Navigation – Plan du site
A Crónica de 1344 e a historiografia pós-alfonsina

A Crónica Geral de Espanha de 1344 e a literatura historiográfica sobre Afonso XI

Filipe Alves Moreira

Résumés

Analyse comparative des trois ouvrages historiographiques dédiés au règne d’Alphonse XI de León et Castille, contemporains du roi (Chronique d’Alphonse XI, Poème d’Alphonse  XI et Chronique de 1344). Contrairement à ce à quoi l’on pourrait s'attendre, le texte portugais ne contient pas un récit distinct de ce règne, bien qu’il décèle, sous certains aspects, une conception différente du pouvoir royal et contienne des informations absentes des textes castillans.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 Com efeito, as alusões ao relato do reinado de Afonso XI presente na Crónica de 1344 têm primado pe (...)
  • 2 O critério de seleção do corpus textual deste trabalho é, portanto, em primeiro lugar, o da contemp (...)

1A recente disponibilização do texto integral da secção final da Crónica Geral de Espanha de 1344, a partir dos manuscritos da tradução castelhana da segunda redação desta obra, permite-nos ter acesso a um relato do reinado de Afonso XI de Leão e Castela (1312-1350) inédito até então e, por isso, praticamente ignorado pela crítica1. Este facto convida-nos a uma leitura global desse relato, que procure apreender as suas principais linhas de sentido. Uma análise comparativa com os mais antigos textos castelhanos dedicados ao mesmo assunto, a Crónica e o Poema de Afonso XI, permitirá, por outro lado, ter uma perspetiva mais aturada e precisa da crónica portuguesa, situando-a no complexo discursivo dedicado a esse reinado e contemporâneo a ele2, de forma a evitarmos a sobrevalorização da individualidade do texto português e compreendermos melhor o seu contexto. As linhas que se seguem configuram, assim, a primeira abordagem conjunta destes três textos.

Datação, autoria, contexto de produção e relação dos textos entre si

  • 3 Esta afirmação corresponde à convicção generalizada da crítica, mas não se apoia em nenhuma afirmaç (...)
  • 4 Estas versões foram designadas “vulgata” e “cuatro reyes” por Diego Catalán, o grande estudioso das (...)
  • 5 Sirvo-me da seguinte edição: Juan VICTORIO (ed.), Poema de Alfonso Onceno, Madrid: Catedra, 1991.
  • 6 Ou entre 1344 e 1348, segundo J. VICTORIO (ed.), op. cit, p. 26-27. A data de 1348 tinha sido estab (...)
  • 7 J. VICTORIO (ed.), op. cit, p. 358: “La profezía conté/ e torné en dezir llano/ yo, Ruy Yáñez, la n (...)
  • 8 Sobre questões textuais relacionadas com esta obra, veja-se a introdução de Juan Victorio à sua edi (...)
  • 9 L. F. L. CINTRA, op. cit., 1, p. XXXIX.
  • 10 Pode-se estabelecer uma fronteira textual situada entre os relatos dos reinados de Fernando III e d (...)
  • 11 Este facto foi primeiro notado por L. F. L. CINTRA, op. cit., 1, p. XXXIX.
  • 12 Ponto da situação (quase…) atualizado sobre a tradição manuscrita desta crónica em Maria do Rosário (...)
  • 13 Que todos os manuscritos castelhanos que contêm a secção final da Crónica de 1344 são cópias de uma (...)
  • 14 Os manuscritos G, S, U e Q2, nas suas respetivas secções finais (reinados de Afonso X – Afonso XI) (...)
  • 15 Veja-se a descrição deste manuscrito na base de dados BITAGAP, do projeto PHILOBIBLON [manid 1155]. (...)
  • 16 L. F. L. CINTRA, op. cit., 1, p. CXXX-CLXXXIX.

2A versão original da Crónica de Afonso XI terá sido escrita por Fernán Sánchez de Valladolid, chanceler e homem muito próximo do monarca3. Acabou de ser redigida, ou foi interrompida a sua redação, em 1344, pouco após a conquista de Algeciras, e dela subsistem numerosos manuscritos representantes de, pelo menos, duas versões principais, ainda que estruturalmente similares4. O Poema de Afonso XI5 foi composto em 13486, quase seguramente por Rodrigo Yáñez, que se apresenta a si mesmo nas estrofes deste poema que contêm umas profecias de Merlim7, mas de quem nada se sabe. Preserva-se num manuscrito infelizmente mutilado (e num outro, descriptus), tendo-se perdido, por essa razão, várias estrofes8. A versão original da Crónica de 1344, por sua vez, foi redigida por D. Pedro Afonso, terceiro Conde de Barcelos e filho ilegítimo do rei D. Dinis. Esta versão original estava sendo redigida, segundo uma informação presente num manuscrito da sua tradução castelhana, em 13449 (daí o nome por que é conhecida). Mas o texto da sua secção final (que abrange os reinados de Afonso X a Afonso XI10), tal como atualmente existe, foi escrito seguramente depois de 1347, já que, na história do reinado de Sancho IV, chama a D. Leonor, filha de Afonso IV de Portugal, “rainha de Aragão”, o que nos remete para um momento posterior ao casamento desta infanta com Pedro IV de Aragão, ocorrido em finais desse ano11. Apesar de menos numerosa, a tradição manuscrita desta Crónica é quase tão complexa quanto a da Crónica de Afonso XI12. Para os propósitos deste trabalho, bastará referir, sumariamente, o que sucede com a secção final da crónica portuguesa. Esta secção subsiste apenas em alguns dos manuscritos da tradução castelhana da segunda redação desta crónica13 (os manuscritos designados G, S, U, Q2 e N14), e, de forma abreviada e truncada, num manuscrito português que reformula o texto dessa mesma segunda redação da crónica (o manuscrito P15). Todos estes manuscritos são do século XV, e nenhum, ao que parece, é anterior à década de 1430. Apesar disso, é seguro afirmar-se que também a redação original desta secção se deve ao terceiro Conde de Barcelos, D. Pedro Afonso. Com efeito, um dos argumentos (aliás, o mais forte) utilizados por Lindley Cintra16 para demonstrar que D. Pedro foi o autor da versão original da Crónica de 1344 foram certas referências a ele mesmo contidas no texto da Crónica, as quais, pelas informações que transmitem e pelo tom que as carateriza, não poderiam senão ter sido redigidas pelo próprio D. Pedro. Duas dessas referências, que tratam, respetivamente, da convocatória das cortes de Santarém de 1340 devido a um pedido de auxílio por parte de Afonso XI, e de uma longa justificação da ausência das hostes do Conde D. Pedro na batalha do Salado nesse mesmo ano, encontram-se precisamente na secção final da Crónica, no relato do reinado de Afonso XI:

  • 17 Citado e editado por L. F. L. CINTRA, op. cit., 1, p. CLXIII. Não há diferenças significativas entr (...)
  • 18 Citado e editado por Diego CATALÁN e Maria Soledad de ANDRÉS (ed.), Crónica General de España de 13 (...)

E despues que se el dean torno a Castilla con el recabdo del rey de Portugal enbio luego ese rey de Portugal por su fijo el ynfante don Pedro e por el conde don Pedro, su hermano, e por don Gonçalo Pereyra, arçobispo de Braga, e por todos los otros nobles varones de su reyno, asi como maestres de las ordenes e cavalleros e conçejos e llegaron a el a Santaren, en el mes de mayo de la era de mill e trezientos e setenta e ocho annos17.
El rey don Alfonso [IV de Portugal] avia embiado sus cartas a todos sus ricos omnes e vassallos que se fuessen en pos el a Sevilla, a la mayor priesa que lo fazer pudiesen. E, quando les las cartas fueron dadas, el tiempo era ya tan allegado que non pudieron allegar al plazo que les era mandado, salvo los de entre Tejo e Guadiana e algunos pocos de la Estremadura, e esto porque eran çerca. E por esto non podieron allegar los que eran entre Duero e Minno nin de los otros lugares alongados. Ca el Conde don Pedro, que era hermano del rey don Afonso, luego que ovo su recabdo se partio de su tierra, non embargando que era mucho enfermo e gelo defendieron los físicos; e yendo por el camino, acresçentole el dolor e ya tanto que non podia yr, e esto fue por quatro vezes; e quando esto vio, fizose levar en andas. Pero, con todo esto, fizose la vatalla entretanto. De la qual cosa, porque non llego a ella, le peso muy mucho. E esto mesmo acontesçio a otros ricos omnes e vasallos, e non pudieron porque eran mucho alongados18.

  • 19 À exceção de um episódio do reinado de Afonso X, o do pedido de ajuda da Imperatriz de Constantinop (...)

3Podemos, por isso, estar certos de que foi o Conde de Barcelos quem redigiu a versão original dos relatos dos reinados de Afonso X, Sancho IV, Fernando IV e Afonso XI tal como constam dos manuscritos desta Crónica atualmente conhecidos. Não podemos ter a mesma certeza quanto ao grau e tipo de intervenção dos responsáveis pela segunda redação da crónica, pela respetiva tradução castelhana e pelas sucessivas cópias que dela se foram tirando. Todavia, a concordância genérica entre o manuscrito português P e os manuscritos castelhanos, juntamente com a ausência, no texto atualmente conhecido da secção final da Crónica de 1344, de qualquer acontecimento ocorrido em data posterior à morte do Conde D. Pedro (1354), indicia que, pelo menos nesta secção final, tais intervenções não terão sido, nem extensas, nem significativas19. É, assim, possível admitir que a secção final da Crónica de 1344 foi redigida em data posterior a 1347 (pressupondo, na sequência do raciocínio que acabo de expor, que também a alusão ao casamento de D. Leonor constava da versão inicial da Crónica, escrita pelo Conde de Barcelos, aliás tio desta Infanta) e anterior a 1354. Estaremos, portanto, perante um relato efetivamente contemporâneo do próprio Afonso XI e da literatura historiográfica por ele patrocinada (Crónica de Afonso XI e Poema de Afonso XI).

  • 20 D. CATALÁN (ed.), Gran Crónica de Alfonso XI…, p. 163.

4Vejamos agora o problema das relações entre estes três textos. Segundo as conclusões de Diego Catalán20, a Crónica de Afonso XI e o Poema de Afonso XI não têm relação direta entre si: nenhum destes dois textos é fonte, ou modelo, do outro, pelo que ambos são iniciativas autónomas de diferentes servidores do rei. Creio que a Crónica de 1344 também não está direta e textualmente relacionada com nenhuma destas duas obras castelhanas, e isto por três razões:

5I). Não há coincidências literais entre a Crónica de 1344 e a Crónica de Afonso XI e/ou o Poema de Afonso XI, o que contrasta com a atitude habitual da crónica portuguesa que, sempre que recorre a fontes conhecidas, decalca literalmente pelo menos algumas partes dessas fontes;

6II). O facto de a Crónica de 1344, na sua versão original, ter sido redigida em datas muito próximas às da Crónica e do Poema de Afonso XI torna difícil que tenha recorrido aos textos castelhanos;

  • 21 Ms. Q2, fol. 228, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit..

7III). Em certa passagem do relato do reinado de Afonso XI, a Crónica de 1344 alude a uma estória: “E ayuntóse a él [Alvar Núñez Osoiro] otro cavallero, mas la estoria non dize dónde era nin cómo le llamavan; mas dize que era entendido e sabidor21.

  • 22 C. ROSELL, ed. cit., p. 198-199: “En el regno avia dos caballeros, et la estoria ha contado en otro (...)

8À primeira vista, esta passagem alude a uma fonte do texto, que bem poderia ser a Crónica ou o Poema castelhanos. É sabido, contudo, que este tipo de expressões, muito comum nas crónicas medievais, tanto podem ter como referente um texto diverso, anterior e que tenha servido de fonte, como o mesmo texto em que se incluem (podem, portanto, ser auto, ou hétero referenciais), pelo que nem sempre é fácil distinguir estas situações. Além disso, neste caso em concreto, tanto o Poema, como a Crónica de Afonso XI identificam com precisão este “cavallero”: trata-se de Garcilaso de la Vega22, personagem aliás importante durante o período da infância e juventude de Afonso XI. Ora, não é de crer que um autor que tivesse conhecido o Poema e/ou a Crónica castelhanos ignorasse o nome deste fidalgo, e tivesse escrito aquela referência.

  • 23 E só não totalmente probatória pela possibilidade de que a alusão a que a “estória” não referia o n (...)

9Embora nenhum destes argumentos seja, por si só, irrefutável (apesar de o terceiro possuir uma grande força probatória23), a conjugação dos três parece-me suficiente para afirmar, como mais provável, que o texto conhecido da Crónica portuguesa não é devedor, nem do Poema, nem da Crónica de Afonso XI.

  • 24 Auge do seu poder, e também, ironia do destino, o seu final, já que Afonso XI morreu, como se sabe, (...)

10Trata-se, portanto, de três iniciativas autónomas de historiar o reinado deste monarca, num momento coincidente com o auge do seu poder, a segunda metade da década de 134024, década da pacificação interna e externa do reino, da vitória no Salado e da conquista de Algeciras.

  • 25 Um ponto que suscitará controvérsia é o da visão global (se de tal coisa poderemos falar) da Crónic (...)

11Atendendo a este enquadramento epocal, e ao seu contexto de produção (a própria corte real), não surpreende que a Crónica e o Poema de Afonso XI sejam dois grandes panegíricos da ação do monarca. Mas a Crónica de 1344 tem uma geografia e um contexto diferentes; não é castelhana, nem está diretamente relacionada com a corte régia (embora saída da pena de um filho, neto e tio de reis). Isto poderia levar-nos a pensar que ela seria uma espécie de relato alternativo, partidista talvez, mas que apresentasse uma visão globalmente outra deste reinado, em contraste com as visões, não menos partidistas, mas global e francamente elogiosas, da Crónica e do Poema castelhanos. Se estes são um panegírico do rei, a Crónica de 1344 seria, porventura, o oposto. Contudo, e conforme irei expondo, não é isso o que se verifica: a Crónica de 1344 coincide com muito do que narram e dizem os dois textos castelhanos e nada, quanto a mim, autoriza a ver-se nela algo assim como uma contestação da ação, do poder ou da legitimidade do monarca castelhano25.

12No entanto, e apesar de estes três textos coincidirem no panegírico (global) ao monarca, a sua organização formal, o seu conteúdo, os elementos ideológicos neles presentes e a sua visão dos acontecimentos nem sempre são os mesmos. Algumas das divergências explicar-se-ão pelo facto de estes três textos seguirem diferentes modelos discursivos (ou códigos de género). Outras terão que ver mais propriamente com o posicionamento dos respetivos autores. Vejamos estas questões mais de perto.

Organização formal do relato. Cronologia interna

  • 26 D. CATALÁN (ed.), Gran Crónica de Alfonso XI…, p. 127-137.
  • 27 Por exemplo, os capítulos LIII-LV da edição de que me sirvo ocupam-se do reino de Granada, o capítu (...)
  • 28 É esta a data presente nos manuscritos da Crónica de 1344; D. Pedro e D. Juan morreram, contudo, du (...)
  • 29 Outro lapso da crónica (ou de copistas). Na realidade, e como bem se sabe, Maria de Molina deixou e (...)
  • 30 No relato do reinado de Afonso IV de Portugal, há dois outros eventos em que intervém Afonso XI e e (...)
  • 31 Logo após contar a morte de Álvar Núñez Osorio, a Crónica de 1344 abre novo capítulo, no início do (...)

13Do ponto de vista da organização formal do relato, os três textos apresentam os eventos de acordo com a sucessão cronológica. A Crónica de Afonso XI tem, contudo, uma estrutura mais complexa, com muitas antecipações e avanços em relação à linha cronológica básica (motivados por um propósito de explicação dos antecedentes dos episódios narrados)26, e digressões pela história de outros territórios que não Castela27. Além disso, a Crónica de Afonso XI, seguindo a tradição afonsina, adota (embora nem sempre) uma estrutura analística, dividindo os acontecimentos pelos respetivos anos do reinado. No Poema e na Crónica de 1344, as datações dos eventos são menos frequentes e a progressão cronológica é, geralmente, implícita, ou feita através de marcadores temporais como “despues desto” e afins, sendo também pouco frequentes as analepses e prolepses. Na Crónica de 1344, em concreto, os únicos acontecimentos em relação aos quais somos informados do dia/mês e ano em que ocorreram são a morte dos Infantes D. Pedro e D. Juan na Veiga de Granada (1320)28; a morte da rainha Maria de Molina (1322)29; as cortes convocadas por Afonso IV para Santarém e a batalha do Salado (ambos em 1340)30. E o único momento em que a ordem do relato não corresponde à ordem cronológica dos eventos é o do casamento de Afonso XI com D. Maria de Portugal (1328), acontecido antes da morte de Álvar Núñez Osorio (1329), mas contado imediatamente depois deste31, por razões que, como adiante veremos, se explicam pela construção de uma exemplaridade negativa em torno do percurso desta personagem, que levou a que as suas ações fossem contadas em bloco, independentemente da cronologia histórica.

  • 32 A tradição manuscrita desta Crónica apresenta, contudo, situações diversas quanto ao seu início e a (...)
  • 33 É esta a data histórica da morte de Fernando IV e do alçamento do rei menino, Afonso XI. Na edição (...)
  • 34 Tal como atualmente conhecido, o texto do Poema abrange o lapso temporal que decorre entre a reaber (...)

14O texto português afasta-se dos textos castelhanos na cronologia abrangida e na atenção relativa prestada a cada fase do reinado. Com efeito, a Crónica de Afonso XI começa com a morte de Fernando IV e o levantamento de seu filho, ainda bebé, como novo rei32 (1312)33. A partir daí, e até que o relato termine com a tomada de Algeciras, ocorrida trinta e dois anos depois, a Crónica trata de todas as fases do reinado. O mesmo sucederia com o Poema, embora a mutilação inicial e final dos seus manuscritos nos impeça de o comprovar34. Mas a Crónica de 1344 diverge, pois trata de forma muito breve, e seca, o período de menoridade do rei (1312-1325):

  • 35 Apesar de alguma ambiguidade sintática, a crónica parece afirmar, aqui, que D. Constança morreu em (...)
  • 36 Ms. Q2, em M. R.  FERREIRA, op. cit..

E entonce [morte de Fernando IV] cunplìa el infante don Alfonso, su fijo, un año. E leváronlo para Avila, e estovo y con él la reína doña Costança, su madre, e la reína doña María, su avuela. E estando allí, murió la reína doña Costança35. E en todo esto, los ricos omnes del regno avían entre sí contienda sobre la tutoría del rey. Mas después que su madre fue muerta, acordáronse los de la tierra e diéronle por tutores la reína doña María, su avuela, e el infante don Juan e [e]l infante don Pedro, e mandaron que lo criase la reína. Mas luego a poca sazón, fueron esos infantes a la frontera e murieron en la vega de Granada, en lunes después del día de Sant Joán Bautista, en la era de mil e trezientos e cinquenta e ocho años. E luego después, a dos años, murió esta reína doña María, en la era de mil e trezientos e sessenta años. E entonce fincó el rey don Alfonso en poder de los de Valladolid, e ellos lo criaron e guardaron fasta que ovo catorze años.36

  • 37 Estes aspetos têm sido abundantemente tratados pela crítica, o que me dispensa de os aprofundar. Ve (...)

15E concede muito mais espaço (nove capítulos e meio) ao lapso de tempo que vai de 1325 a 1340, ainda que, também aqui, seja grande a desproporção na quantidade de episódios e informações presentes na crónica portuguesa, bem menor por comparação com a crónica e o poema castelhanos. É visível que os objetivos globais destes três textos são distintos: enquanto a Crónica e o Poema de Afonso XI têm um propósito de exaustividade (historiar todo o reinado), o texto português concentra-se, somente, em alguns eventos, de modo que a sua estrutura é basicamente uma seleção e sucessão de episódios, cujo elemento comum é a presença do rei. Uma estrutura fragmentária, portanto, mas não “anedótica”, se por este termo entendermos uma sucessão de episódios autossuficientes e com elementos jocosos ou (segundo as classificações atuais) ficcionais e novelescos. Deste ponto de vista existe, aliás, uma evidente diferença entre esta secção final da Crónica portuguesa e secções anteriores da mesma crónica, essas sim, cheias de episódios autossuficientes e (segundo os conceitos atuais) ficcionais. Este caráter de maior “historicidade” (ou referencialidade externa ao texto) e maior sobriedade retórica (ausência, ou pouca extensão, de diálogos e discursos das personagens e comentários do narrador) irmana esta seção final da Crónica de 1344 com outras passagens da mesma Crónica dedicadas à história contemporânea e, aparentemente, redigidas também sem apoio em fontes textuais preexistentes (reinados de D. Dinis e Afonso IV), podendo assim considerar-se uma caraterística da técnica historiográfica do Conde de Barcelos, ao tratar da sua própria época. Este facto vem reforçar o que atrás dizia sobre a plausivelmente pouco extensa e significativa intervenção de refundidores, tradutores e copistas no texto atualmente conhecido da secção final da Crónica Geral de Espanha de 1344. A sobriedade retórica é também uma caraterística da Crónica de Afonso XI, mas não do Poema de Afonso XI, como aliás não podia deixar de ser, tendo em conta os códigos e convenções da tradição épico-heroica que ele, em boa medida, segue e atualiza37.

Valorização e interpretação dos acontecimentos e personagens

  • 38 Trinta e seis capítulos, na edição da Crónica de Afonso XI de que me sirvo, e 152 estrofes do Poema(...)
  • 39 Veja-se o que digo a seguir.
  • 40 L. F. L. CINTRA, op. cit., 4, p. 252-259.
  • 41 Julgo ver um eco desta antiga inimizade política entre o Conde D. Pedro e o Infante D. Filipe numa (...)
  • 42 Veja-se o capitulo XXIII da edição que estou seguindo, intitulado “De como estando el Infante Don F (...)
  • 43 Também no Livro de Linhagens do Conde D. Pedro não há a menor alusão às lutas pelo controlo do rei, (...)

16Sem dúvida que o facto de a Crónica de 1344 não ser um texto oriundo da corte castelhana, ao contrário dos outros dois, ajuda a compreender que seja menos exaustiva. Mas não pode deixar de chamar a atenção o aparente desinteresse da Crónica portuguesa pelos treze anos da menoridade do rei, por comparação com o espaço significativo que o assunto ocupa nos textos castelhanos38. Tanto mais que o Conde de Barcelos, autor da versão original da Crónica de 1344, viveu em Castela precisamente entre 1317 e 1322 (ou seja, em cinco dos treze anos que durou a menoridade do rei castelhano), teve uma participação ativa em alguns acontecimentos desses anos, e como tal é mencionado em certas passagens da Crónica de Afonso XI39. Parece também que o Conde era dado a explicar e justificar as suas ações, como se vê noutras passagens da Crónica, designadamente na descrição dos preparativos para o Salado (que atrás transcrevi) e no relato dos confrontos do final do reinado de seu pai, D. Dinis40. Esperar-se-ia, por tudo isto, que D. Pedro também nos tivesse deixado um relato pormenorizado, ou justificativo, das suas próprias ações e do seu posicionamento durante a menoridade do rei de Castela, seu sobrinho. Mas tal não sucede. Partindo do princípio de que o texto hoje conhecido da secção final da Crónica de 1344 não se afasta muito do original (pressuposição plausível, ainda que não completamente segura), podemos admitir que D. Pedro olhasse com alguma distância para a sua atuação nesses anos, e preferisse passar rapidamente por eles. É, com efeito, significativo o facto de o relato da Crónica de 1344, em aberto contraste com o dos textos castelhanos, aludir apenas à primeira tutoria do rei menino (1312-1319) e omitir por completo os inúmeros conflitos que, após a morte dos tutores (os infantes D. Pedro e D. Juan), opuseram entre si os bandos que lutavam pelo controlo do reino. Segundo informa a Crónica de Afonso XI, o Conde D. Pedro militou então ativamente num desses bandos, aquele que, chefiado por D. Juan, el Tuerto (filho do Infante D. Juan), por D. Juan Manuel e por Fernando de La Cerda (e contando com o apoio de Jaime II de Aragão, sogro de D. Juan Manuel), se opunha ao bando do Infante D. Filipe41 e da rainha Maria de Molina, sua mãe42. O desconhecimento de factos ocorridos nesse contexto não pode, portanto, explicar que a Crónica de 1344 não lhes faça qualquer alusão, pelo que ganha plausibilidade a hipótese de algum distanciamento do Conde D. Pedro em relação à sua atuação em Castela nesses anos43. Em todo o caso, se estamos reduzidos a especulações acerca das intenções do autor, alguma coisa mais podemos dizer acerca dos efeitos do seu texto. Nesse sentido, uma consequência importante da omissão quase total dos anos de menoridade do monarca é a ausência, na Crónica de 1344, de uma ideia muito presente na Crónica e no Poema de Afonso XI: a de que uma terra sem rei (ou sem um rei forte) é uma terra sem justiça e condenada à violência. Verdadeiro leitmotiv de ambas as obras castelhanas, esta ideia subjaz a grande parte das respetivas narrações da menoridade de Afonso XI, atingindo especial intensidade precisamente no momento em que o jovem rei se prepara para tomar as rédeas do poder. É que este era um momento propício para fazer um balanço do que até aí sucedera e estabelecer um antes e um depois no estado da comunidade, algo assim como uma passagem do caos à ordem. Esta visão é assumida, na Crónica de Afonso XI, pelo próprio narrador:

  • 44 C. ROSELL, ed. cit., p. 197.

De como el Rey salió de las tutorias, et de otras cosas
Asi como la estoria ha contado los fechos que pasaron en los regnos, debe contar el estado en que estaba la tierra en aquel tiempo. Et dice que avia muchas razones et muchas maneras en la tierra, porque las villas del Rey et todos los otros logares de su regno rescebian muy grand daño, et eran destroidos, ca todos los Ricos-omes, et los Caballeros vivian de robos et de tomas que facian en la tierra, et los tutores consentíangelo por los aver unos de ellos en su ayuda. Et quando algunos de los Ricos-omes et Caballeros se partian de la amistad de alguno de los tutores, aquel de quien se partian destroiale todos los logares et los vassallos que avia
[…]. Otrosi todos los de las villas cada unos en sus logares eran partidos en vandos, tan bien los que avian tutores como los que los non avian tomado. […] Et en nenguna parte del regno non se facia justicia com derecho; et llegaron la tierra en tal estado, que non osaban andar los omnes por los caminos sinon armados […] et en los logares que non eran cercados non moraba nenguno44.

17E é dramatizada, no Poema, pelo recurso a uma fala que uns pobres lavradores dirigem ao rei – tópico da proteção aos mais fracos como um dos elementos centrais da justiça régia:

Estando en su estrado
Rico e bien paresciente,
Dexieron: “Señor onrado,
Acorred a vuestra gente.

(Que) nós somos labradores
Del mundo desamparados,
E de los vuestros tutores
Muy mal somos estragados.

Córrennos de cada día,
Que padescer non podemos:
¡a Dios pesar dev(er)ía
De (este) mal que pade(s)cemos!

Tómannos (de) los averes
E fázennos mal pesar:
Los fijos e las mujeres
Piensan de los ca(p)tivar.

Porcos e vacas e ovejas
Todos roban, (e los panes):
Non nos valen (las) eglesias
Más que (si) fués(s)emos (canes).

  • 45 J. VICTORIO (ed.), op. cit, p. 64-65 (destaques meus). Antes disso, já o sujeito da enunciação tinh (...)

Mucho mal fuemos sofriendo
E pas(s)ando mucha guerra
Por vos, señor, atendiendo
Que cobrás(s)edes la tierra […]45

  • 46 Este discurso do aio ao jovem rei terá uma relação de intertextualidade com o episódio do mesmo tip (...)

18Sendo ainda reforçada em algumas passagens do episódio seguinte (e exclusivamente presente neste texto), o qual constitui um verdadeiro espelho de príncipes, sob a forma de um discurso proferido pelo aio de Afonso XI46, no momento em que este se prepara para tomar o controlo da governação do reino.

E teneldos a derecho
Con espada de justicia,
(mas) non vos vença (el) despecho
Nin vos fuerce la co(b)dicia;

  • 47 J. VICTORIO (ed.), op. cit, p. 71.

Seredes rey de bondad
Si queredes ser onrado;
E bravo con piadad,
Al vencido mesurado47.

  • 48 A bibliografia crítica que estas duas obras têm suscitado é já incontrolável. Veja-se, entre outros (...)
  • 49 J. VICTORIO (ed.), op. cit, p. 25.
  • 50 Veja-se, por exemplo, o extenso capítulo XXXVIII da edição que sigo, que conta “De como en quanto e (...)
  • 51 Por exemplo, no capítulo “De como elRey fue mucho maravillado de este Don Joan, que non le avia fec (...)
  • 52 Normalmente aliado de D. Juan Manuel (até finais da década de 1330, pelo menos) e, por isso, objeto (...)
  • 53 Por exemplo, no capítulo “De como Don Joan fijo del Infante Don Joan andudo catando maneras para de (...)

19O facto de a Crónica e o Poema de Afonso XI terem propósitos de exaustividade não significa, porém, que concedam a mesma importância relativa a todos os acontecimentos e personagens48. Ambos estes textos destacam, na atuação do monarca, as suas lutas pela imposição da autoridade interna e externa, com progressivo e eficaz estabelecimento da ordem mediante o controlo dos seus adversários, e a sua ação guerreira contra os muçulmanos do sul da Península (e vindos de Marrocos). Mas o peso relativo de cada um destes aspetos não é o mesmo: a Crónica destaca, sobretudo, as lutas pela imposição da autoridade do rei e pela pacificação do reino; no Poema, pelo contrário, destaca-se a guerra contra os muçulmanos. Com efeito, mais de 60% das estrofes conhecidas do Poema ocupam-se da atividade conquistadora ou belicista de Afonso XI e seus servidores e aliados, e as virtudes guerreiras do monarca, caucionadas pelo apoio divino, são as que mais chamam a atenção do poeta (ou, talvez melhor, do responsável pela enunciação), e as que são mais elogiadas. Isto já foi constatado por Juan Victorio, que propôs mesmo a designação de «Canto de cruzada» para o Poema49. Na Crónica de Afonso XI, tão importante (ou mais) do que o rei guerreiro, é o rei governante, o rei legislador, o rei que sabe rodear-se de sábios conselheiros, e toma decisões prudentes tendo em vista o bem-estar da comunidade50. No que diz respeito à atuação das personagens, a Crónica de Afonso XI revela uma hostilidade permanente a todos os que se rebelam contra o rei, ou se opõe à sua autoridade. O cronista parece, ainda assim, ser especialmente duro para com figuras da alta nobreza, como D. Juan Manuel51, Juan Núñez de Lara III52, e D. Juan, el Tuerto53.

  • 54 Especialmente no retrato que dele se desenha como o perfeito guerreiro cristão, aquando da batalha (...)
  • 55 J. VICTORIO, ed. cit., p. 103-107.
  • 56 J. VICTORIO, ed. cit., p. 196-198.
  • 57et como quiera que fuese viuda, era de pocos dias mas que elRey, et rica dueña, et muy fija-dalgo, (...)
  • 58 Considera-a, por várias vezes, como a causa principal para a inimizade de setores da alta nobreza p (...)
  • 59 A predileção do Poema pelo ramo ilegítimo da descendência de Afonso XI é também visível, como notou (...)

20Pelo contrário, o Poema de Afonso XI exalta algumas qualidades destas figuras, especialmente de D. Juan Manuel54, e é especialmente crítico para com personagens que, como Alvar Núñez Osorio55 e o Mestre de Alcântara, Gonzalo Martinez de Oviedo56, deveram a sua ascensão ao serviço do rei, que depois traíram, por excesso de ambição. Uma figura em relação à qual os textos castelhanos adotam posições muito diferenciadas é a concubina, e favorita, do rei, Leonor Núñez de Guzmán. A Crónica de Afonso XI, salientando-lhe, embora, algumas virtudes57, parece manter uma atitude de algum distanciamento e reserva58. O Poema, em contrapartida, constrói um louvor de Leonor de Guzmán e dos seus filhos59:

“E Dios Padre enoble(s)ció
Una dueña de altura:
Esta señora nasció
En planeta de ventura

E Dios, por su piadad,
Le dio muy noble fegura,
E conplióla de bondad
E de muy gran fermosura.

E diole seso e sabencia
E de razón la conplió,
De gracia e de parencia,
Flor de quantas omne vio […]

Diole Dios entendimiento
Por la mejor heredar
E luego en el fundamento
Nobles fijos le fue dar

  • 60 J. VICTORIO (ed.), op. cit, p. 115-116. Reconhecer-se-á, neste retrato de Leonor Núñez de Guzmán (d (...)

Muy acabados señores
Como siempre fablarán
Éstos fueron los mejores
Que nunca son ni serán
[…]”60

21Esta divergência entre os dois textos castelhanos talvez se explique pelo tipo de relacionamento que os respetivos autores mantinham com a parentela de D. Leonor e seus aliados.

  • 61 Muito importante na Crónica de Afonso XI, está também presente no Poema, sobretudo nas estrofes 329 (...)
  • 62 Sobre estas cerimónias, veja-se, para além de alguma da bibliografia sobre o reinado de Afonso XI j (...)
  • 63 J. VICTORIO (ed.), op. cit,, p. 119-123.
  • 64 C. ROSELL, ed. cit., p. 233-237.
  • 65 E, no Poema de Afonso XI, também predestinado, devido à inserção das profecias de Merlim.
  • 66 Basta ver como, num importante documento de Afonso IV do ano de 1336, em que este detalha um conjun (...)

22Vejamos, agora, o que se passa com a Crónica de 1344. Uma diferença global e significativa, em relação às obras castelhanas, é que a atividade governativa e legislativa do rei61 está completamente ausente das páginas da crónica portuguesa. Também não há, nesta crónica, qualquer alusão a duas importantes cerimónias públicas de afirmação (e construção) simbólica do poder de Afonso XI: a sua investidura cavaleiresca, em Santiago de Compostela, e a sua coroação, em Burgos (a que se seguiu, como então era costume neste tipo de cerimónias, a investidura de outros cavaleiros)62, ambas realizadas em 1332 e longamente descritas, quer no Poema de Afonso XI63, quer na Crónica de Afonso XI64. O perfil de monarca desenhado pela Crónica portuguesa não contém, portanto, os aspetos do rei legislador, sagrado65 e membro da ordem da cavalaria, que tão presentes estão nos textos castelhanos. Mas a ausência, na Crónica de 1344, de referências às cerimónias públicas da coroação e da investidura cavaleiresca do rei tem ainda uma outra importante consequência, a de dissociar a potestas e a auctoritas do monarca da forte dimensão cénica que essas cerimónias lhe conferem. E não será certamente por ignorância que o faz. O conhecimento, em Portugal, desses eventos, e até do ritual específico usado na coroação de Afonso XI, está documentado66; mas nem precisaríamos de tanto para garantirmos esse conhecimento por parte das elites portuguesas, se tivermos em conta a grandiosidade e potenciais consequências sociopolíticas dessas cerimónias (que só faziam sentido se fossem amplamente divulgadas), bem como as relações familiares estreitas existentes entre os reis de Portugal e de Castela e entre diversas linhagens portuguesas e castelhanas, que tornavam a circulação de informações entre os dois reinos algo de muito corrente. Nenhuma dúvida poderá haver, por isso, de que também D. Pedro Afonso, autor da versão original da Crónica de 1344, tomou conhecimento da investidura e da coroação do sobrinho, pelo que a ausência de quaisquer alusões a estas cerimónias resulta, certamente, de uma opção consciente e deliberada.

  • 67 Um bom exemplo, portanto, dos tópicos moralizadores da “queda de príncipes” e das andanças da roda (...)
  • 68 Uma razão histórica que ajudará a compreender este negro retrato de Álvar Núñez Osorio presente no (...)
  • 69E este don Álvar Núñez era del linaje de Vellido Dolfos, aquel traidor que mató al rey don Sancho (...)
  • 70 A Crónica de 1344 coincide neste ponto com o Poema de Afonso XI (J. VICTORIO (ed.), op. cit, p. 80- (...)

23Um aspeto em que a Crónica de 1344 contém algumas divergências significativas, que contribuem também para afastar das suas páginas o aparato cénico da afirmação do poder de Afonso XI, é o tratamento da figura de Álvar Núñez Osorio. Tal como sucede na Crónica e no Poema de Afonso XI, este cavaleiro de origem leonesa entra em cena como o mais poderoso e influente conselheiro do jovem monarca, e acaba desonrado e justiçado, vítima da sua própria ambição67. Mas ao retrato, já fortemente negativo, que os textos castelhanos constroem desta personagem, a Crónica de 1344 acrescenta ainda mais elementos depreciativos68: declara-o da linhagem de Vellido Dolfos, portanto, e de acordo com esquemas mentais da época, um traidor por natureza69; atribui-lhe a ideia de casar o jovem rei com a filha de D. Juan Manuel, D. Constança, de modo a quebrar a aliança que este tinha com D. Juan, el Tuerto70, tudo para eliminar a oposição da alta nobreza castelhana aos seus próprios projetos pessoais de progressivo domínio do rei (e do reino); e salienta ainda mais o ato de traição de que resultou a morte de D. Juan, el Tuerto. A divergência mais significativa ocorre, porém, no momento em que esta crónica se ocupa da morte do próprio Álvar Núñez:

  • 71 Ms. Q2, fol. 229, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit..

E un día llegó a Belver, aquel castillo que fuera de don Joán el Tuerto, donde lo él tirara por traición, como ya oistes. E don Ramiro Flores, que tenía el castillo por él, dexóle entrar e diole con una maça en la cabeça, de guisa que lo mató. E lançólo del muro Ayuso como él mandara fazer a don Joán en Toro, ca le fizo echar del muro abaxo. E por esto dizen que non es ninguna cosa así leal como la traición, porque non es omne que la faga que la non falle ante sí. E por ende, Dios quiso que, onde él fiziera el mal, y fiziese la pinitencia. E después que fue muerto, pusiéronlo en cima de un asno, la cabeça para la cola, e así lo levaron al rey don Alfonso. E él mandólo luego quemar como a traidor provado71.

24Com efeito, o Poema de Afonso XI limita-se a referir a morte deste fidalgo, sem entrar, propositadamente, em detalhes:

[…]
Donde tiró a don Johán
Este conde, allí morió.

En Belver, casti(e)llo fuerte,
Y lo mataron sin falla.
En cómo fue la su muerte
La estoria se lo calla.

  • 72 J. VICTORIO (ed.), op. cit, p. 107.

(Ca) matáranlo sin guerra
E sin (gran) caballería.
[…]72

  • 73 Para além da versão da Crónica de 1344 (que coincide em alguns aspetos com a de certa História en D (...)

25Enquanto a Crónica de Afonso XI, mais pormenorizada, tem, contudo, um ponto de vista claramente diferente do da obra portuguesa. Por um lado, porque atribui a iniciativa da morte de Álvar Núñez a um conselho dado a Afonso XI, e que Ramir Florez, cobiçoso de recompensas, se propôs levar a cabo; depois, porque omite as circunstâncias concretas em que essa morte ocorreu73:

  • 74 C. ROSELL, ed. cit., p. 219.

Consejaron alRey que mandase á Ramir Flores, que matase al Conde Álvar Núñez, et por esto que le feciese elRey mucha merced et muy granadamiente: et el rey mandógelo. Et Ramir Flores con cobdicia del grand prometimiento que le fecieron, otorgó que mataria al Conde, et que él cataria manera como lo feciese. Et Ramir Flores partióse delRey en Ciubdat Rodrigo como desavenido de la su merced. […] Et Ramir Flores de Guzman, por mandado delRey, cató manera como feciese matar aquel Conde Alvar Nuñez: et envió luego alRey sus cartas, que era en Valledolit, en que le envió decir de como era muerto74.

  • 75 Trata-se de uma degradação ritual, que, para além de expor publicamente o visado (como ameaça para (...)

26Finalmente, pelo tratamento dado ao cadáver de Álvar Núñez. Embora a versão da Crónica de Afonso XI não seja propriamente contraditória com a da Crónica de 1344, os dois textos concentram-se em aspetos diferentes, e usam o tratamento dado ao cadáver como elemento chave para as respetivas interpretações do enquadramento e do sentido da morte do privado do rei. Na Crónica de 1344, estamos perante um traidor por natureza que morreu como tal e cujo cadáver foi, por isso, sujeito a tratamentos desonrosos (atirado do castelo abaixo e posto em cima de um burro com a cabeça virada para o rabo do animal75). Na Crónica de Afonso XI, estamos perante a morte de um traidor declarado como tal pelo rei (e não por natureza), que afrontou a autoridade real – esse o seu principal crime, ou a súmula de todos eles –, e cujo cadáver foi, por isso, sujeito a uma cerimónia pública que consistiu no simulacro de um julgamento e numa espécie de execução ritual caucionada pela lei:

  • 76 C. ROSELL, ed. cit., p. 219. Destaques meus.

Et enquanto elRey estaba en Oterdefumos mandóle que le traxiesen y al Conde Alvar Nuñez que era muerto. Et traxieronlo y, et el Rey asentóse en su estrado, et contó de como feciera grand fianza en aquel Conde Alvar Nuñez, et que le diera grande estado, et grand poder en el su regno, et que fiára dél toda su facienda, et los mas de los castiellos del su regno, et él le feciera muchos desconoscimientos, et grand maldad, señaladamiente que le envíara pedir sus castiellos que tenia dél por omenage, et que ge los non quisiera dar, nin enviar quien ge los entregase; et por esto que cayera en caso de traycion, et que lo juzgaba por traydor. Et mandólo quemar, et que todos los sus bienes fuesen del su realengo, según que es ordenado por los derechos76.

27Já anteriormente, aquando da narração da morte de D. Juan, el Tuerto, a Crónica de Afonso XI tinha descrito uma cerimónia semelhante, e com o mesmo significado:

  • 77 C. ROSELL, ed. cit., p. 203. Destaques meus. Seria interessante comparar estas descrições com as de (...)

Et outro dia que Don Joan entró en Toro, que fue dia de la fiesta de todos Sanctos, el Rey mandólo matar. […] Et el Rey mandó llamar á todos los que eran allí con él, et dixoles todas las cosas que avia sabido en que andaba Don Joan en su deservicio, lo uno por se alzar en el regno contra él, et lo otro faciendo fablas con algunos de su desheredamiento; et otrosí en las posturas que enviara poner con los reynos de Aragón et de Portugal contra él, et otras muchas cosas que les y contó: por las quales el Rey dixo que Don Joan era caído en caso de traición, et juzgólo por traidor77.

  • 78 J. VICTORIO, ed. cit., p. 89.

28Divergindo, também aqui, do Poema, que se revela mais preocupado em explicar a causa do assassinato de D. Juan, criando, para o efeito, um diálogo entre o rei e D. Juan, em que este reconhece o seu desserviço78, e um conselho em que intervêm Álvar Núñez, que sugere a prisão do seu inimigo, e um outro privado do monarca, que, mais radical, aconselha Afonso XI a eliminar de vez a ameaça:

[…]
En mal sempre vos andó
E fizovos gran error
[…]

Rey se quier fazer llamar
Del gran regno de León.

Señor, por quanto há fecho
E quier fazer adelante.

  • 79 J. VICTORIO, ed. cit., p. 92-93. É também neste contexto que o Poema introduz a primeira das profec (...)

Morir deve com derecho
Este fijo del infante
79.

29E da Crónica de 1344, que se limita a considerar o assassinato de D. Juan como mais uma consequência das ações do traidor nato que era Álvar Núñez Osorio:

  • 80 Note-se que a Crónica de 1344 diverge, também neste ponto, do Poema de Alfonso XI, que, como vimos, (...)
  • 81 Ms. Q2, fol. 228, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit..

E veyendo [Álvar Núñez] que lo non podía levar a la corte del rey, según lo que él deseaba, fue a él a Belver, que era un castillo en qu’ese don Joán estaba. E díxole, fablando falsamente, que el rey lo quería casar con su hermana la infante doña Leonor, e que d’esto le fazía él omenaje, e demás de lo levar e traer en salvo. […] E don Joán, segurándose desto, fuese con él para Toro. E luego que y llegó, conbidólo el rey don Alfonso e matólo en el convite. E este Álvar Núñez, su vasallo, fue en su muerte ca él lo fizo matar80. E después demandó al rey que lo fiziese conde e le diese tierra e contía. E el rey le dio todo lo que le demandó, ca era moço e en su poder.81.

30Existem, portanto, diferenças significativas e estruturantes entre a crónica portuguesa e os textos castelhanos, no que diz respeito ao perfil de rei que se depreende do percurso e das ações de Afonso XI. Mas existem também semelhanças que ultrapassam o nível meramente factual, e dizem respeito a outras facetas do perfil do monarca, visto, pelas três obras, como um guerreiro de excecionais qualidades e como o senhor a quem todos devem fidelidade. Sacralizado e fortalecido pela encenação pública do poder (Poema e Crónica de Alfonso XI), ou não (Crónica de 1344), Afonso XI é, em qualquer dos casos, inquestionavelmente visto como o vértice da organização social do reino, que, quando necessário, é preciso servir. Esta imagem, de guerreiro e senhor, é construída, na Crónica de 1344, de forma hábil, a partir da sucessão alternada de episódios em que se narra, por um lado, um conjunto de conquistas e batalhas, por outro, uma série de traições, ou rebeliões, contra o rei (que a Crónica censura sempre). Guerra externa e traições internas: duas temáticas que se alternam e entrelaçam, combinando-se e desembocando na narração da batalha do Salado, que fecha simbolicamente a narrativa.

  • 82 Ms. Q2, fol. 228, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit..
  • 83 Ms. Q2, fol. 229, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit..
  • 84 Ms. Q2, fol. 229, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit.. Note-se a secura desta referência a Leono (...)
  • 85 E d’esta guisa que avedes oído, fue perdido el castillo de Gibraltar, e d’esto por mengua de aquel (...)
  • 86 Este rey don Alfonso de Castilla fazía muchas mercedes a don Juan Nuñes de Lara e a don Joán, fijo (...)
  • 87 De cómo el rey don Alfonso mandó a Alfonso Fernandes Coronel que prendiese al maestre de Calatrava(...)

31Com efeito, a Crónica começa por centrar atenções na atuação de Álvar Núñez Osorio (considerado, como vimos, um traidor por natureza), mas intercala, entre o relato das suas ações, a primeira investida do rei por territórios muçulmanos do sul da Península e as conquistas de Pruna, Olvera e da Torre de Alfaqui82. Acabada a narração dos maus feitos de Álvar Núñez Osório, e após uma alusão ao casamento de Afonso XI com D. Maria de Portugal, mencionam-se as conquistas de Teba, Fardales e Prieto83, em cujo regresso o rei “tomó por barragana una fija de Pero Nuñes de Guzmán que avía nonbre doña Leonor Nuñes84. Segue-se a perda de Gibraltar, cuja responsabilidade a Crónica atribui ao desserviço de D. Juan Manuel e de D. Juan Núñez de Lara III85; a rebelião destes fidalgos, explicitamente censurada pela crónica86; e o fim dessa rebelião através da ação pessoal do monarca. Fala-se a seguir da guerra com Portugal (1336-1338) e de mais uma investida de Afonso XI por terras muçulmanas, de que resultou a escolha de Gonzalo Martinez de Oviedo, mestre da Ordem militar de Alcântara, como adiantado na fronteira. A rebelião desta personagem ocupa o capítulo seguinte87, e é tratada da mesma maneira que as restantes: considera-se que o mestre, além de desleal, foi ingrato, já que não reconhecia o bem e as mercês que o rei lhe fizera (como vimos, a mesma acusação tinha sido dirigida a Juan Manuel e a Juan Núñez de Lara III) e, depois de algumas peripécias, a rebelião é domada pela ação pessoal do monarca, acabando o mestre por ser queimado, como traidor.

32A partir daqui, e até ao final, a crónica ocupa-se exclusivamente da ofensiva muçulmana dos reinos de Granada e de Marrocos, e da contraofensiva dos reis cristãos, narrando-se sucessivamente a destruição da frota castelhana, o pedido de tréguas a Afonso IV de Portugal, a entrada em Espanha das tropas comandadas pelo próprio rei Benamarim (ou de Marrocos), o cerco dos muçulmanos a Tarifa, o pedido de auxílio militar a Afonso IV e, finalmente, a batalha do Salado, ou de Tarifa (1340).

  • 88 Do ponto de vista histórico, vários trabalhos têm sido dedicados às relações luso-castelhanas duran (...)
  • 89 A não ser numa fugaz alusão às guerras com Navarra, quando, a propósito de um dos cercos postos por (...)

33Para além do tratamento da personagem Álvar Núñez Osorio, as principais divergências da Crónica de 1344 relacionam-se, nesta sequência de episódios, com as relações luso-castelhanas88, de resto como seria de esperar. Desde logo, porque, exceção feita dos conflitos entre muçulmanos e cristãos, estas são as únicas “relações externas” (como hoje diríamos), pacíficas ou não, da coroa castelhana de que esta crónica se ocupa, ignorando por completo as inter-relações Castela-Navarra-Aragão89, presentes em diversos momentos da Crónica e do Poema de Afonso XI. Quanto ao tratamento da matéria luso-castelhana, a Crónica de 1344 minimiza os momentos de tensão ou rutura entre as duas coroas, salientando, em contrapartida, os momentos de união.

  • 90 Este episódio é contado pelo Livro de Linhagens do Conde D. Pedro (título 22), de forma claramente (...)

34Os conflitos luso-castelhanos de 1336-1338 são narrados muito brevemente. A Crónica explica que eles se deveram ao facto de o rei de Castela impedir a vinda de D. Constança, filha de D. Juan Manuel, para Portugal, a fim de casar com o Infante D. Pedro, filho de Afonso IV, e esta atitude de Afonso XI é justificada pela necessidade de pôr fim à rebeldia de D. Juan Manuel (e de Juan Núñez de Lara III). Atribui o início das operações militares a Afonso IV, mas não alude a nenhum episódio em concreto, evitando, assim, falar em ganhos e perdas para qualquer um dos lados – o que é tanto mais significativo, quanto o próprio Conde D. Pedro, autor da Crónica, participou pessoalmente nas operações, chefiando um contingente que invadiu a Galiza, com o objetivo de dar combate a tropas galegas comandadas pelo Arcebispo de Santiago90:

  • 91 Ms. Q2, fol. 230, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit..

E quando el rey don Alfonso, su padre, supo cómo el don Joán era en Aragón e le non pudiera traer su fija a Portogal, ovo de fazer guerra a Castilla. E duró dos años. E después estovieron en tregua fasta que se avinieron, él e el rey don Alfonso de Castilla91

35Igualmente significativa é a (ingénua?) explicação que a Crónica adianta para o casamento entre D. Pedro de Portugal e D. Constança Manuel, causa primeira dos posteriores conflitos entre os dois reinos:

  • 92 Ms. Q2, fol. 230, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit..

Mas es de saber en este lugar que este casamiento que deximos, de doña Costança e del infante don Pedro de Portogal, fue cometido por la reína doña María, muger del rey don Alfonso de Castilla. E la razón fue esta. Esta doña Costança, nieta del infante don Manuel, fue primeramente desposada con el rey don Alfonso, ante que con él casase esa reína doña María. E por esta razón entendía ella que, si esta doña Costança casase con su hermano el infante don Pedro, que estaría ella más cierta e más segura de su casamiento92

  • 93 C. ROSELL, ed. cit., p. 272-292.
  • 94 São significativas as epígrafes de alguns capítulos: “De como los del Andalucia, con Don Anrique An (...)

36Contrastando com este laconismo, a Crónica de Afonso XI, para além de, como esperado, adotar um ponto de vista globalmente favorável ao rei de Castela, fornece uma leitura articulada e pormenorizada das causas, contextos e desenvolvimentos dos conflitos luso-castelhanos93: prosseguindo a sua tendência para a rebeldia (e ameaçada pelo crescente protagonismo de Leonor Núñez de Guzmán junto ao rei), a alta nobreza castelhana acaudilhada por D. Juan Manuel e Juan Núñez de Lara III busca apoio em Afonso IV, selado através do casamento do Infante D. Pedro com D. Constança; reagindo a esta coligação hostil, Afonso XI cerca Juan Núñez de Lara em Lerma, o que provoca a retaliação de Afonso IV, com base no facto de Juan Núñez se ter declarado seu vassalo; perante a resposta negativa de Afonso XI, o rei de Portugal parte para as hostilidades, invadindo Castela a partir da região de Badajoz; seguem-se vários episódios de confrontos terrestres e marítimos, com algumas derrotas e fugas dos portugueses94 e uma frustrada tentativa de pacificação levada a cabo pela Rainha Beatriz (mulher de Afonso IV e tia de Afonso XI), pelo meio; finalmente, Afonso XI, pressionado por uma embaixada do Papa que recorda os perigos em que esta guerra deixava a cristandade (por enfraquecer a Espanha, deixando-a assim vulnerável ao ataque dos reinos muçulmanos da Península e do Norte de África), aceita restabelecer a paz entre os dois reinos.

  • 95 Muito embora possamos ver nele, como o faz Juan Victorio, uma menor hostilidade para com os portugu (...)

37O Poema de Alfonso XI segue a mesma orientação geral95, considerando a guerra entre as coroas de Portugal e Castela como resultado da coligação de Afonso IV com D. Juan Manuel e D. Juan Núñez de Lara, contra Afonso XI:

38Las guerras se començaron
Cru(d)as, de muy gran manciella:
Contra el rey se fablaron
Ricos omnes de Casti(e)lla
[…]

39El casamiento [de D. Pedro com D. Constança] trataron
Teniéndolo por derecho:
Ricos omnes se yuntaron
Para fablar este fecho.

40(Don) Johán Núñez de Lara,
Del noble (rey) natural,
Su mensaje enbiara
A aquel rey de Porto(gal).

  • 96 J. VICTORIO (ed.), op. cit, p. 143-145.

41De sí le fizo omen(aje)
Luego por sus mensajer(os)
E fizole vas(s)allaje
Por muy buenos cavalleros96.

  • 97 Perderam-se, contudo, várias estrofes que tratavam desta matéria, além de que o Poema diverge em al (...)

42E acompanhando de perto, embora mais resumidamente, a narração da Crónica de Afonso XI97 até ao estabelecimento de tréguas por intervenção do Papa.

  • 98 C. ROSELL, ed. cit., p. 308.
  • 99 J. VICTORIO, ed. cit., p. 228-230.
  • 100 Ms. Q2, fol. 231, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit.. Um pormenor que não aparece nos textos ca (...)
  • 101 C. ROSELL, ed. cit., p. 320.
  • 102 J. VICTORIO, ed. cit., p. 252-256.
  • 103 Ms. Q2, fol. 232, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit..

43São, porém, os momentos de convergência e aliança entre Castela e Portugal frente a um inimigo comum (os potentados muçulmanos de Granada e de Marrocos) que mais espaço ocupam, e mais valorizados são, na Crónica de 1344. Os três capítulos finais estão mesmo inteiramente dedicados a esta temática, e neles o ritmo narrativo é bem mais lento (estes três capítulos finais ocupam-se somente do ano de 1340), e clara a preocupação com o lado português. Assim sucede na passagem em que D. Maria, após o desbarato da frota castelhana, envia o Deão de Toledo a seu pai, solicitando-lhe que mandasse homens em auxílio do marido: a Crónica de Afonso XI limita-se a dizer que Afonso IV acedeu ao pedido98, o Poema de Afonso XI apresenta a conversa havida entre o Deão e o rei de Portugal, em Santarém, com as condições impostas por Afonso IV99, e a Crónica de 1344 está mais interessada em mostrar que a decisão de ajuda a Castela foi tomada em cortes e resultou, portanto, da vontade dos representantes dos diferentes estratos do reino100. E assim sucede também com o segundo pedido de ajuda de Castela a Portugal, protagonizado pela própria D. Maria, o qual, apenas brevemente referido pela Crónica de Afonso XI101, é bastante desenvolvido e dramatizado, quer pelo Poema (que destaca o longo discurso dirigido pela rainha de Castela a seu pai)102, quer pela Crónica de 1344 (mais pormenorizada quanto ao percurso seguido por D. Maria e ao seu estado de Saúde)103. No relato da batalha do Salado, a Crónica de 1344 refere a bravura dos portugueses, especialmente de Afonso IV, e preocupa-se em explicar o fracasso da sua perseguição ao rei de Granada. Apesar disso, também na crónica portuguesa o grande herói da batalha é o rei de Castela, que consegue compensar o desbarato inicial do setor comandado por Juan Núñez de Lara III (uma personagem que, como se vê, a Crónica não perde uma ocasião para denegrir). E não será por acaso que é ele grande herói.

  • 104 E levava la delantera don Joán Nuñes de Lara, señor de Vizcaya, e don Joán, fijo del infante don M (...)

44Na lógica do texto, o Salado é o momento da superação definitiva dos conflitos e divisões que tinham dilacerado o seu reinado. Todos, agora, estão com o rei: fidalgos, concelhos, ordens militares. D. Juan Manuel e Juan Núñez de Lara, que tinham sido os chefes das rebeliões, ocupam a dianteira do exército104. No final da batalha, é Don Juan Manuel quem primeiro se aproxima do rei, e quem anuncia a vitória recolhendo a sua espada e fazendo-se acompanhar de dois abades que vinham entoando o Te Deum Laudamus. Nada resta das clivagens passadas, e só a união (a reposição da ordem) possibilitou a vitória. Domadas as rebeliões, apaziguado o reino e superadas as contendas externas, Castela consegue, com Portugal, resistir a uma invasão que arriscava resultar numa nova perda da Espanha. A mensagem subjacente parece-me clara: haveria que prosseguir, no futuro, esse caminho de união e concórdia, em que cada um soubesse ocupar o lugar que lhe cabia no conjunto da sociedade – sem traições, revoltas ou sublevações.

  • 105 Segundo antecipo em Filipe Alves MOREIRA, “Tradición y reescritura: de la Crónica de Alfonso XI a l (...)

45Além disso, e admitindo que a Crónica de 1344 foi escrita, na sua versão original, depois da caída de Algeciras (26 de março de 1344), é significativo que o seu texto termine com uma ação conjunta de Portugal e Castela (o Salado) e não com uma operação basicamente castelhana (Algeciras). Isto simboliza bem a diferença de perspetivas entre um texto, a Crónica de 1344, com uma visão ainda pan-hispânica (mesmo que centrada nas elites) e dois outros textos, o Poema e a Crónica de Afonso XI, onde é já claramente visível a tendência nacionalizante que se irá impondo de forma progressiva ao longo dos séculos XIV, XV e XVI. É esta mesma tendência que explica que a historiografia portuguesa posterior à Crónica de 1344 tenha construído uma imagem diferente, mais negativa, mas também mais complexa, de Afonso XI105.

Haut de page

Notes

1 Com efeito, as alusões ao relato do reinado de Afonso XI presente na Crónica de 1344 têm primado pela brevidade e por certo caráter casuístico, servindo como subsídios para o esclarecimento de outras questões. Devem-se essas alusões, basicamente, a Luís Filipe Lindley CINTRA, (ed.), Crónica Geral de Espanha de 1344. 4. t. (1ªed., 1951, 1954, 1961, 1990), Lisboa: Academia Portuguesa da História/Imprensa Nacional-Casa da Moeda, Lisboa, 3ªed., 2009, 1 («Introdução»); e a Diego CATALÁN, (ed.), Gran Crónica de Alfonso XI, 1, Madrid: Seminario Menéndez Pidal, 1976. Das conclusões e breves transcrições fornecidas por estes autores se serviram, depois, outros estudiosos. Do ponto de vista histórico, o reinado de Afonso XI tem sido objeto de inúmeros e muito diversificados estudos, mas faltará ainda uma visão global que incorpore as mais recentes investigações. Veja-se a síntese de José SANCHÉZ-ARCILLA, Alfonso XI. 1312-1350, Gijón: Ediciones Trea, 1995 e, mais recentemente, Francisco de Paula CAÑAS GÁLVEZ, Itinerario de Alfonso XI de Castilla. Espacio, poder y corte (1325-1350), Madrid: Ediciones de La Ergástula, 2014; Manuel GARCÍA FERNANDEZ (coord.), El siglo XIV en primera persona: Alfonso XI, rey de Castilla y León (1312-1350), Sevilla: Universidad de Sevilla, 2015; Alejandra RECUERO LISTA, Alfonso XI y sus relaciones con las monarquías peninsulares cristianas. Estado de la cuestión y estudio cronístico, Tesis policopiada, Madrid: Universidad Autónoma de Madrid, 2016; e Nicolás AGRAIT, “Por la guarda de la mar: Castile and the Struggle for the Sea in the Thirteenth and Fourteenth Centuries”, Journal of Medieval Military History, XIII, 2015, p. 139-166. Uma análise da evolução histórica do espaço ibérico e suas relações com o espaço mediterrânico, centrada na longa duração diplomaticamente balizada pelos tratados luso-castelhanos de 1267 e de 1494 em Luís Adão da FONSECA, “Portugal e o Mediterrâneo, entre Castela e Marrocos. A formação da fronteira marítima nos séculos XIV-XV e a noção de espaço político descontínuo”, Revista População e Sociedade, 17, 2009, p. 45-60.

2 O critério de seleção do corpus textual deste trabalho é, portanto, em primeiro lugar, o da contemporaneidade com o reinado de Afonso XI. Por isso fica de fora a Gran Crónica de Alfonso XI, refundição tardotrecentista da Crónica de Afonso XI, como ficam de fora obras posteriores, não obstante a possibilidade de algumas dessas obras terem aproveitado materiais antigos. Mas, adicionalmente, o critério de constituição do corpus é também o da matéria abrangida – o reinado de Afonso XI como objeto específico do relato –, sendo, por essa razão, excluídos textos que, como os portugueses In sancta et admirabilii victoria christianorum (sobre a batalha do Salado), Poema de Afonso IV (usualmente designado Poema da batalha do Salado, não obstante os únicos fragmentos dele conhecidos mostrarem claramente que se trata de um poema sobre a totalidade do reinado de Afonso IV, e não apenas sobre o Salado), e Vida da Rainha Isabel, ou como diversas cartas do Cardeal Gil de Albornoz sobre a batalha do Salado e de Fr. Álvaro Pais dirigidas a Afonso IV, e ainda como alguns textos árabes, são contemporâneos do reinado de Afonso XI, mas não têm como objeto específico esse reinado, limitando-se a mencionar ou desenvolver algum episódio, ou alguns episódios, nele ocorridos ou com ele relacionados. Entre vários outros trabalhos dedicados a análises comparativas de alguns dos textos aqui referidos, veja-se Alejandro GARCÍA SANJUAN, “Alfonso XI frente a los musulmanes en las fuentes árabes”, em M. GARCÍA-FERNÁNDEZ, op. cit. , p. 53-70; Armênia Maria de SOUZA, “As relações diplomáticas entre Castela e Portugal e a construção da imagem do rei cristão ibérico de acordo com Frei Álvaro Pais (1270-1350)”, I Congresso Internacional Género, Cultura e Poder, Jataí: Universidade Federal da Goiânia, 2010. URL: http://www.congressohistoriajatai.org/2014/anais.html; Teresa AMADO, “A cada um a sua batalha de Tarifa”, in: Cristina Almeida RIBEIRO e Aires Augusto NASCIMENTO (coord.), Actas do IV Congresso da Associação Hispânica de Literatura Medieval, 4 t, Lisboa: Edições Cosmos, 1993, 4, p. 303-308; Mercedes VAQUERO, “Relación entre el Poema de Alfonso XI y el Poema da Batalha do Salado”, in: Vicente BELTRÁN (coord.), Actas del I Congreso de la Asociación Hispánica de Literatura Medieval, Barcelona: Promociones y Publicaciones Universitarias, 1988, p. 581-593; Mercedes VAQUERO, “The Poema da Batalha do Salado: Some New Stanzas and the Poema's Relation to Castilian and Latin Texts”, Portuguese Studies, 3, 1987, p. 56-69. Excluo também, pela brevidade, o relato do reinado de Afonso XI presente no Título IV do Livro de Linhagens do Conde D. Pedro: José MATTOSO (ed.), Portugaliae Monumenta Historica. Nova Série. Volume II/1, Livro de Linhagens do Conde D. Pedro, Lisboa: Academia das Ciências de Lisboa, 1980, p. 111. Dispersas por esta última obra, há outras breves alusões a eventos do reinado de Afonso XI, e a versão específica do manuscrito da Ajuda contém a célebre narrativa da batalha do Salado.

3 Esta afirmação corresponde à convicção generalizada da crítica, mas não se apoia em nenhuma afirmação explícita contida no próprio texto (muito embora se encontrem nele várias e elogiosas alusões a Fernán Sánchez), nem em documentação coeva, estando, por isso, sujeita a contestação. O mais importante será, no entanto, situar a feitura da crónica em determinado meio/grupo institucional e/ou sociocultural e, nesse sentido, parece-me razoavelmente indiscutível (ou, pelo menos, dificilmente contestável) que ela tenha sido originalmente redigida na e para a corte de Afonso XI, ainda em vida deste rei. Creio, por outro lado, pouco relevante (além de virtualmente irresolúvel) o problema de sabermos se a crónica foi materialmente redigida por um indivíduo, ou por vários, com eventual coordenação e supervisão de um responsável máximo. Veja-se uma recente discussão da problemática da autoria desta crónica (e também das dedicadas a Afonso X, Sancho IV e Fernando IV, que com ela formarão um conjunto) em Carmen BENÍTEZ GUERRERO, “Un cronista en la corte de Alfonso XI: Fernán Sánchez de Valladolid o el enigmático autor de Tres Reyes”, em Manuel GARCÍA FERNÁNDEZ (coord.), op. cit, p. 37-51. A incerteza quanto à autoria da Crónica de Afonso XI foi originando, ao longo do tempo, múltiplas confusões. Bom exemplo disso é a atribuição da sua autoria a Bernardo de Brihuega (!): “don Bernardo de Briuega coronista de el rey don Enrique segundo deste nombre en la Chronica que por su mandado recopilo de los hechos del rey don Alonso el onzeno”, Juan SEDEÑO, Summa de Varones Illustres (1ª ed. 1551), Toledo: en la oficina de Juan Rodríguez, 1590, fol. 132vº.

4 Estas versões foram designadas “vulgata” e “cuatro reyes” por Diego Catalán, o grande estudioso das questões textuais relacionadas com a literatura historiográfica sobre Afonso XI. Cf. Diego CATALÁN, La tradición manuscrita en la “Crónica de Alfonso XI”, Madrid: Gredos, 1974. Servir-me-ei da seguinte edição desta crónica: Cayetano ROSELL (ed.), Crónicas de los reyes de Castilla, 3t., Madrid: Biblioteca de autores españoles, 1875-1878, 1, Crónica de Alfonso XI. Esta edição retoma, com alterações, a edição do século XVIII, por sua vez feita a partir do mais antigo e luxuoso manuscrito da Crónica de Afonso XI, que foi copiado por ordem de seu filho, Enrique II, e é um representante da “versão vulgata”. Dadas as caraterísticas desta edição, e as imperfeições do manuscrito que indiretamente lhe serviu de base, tenho também presentes os diversos trabalhos que Catalán dedicou à sua problemática textual, e aos quais me refiro nesta mesma nota e nas anteriores.

5 Sirvo-me da seguinte edição: Juan VICTORIO (ed.), Poema de Alfonso Onceno, Madrid: Catedra, 1991.

6 Ou entre 1344 e 1348, segundo J. VICTORIO (ed.), op. cit, p. 26-27. A data de 1348 tinha sido estabelecida por Catalán, com base numa alusão do Poema a um acordo matrimonial envolvendo o Infante D. Pedro, filho de Afonso XI e futuro Pedro I de Castela.

7 J. VICTORIO (ed.), op. cit, p. 358: “La profezía conté/ e torné en dezir llano/ yo, Ruy Yáñez, la noté/ en lenguaje castellano” [estrofe 1842 do Poema segundo esta edição]. Apesar desta aparente autorreferência autoral, não é inteiramente pacífica, entre a crítica, a atribuição do Poema a Rodrigo Yáñez.

8 Sobre questões textuais relacionadas com esta obra, veja-se a introdução de Juan Victorio à sua edição, e os trabalhos de Catalán por mim referidos em notas anteriores.

9 L. F. L. CINTRA, op. cit., 1, p. XXXIX.

10 Pode-se estabelecer uma fronteira textual situada entre os relatos dos reinados de Fernando III e de Afonso X (e, por via disso, falar em “secção final” da Crónica de 1344) pelo facto de, até Fernando III, o relato ter fontes estruturais conhecidas (Crónica de Castela e Crónica particular de S. Fernando), ao contrário do que sucede com os reinados seguintes. Mais adiante, sustentarei a inexistência de fontes conhecidas da Crónica de 1344 sobre o reinado de Afonso XI.

11 Este facto foi primeiro notado por L. F. L. CINTRA, op. cit., 1, p. XXXIX.

12 Ponto da situação (quase…) atualizado sobre a tradição manuscrita desta crónica em Maria do Rosário FERREIRA (dir.), De Afonso X a Afonso XI. Edição e estudo do texto castelhano dos reinados finais da 2ª redacção da Crónica Geral de Espanha de 1344, Paris: Les Livres d’e-Spania, (“Travaux en cours”). URL: https://e-spanialivres.revues.org/698., e em Filipe Alves MOREIRA e Arthur Lee-Francis ASKINS, “A Crónica de 1344 para além de Pedro de Barcelos: perspetivas recentes e novidades”, eHumanista. Journal of Iberian Studies (Homenagem a Aida Fernanda Dias oferecida pelos seus colegas de Philobiblon), 31, 2015, p. 64-79. URL: http://www.ehumanista.ucsb.edu/volumes/31.

13 Que todos os manuscritos castelhanos que contêm a secção final da Crónica de 1344 são cópias de uma única tradução, vê-se, não apenas pela concordância literal entre todos, mas também pela existência de erros de tradução comuns. Estas questões serão detalhadas em estudo específico que fará parte de M. R. FERREIRA, op. cit.

14 Os manuscritos G, S, U e Q2, nas suas respetivas secções finais (reinados de Afonso X – Afonso XI) foram transcritos em M. R. FERREIRA, op. cit. Sobre o manuscrito N (possível descriptus de G) veja-se a respetiva ficha [manid 4975] na base de dados BETA, do projeto PHILOBIBLON. URL: http://bancroft.berkeley.edu/philobiblon/index.html.

15 Veja-se a descrição deste manuscrito na base de dados BITAGAP, do projeto PHILOBIBLON [manid 1155]. A parte deste manuscrito correspondente aos reinados de Afonso X – Afonso XI foi editada por L. F. L. CINTRA, op. cit., 4, p. 511-517.

16 L. F. L. CINTRA, op. cit., 1, p. CXXX-CLXXXIX.

17 Citado e editado por L. F. L. CINTRA, op. cit., 1, p. CLXIII. Não há diferenças significativas entre os diversos manuscritos da crónica, nesta passagem. O que ela tem de mais relevante, para o caso aqui em apreço, é a importância concedida ao Conde D. Pedro, claramente visto como a terceira figura do reino, logo abaixo do monarca e do infante herdeiro (como seria de esperar) e acima do poderosíssimo Arcebispo de Braga e de todas as restantes figuras das elites portuguesas, também elas, aliás, hierarquizadas. Não surpreenderá esta preocupação com a hierarquização dos atores históricos na pena de alguém que, para além da Crónica, redigiu ainda um Nobiliário também ele animado de visíveis intuitos hierarquizadores, desde logo na ordem pela qual vão sendo apresentadas as sucessivas linhagens.

18 Citado e editado por Diego CATALÁN e Maria Soledad de ANDRÉS (ed.), Crónica General de España de 1344, Madrid, Gredos/Seminário Menéndez Pidal, 1970, p. XXIV. Não há diferenças significativas entre os diversos manuscritos da crónica, nesta passagem.

19 À exceção de um episódio do reinado de Afonso X, o do pedido de ajuda da Imperatriz de Constantinopla ao rei de Castela e Leão, que consta apenas de alguns dos manuscritos castelhanos da Crónica de 1344. A ausência desse episódio, tanto no ms. P, quanto em alguns manuscritos castelhanos, leva-me a pensar numa interpolação devida a algum copista, porventura baseado na Crónica de Alfonso X, onde este episódio é também narrado.

20 D. CATALÁN (ed.), Gran Crónica de Alfonso XI…, p. 163.

21 Ms. Q2, fol. 228, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit..

22 C. ROSELL, ed. cit., p. 198-199: “En el regno avia dos caballeros, et la estoria ha contado en otros lugares los nombres dellos. Et era el uno de Castiella, et decianle Garcilaso de la Vega; et el otro del regno de Leon, et decianle Alvar Nuñez de Osorio; et eran amos a dos bien entendidos et bien apercebidos en todos sus fechos; [...] el Rey [...] por el su saber dellos, et por el su apercibimiento que ovieron, tomólos para en su consejo. [...] Como quier que adelante aquellos dos caballeros, Garcilaso et Alvar Nuñez, fueron los mas privados del Rey, et en quien facia más fianza”. J. VICTORIO, op. cit, p. 77: “Álvar Núñez a él llega/ que de Ossorio fue llamado,/ e Garci Las de la Vega,/ cavallero muy onrado// Con el rey luego fablaron/ cómo estava su fazienda,/ de su casa lo tiraron/ este rey que Dios defienda”.

23 E só não totalmente probatória pela possibilidade de que a alusão a que a “estória” não referia o nome do segundo cavaleiro seja da lavra do refundidor da Crónica de 1344, do respetivo tradutor castelhano ou de um copista em concreto, responsável pelo arquétipo da tradição textual dessa tradução hoje conhecida. O ms. P não contém a referência a um segundo cavaleiro que ficou a controlar o rei, concentrando atenções em Álvar Núñez Osório.

24 Auge do seu poder, e também, ironia do destino, o seu final, já que Afonso XI morreu, como se sabe, algo prematuramente (para os padrões da época), em 1350. Mas isto não o podiam saber os autores dos textos que estamos analisando.

25 Um ponto que suscitará controvérsia é o da visão global (se de tal coisa poderemos falar) da Crónica de 1344 sobre a descendência de Afonso X (e sobre este mesmo rei) e, logo, sobre a legitimidade (e qual, e de que tipo) dos seus três sucessores. Com efeito, a Crónica de 1344 parece defender os direitos dos filhos de Fernando de la Cerda ao trono castelhano, e parece ter uma visão pouco simpática dos antecessores de Afonso XI (sobretudo de Afonso X e de Sancho IV). Mas isto está longe de poder interpretar-se pacificamente como uma espécie de difamação in toto do ramo da casa real castelhana inaugurado por Sancho IV, e muito menos como afetando de alguma maneira a legitimidade de Afonso XI (que é o que aqui mais me interessa). A verdade é que, quer no relato do reinado de D. Dinis (L. F. L. CINTRA, op. cit., 4, p. 248-250), quer no de Fernando IV (ms. Q2, fol. 227, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit.), a Crónica de 1344 refere, e destaca, os acordos que conduziram ao abandono das pretensões de Afonso de la Cerda (filho primogénito de Fernando de La Cerda e neto de Afonso X) ao trono de Castela e ao abandono das pretensões do Infante D. Juan (filho de Afonso X) ao trono de Leão, assim pondo ponto final nas disputas sucessórias. Do ponto de vista do narrador/autor da crónica portuguesa, Afonso XI era, portanto, um rei legítimo à luz do direito, e isto independentemente do que tenham feito o seu pai, avô e bisavô. Por outro lado, o suposto caráter negativo dos antecessores de Afonso XI, especialmente Afonso X, na Crónica de 1344, creio que foi pertinentemente perspetivado por Diego Catalán [“Rodericus” Romanzado en los reinos de Aragón, Castilla y Navarra, Madrid: Fundación Ramón Menéndez Pidal, 2005, p. 335-353] como tendo implicações pessoais e não dinásticas (estas seriam uma criação posterior, surgida já no âmbito da propaganda anti-petrista). Com efeito, a defesa, na Crónica de 1344, dos direitos dos descendentes de Fernando de la Cerda ao trono castelhano decorre, não propriamente dele, mas da circunstância de a sua esposa ser neta de D. Branca, que, segundo a crónica, era a filha mais velha de Afonso VIII de Castela. Esta última afirmação (que contraria todas as restantes crónicas dos séculos XIII-XIV) serve para sustentar a oposição dos Lara à subida de Fernando III (filho de Berengária, irmã de Branca) ao trono de Castela, o que é também um rasgo exclusivo desta crónica. Sabida a visão “politica” e habitualmente pró-Lara de D. Pedro, Conde de Barcelos, explicar-se-á deste modo a defesa - instrumental e conjuntural - dos direitos dos La Cerda. Instrumental e conjuntural, já que, ao dar conta da renúncia de Afonso de La Cerda (e do Infante D. Juan) a esses direitos, a crónica consegue conjugar a legitimidade dinástica dos descendentes de Fernando de La Cerda com a legitimidade jurídica (decorrente de acordos) de, pelo menos, Fernando IV e Afonso XI.

26 D. CATALÁN (ed.), Gran Crónica de Alfonso XI…, p. 127-137.

27 Por exemplo, os capítulos LIII-LV da edição de que me sirvo ocupam-se do reino de Granada, o capítulo LXXIX narra “como ficieron los de Alemaña que fuesen esleidos en Roma dos Emperadores, el uno el Duque de Bavyera, et el otro el Duque de Esterlinche, et sobre esta elección ovieron grandes contiendas” (ano de 1328), e os capítulos CLXXIII e CLXXIV tratam de episódios da história francesa e inglesa. Geralmente, porém, e embora possamos ver nestas digressões pela história não castelhana uma herança metodológica da escola afonsina, tais digressões limitam-se a personagens ou eventos de alguma maneira relacionados com a história de Castela e Leão. Este mecanismo é também utilizado, ainda que menos frequentemente, pelo Poema de Alfonso XI, em estrofes dedicadas aos reinos muçulmanos: J. VICTORIO, op. cit, p. 113-114, 124. No relato do reinado de Afonso XI da Crónica de 1344, não existem digressões deste tipo.

28 É esta a data presente nos manuscritos da Crónica de 1344; D. Pedro e D. Juan morreram, contudo, durante o ano de 1319.

29 Outro lapso da crónica (ou de copistas). Na realidade, e como bem se sabe, Maria de Molina deixou este mundo em 1321.

30 No relato do reinado de Afonso IV de Portugal, há dois outros eventos em que intervém Afonso XI e estão também datados: o acordo de casamento entre o rei de Castela e D. Maria, filha do monarca português, e o encontro entre ambos os reis em Fonte Guinaldo (local onde já tinha sido tratado o casamento de Afonso XI com D. Maria), um ano após esse acordo. Cf.  L. F. L. CINTRA, op. cit., 4, p. 260-261.

31 Logo após contar a morte de Álvar Núñez Osorio, a Crónica de 1344 abre novo capítulo, no início do qual é-nos dito que “al rey don Alfonso de Castilla fuera ante d’esto tratado casamiento com una fija del rey don Alfonso de Portogal que avia nombre dõna María.”, ms. Q2, fol. 229, transcrito em M. R.  FERREIRA, op. cit..

32 A tradição manuscrita desta Crónica apresenta, contudo, situações diversas quanto ao seu início e ao seu final, não sendo inteiramente pacíficos os limites cronológicos da sua versão original. Veja-se o que dizem Diego CATALÁN, La tradición manuscrita en la “Crónica de Alfonso XI…, e, mais recentemente, e com bibliografia atualizada, Carmen BENÍTEZ GUERRERO, La historia a través de la historiografía: estudio y edición de la “Crónica de Fernando IV”, Tesis Doctoral, Universidad de Sevilla, 2015 (trabalho cuja consulta devo à amabilidade da autora, que aqui agradeço).

33 É esta a data histórica da morte de Fernando IV e do alçamento do rei menino, Afonso XI. Na edição que estou seguindo, a datação é outra, em virtude da cronologia errónea própria da versão da Crónica de Afonso XI presente no manuscrito que, indiretamente, lhe serviu de base. Os sucessivos trabalhos de Catalán dedicados à tradição manuscrita da Crónica de Afonso XI, por mim já amplamente citados, elucidam bem esta problemática.

34 Tal como atualmente conhecido, o texto do Poema abrange o lapso temporal que decorre entre a reabertura das hostilidades contra o reino de Granada (1318-1319) e a conquista de Algeciras (1344).

35 Apesar de alguma ambiguidade sintática, a crónica parece afirmar, aqui, que D. Constança morreu em Ávila, o que contraria a Crónica de Afonso XI, que diz que a rainha morreu em Sanct Fagund (Sahagún): C. ROSELL, ed. cit., p. 178.

36 Ms. Q2, em M. R.  FERREIRA, op. cit..

37 Estes aspetos têm sido abundantemente tratados pela crítica, o que me dispensa de os aprofundar. Veja-se os estudos que refiro numa das notas seguintes, e também Erica JANIN, “Asi como oiredes en esta letradura: el Poema de Alfonso Onceno como producción literaria”, Hispanismos del mundo: diálogos y debates en (y desde) el sur, Buenos Aires, 2013. URL: http://www.uba.ar/aihbuenosaires2013/literaturaMedieval.html. Para uma problematização do uso do conceito “literatura” quando aplicado a obras medievais, com especial incidência no chamado “mester de clerecía” – com o qual o Poema de Alfonso Onceno tem sido relacionado, devido a algumas das suas caraterísticas pragmático-formais, veja-se Juan GARCÍA ÚNICA, “En Escrito Yazié”: los discursos castellanos en cuaderna vía del siglo XIII desde una epistemología de la escritura, Tesis doctoral, Granada: Universidad de Granada, 2008.

38 Trinta e seis capítulos, na edição da Crónica de Afonso XI de que me sirvo, e 152 estrofes do Poema.

39 Veja-se o que digo a seguir.

40 L. F. L. CINTRA, op. cit., 4, p. 252-259.

41 Julgo ver um eco desta antiga inimizade política entre o Conde D. Pedro e o Infante D. Filipe numa passagem da Crónica de 1344 situada no relato do reinado de D. Dinis (Capítulo DCCXXIV na edição de Lindley Cintra). Aí se conta como este Infante castelhano “fazia muyto mal ao cõcelho de Badalhouce e lhes estragava todo seu termho, nõ sendo seu senhor delles nẽ avẽdo razõ por que”, o que levou os seus moradores a pedirem ajuda a D. Dinis, que, por essa razão, lá enviou o Infante D. Afonso (futuro Afonso IV) à frente de um contingente armado. Sabendo disto, D. Filipe retira para Sevilha, facto que em nada honra a sua imagem. Pelo contexto em que surge este episódio, percebe-se que ele se relaciona, precisamente, com o período das lutas intestinas que, em Castela, se seguiram à morte dos Infantes D. Pedro e D. Juan. Isso mesmo é confirmado quando a crónica explica o pedido de ajuda enviado pelos moradores de Badajoz aos portugueses: “Este recado lhe mãdarom os de Badalhouce, fazẽdolhe saber a mocidade del rey seu senhor e como estava longe delles, ca era em Valhedolide, e que nõ podia a ello tornar como cõpria”. Se a forma como este episódio é narrado pela Crónica de 1344 está, provavelmente, relacionada com o posicionamento político do Conde D. Pedro, já a ocorrência do episódio em si há de, no plano histórico, relacionar-se com o (complexo) posicionamento de D. Dinis face, por um lado, às lutas internas do reino vizinho e, por outro, aos atos do seu filho e herdeiro, D. Afonso. Quanto a este último aspeto, veja-se Manuel GARCÍA FERNÁNDEZ, “Don Dionis de Portugal y la minoría de Alfonso XI de Castilla (1312-1325)”, Revista da Faculdade de Letras – História, IIª Série, IX, Porto: Universidade do Porto, 1992, p. 25-51 e José Augusto de SOTTOMAYOR PIZARRO, D. Dinis, Col. “Reis de Portugal”, Lisboa: Círculo de Leitores, 2005, p. 169-171.

42 Veja-se o capitulo XXIII da edição que estou seguindo, intitulado “De como estando el Infante Don Felipe en la villa de Mayorga, llegaron y cerca de la villa Don Joan, et Don Fernando fijo del Infante Don Fernando por aver lid con él”: “despues que el Infante Don Felipe llegó à Mayorga, en amaneciendo, et este Infante estando en su cama, llegaron cerca de la villa Don Joan, et Don Fernando, et Don Pedro de la Guerra, et el Conde de Portogal con seiscientos omes de acaballo et mucha gente de pie […]. Et Doña María, mujer que fue del Infante Don Joan, quando lo sopo, pésole ende mucho, et estrañógelo mucho también à su fijo como à todos los otros, porque veía que ficieran grand traicion ellos, et quantos y fueran a combatir la villa del Rey [Monzon], et tomarla, et esto mismo Don Felipe ge lo estrañó mucho. El luego Don Juan, et Don Fernando, et don Lope, et Don Pedro, et el Conde de Portogal fuéronse luego para Carrion, et non los quisieron acoger en la villa […]”, C. ROSELL, ed. cit., p. 189 (destaques meus). Estes acontecimentos decorreram no ano de 1320: D. CATALÁN, “Rodericus” Romanzado en los reinos de Aragón, Castilla y Navarra…, p. 346.

43 Também no Livro de Linhagens do Conde D. Pedro não há a menor alusão às lutas pelo controlo do rei, e do reino, de Castela no período 1319-1325, o que contrasta, por exemplo, com a relativa minúcia na narração de episódios que opuseram Sancho IV a alguns setores da alta nobreza castelhana (e aos quais também a Crónica de 1344 se refere). Confesso que, quando pela primeira vez li a secção final da Crónica de 1344, uma das minhas expetativas era, precisamente, encontrar uma narração, e justificação, da atuação do Conde de Barcelos em Castela, nesse contexto. Gorada esta expectativa, estamos limitados, segundo creio, ao relato de Fernán Sánchez de Valladolid, abertamente hostil ao bando de que D. Pedro fazia parte. Apenas no capítulo do reinado de D. Dinis sobre a invasão de D. Filipe, a que atrás me refiro (e que aparece na Crónica de 1344, mas não no Livro de Linhagens do Conde D Pedro), temos um vislumbre da visão pessoal do Conde D. Pedro sobre as lutas pela segunda tutoria de Afonso XI.

44 C. ROSELL, ed. cit., p. 197.

45 J. VICTORIO (ed.), op. cit, p. 64-65 (destaques meus). Antes disso, já o sujeito da enunciação tinha dado conta do mau estado em que estava o reino, de forma similar à da Crónica de Afonso XI: “Los tutores e las tierras/ se fueron quanto podían:/ non dexaron fazer guerras/ bien así como solían.// Cada dia azes parando/ estragando los menores/ todas las tierras robando/ matando los labradores”, J. VICTORIO (ed.), op. cit, p. 61.

46 Este discurso do aio ao jovem rei terá uma relação de intertextualidade com o episódio do mesmo tipo presente no Libro de Alexandre, segundo propôs Diego CATALÁN, Un prosista anónimo del siglo XIV (La Gran Crónica de Alfonso XI. Hallazgo, estilo, reconstrucción), Madrid: Editorial Gredos, 1955, p. 165-166. São, como se sabe, muito comuns estes espelhos de príncipes sob a forma de discursos de personagens mais velhas (o aio, o tutor, o pai, etc.) dirigidas ao jovem, ou futuro, rei. Com antecedentes longínquos (bíblicos, desde logo, mas não só), estes discursos/espelhos constituíram, sem dúvida, uma das formas mais conseguidas de elaboração e difusão do(s) ideal(is) monárquico(s), ao longo do tempo. No caso concreto da Península Ibérica, a sua presença é especialmente forte em Castela, mas não está ausente dos restantes reinos. Entre os textos portugueses, existe pelo menos uma peça típica deste género (embora nem sempre reconhecida como tal pela crítica), o discurso proferido pelo Conde D. Henrique a seu filho, D. Afonso Henriques (ou Afonso I de Portugal), o qual aparece em diversas crónicas dos séculos XIII-XVI, incluindo a Crónica de 1344, e tem, aliás, notórias semelhanças (e algumas interessantes divergências) com o discurso do aio no Poema de Alfonso Onceno, no que respeita à conceção das funções, deveres, fontes de legitimidade e limites do poder real. Estas semelhanças explicam-se, não por relação intertextual, mas por partilha comum da mesma, ou similar, mundivisão. Espero poder ocupar-me destas questões numa outra ocasião.

47 J. VICTORIO (ed.), op. cit, p. 71.

48 A bibliografia crítica que estas duas obras têm suscitado é já incontrolável. Veja-se, entre outros, D. CATALÁN (ed.), Gran Crónica de Alfonso XI… (especialmente p. 163-170); María Fernanda NUSSBAUM, Claves del entorno ideológico delPoema de Alfonso XI”, Lausanne: Sociedad Suiza de Estudios Hispánicos, coll. “Hispanica Helvetica” (23), 2012; Enrique RODRÍGUEZ-PICAVEA, “Ideología y Legitimación del Poder en la Castilla del siglo XIV. La imagen regia en el Poema de Alfonso XI”, Medievalismo, 22, 2012, p. 185-216; Purificación MARTÍNEZ, “La historia como vehículo politico: la figura real en la Crónica de Alfonso XI”, Espacio, Tiempo e Forma, Serie III, Historia Medieval, t. 13, 2000, p. 215-231; Erica JANIN, “La construcción de la figura legendaria de Alfonso XI en el Poema de Alfonso Onceno y la Gran Crónica de Alfonso XI”, Estudios de Historia de España, IX, 2009, p. 49-59; Jorge FERRO, “¿Un eco priscilianista en el Poema de Alfonso XI?”, in: Leonardo FUNES, José Luís MOURE (ed.), Studia in honorem Germán Orduna, Alcalá: Universidad de Alcalá, 2001, p. 251-260.

49 J. VICTORIO (ed.), op. cit, p. 25.

50 Veja-se, por exemplo, o extenso capítulo XXXVIII da edição que sigo, que conta “De como en quanto elRey estido en Valledolit asentábase á oir querellas et pleytos tres veces en la semana”, C. ROSELL, ed. cit., p. 197-198.

51 Por exemplo, no capítulo “De como elRey fue mucho maravillado de este Don Joan, que non le avia fecho cosa nenguna porque él debiese irse de la frontera, et desamparar el menester en que estaba en servicio del Rey”, C. ROSELL, ed. cit., p. 203-204, ou nos capítulos “De lo que Don Joan fijo del infante Don Manuel fizo mientra elRey estaba en las bodas de su hermana” (C. ROSELL, ed. cit., p. 223) e “De como el Rey facia mucho por sosegar à Don Joan fijo del infante Don Manuel en su servicio et non podía, ca Don Joan non venia à ello” C. ROSELL, ed. cit., p. 233-234), nos quais D. Juan Manuel aparece claramente como o cabecilha da oposição ao rei.

52 Normalmente aliado de D. Juan Manuel (até finais da década de 1330, pelo menos) e, por isso, objeto da mesma apreciação negativa por parte da crónica, como sucede no capítulo “De lo que Don Joan fijo del Infante Don Manuel fizo mientra elRey estaba en las bodas de su hermana”, C. ROSELL, ed. cit., p. 223. Recorde-se que Don Juan Núñez era filho de Fernando de La Cerda e de Juana Núñez de Lara, de quem lhe adveio o apelido por que ficou conhecido.

53 Por exemplo, no capítulo “De como Don Joan fijo del Infante Don Joan andudo catando maneras para deservir al Rey”, ou, no momento em que se narra o seu ajusticiamento, o elenco de todas as malfeitorias de que D. Juan fora responsável: C. ROSELL, ed. cit., p. 201, 202-203.

54 Especialmente no retrato que dele se desenha como o perfeito guerreiro cristão, aquando da batalha do Salado: J. VICTORIO, ed. cit., p. 295-296, 298-299. Na Crónica de Afonso XI, a atuação de D. Juan Manuel é, nesse contexto, bastante mais apagada e não isenta da recordação negativa da sua anterior rebelião contra o rei: C. ROSELL, ed.  cit, p. 323-329 (máxime p. 326). Ainda assim, a valorização, no Poema, da figura de D. Juan Manuel, é largamente contextual. Hiperbolicamente elogiado quando aliado do rei, este magnate é, pelo contrário, alvo de constantes depreciações, nos momentos em que afronta a autoridade real (como sucede, por exemplo, em J. VICTORIO (ed.), op. cit, p. 96-97, 143). O ponto de viragem localiza-se nas rendições sucessivas de Juan Núnez de Lara III e de D. Juan Manuel, após enérgicas retaliações do monarca (J. VICTORIO (ed.), op. cit, p. 153-155), e isso mesmo é reconhecido pelo próprio D. Juan Manuel mais adiante, aquando dos preparativos para a batalha do Salado: “ A mí dizen don Johán/ que vo en esta cruzada […]// Por onrar el mi estado/ en muchas cosas pequé/ contra vos soy muy culpado/ conosco que vos erré// De lidiar con los paganos/ sienpre ove gran sabor/ mucho mal fize a cristianos/ de que só muy pecador”, J. VICTORIO, ed. cit., p. 269-270.

55 J. VICTORIO, ed. cit., p. 103-107.

56 J. VICTORIO, ed. cit., p. 196-198.

57et como quiera que fuese viuda, era de pocos dias mas que elRey, et rica dueña, et muy fija-dalgo, et en fermosura era la mas apuesta muger que avia en el regno”, C. ROSELL, ed. cit., p. 227. Evidentemente que, tratando-se da mãe de filhos do rei, dificilmente a crónica poderia deixar de lhe tecer alguns encómios, tanto mais que, durante algum tempo, o reino se viu confrontado com a ausência de filhos legítimos do monarca (situação que esta obra recorda frequentemente). Mas compare-se esta semblanza de Leonor Núñez com a que aparece no Poema, abaixo parcialmente transcrita, e constate-se como a da Crónica é bem menos eufórica.

58 Considera-a, por várias vezes, como a causa principal para a inimizade de setores da alta nobreza para com o rei; e revela o seu caráter intriguista, quando manobra para que os seus irmãos atinjam cargos de relevo (C. ROSELL, ed. cit., p. 302). São ainda mencionadas as motivações pragmáticas que conduziram à aproximação inicial do rei a Leonor Núñez: “Et porque el Rey era muy acabado hombre en todos sus fechos, teníase por muy menguado porque non avia fijos de la Reina; et por esto cató manera como oviese fijos de outra parte”, C. ROSELL, ed. cit., p. 227.

59 A predileção do Poema pelo ramo ilegítimo da descendência de Afonso XI é também visível, como notou Juan Victorio, nas referências constantes à presença dos pendões dos filhos de Leonor Núñez de Guzmán em episódios de guerra.

60 J. VICTORIO (ed.), op. cit, p. 115-116. Reconhecer-se-á, neste retrato de Leonor Núñez de Guzmán (de que apenas transcrevo as primeiras estrofes) a interferência de códigos líricos que, já usados na “corte poética” de Afonso XI, marcarão a produção cancioneiril castelhana da segunda metade do século XIV. Sobre isto, veja-se Vicente BELTRÁN, “Leonoreta Fin Roseta y la corte poética de Alfonso XI”, in: Poética, poesía y sociedad en la lírica medieval, Verba. Anexo 59, Santiago: Universidad de Santiago de Compostela, 2007, p. 119-132. Compare-se, por outro lado, o elogio aos filhos de Leonor Núñez de Guzmán com a notação seca que, a respeito do nascimento dos primeiros deles, D. Enrique e D. Fadrique, inclui a Crónica de Afonso XI: C. ROSELL, ed. cit., p. 259. Este tom “burocrático” repete-se aquando do nascimento dos restantes filhos do rei e sua amante.

61 Muito importante na Crónica de Afonso XI, está também presente no Poema, sobretudo nas estrofes 329-336 (J. VICTORIO (ed.), op. cit, p. 108-109).

62 Sobre estas cerimónias, veja-se, para além de alguma da bibliografia sobre o reinado de Afonso XI já indicada, Rosa María RODRÍGUEZ PORTO, “Mística regla y ambiciones compostelanas: la Catedral de Santiago como espacio ceremonial para las monarquías castellana y portuguesa (1319-1332)”, Codex Aquilarensis: Cuadernos de investigación del Monasterio de Santa María la Real, 30, 2014, p. 133-158; Eduardo CARRERO SANTAMARÍA, “Por las huelgas los juglares. Alfonso XI de Compostela a Burgos, siguiendo el libro de la coronación de los reyes de Castilla”, Medievalia, 15, 2002, p. 143-157; Peter LINEHAN, Historia e Historiadores de la España Medieval(1ª ed. 1993), Salamanca, Ediciones Universidad de Salamanca, 2012 p. 583-685.

63 J. VICTORIO (ed.), op. cit,, p. 119-123.

64 C. ROSELL, ed. cit., p. 233-237.

65 E, no Poema de Afonso XI, também predestinado, devido à inserção das profecias de Merlim.

66 Basta ver como, num importante documento de Afonso IV do ano de 1336, em que este detalha um conjunto de agravos cometidos pelo seu genro castelhano, é mencionada a cerimónia de coroação de Afonso XI, na qual este teria pretendido coroar D. Leonor Núñez de Guzmán, e não a rainha D. Maria. Uma pública forma contendo este documento foi publicada em António da SILVA REGO (ed.), Gavetas da Torre do Tombo, Lisboa: Centro de Estudos Históricos Ultramarinos, VIII, 1970, p. 462-477. Existe também uma versão castelhana, contemporânea do original e atualmente na Biblioteca Nacional de España, com a cota MSS 12932/50 (manid. 5157 da BETA, URL: http://bancroft.berkeley.edu/philobiblon/beta_en.html.). Segundo a BETA, o escriba responsável pela feitura deste último manuscrito foi o mesmo que escreveu o célebre documento em que D. Juan Manuel anuncia que se desnaturara do rei de Castela, documento também datado do ano de 1336. Parece-me, por isso, que quem encarregou a tradução do documento de Afonso IV para castelhano terá sido o próprio D. Juan Manuel, num contexto em que, pelo casamento da sua filha com o Infante D. Pedro de Portugal, se procurava uma aliança da alta nobreza castelhana com a coroa portuguesa, de modo a contrabalançar a crescente influência, em Castela, de Leonor Núñez de Guzman e sua parentela. O ritual específico usado na coroação de Afonso XI foi, por sua vez, conhecido em certos meios clericais portugueses: José MATTOSO, “A coroação dos primeiros reis de Portugal”, em Naquele Tempo. Ensaios de História Medieval, Lisboa: Círculo de leitores, 2009, p. 490. E não é crível que Afonso IV, sempre tão atento às movimentações do genro, o tenha ignorado.

67 Um bom exemplo, portanto, dos tópicos moralizadores da “queda de príncipes” e das andanças da roda da fortuna.

68 Uma razão histórica que ajudará a compreender este negro retrato de Álvar Núñez Osorio presente no texto português é a circunstância de este cavaleiro ter apoiado o Infante D. Filipe nos conflitos que atravessaram a sociedade castelhana após o fim da primeira tutoria de Afonso XI; como atrás vimos, D. Pedro, Conde de Barcelos, fez parte, precisamente, do bando contrário.

69E este don Álvar Núñez era del linaje de Vellido Dolfos, aquel traidor que mató al rey don Sancho sobre Çamora, e su semejable en las costunbres”, ms. Q2, fol. 228, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit.. Trata-se de um dado aparentemente antihistórico. Álvar Núñez Osorio descendia da antiga, e prestigiada, família leonesa dos Flaínez; de Vellido Dolfos, sabe-se muito pouco, havendo mesmo dúvidas quanto à sua real existência. Veja-se, respetivamente, Jaime de SALAZAR Y ACHA, “Los Osorio. Un linaje de más de mil años al servicio de la corona”, Anales de la Real Academia Matritense de Heráldica y Genealogía, 4, p. 143-182; e Alberto MONTANER FRUTOS, “La Huida de Vellido. ¿Por las puertas o el postigo? (o de la Chronica Naierensis y las fuentes alfonsíes)”, em Actes del X Congrés Internacional de l’Associació Hispànica de Literatura Medieval, III, Alacant: Institut Interuniversitari de Filologia Valenciana, 2005, p. 1179.

70 A Crónica de 1344 coincide neste ponto com o Poema de Afonso XI (J. VICTORIO (ed.), op. cit, p. 80-81), mas não com a Crónica de Afonso XI.

71 Ms. Q2, fol. 229, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit..

72 J. VICTORIO (ed.), op. cit, p. 107.

73 Para além da versão da Crónica de 1344 (que coincide em alguns aspetos com a de certa História en Décadas, obra do século XVI), creio que se conhece apenas mais uma versão detalhada da morte deste fidalgo, a qual aparece em alguns manuscritos dos séculos XV e XVI e contém elementos burlescos (Álvar Núñez é assassinado enquanto estava “asentado en el servidor”), para além de estar visivelmente construída com base no mesmo esquema narrativo usado na narração de outras mortes desonrosas presentes nas crónicas, como a de Sancho II, em Zamora, e a de Lope de Arenas, em Çurita, durante a menoridade de Afonso VIII (veja-se a referência a esta outra versão da morte de Álvar Núñez Osorio em D. CATALÁN, La tradición manuscrita en la “Crónica de Alfonso XI”…, p. 258-262). Os versos do Poema de Alfonso XI dedicados a este assunto, e atrás transcritos, podem ter subjacente o conhecimento da mesma versão burlesca da morte de Álvar Núñez, que o poeta, por decoro, teria omitido. Mas isso não é seguro, até porque também na versão presente na Crónica de 1344, Álvar Núñez foi morto “sin guerra e sin gran cavalleria”.

74 C. ROSELL, ed. cit., p. 219.

75 Trata-se de uma degradação ritual, que, para além de expor publicamente o visado (como ameaça para que outros não repetissem os mesmos comportamentos), o rebaixa, metaforica e simbolicamente, à condição animal. Aparece, com variantes, aplicado a criminosos e/ou a pecadores (antes e após as suas mortes) em muitos textos da época, e foi, certamente, um método historicamente utilizado. Sobre este tipo de rituais, veja-se (com base na realidade inglesa, que não seria muito diferente da ibérica) Danielle Marianne WESTERHOF, Aristocratic executions and burials in England c. 1150-c. 1330. Cultures of fragmentation, Phd Thesis, York: University of York-Centre for Medieval Studies, 2004.

76 C. ROSELL, ed. cit., p. 219. Destaques meus.

77 C. ROSELL, ed. cit., p. 203. Destaques meus. Seria interessante comparar estas descrições com as de outros episódios semelhantes narrados pelas crónicas. Por exemplo, no caso português, com as execuções de nobres ordenadas por D. João II.

78 J. VICTORIO, ed. cit., p. 89.

79 J. VICTORIO, ed. cit., p. 92-93. É também neste contexto que o Poema introduz a primeira das profecias de Merlim que nele se contêm, certamente por ser este o primeiro ato de subjugação dos inimigos do monarca, temática predominante nestas profecias. Sobre as estrofes do Poema em que elas se contêm, veja-se, para além dos estudos que já indiquei sobre o Poema de Alfonso XI, Erica JANIN, “El uso del discurso profético como recurso de exaltación de la figura regia en el Poema de Alfonso Onceno y la Gran Crónica de Alfonso XI”, Revista de Literatura Medieval, 22, 2009, p. 103-113.

80 Note-se que a Crónica de 1344 diverge, também neste ponto, do Poema de Alfonso XI, que, como vimos, atribui o conselho para a morte de D. Juan a um anónimo privado do rei, limitando-se Álvar Núñez a sugerir a sua prisão. A Crónica de Alfonso XI, em contraste com os dois outros textos, atribui a iniciativa da morte de D. Juan, sobretudo, ao próprio rei (C. ROSELL, ed. cit., p. 202-203).

81 Ms. Q2, fol. 228, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit..

82 Ms. Q2, fol. 228, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit..

83 Ms. Q2, fol. 229, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit..

84 Ms. Q2, fol. 229, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit.. Note-se a secura desta referência a Leonor Núñez de Guzmán, única presente em toda a crónica, que contrasta fortemente com a importância concedida a esta personagem pelos textos castelhanos, como atrás vimos.

85 E d’esta guisa que avedes oído, fue perdido el castillo de Gibraltar, e d’esto por mengua de aquellos dos fidalgos, que non guardaron la verdat como la prometieran”, ms. Q2, fol. 229, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit..

86 Este rey don Alfonso de Castilla fazía muchas mercedes a don Juan Nuñes de Lara e a don Joán, fijo del infante don Manuel, dándoles grandes donas e muchos dineros. E ellos eran tenudos de lo servir quando los él menester oviese. E aconteció que el rey ovo menester su servicio para los navarros e enbiólos llamar. E ellos non quisieron venir, por quanto don Joán Nuñes e don Juan, fijo de don Manuel, eran tanto amigos que uno non fazía ninguna cosa sin el otro”, ms. Q2, fol. 229-230, transcrito M. R. FERREIRA, op. cit..

87 De cómo el rey don Alfonso mandó a Alfonso Fernandes Coronel que prendiese al maestre de Calatrava [sic], ms. Q2, fol. 230, transcrito M. R. FERREIRA, op. cit..

88 Do ponto de vista histórico, vários trabalhos têm sido dedicados às relações luso-castelhanas durante o reinado de Afonso XI, como, entre outros, Maria Margarida de Sá Nogueira LALANDA, “A política externa de D. Afonso IV (1325-1357)”, Revista Arquipélago. Série “História”, Universidade dos Açores, volume 11, 1989, p. 107-151 e Adelaide Millán da COSTA, “As três mulheres de D. Pedro I”, em Adelaide Millán da COSTA e Vanda Lourenço MENINO, A rainha, as infantas e a aia. Beatriz de Castela, Branca de Castela, Constança Manuel e Inês de Castro, Col. “Rainhas de Portugal”, Lisboa: Círculo de Leitores, 2012.

89 A não ser numa fugaz alusão às guerras com Navarra, quando, a propósito de um dos cercos postos por Afonso XI a Juan Núñez de Lara, a Crónica diz que este fidalgo e D. Juan Manuel desserviram o seu rei quando ele “ovo menester su servicio para los navarros e enbiólos llamar”, ms. Q2, fol. 230, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit..

90 Este episódio é contado pelo Livro de Linhagens do Conde D. Pedro (título 22), de forma claramente honrosa para o Conde, e desprestigiante para o Arcebispo de Santiago e os seus homens.

91 Ms. Q2, fol. 230, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit..

92 Ms. Q2, fol. 230, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit..

93 C. ROSELL, ed. cit., p. 272-292.

94 São significativas as epígrafes de alguns capítulos: “De como los del Andalucia, con Don Anrique Anriquez, et Don Joan Alfonso, et Don Pero Ponce vencieron a los Portogaleses” (cap. CLXVII da edição que estou usando); “De como el Rey de Portogal, que estaba sobre Badajoz, quando sopo que venían las gentes del Rey de Castilla, se fue” (CLXVIII); “De como el Rey Don Alfonso de Castiella entró en Portogal, et del mal et daño que fizo” (CLXXX); “De como la flota del Rey de Castiella venció a la del Rey de Portogal, et por qual manera entró en Sevilla” (CLXXXI), etc.

95 Muito embora possamos ver nele, como o faz Juan Victorio, uma menor hostilidade para com os portugueses, por comparação com a Crónica de Afonso XI: Juan VICTORIO, “Las relaciones castellano-portuguesas en el Poema de Alfonso XI”, Revista da Faculdade de Letras – História, IIª Série, XV (2), Porto: Universidade do Porto, 1998, p. 1595-1601. Parece ser esta, de resto a tendência geral: Poema e Crónica são sempre hostis para com os adversários de Afonso XI, mas o Poema, ou é menos contundente, ou não deixa de lhes reconhecer qualidades.

96 J. VICTORIO (ed.), op. cit, p. 143-145.

97 Perderam-se, contudo, várias estrofes que tratavam desta matéria, além de que o Poema diverge em alguns pormenores, por exemplo, no itinerário seguido por Afonso XI, aquando da sua entrada por Portugal. Este itinerário coincide com o que aparece na Crónica de Portugal de 1419, que não tem relações intertextuais com o Poema, pelo que deve coincidir com o historicamente ocorrido (segundo notei já em Filipe Alves MOREIRA, A Crónica de Portugal de 1419: fontes, estratégias e posteridade, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian/Fundação para a Ciência e a Tecnologia, 2013, p. 442-454).

98 C. ROSELL, ed. cit., p. 308.

99 J. VICTORIO, ed. cit., p. 228-230.

100 Ms. Q2, fol. 231, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit.. Um pormenor que não aparece nos textos castelhanos é o do nome dos embaixadores que Afonso IV enviou a Sevilha para retificar o envio da frota portuguesa: Gonçalo Estevão Tavares e Gonçalo Vasques de Mora.

101 C. ROSELL, ed. cit., p. 320.

102 J. VICTORIO, ed. cit., p. 252-256.

103 Ms. Q2, fol. 232, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit..

104 E levava la delantera don Joán Nuñes de Lara, señor de Vizcaya, e don Joán, fijo del infante don Manuel, e don Alfonso Mendes, maestre de Santiago, e don Joán de la Cerda, con otros muchos ricos omnes. E levava el rey sus costaneras muy bien ordenadas, e de muchos ricos omnes e cavalleros. E de los concejos, la çaga eso mesmo. E él iva en medio, muy bien guardado de muchos e nobles fidalgos”. Ms. Q2, fol. 233, transcrito em M. R. FERREIRA, op. cit..

105 Segundo antecipo em Filipe Alves MOREIRA, “Tradición y reescritura: de la Crónica de Alfonso XI a la Crónica de Afonso IV”, em Cesc ESTEVE (coord.), El texto infinito. Tradición y reescritura en la Edad Media y el Renacimiento, Salamanca: Sociedad de Estudios Medievales y Renascentistas, 2014, p. 285-297. Esta nova imagem de Afonso XI baseia-se, contudo, em parte, na “versão oficial” dos conflitos luso-castelhanos elaborada pela corte de Afonso IV, como se vê pelo aproveitamento cronístico do documento em que o rei português detalha um conjunto de agravos cometidos pelo rei de Castela, a que me refiro numa nota anterior. Será necessário retomar e aprofundar esta questão.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Filipe Alves Moreira, « A Crónica Geral de Espanha de 1344 e a literatura historiográfica sobre Afonso XI », e-Spania [En ligne], 25 | octobre 2016, mis en ligne le 01 octobre 2016, consulté le 18 novembre 2017. URL : http://e-spania.revues.org/25888 ; DOI : 10.4000/e-spania.25888

Haut de page

Auteur

Filipe Alves Moreira

SMELPS/IF/UP/FCT
Bolsa de Pós-doutoramento com a referência SFRH/ BPD/ 72825/ 2010.

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Les contenus de la revue e-Spania sont mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo CLEA
  • Logo GDRE AILP
  • Logo DOAJ
  • Revues.org