Navigation – Plan du site
A Crónica de 1344 e a historiografia pós-alfonsina

A Castela do Conde nos reinados finais da Crónica de 1344

António Resende de Oliveira

Résumés

Pierre de Barcelos termine sa Chronique de 1344 par un bref compte-rendu des quatre règnes castillans absents des chroniques alphonsines ou de celles qui en dépendaient : ceux d’Alphonse X, Sanche IV, Ferdinand IV et Alphonse XI. Il s’approchait ainsi de l’époque où il vivait et de rois dont il a pu rencontrer quelques-uns. Le but de ce texte est de préciser le regard du Comte et l’image qu’il a transmise de cette période de l’histoire castillane.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 A bibliografia sobre os conflitos políticos, individualmente considerados, que se prolongam até mea (...)
  • 2 Refiro-me à Crónica de los Tres Reyes e à Crónica de Alfonso XI, de Fernán Sánchez de Valladolid, q (...)

1A última década do governo de D. Afonso X, com o descontentamento crescente da nobreza, o desabar do sonho imperial alimentado desde 1257 e a morte do herdeiro Fernando de la Cerda, deu início a um período difícil da história castelhana, em que a mistura de problemas sucessórios, de menoridades régias e das ambições de infantes e membros da mais alta nobreza ameaçou, em diferentes momentos, a soberania régia e a integridade do território1. E o clima de alguma instabilidade vivido a partir de então não criou as melhores condições para dar continuidade ao projecto alfonsino de afirmação da monarquia com base na construção de uma cronística régia em língua vulgar. Em Castela esta estratégia somente seria retomada2 no preciso momento em que, em Portugal, o conde D. Pedro se propunha concluir a sua Crónica com uma referência aos reis que se seguiram a Fernando III: D. Afonso X, D. Sancho IV, D. Fernando IV e D. Afonso XI.

  • 3 A actividade militar contra os muçulmanos só excepcionalmente tem um lugar de destaque. Tal acontec (...)
  • 4 A esta diversidade de fontes deverá agregar-se, neste caso, a própria intervenção do Conde na segun (...)
  • 5 Cf. M. R. FERREIRA et al., Q2, §72, 76 e 83.

2Embora as fontes concretas utilizadas pelo Conde para estes novos reinados continuem a constituir um enigma, o processo de compilação da Crónica de 1344 terá de ter continuado largamente dependente do recurso a fontes exteriores. E a comparação com o relato dos reinados anteriores é esclarecedora do abrandamento da produção historiográfica ocorrido em Castela, com as atenções da corte pressionadas pelas acções conducentes à sobrevivência do poder régio e menos orientadas para um registo da actuação dos monarcas tendo em vista a construção cronística da memória dinástica. Não admira, portanto, que a Crónica de 1344 não apresente mais do que uma breve resenha de cada um dos reinados, apenas um pouco mais alargada no tratamento do governo do último dos reis, coevo do próprio Conde. E não admira também que, por outro lado, se manifeste, por vezes, a sensação de utilização de materiais dispersos e das dificuldades em cerzir esses materiais numa redacção coerente e disposta sequencialmente, ou que surjam mesmo referências demasiado breves a actividades desde sempre associadas à afirmação da dinastia régia, como a condução da guerra contra os muçulmanos3. Veja-se, a título de exemplo do primeiro dos problemas indicados, a morte do infante D. Fradique e de Simão Rodrigues dos Cameros, mencionada por três vezes nos dois primeiros capítulos do reinado de D. Afonso X, em contextos tão díspares que deverão pressupor, no mínimo, o recurso a duas fontes diversas que continham uma ou mais referências a um acontecimento que não poderia deixar de ter tido eco no meio nobiliárquico castelhano de finais do século XIII4. Tratar-se-ia, afinal, de um descuido na conciliação das fontes manuseadas ou de um reforço da afirmação da sem razão do monarca, em acto suscitado “por arte de astrología”, “por voluntad e non por merescimiento” ou “sin derecho e como non devía”?5

O reino e os reinos

3Não sendo a Crónica de 1344 uma crónica régia, mas estruturando-se, neste ponto, com base na sequência de reinados, importa situar desde logo, no sentido de obtermos a imagem da Castela de finais de duzentos e inícios de trezentos que é veiculada por esta obra historiográfica, o rei e a corte no território por eles dominado. E, embora não haja uma atenção uniforme à presença do monarca nesse território, se tomarmos como comparação o reinado de D. Afonso X, ela não parece ter sofrido uma alteração muito significativa.

  • 6 Veja-se o balanço efectuado em A. Resende de OLIVEIRA, “Na casa de Afonso X. O rei, a corte e os tr (...)

4Na verdade, com a conquista de Sevilha em 1248, esta cidade transformara-se rapidamente no principal local de estadia da corte, em resultado não só da qualidade e magnificência dos palácios deixados pelo anterior poder, mas também da sua situação defronte à última fronteira muçulmana do território, quando se tornou evidente a permanência na Península do reino de Granada. Estas e outras razões mais conjunturais estão na base de largas permanências do Sábio nesta povoação, que deixou a larga distância nas preferências do monarca cidades como Múrcia, Toledo, Córdova ou Burgos6.

  • 7 M. R. FERREIRA et al., Q2, §75, 78, 86 e 88.

5A narrativa sobre o governo de Afonso X nos reinados finais da Crónica de 1344 confirmaria, se necessário fosse, a primazia de Sevilha, uma grande encruzilhada onde está o rei ou para onde ele se dirige, ou que é demandada por quem o procura7.

  • 8 M. R. FERREIRA et al., Q2, §122, 129-131, 137-139, 142-143, 146, 150, 153 e 155.
  • 9 Para Valhadolide, FERREIRA et al., Q2, §120 e 125.
  • 10 Cf. M. R. FERREIRA et al., Q2, §121 e 123, e FERREIRA et al., U §100. Para o último destes exemplos (...)

6A avaliar pela presença impositiva da mesma cidade no reinado de D. Afonso XI, essa situação permaneceria ainda por meados do século XIV. Tal como acontecera com Afonso X, Sevilha parece nortear toda a circulação da corte, assinalando-se aí a sua estadia, a sua viagem para a cidade ou a sua chegada lá, a presença de embaixadores que pretendem ver o rei, a partida daí em direcção ao Norte ou a reunião ou ordenação nela da hoste para “correr tierra de moros8. Acompanhando, já de longe, a visibilidade sevilhana, apenas espreitam Córdova e Valhadolide. A primeira pelo facto de ter sido escolhida por D. Sancho IV como baluarte da sua oposição ao pai nos últimos anos do reinado do Sábio, a segunda por ter sido eleita como local da reunião de deposição do mesmo monarca, mas também pelo papel desempenhado na criação de Afonso XI, pela ocasional visita desse monarca ou pela estadia aí de outros membros da família régia9. A presença de Afonso XI em Toro, povoação próxima de Valhadolide, ficaria conhecida por razões nefastas para a oposição política ao monarca: a morte de D. João o Torto, filho do infante D. João, que se coligara com o tortuoso D. João Manuel, ou a prisão da filha deste último10.

  • 11 Sobre os problemas colocados pela itinerância régia no contexto medieval, deve consultar-se e-Spani (...)

7Casualmente, a primeira e a última das referências geograficamente situadas dos monarcas nesta parte final da obra do Conde colocam Afonso X em Burgos e Afonso XI a sair de Madrid em direcção a Valência de Alcântara. O relato remetia assim, no início, para o antigo centro político castelhano — posto em causa pela avalanche conquistadora do segundo quartel do século XIII — e, no fim, para aquela que viria a ser a capital da nova unidade político-territorial saída, nos finais da Idade Média, da conquista de Granada e da aglutinação de Castela com Navarra e Aragão11.

  • 12 É sobejamente conhecido que, a partir da primeira década do século XI, se iniciou um processo de fr (...)
  • 13 M. R. FERREIRA et al., Q2, §127.

8A corte destes reis movimentava-se num reino constituído por outros reinos, cuja designação permanecera mesmo se faltava já a realidade política que lhes estivera subjacente. Os mais visíveis são os reinos de Castela e de Leão, mas não faltam também as referências, entre outros, aos reinos de Niebla, de Sevilha, de Toledo ou de Múrcia, memórias da própria fragmentação da Espanha muçulmana12. Todos tinham um carácter regional mais ou menos acentuado, e somente Castela parecia transcender essa condição, alcandorando-se à identificação do conjunto do reino quando associado ao nome do rei, à sua mera designação como “rey de Castilla”, ou mesmo isoladamente. Na sequência do casamento de Afonso XI, em Alfaiates, com D. Maria de Portugal, o cronista limita-se a dizer: “Después que las bodas fueron fechas, tornose para Castilla muy ledo e contento con su muger13.

  • 14 Veja-se, para além da referida na nota anterior, M. R. FERREIRA et al., Q2, §132, 136, 146 (referin (...)
  • 15 M. R. FERREIRA et al., Q2, §118.
  • 16 M. R. FERREIRA et al., Q2, §72, e ainda 75, 79, 82, 83, 85.

9Seguindo o percurso dos quatro reinados, é notório, porém, que este ascendente de Castela na titulação régia parece afirmar-se de uma maneira inequívoca apenas durante o governo do último rei. A expressão “rey don Alfonso de Castilla”, persistente nos capítulos a ele dedicados14, define já um domínio régio que, impondo-se sobre a antiga Castela, anterior a 1230, inclui igualmente não apenas o território leonês, mas também todos os reinos resultantes da prossecução da reconquista desde a unificação de Castela e de Leão. Ou seja, reflecte claramente a centralidade do legado sucessório de Fernando de Navarra, futuro Fernando Magno, que se mantivera como pólo central do poder e, portanto, do dinamismo do reino castelhano-leonês. Já nos finais do reinado de D. Fernando IV, o cronista, ao associar a reconquista ao desejo do monarca de acrescentar a sua honra e a “de los regnos de Castilla”, dava conta do ascendente dessa região, que se sobrepunha ao conjunto dos reinos que agregava15. No entanto, se recuarmos ao período de Afonso X, a regra era a presença conjunta da designação dos dois reinos cristãos reunidos sob Fernando Magno. Do Sábio se dirá “que avía de morir deseredado de los reinos de Castilla e de León”, associação que permanece nos capítulos deste reinado16. Terá sido, assim, com D. Sancho IV e D. Fernando IV que Castela, certamente acompanhando a manutenção do peso da região na estruturação de um reino progressivamente mais alargado – com as cidades mais procuradas pelo rei a situarem-se numa “espinha dorsal” que ia de Burgos a Sevilha –, se foi isolando na titulação régia utilizada pela cronística.

A guerra contra os muçulmanos

  • 17 Cf. M. GONZÁLEZ JIMÉNEZ, Alfonso X el Sabio, Barcelona: Ariel, 2004, cap. VI.
  • 18 Para um balanço recente da Batalha, Miguel Gomes MARTINS, De Ourique a Aljubarrota. A guerra na Ida (...)

10A reconquista, como ficou dito, não entusiasmou o cronista, que esqueceu mesmo a revolta mudéjar de 1264 e o seu controle por parte de Afonso X17. A verdade é que a estabilização da fronteira a partir dos anos sessenta, aliada à ameaça merinida e à frequente instabilidade interna, criaram equilíbrios porventura instáveis, mas propícios a incursões pouco profundas e com conquistas de alcance limitado. Foi o que aconteceu ao longo do último terço do século XIII e ainda no primeiro terço do seguinte, até que se deu a grande incursão merinida que conduziu à batalha do Salado ou de Tarifa18. Nessa altura, o cronista não pôde iludir a gravidade do momento, demorando-se na pormenorização do desenvolvimento da aliança entre os reis português e castelhano que conduziria ao embate final.

  • 19 M. R. FERREIRA et al., Q2, §70 e 93, respectivamente. Atente-se no modo como, no primeiro destes pa (...)
  • 20 M. R. FERREIRA et al., Q2, §117-118.
  • 21 M. R. FERREIRA et al., Q2, §118.

11Se olharmos para os dois primeiros reinados, a menção à actividade conquistadora dos monarcas é resolvida logo nos inícios de cada reinado com uma brevíssima referência a façanhas de cada um deles – no primeiro caso a conquista do reino de Niebla e no segundo a conquista de Tarifa –, dando por cumprida de forma claramente afoita a missão de registar a actividade bélica de Afonso X e Sancho IV19. Como se fosse necessário passar rapidamente ao tratamento de questões mais substantivas de cada um desses reinados. Já no reinado de Fernando IV, o cronista deixa para o final do reinado a abordagem do tópico, certamente acompanhando uma acção militar que se efectivou num período avançado do governo do rei20. Mas a referência às povoações cercadas ou conquistadas – Algeciras, Gibraltar, Rute e Alcaudete – não é de molde a valorizar a acção de um monarca de quem se diz que “aviendo grant sabor de acrescentar en su onra e de los regnos de Castilla, ayuntó su hueste e fue sobre los moros21. Na verdade, o cerco de Algeciras pelo monarca, apesar do apoio de D. Dinis com setecentos cavaleiros, não produz efeitos por falta de abastecimento do exército, enquanto, ao mesmo tempo, João Nunes de Lara conseguia tomar o castelo de Gibraltar. De igual modo, quando o infante D. Pedro, irmão do rei, vai cercar Rute, o cronista, secamente, diz que “el fue allá e tomóla”. Já o cerco de Alcaudete pelo monarca acabou por produzir efeito, desta vez, mas apenas porque o rei de Granada lhe cedeu a povoação. Ou seja, estas peripécias militares mais parecem narrativa de escárnio do que propriamente crónica régia.

  • 22 M. R. FERREIRA et al., Q2, §122 e 128.
  • 23 M. R. FERREIRA et al., Q2, §144-155.
  • 24 Maria do Rosário FERREIRA, “Pedro de Barcelos y la escritura de la Historia: estrutura de la redacc (...)

12Com Afonso XI tudo muda. Na verdade, ao contrário do que acontecera nos reinados anteriores, cerca de metade dos capítulos são dedicados à actividade militar contra os muçulmanos, o que diz bem da alteração verificada. Para além de algumas conquistas efectuadas nos anos anteriores – como Pruna, Olvera ou Torre-Alháquime, ou mesmo Teba, Hardales, Priego e Cañete, as últimas referidas na sequência do casamento do rei em Alfaiates com D. Maria de Portugal22 –, o cronista dedica uma atenção muito especial à batalha do Salado/Tarifa e ao conjunto de preparativos que conduziram a essa importante vitória sobre o exército muçulmano constituído por forças norte-africanas e granadinas23. Tendo sido recentemente realçado o papel atribuído pelo Conde a este embate na própria organização da Crónica de 134424, seria de esperar a valorização particular de uma vitória que marca o fim da ameaça merinida naquela que foi a última grande batalha da reconquista em solo peninsular. É também no âmbito desta narrativa que terá sido maior a intervenção do próprio Conde, muito atento e pormenorizado em todo o processo de negociações de carácter político-diplomático que antecederam a batalha e conduziram à aliança luso-castelhana que deixou a sua marca na empresa. Refiro-me, sobretudo, às movimentações do rei português durante a sua jornada alentejana até à ida para Sevilha e às dificuldades em reunir em tempo oportuno as forças portuguesas, sobretudo as mais afastadas do sul da Península, elementos que servem de preâmbulo a uma referência desculpabilizante do próprio Conde por não ter podido participar em tempo útil, não só pela pressão dos acontecimentos e a impossibilidade de chegar a tempo ao teatro das operações, mas também pelo estado de saúde precário em que diz encontrar-se e que o terá impedido de concluir a jornada:

  • 25 M. R. FERREIRA et al., Q2, sobretudo §144-152 (§151 para o excerto com a referência ao próprio cond (...)

E quando las cartas fueran dadas, el tienpo era ya tan alegado que non pudieron llegar al plazo que les era mandado […] los que eran d’entre Duero e Miñon nin de los otros lugares alongados. Ca el conde D. Pedro era hermano del rey don Alfonso, luego que ovo recabdo se partió de su tierra, non enbarganteque era mucho enfermo e defendieron los físicos. E yendo por el caminho, acrescentóle el dolor, e ya tantos non podía ir. E esto fue por quatro vezes. E quando isto vido, fizo-se levar en andas. Pero com todo esto, fizose la batalla entretanto, de la qual cosa, porque non llegó a ellos, le pesó mucho25.

Rei e nobreza: os confrontos políticos internos

  • 26 Para além das obras de César González Mínguez indicadas no início, para a fase inicial do conflito (...)

13No entanto, esta atenção à reconquista é, como dissemos, excepcional. Se olharmos para o conjunto dos reinados é notório que os alicerces da narrativa assentam nos problemas internos que afectam o reino castelhano a partir do início dos anos setenta do século XIII. Sobretudo a partir de 1272-1273, a previsível ruptura entre a alta nobreza e a corte encontrou rapidamente terreno propício para se eternizar com a morte, em 1275, do herdeiro do trono e a instabilidade política a que este acontecimento deu início, que se prolongou pelos reinados seguintes: questões sucessórias, menoridades régias, lutas dos infantes pelas regências, reivindicações de maior autonomia por parte de uma alta nobreza tardiamente senhorializada. É o conjunto das actividades resultantes desta explosiva conjunção de factores políticos que acaba por se sobrepor a todas as outras, orientando o olhar do cronista no seu percurso castelhano, peninsular e extra-peninsular26.

14Neste estudo, somente será possível escolher alguns percursos significativos para uma primeira avaliação do tipo de conflitos que se interpenetram numa perigosa rede que pôs em causa a integridade do reino: os que envolveram as linhagens da alta nobreza castelhana, os infantes e os reis ou governantes dos territórios vizinhos.

  • 27 M. R. FERREIRA et al., Q2, §83. Vejam-se as obras indicadas na nota anterior.
  • 28 Numa das referências, o cronista parece pretender mesmo que tudo foi desencadeado por uma mera ques (...)
  • 29 M. R. FERREIRA et al., Q2, §87 e 89, respectivamente.

15Apesar de a ruptura com a nobreza se ter desencadeado no tempo de Afonso X, e de ser feita menção três vezes aos assassinatos do infante D. Fradique e de Simão Rodrigues de Cameros, no âmbito desse reinado foi apenas no discurso do infante D. Manuel, na reunião de Valhadolide, que encontrámos elementos justificativos, numa perspectiva nobiliárquica, do levantamento da alta nobreza27. Relativamente às mortes mencionadas, somente se repisa, como vimos, a sua falta de merecimento e, portanto, a ausência de razoabilidade da justiça régia28. Na verdade, os conflitos entre Afonso X e os nobres acabam por ser lembrados apenas de modo muito indirecto, ao ser referida a presença de alguns magnates fora do reino, convocando para a crónica os reinos peninsulares ou de além-Pirenéus onde encontraram temporariamente acolhimento e, eventualmente, apoio para as suas pretensões. É o que se depreende quando se diz que D. João Nunes de Lara I se encontrava em França, ou que o irrequieto infante D. João jornadeou por Portugal e esteve além-mar ou em Granada, de onde “fizo mucho mal en la tierra de los cristianos29, ou seja, Castela.

  • 30 M. R. FERREIRA et al, Q2, §99-103 e §131-136.

16É nos reinados de D. Sancho IV e de D. Afonso XI que se torna mais notória a movimentação das tropas régias perante atitudes de rebeldia onde se associam, por vezes, elementos da mais alta nobreza, com saliência para os Lara, com membros da família régia – vejam-se os casos de D. João Nunes de Lara II e do infante D. João perante D. Sancho IV, ou de João Nunes de Lara III e de D. Juan Manuel no reinado de D. Afonso XI30. Invariavelmente, o exército régio avança para Norte cercando os nobres nas povoações a que se acolhem, depois de estes efectuarem roubos ou estragos na região, mormente por questões de abastecimento e preparação para os cercos. Alfaro, Castrotorafe, Escalona e Lerma, entre outras, encontram-se entre as localidades que viram a aproximação das forças régias e as negociações ou conquista que se seguiram. Algumas destas povoações encontravam-se posicionadas em locais estratégicos que permitiam, em caso de necessidade, a fuga do magnate para um dos reinos próximos. Foi o que aconteceu, nomeadamente, com o infante D. João na altura do assédio a Castrotorafe, em que João Nunes de Lara II permaneceu no terreno tratando das negociações enquanto o infante se afastava para Portugal:

  • 31 M. R. FERREIRA et al., Q2, §99-103.

E el rey fuese luego camino de Castro Torafe, onde el infante estava. E él, quando lo sopo, fuese para don Joán Nuñes, que lo tirara de la prisión, e díxole la sinrazón que le su hermano, el rey don Sancho, fazía sin ningún merescimiento. E entonce, se fue don Joán Nuñes com el para Castro Torafe. E el infante tomó su muger e sus fijos e toda su casa, e fuese para Portogal a um lugar que ha nombre Bregança31.

  • 32 Este capítulo não deixa, mesmo assim, de dar o toque à conflitualidade que marcou o reinado e de in (...)
  • 33 M. R. FERREIRA et al., Q2, §93.
  • 34 Sobre o infante D. João, dirá o cronista, lembrando o ano da sua morte, que era “uno de los mejores (...)
  • 35 Sobre a biografia deste infante veja-se o ensaio de Valeria BERTOLUCCI PIZZORUSSO, “Don Enrique/Don (...)

17Olhando para o curto reinado de D. Sancho IV vêmo-lo marcado – com a excepção do primeiro capítulo, que resolve também as questões genealógicas e da reconquista32 – pela conflitualidade quer interna, quer externa, resultante das questões sucessórias abertas em 1275 e dos posicionamentos da nobreza e dos infantes, aos quais se juntam sobretudo os reinos peninsulares (Portugal, Aragão e Granada), procurando fazer reverter em seu favor a situação de maior fraqueza resultante da divisão da elite castelhana, reavaliada e renovada a cada momento. Após um primeiro capítulo em que essa conflitualidade é mencionada genericamente – cito: “ovo siempre muchas tribulaciones con los reyes sus vezinos [...] e otrosí con los grandes de Castilla siempre ovo muchos desvaríos33 –, todo a narrativa se desenvolve desde a morte de D. Lopo Dias de Haro em Alfaro e a prisão do infante D. João, ainda no mesmo capítulo, até à saída do reino deste mesmo infante, passando o relato pela invasão de Castela por D. Afonso III de Aragão (em apoio às pretensões de D. Afonso de la Cerda), pelos estragos provocados em Aragão pelo rei castelhano, pela libertação do infante D. João e sua participação com o rei seu irmão na conquista de Tarifa, pelas perturbações que continua a causar no reino em coligação com D. João Nunes de Lara II e, depois, com D. João Afonso de Albuquerque, e, finalmente, pela sua saída do reino. Os dois últimos capítulos limitam-se a lançar a história do infante D. Henrique, tio do monarca, dado o papel que lhe caberá como regente no reinado seguinte. O que não é pouco. Bem vistas as coisas, e descontada a invasão aragonesa de Castela com os La Cerda e os Haro, o reinado é dominado pelas movimentações do infante D. João34, acolitado, por vezes, por João Nunes de Lara II, e pela história do infante D. Henrique, que constitui como dissemos uma espécie de preâmbulo ao lugar cimeiro que ocupará após a morte de Sancho IV35.

  • 36 O cronista, neste caso o próprio Conde, a dada altura do relato, desculpa-se da falta de desenvolvi (...)

18No reinado de D. Fernando IV, as questões sucessórias atingem o climax, com Maria de Molina protegendo o novo rei, seu filho, e tentando definir um rumo num reino ameaçado pelas pretensões de velhos e novos herdeiros, pela ambição de controlo da corte por parte de alguns infantes, pelas reivindicações territoriais das grandes linhagens e pela ameaça dos reinos limítrofes. Mais activos, os reis de Portugal e de Aragão (D. Dinis e D. Jaime II, respectivamente) posicionam-se no terreno em apoio às facções beligerantes e jogando com o governo castelhano na procura de ganhos territoriais nas respectivas fronteiras: D. Dinis conseguindo, em Alcanizes, alguns avanços ao Sul do Douro e na zona do Guadiana, Jaime II conquistando o reino de Múrcia. Acabaria por dividi-lo com Castela pelos inícios do novo século numa tentativa de pacificação da situação peninsular mediada pelo rei português36.

19É no capítulo central da narrativa sobre o reinado – depois de um primeiro capítulo centrado nas exigências de D. Dinis, mas sem qualquer referência às cedências de Alcanizes –, que vemos a incursão aragonesa em Castela, as principais conquistas no território e a nobreza envolvida na campanha, as tentativas de Fernando IV de fazer reverter a situação e, finalmente, a menção ao apaziguamento de Torrellas com a intervenção de D. Dinis. Depois, na sequência destes acontecimentos e das caricatas tentativas de conquista de algumas praças andaluzas aos muçulmanos, já mencionadas, o rei adoece em Martos, acabando por falecer.

20Nos inícios do reinado de Afonso XI as circunstâncias políticas não se tinham alterado. Tendo o novo monarca apenas um ano de idade, o reinado iniciava-se sobre o signo dos anteriores, com as lutas pela regência, que se renovaram em 1320, e com Maria de Molina, avó do rei, a tentar difíceis compromissos. E com a maioridade régia, voltam os problemas com infantes e magnates, desta vez com D. João Manuel, que não se conseguira impor como regente, e com D. João Nunes de Lara III, aquietado, finalmente, com o senhorio de Biscaia. A partir de então, é sobretudo na fronteira sul que se desenrola, como vimos, a narrativa, até à descrição da batalha do Salado.

Haut de page

Annexe

ANEXO: Mapa: A Castela do Conde (1252-1350)

ANEXO: Mapa: A Castela do Conde (1252-1350)
Haut de page

Notes

1 A bibliografia sobre os conflitos políticos, individualmente considerados, que se prolongam até meados do século XIV é já longa. Remetemos para a revisitação geral do tema por Miguel Angel LADERO QUESADA, “La corona de Castilla: transformaciones y crisis políticas, 1250-1350”, in: Juan CARRASCO PÉREZ (coord.), Europa en los Umbrales de la Crisis, 1250-1350, Pamplona: Gobierno de Navarra, Departamiento de Educación y Cultura, 1995, p. 275-322; César GONZÁLEZ MÍNGUEZ, “Las luchas por el poder en la corona de Castilla: nobleza vs. monarquía (1252-1369)”, Clio & Crimen, 6, 2009, p. 36-51, e, mais recentemente, id., Poder Real y Poder Nobiliar en la Corona de Castilla (1252-1369), Bilbao: Universidad del País Vasco, 2012.

2 Refiro-me à Crónica de los Tres Reyes e à Crónica de Alfonso XI, de Fernán Sánchez de Valladolid, que, sob a égide de Afonso XI, retomam, nos anos quarenta do século XIV e em novos moldes, a empresa historiográfica do Sábio. Veja-se Fernando GÓMEZ REDONDO, Historia de la Prosa Medieval Castellana. I. La creación del discurso prosístico: el entramado cortesano, Madrid: Cátedra, 1998, p. 959-979.

3 A actividade militar contra os muçulmanos só excepcionalmente tem um lugar de destaque. Tal acontece no final da Crónica de 1344, em toda a narrativa que rodeia a batalha do Salado, acontecimento com que se conclui o relato do reinado de Afonso XI. Será aspecto a salientar na sequência deste estudo. As remissões ou citações do texto da Crónica de 1344 seguem a apresentação crítica do manuscrito Q2, eventualmente complementada, no caso de divergências significativas, com a de U (ver Maria do Rosário FERREIRA, Maria Joana GOMES e Ricardo PICHEL GOTÉRREZ (ed.), “Manuscrito Q2 — Biblioteca Nacional de España, 10815, fol 221va-233va” e Maria do Rosário FERREIRA, Maria Joana GOMES e Ana Sofia LARANJINHA, “Manuscrito U – Madrid, Biblioteca Zabálburu e Basabe, 11-109, fol 219rb-225rb”, disponíveis em M. R. FERREIRA (dir.), De Afonso X a Afonso XI. Edição e estudo do texto castelhano dos reinados finais da 2ª redacção da Crónica de 1344 Paris: Les Livres d’e-Spania [online] “Travaux en cours”, 2015, URL: https://e-spanialivres.revues.org/698 (consultado a 1 de Junho de 2016). Por razões de simplicidade e clareza, indicaremos apenas o manuscrito em causa, seguido da indicação do parágrafo correspondente no suporte electrónico.

4 A esta diversidade de fontes deverá agregar-se, neste caso, a própria intervenção do Conde na segunda menção à execução destes magnates, ao referir a morte, no mesmo contexto, do nobre português D. João Mendes de Sousa. Na realidade, dada a disparidade sócio-política do português relativamente aos magnates castelhanos, este acrescento somente seria justificável se vindo de quem trazia no sangue, por intermédio de Branca Peres de Portel (filha de Constança Mendes de Sousa), toda a carga simbólica da linhagem dos Sousa, que se desdobraria, também, em manifestações mais visíveis da sua preeminência pretérita, graças ao engrandecimento patrimonial com que o Conde foi beneficiado. Para uma síntese biográfica recente de D. Pedro Afonso, ver António Resende de OLIVEIRA, “O genealogista e as suas linhagens: D. Pedro, conde de Barcelos”, e-Spania [online], 11, Junho de 2011, URL: http://e-spania.revues.org/20374; DOI: 10.4000/e-spania.20374 (consultado a 1 Julho de 2016).

5 Cf. M. R. FERREIRA et al., Q2, §72, 76 e 83.

6 Veja-se o balanço efectuado em A. Resende de OLIVEIRA, “Na casa de Afonso X. O rei, a corte e os trovadores (abordagem preliminar)”, Revista de História das Ideias, 31, 2010, sobretudo p. 60-64, a partir do registo documental do monarca utilizado por A. Ballesteros Beretta na sua erudita biografia do Sábio. A consulta, agora, da publicação de Manuel GONZÁLEZ JIMÉNEZ e Maria Antonia CARMONA RUIZ, Documentación e Itinerario de Alfonso el Sábio, Sevilla: Universidad de Sevilla, 2012, permitiria precisar a importância destas cidades no acolhimento temporário da corte.

7 M. R. FERREIRA et al., Q2, §75, 78, 86 e 88.

8 M. R. FERREIRA et al., Q2, §122, 129-131, 137-139, 142-143, 146, 150, 153 e 155.

9 Para Valhadolide, FERREIRA et al., Q2, §120 e 125.

10 Cf. M. R. FERREIRA et al., Q2, §121 e 123, e FERREIRA et al., U §100. Para o último destes exemplos, relativo à prisão da filha de D. Juan Manuel, D. Constança, preterimos a versão de Q2, que erradamente relata a prisão do próprio D. Juan Manuel, em favor da de U.

11 Sobre os problemas colocados pela itinerância régia no contexto medieval, deve consultar-se e-Spania [online], 8, Dezembro de 2009, URL: https://e-spania.revues.org/18545, DOI: 10.4000/e-spania.18345 (consultado a 1 Julho de 2016), número dedicado à Itinérance des cours, e em particular, pela problemática geral, a introdução e conclusões, da autoria, respectivamente, de Françoise Lainé e de José Manuel Nieto Soria.

12 É sobejamente conhecido que, a partir da primeira década do século XI, se iniciou um processo de fragmentação do Al-Andalus, com o aparecimento dos reinos de Taifas, situação política somente ultrapassada nos momentos de centralização operada por Almorávidas, primeiro, e Almóadas, depois.

13 M. R. FERREIRA et al., Q2, §127.

14 Veja-se, para além da referida na nota anterior, M. R. FERREIRA et al., Q2, §132, 136, 146 (referindo-se aos reis de Castela frente aos de Portugal), 150 e 152.

15 M. R. FERREIRA et al., Q2, §118.

16 M. R. FERREIRA et al., Q2, §72, e ainda 75, 79, 82, 83, 85.

17 Cf. M. GONZÁLEZ JIMÉNEZ, Alfonso X el Sabio, Barcelona: Ariel, 2004, cap. VI.

18 Para um balanço recente da Batalha, Miguel Gomes MARTINS, De Ourique a Aljubarrota. A guerra na Idade Média, Lisboa: A esfera dos livros, 2011, p. 239-268. As versões desencontradas da batalha na cronística tardomedieval foram exploradas por Teresa AMADO, “A cada um a sua batalha de Tarifa”, in: Augusto Aires NASCIMENTO e Cristina Almeida RIBEIRO, Actas do IV Congresso da Associação Hispânica de Literatura Medieval, 4, Lisboa: Cosmos, 1993, p. 303-307.

19 M. R. FERREIRA et al., Q2, §70 e 93, respectivamente. Atente-se no modo como, no primeiro destes parágrafos, é resolvida a actividade militar de Afonso X: “Después que fue muerto el rey don Fernando, alçaron luego por rey don Alfonso, su fijo. E fue muy buen rey en su mancebía, e muy letrado e entendido en astrología. E este tomó el regno de Niebla a los moros, e el Algarbe de aquella parte de Niebla así como parte por Guadiana. E el Algarbe de la parte de Portogal, tomó el maestre don Pay Correa. Este rey tomó otras villas e castillos en la frontera”.

20 M. R. FERREIRA et al., Q2, §117-118.

21 M. R. FERREIRA et al., Q2, §118.

22 M. R. FERREIRA et al., Q2, §122 e 128.

23 M. R. FERREIRA et al., Q2, §144-155.

24 Maria do Rosário FERREIRA, “Pedro de Barcelos y la escritura de la Historia: estrutura de la redacción original de la Crónica de 1344”, in: Sarah FINCI, Constance CARTA e Dora MANCHEVA (ed.), Antes se agotan la mano y la pluma que su historia /Magis deficit manus et calamus quam eius hystoria, San Millán de la Cogolla: Cilengua, 2016 (no prelo). Agradecemos à Maria do Rosário Ferreira a disponibilização deste texto antes da sua publicação.

25 M. R. FERREIRA et al., Q2, sobretudo §144-152 (§151 para o excerto com a referência ao próprio conde D. Pedro). Para um ensaio sobre as diferentes narrativas da batalha e uma síntese recente sobre a mesma, remetemos para a nota 18.

26 Para além das obras de César González Mínguez indicadas no início, para a fase inicial do conflito atente-se nas propostas interpretativas de Isabel ALFONSO, “Desheredamiento y desafuero, o la pretendida justificación de uma revuelta nobiliaria”, Cahiers d’Études Hispaniques Médiévales, 25, 2002, p. 99-129, e de Julio ESCALONA, “Los nobles contra su rey. Argumentos y motivaciones de la insubordinación nobiliaria de 1272-1273”, ibid., p. 131-162.

27 M. R. FERREIRA et al., Q2, §83. Vejam-se as obras indicadas na nota anterior.

28 Numa das referências, o cronista parece pretender mesmo que tudo foi desencadeado por uma mera questão astrológica: “Este rey don Alfonso quiso saber qué acabamiento avía de aver. E ayuntó consigo muchos estrólogos, e fallaron por arte de astrologia qué avía de morir deseredado de los reinos de Castilla e de León por omne de su sangre. E por esta razón mató el infante don Fadrique [...]”. Cf. M. R. FERREIRA et al., Q2, §72.

29 M. R. FERREIRA et al., Q2, §87 e 89, respectivamente.

30 M. R. FERREIRA et al, Q2, §99-103 e §131-136.

31 M. R. FERREIRA et al., Q2, §99-103.

32 Este capítulo não deixa, mesmo assim, de dar o toque à conflitualidade que marcou o reinado e de iniciar esses conflitos com a prisão do infante D. João e a morte de D. Lopo Dias de Haro III perpetrada pelo rei em Alfaro. Cf. M. R. FERREIRA et al., Q2, §92-96.

33 M. R. FERREIRA et al., Q2, §93.

34 Sobre o infante D. João, dirá o cronista, lembrando o ano da sua morte, que era “uno de los mejores infantes que nunca ovo en Castilla nin que más nin mejores fechos fiziese”. Cf. M. R. FERREIRA et al., Q2, §95.

35 Sobre a biografia deste infante veja-se o ensaio de Valeria BERTOLUCCI PIZZORUSSO, “Don Enrique/Don Arrigo: um infante di Castiglia tra storia e letteratura”, Alcanate, 4 2004-2005, p. 293-314, que reenvia para a principal bibliografia sobre a trajectória desde irrequieto infante castelhano.

36 O cronista, neste caso o próprio Conde, a dada altura do relato, desculpa-se da falta de desenvolvimento do relato das pazes de 1304 e seu enquadramento, reenviando o leitor para o que tinha escrito “en la estoria del rey don Donís”, ou seja nos cap. DCCXXI-DCCXXIII da mesma crónica; cf. M. R. FERREIRA et al., Q2, §116. Para essa narrativa, Luís Filipe Lindley CINTRA (ed.), Crónica Geral de Espanha de 1344, 4, Lisboa: Academia Portuguesa da História, 1990, p. 243-252.

Haut de page

Table des illustrations

Titre ANEXO: Mapa: A Castela do Conde (1252-1350)
URL http://e-spania.revues.org/docannexe/image/25901/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 41k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

António Resende de Oliveira, « A Castela do Conde nos reinados finais da Crónica de 1344 », e-Spania [En ligne], 25 | octobre 2016, mis en ligne le 01 octobre 2016, consulté le 20 septembre 2017. URL : http://e-spania.revues.org/25901 ; DOI : 10.4000/e-spania.25901

Haut de page

Auteur

António Resende de Oliveira

Universidade de Coimbra, IHSC/FCT

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Les contenus de la revue e-Spania sont mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo CLEA
  • Logo GDRE AILP
  • Logo DOAJ
  • Revues.org