Rui Manuel Loureiro, « Uma cidade cercada: Malaca durante a União Ibérica (1580-1640) », e-Spania [En ligne], 25 | octobre 2016, mis en ligne le 01 octobre 2016, consulté le 22 juin 2017. URL : http://e-spania.revues.org/25971 ; DOI : 10.4000/e-spania.25971

Haut de page

Auteur

Rui Manuel Loureiro

Universidade Nova de Lisboa & Universidade dos Açores, CHAM, FCSH

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Les contenus de la revue e-Spania sont mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo CLEA
  • Logo GDRE AILP
  • Logo DOAJ
  • Revues.org