Navigation – Plan du site
A Crónica de 1344 e a historiografia pós-alfonsina

Destinos régios: da Crónica de 1344 às Buenas Andanças e Fortunas de Lope García de Salazar

Ana Sofia Laranjinha

Résumés

Dans son Libro de las Buenas Andanças et Fortunas, rédigé entre 1471 et 1476, Lope García de Salazar fait appel à des matériaux divers, qu’il organise en faisant preuve d’une maîtrise rare. Les textes utilisés ne sont pas toujours faciles à identifier, puisque l’historiographe ajoute aux sources écrites (qu’il nomme rarement) des sources orales, reprenant des œuvres aujourd'hui disparues ou mal connues. Dans ses versions de l'épisode connu comme Blasphème du Roi Sage (où il reprend le texte de la Chronique de 1344) et de celui de la mort de Ferdinand IV, el emplazado (où d’autres sources sont utilisées), Salazar révèle sa propension habituelle à renforcer l'anecdotique et le dramatique, au service d'une conception tragique de l'Histoire.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 Para efeitos de citação, uso a recente edição de Consuelo VILLACORTA MACHO, Libro de las Buenas And (...)
  • 2 Cf. Consuelo VILLACORTA MACHO, «Transmisión textual y fuentes históricas y literarias en el Libro d (...)

1No seu Libro de las Buenas Andanças e Fortunas1, redigido entre 1471 e 1476, Lope García de Salazar recorre a fontes diversas, que sabe organizar de acordo com a sua visão ideologicamente muito marcada da História. Os textos que utiliza nem sempre são fáceis de rastrear, já que o historiógrafo de Biscaia associa fontes escritas (que raramente identifica) e fontes orais, retomando obras hoje desaparecidas ou pouco conhecidas2. Adoptando o género da História Universal, toma como modelo a produção alfonsina, nomeadamente a General Estoria e a Estoria de España, e usa também a Crónica de 1344.

  • 3 Cf. Ramón MENÉNDEZ PIDAL, La leyenda de los Infantes de Lara, 3ª ed., Madrid: Espasa-Calpe, 1971, p (...)
  • 4 M. VAQUERO, Tradiciones orales en la historiografia de fines de la Edad Media, Madison: Hispanic Se (...)
  • 5 Sobre a relativa falta de rigor histórico da historiografia post-alfonsina, cf. Diego CATALÁN, La E (...)
  • 6 No que diz respeito ao Livro de Linhagens, a tendência é para considerar que Salazar e Pedro de Bar (...)

2A utilização desta obra por Lope García é visível em diversos pontos das Bienandanças. Menéndez Pidal identificou-a na sua reescrita da lenda dos Infantes de Lara3; Mercedes Vaquero defende que o episódio da Condessa Traidora revela o conhecimento da tradução castelhana da segunda redacção da Crónica de 13444; há também outros pontos da história de Espanha onde o texto do Conde parece ter sido usado como fonte ou como modelo, como veremos. A julgar pelos trabalhos até agora publicados sobre o assunto, é sobretudo nos episódios que implicam a recuperação de tradições lendárias e romanescas ou anedóticas que Salazar recorre a Pedro de Barcelos, autor que neste aspecto se afastava da prática alfonsina, mais rigorosa no plano da distinção entre matéria historiográfica e matéria ficcional5. O historiógrafo português parece funcionar, neste caso, como um guia que ajuda a identificar os nós do relato susceptíveis de uma reelaboração mítica ou ficcional, já que Salazar nunca se limita à utilização do texto do Conde, reescrevendo-o graças aos seus dotes de narrador e a outras fontes, em parte orais6.

3Os reinados de Afonso X, Sancho IV, Fernando IV e Afonso XI constituem a parte final do Livro XVI das Buenas Andanças e Fortunas. Depois do glorioso reinado de Fernando III, tempo de «bienandanças», em que as vitórias sobre os muçulmanos e os perigos que correm os cavaleiros castelhanos são pretexto para o desenvolvimento de vários episódios de teor romanesco em torno dos temas da bravura e da honra, mas também da soberba e da emulação, por vezes violenta, entre pares, inicia-se um período marcado pela má fortuna e pelo pecado: a luta pelo poder é o que move, fundamentalmente, os protagonistas de todos estes reinados, e a traição, o modus operandi da aristocracia.

  • 7 Na impossibilidade de dominar o vasto corpus das crónicas e sumários do séc. XV, que inclui muitos (...)
  • 8 «E porque en él se fallarán muchas bienandanças e acrecendramientos d'estados que los príncipes e g (...)
  • 9 Cf. Ana Sofia LARANJINHA, «L’Histoire contre le désordre du monde: Arthur et Charlemagne dans les B (...)

4Embora a investigação sobre esta parte da obra de Salazar esteja ainda numa fase incipiente, aqueles que por ela se têm interessado defendem que as crónicas atribuídas a Fernán Sánchez de Valladolid ou outros textos mais tardios, refundições daquelas crónicas, são a sua fonte principal7. A utilização das crónicas régias poderá explicar, em parte, a perspectiva francamente anti-aristocrática destes capítulos, pouco habitual em Lope García, ainda que ele seja em geral bastante desenvolto na organização e no tratamento ideológico dos seus materiais. Como já tive oportunidade de defender noutra sede, Salazar não está interessado em fazer um relato seco e objectivo de acontecimentos do passado, nem se esforça por ser sempre fiel às fontes que transcreve. Pelo contrário, num mundo em convulsão, onde «buenas andanças» e «fortunas» se sucedem8, privilegia as narrativas míticas, sobretudo as relacionadas com períodos de fundação, e também as profecias: umas e outras vêm dar um sentido e uma forma à História, ainda que as contradições se mantenham, sejam elas fruto de uma realidade complexa ou da difícil harmonização de fontes contraditórias. Salazar não elimina as incongruências, mas dota os acontecimentos de um sentido –trágico, quase sempre– ao apresentá-los como o resultado de um desígnio superior, ainda que imperscrutável. É o que acontece com o seu tratamento da matéria arturiana. Concentrando-se fundamentalmente em duas personagens –Merlim e Artur–, acentua a dimensão trágica e o carácter excepcional do seu destino, pondo em evidência não apenas os nascimentos extraordinários de ambos, mas também as profecias relacionadas com as suas mortes9.

Do reinado de Fernando III: Afonso X, o rei blasfemo

5Também no Livro XVI o anúncio profético de um destino trágico marca a história de dois reis: Afonso X e Fernando IV. Trata-se, naturalmente, de episódios que já se encontravam nas fontes do historiógrafo biscainho, mas que aqui assumem uma importância acrescida por surgirem no seio de uma matéria fortemente resumida –à imagem do que se passava na parte arturiana das Bienandanças. Leonardo Funes, entre outros autores, debruçou-se já longamente sobre o episódio conhecido como Blasfémia do rei Sábio. O núcleo desta passagem é uma lenda que terá nascido no contexto do conflito dinástico que opôs o futuro Sancho IV a seu pai, lenda segundo a qual Afonso X teria declarado um dia que, se tivesse estado presente aquando da criação do mundo, a obra de Deus teria sido mais perfeita. Instrumento da campanha a favor do filho rebelde, a lenda cristalizava a desconfiança perante o projecto político-ideológico-cultural de Afonso X.

  • 10 Cf. Leonardo FUNES, «La blasfemia del rey sabio: itinerário narrativo de una leyenda (primera parte (...)
  • 11 Ao contrário dos críticos anteriormente referidos, Isabel Barros DIAS, «La blasfemia del rey sabio: (...)
  • 12 Cf. Diego CATALÁN, «Don Pedro de Barcelos y la entrada de la historiografía alfonsí en Portugal», i (...)

6Pedro de Barcelos foi provavelmente o primeiro cronista a apropriar-se desta narrativa. Segundo Leonardo Funes, foi ele o responsável pela agregação da blasfémia à profecia de que Afonso X havia de ser deserdado no fim da vida como punição pela sua soberba10, e o extenso relato que introduz na parte inicial do reinado de Fernando III poderá ser considerado obra sua11. Nesta parte da Crónica de 1344, como se sabe, a fonte principal do Conde é a Crónica Particular de San Fernándo12, da qual ele se afasta em alguns momentos estratégicos.

  • 13 Não restam testemunhos da primeira redacção para o texto posterior ao reinado de Afonso VII. O text (...)
  • 14 Leonardo Funes teve acesso apenas à edição de María Cecilia RUIZ, Literatura y política: el Libro d (...)

7Como acontece frequentemente nas passagens em que interpola matéria nova ou proveniente de fontes secundárias, o Conde coloca o episódio num ponto relativamente inesperado da narrativa: a parte inicial do reinado do pai do rei Sábio, quando é elencada a sua prole. A dupla profecia (relativa à blasfémia e ao subsequente castigo divino) fora anunciada a D. Beatriz de Suábia ainda antes do casamento com D. Fernando e revelada pela rainha ao marido numa cena que Salazar retoma com grande detalhe. Examinado o texto português da segunda redacção da Crónica de 134413 e o da tradução castelhana representada pelo manuscrito Q2 (Madrid, Biblioteca Nacional de España, ms. 10815)14, é notória a semelhança entre ambos, contrastando com a habitual tendência de Salazar para abreviar algumas passagens que julga menos importantes, mantendo-se embora muito próximo de outras, que se limita, praticamente, a transcrever. A cena inicial, onde D. Beatriz confessa ao marido o conjunto de profecias que lhe foram reveladas no passado e de que apenas duas ainda não se realizaram, é extensamente retomada e poderá ser reveladora do tipo de reescrita operada por Salazar. Vejamos as passagens mais significativas.

8Um dia em que Afonso servia vinho aos pais, D. Beatriz olha-o, suspira e chora. D. Fernando insiste para que ela lhe revele a razão da sua angústia, mas ela resiste. As duas versões da Crónica de 1344 são quase idênticas, mas Salazar acentua a dramaticidade da cena, usando por três vezes o verbo «pesar» para designar a reacção do rei. Face ao silêncio da rainha, D. Fernando ameaça-a apenas verbalmente nas duas versões do texto do Conde, mas desembainha a espada e ameaça cortar-lhe a cabeça, no de Salazar.

  • 15 Veja-se, por exemplo, o episódio da Demanda do Santo Graal em que o pai de uma donzela chorosa amea (...)
  • 16 Francisco Bautista, na comunicação «La Crónica de 1344 y los reyes de Francia» apresentada ao colóq (...)
  • 17 Margarida recusa-se a partilhar com a irmã a bacia onde lava as mãos e os recipientes onde come.

9Embora este motivo da ameaça de cortar a cabeça para conseguir uma confissão possa encontrar-se em toda a literatura medieval, e até na Crónica de 1344 em passagens que envolvem outras personagens15, a atitude surpreende numa figura como Fernando III, o rei santo, nomeadamente porque a vítima da ameaça é uma mulher indefesa, e para mais a rainha. É provável que tenha sido Salazar a acrescentá-lo com o objectivo de intensificar a emotividade da cena, e é mesmo possível, a meu ver, que a integração deste motivo tenha sido operada com recurso a uma cena muito semelhante que se encontra num outro passo da Crónica de 1344. Trata-se do episódio em que Carlos de Anjou ameaça a mulher, que talvez não por acaso tem o mesmo nome que a mulher de Fernando III, Beatriz, de lhe cortar a cabeça se ela não lhe revelar o que a preocupa16. Saliente-se ainda que Beatriz de Suábia tenta encobrir uma profecia que lhe foi revelada a ela e à irmã Margarida, enquanto Beatriz de Provence sofre com o desprezo que a irmã, Margarida, lhe vota; e que, em ambos os casos, se trata de cenas de interior envolvendo uma refeição17. As semelhanças literais com o excerto da Crónica de 1344 acima transcrito também estão presentes, como se pode comprovar pela passagem destacada:

  • 18 Recorro aqui à edição (ainda inédita) de Francisco Bautista desta passagem do ms. M (ms. 2656 da Bi (...)

E el viendo que della non podria saber la verdad, entonçe metio mano e saco el espada de la vayna, e dixole: «Dezidme por que llorades, sinon çierto sabed que no faredes mucho de vuestra pro, ca vos cortare la cabeça18.

  • 19 Vejam-se, nomeadamente, os trabalhos de Gemma AVENOZA, «Algunos libros de la biblioteca de Lope Gar (...)

10Naturalmente, não podemos descartar a hipótese de Salazar ter simplesmente utilizado um motivo narrativo muito difundido tanto no romance como na historiografia, mas a semelhança surpreendente entre estas duas cenas que envolvem personagens homónimas leva-me a pensar que o historiógrafo usou a ameaça da cabeça cortada feita a Beatriz de Suábia porque conhecia o episódio em que a mesma ameaça era feita a Beatriz de Provence. Ora, no que à Crónica de 1344 diz respeito, esta passagem apenas surge na primeira redacção, unicamente preservada no manuscrito M (ms. 2656 da Biblioteca Universitária de Salamanca), e também não parece ter tido eco em textos posteriores, o que não surpreende, dada a fraca difusão da versão primitiva do texto do Conde. Creio que até hoje, ninguém defendeu o conhecimento por Salazar da versão representada pelo manuscrito M e eu não posso, neste momento das minhas investigações, aduzir mais nenhum caso de utilização daquele texto quer como fonte, quer como modelo. Mas, ainda assim, convém não esquecer que, segundo vários críticos, o historiógrafo da Biscaia reunira na sua torre de Muñatones uma biblioteca considerável e constituída, em parte, por textos hoje desaparecidos19.

11Mas regressemos ao episódio da Blasfémia do rei Sábio, mais particularmente ao episódio em que contracenam Fernando, Beatriz e o jovem Afonso, e observemos de perto o trabalho de reescrita. Vejamos o vaticínio revelado por Beatriz, logo após o diálogo já referido, vaticínio que lhe fora anunciado muitos anos antes por uma profetiza grega na corte de seu pai:

12Tanto no texto português como na tradução representada por Q2 falta a previsão da morte da rainha por altura da sua nona gravidez (assinalada a negrito na citação das Buenas Andanças), que no entanto a narrativa pressupõe, já que, mais tarde, D. Beatriz afirma:

  • 20 C. VILLACORTA (ed.), Libro de las Buenas Andanças e Fortunas, p. 555.

13Quanto a Salazar, é neste ponto muito mais claro: «só preñada la novena vez e sé que he de morir con ello»20.

  • 21 Vejam-se as passagens assinaladas em itálico e sublinhado.

14Apesar de estarmos provavelmente perante um erro de cópia prévio que se reflete na segunda redacção portuguesa e na sua tradução castelhana, não é possível afirmar que Salazar teve acesso a um manuscrito da Crónica de 1344 que testemunhava um ponto mais alto da tradição textual da obra. Apercebendo-se da incongruência, Salazar poderá ter acrescentado a profecia em falta. Ao fazê-lo, terá alterado o lugar da referência à formusura de Afonso X, como se pode ver no segundo quadro21.

  • 22 C. VILLACORTA (ed.), Libro de las Buenas Andanças e Fortunas, p. 555.

15Outro exemplo da habilidade de Salazar na reorganização das suas fontes, podemos encontrá-lo na parte final do episódio. Na Crónica de 1344, um cavaleiro de Panpigra e, depois, um frade menor são informados por um homem vestido de branco que lhes aparece em visão de que Afonso X deverá fazer penitência pelo seu pecado se quiser obter o perdão divino. Avisado, o rei ignora ambos os mensageiros, mas acaba por tomar consciência da gravidade do seu pecado quando uma gigantesca tempestade se abate sobre o paço. Salazar22 reduz a uma só as duas narrativas herdadas de Pedro de Barcelos: retoma algumas passagens literalmente, mas troca o protagonista da pequena narrativa inicial (o cavaleiro de Panpigra), narrativa que conserva, pelo da segunda visão (o frade menor), e, embora eliminando a cena da tempestade, atinge plenamente o objectivo: pôr em relevo a contumácia do rei que, apesar de avisado de que seria punido por Deus, não se arrepende da sua soberba. A surpreendente transformação do frade agostinho em cavaleiro no final da passagem é uma incongruência que revela o trabalho de reescrita de Salazar:

  • 23 Id.,ibid.. Destaques meus.

E después, a grand tienpo qu'el rey don Alonso reinó, un fray agostín, que era devoto, vio en visión un omne vestido de vestiduras blancas que le dixo cómo viera dar en el cielo una sentencia por qu'el rey don Alonso moriese deseredado e oviese mal acavamiento. E el cavallero le preguntó por qué era Dios tan sañoso d'él e aquél le dixo […]23.

16Das passagens do reinado de Fernando III em que o Conde se afasta das suas fontes, apenas mais uma parece ter sido retomada por Salazar: aquela em que se refere a contenda entre D. Berengária e seu filho, por um lado, e os Lara, por outro, no momento em que estes se recusam a entregar ao novo rei os castelos que detinham. Como no episódio examinado anteriormente, a tradução castelhana conservada no ms. Q2 concorda inteiramente com a versão portuguesa. Já Salazar resume bastante e altera por vezes o texto, mas a idêntica estrutura das duas passagens e as semelhanças literais em vários pontos (realçadas em itálico e também em itálico e negrito) sugerem que teria utilizado a Crónica de 1344:

  • 24 Ver sobre esse assunto as observações de Manuel HIJANO VILLEGAS no estudo publicado no presente vol (...)

17Na verdade, as diferenças explicam-se, aqui, por duas razões: pela intenção de eliminar aquilo que para Salazar e para a grande maioria dos autores que conhecia era um erro factual, pois a corrente que defendia a primogenitura de D. Branca era muito minoritária24, mas também pelo propósito de denegrir os Lara. Talvez por isso, a apresentação dos direitos de D. Branca ao trono é truncada e não refutada: elimina-se o argumento essencial de que é ela a mais velha das irmãs, retirando assim ao partido dos Lara um elemento legitimador poderoso, ainda que possivelmente falso, e apresentando em troca motivações pouco elevadas.

18Só uma análise mais aprofundada permitirá perceber se a Crónica de 1344 foi a fonte principal de Salazar para o reinado de Fernando III, ou se o autor biscainho recorreu a este texto apenas em alguns pontos, como os referidos. Mas regressemos agora às profecias que, como vimos, funcionam para Salazar como pontos nevrálgicos da construção do sentido da História.

Fernando IV, el emplazado

19A segunda profecia nefasta recuperada por Lope García de Salazar para o conjunto de reinados em estudo no projecto Pedro de Barcelos e a monarquia castelhano-leonesa diz respeito a Fernando IV e não provém da Crónica de 1344, onde a referência à morte do rei é bastante lacónica:

  • 25 Maria do Rosário FERREIRA, Maria Joana GOMES e Ricardo Pichel GOTÉRREZ, «Manuscrito Q2 — Biblioteca (...)

E después que el rey don Fernando esto ovo fecho, tornóse para Martos e enfermó y de muy grant enfermedat. Pero fízose levar a Jaén, e allí murió día de Santa María de setienbre, en la era de mil e trezientos e cinq[ue]nta años. E fue sepultado en la iglesia de Córdova25.

  • 26 Como afirma Giuseppe DI STEFANO, «Emplazamiento y muerte de Fernando IV entre prosas históricas y r (...)
  • 27 Cf. id., ibid., p. 882-884.

20Constando a lenda do emplazamiento do rei, da sua impenitência e má morte, da Crónica de Alfonso XI e da Crónica de Fernando IV de Fernán Sánchez de Valladolid26, poderia pensar-se que Salazar teria utilizado a obra deste cronista, mas os raríssimos pontos de contacto literais entre os dois textos, que se resumem aos elementos chave da narrativa, invalidam tal hipótese, tanto mais que, como vimos, o hábito de escrita de Salazar, quando transcreve sem resumir ou resumindo pouco, é ser bastante fiel às suas fontes. Outro aspecto curioso é que, enquanto Fernán Sánchez de Valladolid nomeia apenas o cavaleiro que teria sido morto em Palencia pelos dois irmãos condenados à morte, Salazar só nomeia os dois irmãos, como se cada um dos autores tivesse tido acesso a fontes provenientes de meios diferentes, ainda que em ambas se saliente o pecado do rei, quer através da sua insensibilidade à mensagem dos cavaleiros (reforçada pelo facto de continuar a comer e beber, mesmo depois de se sentir doente), quer pela morte súbita e solitária27.

  • 28 Cf. id., ibid., p. 884.

21Note-se que em alguns manuscritos do séc. XV das crónicas (de Fernando IV e Afonso XI) de Fernán Sánchez de Valladolid são acrescentados, quer em nota marginal, quer no corpo do texto, os nomes dos dois cavaleiros (com algumas variações) e também, por vezes, a sua morte por despenhamento. Giuseppe Di Stefano, que faz uma análise bastante completa desses testemunhos, conclui que os acrescentos entraram na tradição manuscrita numa fase relativamente tardia, «absorbiendo tradiciones paralelas»28.

  • 29 Diego CATALÁN (ed.), Gran Crónica de Alfonso XI, Madrid: Gredos, 1977, 2, p. 461.

22Também a Gran Crónica de Alfonso XI conserva este episódio. Diego Catalán, na sua edição desta obra, transcreve o episódio do emplazamiento em apêndice29, por se tratar de uma passagem retomada da Crónica, versão vulgata, que por sua vez a importara da Crónica de Fernando IV, mas assinala em itálico dois elementos novos relativamente àquelas fontes: os cavaleiros são nomeados – Pedro de Carabajal e «don Alonso su hermano»; e a forma como morrem é identificada – o rei mandou-os «despeñar de la pena de Martos». A versão editada por Catalán é, portanto, a mesma que encontramos na Crónica de Fernando IV, com excepção daqueles dois elementos pontuais, que surgem em Salazar com uma pequena variação: Pedro e Alonso, na Gran Crónica, correspondem a Diego e Gonzalo, nas Bienandanças. Assim, é quase certo que não foi nas crónicas régias que Salazar encontrou os elementos referidos. Dadas as diferenças de estrutura e sentido e a variação nos nomes próprios, tudo indica que Salazar utilizou uma outra fonte (eventualmente oral), fonte que poderá também ter sido conhecida do redactor da Gran Crónica e de alguns testemunhos tardios das crónicas de Fernán Sánchez.

  • 30 A reforçar esta hipótese, está o facto de, na tradição romancística estudada por Di Stefano, consta (...)

23Mas é também quase certo que Salazar não se limitou a transcrever e reorganizar uma matéria pré-existente; graças aos seus dotes romanescos, amplificou a lenda introduzindo alguns pormenores que, tornando as personagens mais próximas do leitor, sublinham o pathos. Assim, deu voz em discurso directo a um dos cavaleiros, e relatou cruamente a sua morte («luego fueron echados de la Peña avaxo e fiziéronse pedaços»); introduziu uma visão em que as vítimas avisam o monarca do seu pecado e subsequente castigo; deu conta do pavor do rei moribundo, que grita e expira «boqueando». Este talento para criar ou amplificar cenas violentamente trágicas é, como vimos, uma das características do historiógrafo biscainho. Os elementos narrativos que ele acrescenta para explicitar e reforçar a tragédia são provavelmente da sua lavra, já que pelo menos um deles parece ter sido retomado de um episódio anterior das Buenas Andanças30, onde um outro rei – Afonso X, no episódio analisado acima – toma consciência através de uma visão (que lhe é relatada) da gravidade do seu pecado.

  • 31 Como puseram em destaque José Carlos Miranda e Maria do Rosário Ferreira nas comunicações apresenta (...)

24De qualquer forma, aqui como em outras passagens já estudadas, as técnicas narrativas habituais em Salazar são bem visíveis: utilização do diálogo em discurso directo, emotividade das reacções das personagens, desenvolvimento dos detalhes narrativos, sobretudo os mais espectaculares, em detrimento da argumentação. Em suma: se Pedro de Barcelos já tendia para a ficcionalização da História, Salazar dá mais um passo em direcção à construção romanesca; se o Conde privilegiava a narrativa profética para dar um sentido à sua obra31, Salazar desenvolve o mesmo processo, com idêntico objectivo. Não me surpreenderia que em investigações futuras descobríssemos mais pontos de contacto entre estes dois cronistas – que aliás se dedicaram também ambos à escrita genealógica – verdadeiras almas gémeas no panorama da escrita historiográfica medieval ibérica.

Haut de page

Notes

1 Para efeitos de citação, uso a recente edição de Consuelo VILLACORTA MACHO, Libro de las Buenas Andanças e Fortunas que fizo Lope García de Salazar (edición crítica, estúdio y notas), Bilbao: Universidad del País Vasco, 2015.

2 Cf. Consuelo VILLACORTA MACHO, «Transmisión textual y fuentes históricas y literarias en el Libro de las buenas andanças e fortunas», in: id., Libro de las Buenas Andanças…, p. XXXV-XLIII.

3 Cf. Ramón MENÉNDEZ PIDAL, La leyenda de los Infantes de Lara, 3ª ed., Madrid: Espasa-Calpe, 1971, p. 245-255. Ver ainda Salvatore LUONGO, «Fra tradizione e innovazione: la leggenda degli Infanti di Lara nel compendio di Lope García de Salazar», Medioevo Romanzo, 20 (2), 1996, p. 209-230; Diego CATALÁN, La épica española. Nueva documentación y nueva evaluación, Madrid: Fundación Menéndez Pidal/Universidad Complutense, 2000, p. 353-357, e Maria do Rosário FERREIRA, A lenda dos Sete Infantes: Arqueologia de um destino épico medieval (tese de doutoramento policopiada), Coimbra: Universidade de Coimbra, 2006, Parte II, cap. III, 2, p. 290-310.

4 M. VAQUERO, Tradiciones orales en la historiografia de fines de la Edad Media, Madison: Hispanic Seminary of Medieval Studies, 1990, p. 23-28.

5 Sobre a relativa falta de rigor histórico da historiografia post-alfonsina, cf. Diego CATALÁN, La Estoria de España de Alfonso X: creación y evolución, Madrid: Seminario Menéndez Pidal/Universidad Complutense de Madrid, 1992, p. 156.

6 No que diz respeito ao Livro de Linhagens, a tendência é para considerar que Salazar e Pedro de Barcelos recorreram a fontes comuns ou aparentadas. Cf. Andrés E. DE MAÑARICUA Y NUERE, Historiografía de Vizcaya, 2ª ed., Bilbao: La Gran Enciclopedia Vasca, 1973, p. 151; e José Ramón PRIETO LASA, Las leyendas de los señores de Vizcaya y la tradición melusiniana, Madrid: Fundación Ramón Menéndez Pidal, 1994-1995.

7 Na impossibilidade de dominar o vasto corpus das crónicas e sumários do séc. XV, que inclui muitos textos ainda inéditos, deixá-los-ei de parte por agora. Consuelo VILLACORTA, «Introducción», in: id., Libro XI de la Istoria de las Bienandanzas e Fortunas, Bilbao: Universidad del País Vasco, 2000, p. XVIII, afirma sobre as crónicas de Fernán Sanchez que, para os reinados de Afonso X, Sancho IV e Fernando  IV, «no tenemos la certeza de que […] fueran utilizadas por García de Salazar, quien pudo servirse de refundiciones posteriores»; Mercedes VAQUERO, «El reinado de Alfonso XI en el Libro de las Bienandanzas e Fortunas de Lope García de Salazar», Oihenart: cuadernos de lengua y literatura, 7, 1988, p. 121-131, defende que, para o reinado de Afonso XI, Salazar usou um manuscrito da versão vulgata da Crónica de Alfonso XI como fonte principal, além de outros textos.

8 «E porque en él se fallarán muchas bienandanças e acrecendramientos d'estados que los príncipes e gentes menudas […] obieron, en que con [e]llos bisquieron en honra e a su plazer, otrosí ovo muchos d'ellos que, con fortunas, decayeron e fenecieron sus vidas miserablemente en mucho dolor, en trabaxo e angustia, otrosí porque yo la fize e escribí acompañándome la dicha fortuna, su nombre drecho deve ser Libro de las buenas andanças e fortunas que fizo Lope García de Salazar» (C. VILLACORTA (ed.), Libro de las Buenas Andanças e Fortunas, p. 6).

9 Cf. Ana Sofia LARANJINHA, «L’Histoire contre le désordre du monde: Arthur et Charlemagne dans les Bienandanças e Fortunas de Lope García de Salazar», e-Spania, 19, oct. 2014. URL: http://e-spania.revues.org/23929. DOI: 10.4000/e-spania.23929. Cons. em 20-07-2016.

10 Cf. Leonardo FUNES, «La blasfemia del rey sabio: itinerário narrativo de una leyenda (primera parte)», Incipit, 13, 1993, p. 57-64. Sobre a constituição, evolução e aproveitamentos desta lenda, veja-se, além do artigo citado e da sua continuação (em Incipit, 14, 1994, p. 69-101), Georges MARTIN, «Alphonse X maudit son fils», Atalaya, 5, 1994, p. 151-179; Amaia ARIZALETA, «De la soberbia del rey: dos formas breves en la construcción historiográfica», in: Juan Manuel CACHO BLECUA e María Jesús LACARRA (dir.), Tipología de las formas narrativas breves románicas medievales-III, Zaragoza/Granada: Universidad de Zaragoza/Universidad de Granada, p. 79-110.

11 Ao contrário dos críticos anteriormente referidos, Isabel Barros DIAS, «La blasfemia del rey sabio: vicisitudes de una leyenda (nuevas hipótesis respecto a la datación y la posición relativa del texto portugués», Anuario de Estudios Medievales, 45 (2), julio-deciembre 2015, p. 733-752, defende que esta passagem, pelo menos na forma elaborada que hoje conhecemos, é posterior a Pedro de Barcelos. Da mesma autora, ver ainda id., «A blasfémia do Rei Sábio: os antecedentes da lenda», in: Antonia Martinez PÉREZ e Ana Luisa Baquero ESCUDERO (ed.), Estudios de Literatura Medieval. 25 años de la AHLM, Murcia: Editum/Universidad de Murcia, p. 189-196.

12 Cf. Diego CATALÁN, «Don Pedro de Barcelos y la entrada de la historiografía alfonsí en Portugal», in: id., De Alfonso X al conde de Barcelos: cuatro estudios sobre el nacimiento de la historiografía romance en Castilla y Portugal, Madrid: Gredos, 1962, p. 345-355.

13 Não restam testemunhos da primeira redacção para o texto posterior ao reinado de Afonso VII. O texto português da segunda redacção, elaborada cerca de 1400, foi criticamente editado por Luís Filipe Lindley CINTRA, Crónica Geral de Espanha de 1344, 4 t., Lisboa: Academia Portuguesa de História/Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1951, 1954, 1961, 1990. A secção que em causa encontra-se no volume 4, cap. DCCXC-DCCXCI (p. 378-384).

14 Leonardo Funes teve acesso apenas à edição de María Cecilia RUIZ, Literatura y política: el Libro de los estados y el Libro de las armas de don Juan Manuel, Potomac: Scripta Humanistica, 1989, n. 23, p. 80-83, da versão contida no ms. 11-109 da Biblioteca Francisco de Zabálburu y Basabe (Madrid), que transcreveu no artigo acima citado, «La blasfemia…», p. 58-62. Eu recorro aqui a uma parte ainda não editada do ms. Q2 (fol. 188rº e seguintes), escolhido como manuscrito de base para a edição crítica dos reinados de Afonso X a Afonso XI que está a ser preparada pela equipa do projecto Pedro de Barcelos e a monarquia castelhano-leonesa. Para uma descrição e avaliação destes dois testemunhos, veja-se «Tradição manuscrita da Crónica Geral de Espanha de 1344», in: Pedro de Barcelos e a monarquia castelhano-leonesa: estudo e edição da secção final inédita da Crónica Geral de Espanha de 1344 (Projecto EXPL/CPC-ELT/1300/2013). URL: http://pedrodebarcelos.wix.com/cronica1344#!manuscritos/c1ucp. Cons em 7 de Julho de 2016. No que diz respeito a este episódio (cuja edição não está contemplada pelo projecto, visto que se trata de uma passagem anterior ao reinado de Afonso X), as diferenças entre os dois testemunhos castelhanos referidos são irrelevantes.

15 Veja-se, por exemplo, o episódio da Demanda do Santo Graal em que o pai de uma donzela chorosa ameaça cortar-lhe a cabeça se ela não lhe revelar as razões do seu desgosto – episódio inspirado numa outra passagem do Tristan en Prose (cf. Ana Sofia LARANJINHA, Artur, Tristão e o Graal. A escrita romanesca no ciclo de Robert de Boron, Porto: Estratégias Criativas, 2010, p. 244-249), e, na Crónica de 1344, a passagem em que Mudarra faz a mesma ameaça à própria mãe para que ela lhe revele a identidade do pai (cf. L. F. L. CINTRA, Crónica Geral…, 3, cap. CCCLXXVII (p. 153).

16 Francisco Bautista, na comunicação «La Crónica de 1344 y los reyes de Francia» apresentada ao colóquio internacional A Crónica de 1344 e a historiografia pós-alfonsina, realizado no Porto a 9 e 10 de Julho de 2015, debruçou-se sobre este episódio pouco conhecido, que se pode ler numa passagem ainda inédita da primeira redacção da Crónica de 1344.

17 Margarida recusa-se a partilhar com a irmã a bacia onde lava as mãos e os recipientes onde come.

18 Recorro aqui à edição (ainda inédita) de Francisco Bautista desta passagem do ms. M (ms. 2656 da Biblioteca Universitária de Salamanca, fol. 195rº-195vº), que o autor pôs generosamente à minha disposição.

19 Vejam-se, nomeadamente, os trabalhos de Gemma AVENOZA, «Algunos libros de la biblioteca de Lope García de Salazar», Revista de Filología española, 83, 2003, p. 5-37 e id., «Lope García de Salazar: La formación de un bibliófilo y de su biblioteca, una visión general», eHumanista, 6, 2006, p. 34-67. URL: http://www.ehumanista.ucsb.edu/sites/secure.lsit.ucsb.edu.span.d7_eh/files/sitefiles/ehumanista/volume6/Avenoza.pdf. Cons. em 7-7-2016. Recorde-se que, segundo Mercedes Vaquero, a narrativa da Condessa Traidora revela o conhecimento por Salazar da versão refundida da Crónica de 1344 (cf. n. 4). Mas não é impossível que o historiógrafo biscainho tenha tido acesso a mais do que um manuscrito da Crónica.

20 C. VILLACORTA (ed.), Libro de las Buenas Andanças e Fortunas, p. 555.

21 Vejam-se as passagens assinaladas em itálico e sublinhado.

22 C. VILLACORTA (ed.), Libro de las Buenas Andanças e Fortunas, p. 555.

23 Id.,ibid.. Destaques meus.

24 Ver sobre esse assunto as observações de Manuel HIJANO VILLEGAS no estudo publicado no presente volume da revista e-Spania.

25 Maria do Rosário FERREIRA, Maria Joana GOMES e Ricardo Pichel GOTÉRREZ, «Manuscrito Q2 — Biblioteca Nacional de España, 10815, fol 221va-233va», §118, in: Maria do Rosário FERREIRA (dir.), De Afonso X a Afonso XI. Edição e estudo do texto castelhano dos reinados finais da 2ª redacção da Crónica de 1344, Paris: Les Livres d’e-Spania/SEMH-Sorbonne-CLEA (EA 4083), 2015 (col. «Travaux en cours») URL: https://e-spanialivres.revues.org/698. Consultado em 22-7-2016.

26 Como afirma Giuseppe DI STEFANO, «Emplazamiento y muerte de Fernando IV entre prosas históricas y romancero. Una aproximación», Nueva Revista de Filología Hispánica, 36 (2), 1988, p. 879-880, a fonte mais antiga hoje conservada desta narrativa é o ms. E da Crónica de Alfonso XI, onde foram copiados os capítulos finais da Crónica de Fernando IV, que para lá transitaram. Alguns manuscritos da Crónica de Fernando IV conservam esta narrativa. A mesma passagem consta, portanto, da parte final da Crónica de Fernando IV e da parte inicial da Crónica de Alfonso XI, embora não em todos os manuscritos.

27 Cf. id., ibid., p. 882-884.

28 Cf. id., ibid., p. 884.

29 Diego CATALÁN (ed.), Gran Crónica de Alfonso XI, Madrid: Gredos, 1977, 2, p. 461.

30 A reforçar esta hipótese, está o facto de, na tradição romancística estudada por Di Stefano, constarem os nomes dos irmãos Carvajal e a fala de um deles (neste caso, o mais novo) com as respectivas referências a São Pedro e São Paulo, mas não os elementos que passarei a tratar. Cf. G. DI STEFANO, «Emplazamiento y muerte…», p. 926-933.

31 Como puseram em destaque José Carlos Miranda e Maria do Rosário Ferreira nas comunicações apresentada ao colóquio internacional A Crónica de 1344 e a historiografia pós-alfonsina (Porto, 9 e 10 de Julho de 2015), intituladas respectivamente «Da narrativa profética no episódio do Rei Rodrigo na Crónica de 1344» e «A estrutura original da Crónica de 1344 e o destino da Espanha».

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Ana Sofia Laranjinha, « Destinos régios: da Crónica de 1344 às Buenas Andanças e Fortunas de Lope García de Salazar », e-Spania [En ligne], 25 | octobre 2016, mis en ligne le 01 octobre 2016, consulté le 27 mai 2017. URL : http://e-spania.revues.org/25883 ; DOI : 10.4000/e-spania.25883

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Les contenus de la revue e-Spania sont mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo CLEA
  • Logo GDRE AILP
  • Logo DOAJ
  • Revues.org