Navigation – Plan du site
A Crónica de 1344 e a historiografia pós-alfonsina

A Crónica de 1344 e a historiografia pós-alfonsina

Maria do Rosário Ferreira, Maria Joana Gomes et Filipe Alves Moreira

Texte intégral

1O presente volume da revista e-Spania acolhe um acervo de estudos cuja produção esteve da alguma forma ligada ao projecto “Pedro de Barcelos e a monarquia castelho-leonesa: estudo e edição da secção final inédita da Crónica de 1344” (EXPC/CPC-ELT/1300/2013). Financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, este projecto congregou – oficialmente ao longo de dezoito meses, mas na realidade ao longo do período muito mais longo necessário para a idealização, preparação e realização do programa de trabalhos proposto – uma equipa de filólogos ligados ao Seminário Medieval de Literatura, Pensamento e Sociedade (SMELPS/IF/FCT) e um grupo mais alargado de colaboradores, especialistas em diversos campos disciplinares, partilhando um comum interesse pela Historiografia e pela História ibérica dos séculos XIII e XIV nas suas diferentes vertentes.

2O cumprimento do objectivo editorial proposto – pôr à disposição da comunidade científica o relato dos quatro reinados finais da Crónica de 1344, preservados, na sua integridade, apenas em manuscritos castelhanos (e que podem, desde Junho de 2015, ser lidos na colecção “Travaux en cours” de Les Livres d’e-Spania , De Afonso X a Afonso XI. Edição e estudo do texto castelhano dos reinados finais da 2ª redacção da Crónica de 1344, URL: https://e-spanialivres.revues.org/​698) – não esgotou os propósitos do projecto, apostado em dar visibilidade à personagem e à escrita de Pedro Afonso, conde de Barcelos, que, pela originalidade, abrangência e qualidade literária da sua obra (prosa cronística e genealógica, poesia trovadoresca), é sem dúvida a mais relevante figura da cultura portuguesa pleno-medieval, ombreando, no plano ibérico, com Afonso X, o Sábio, seu bisavô, e com Don Juan Manuel, seu distante primo. Embora a comunidade de hispanistas internacional reconheça tacitamente a sua importância, posta em destaque pelos estudos pioneiros de Luís Filipe Lindley Cintra e Diego Catalán Menéndez Pidal, para a cronística, e por José Mattoso, na genealogia, as referências que lhe são feitas tendem a ser laterais e superficiais. A equipa do projecto procurou, assim, promover investigação directamente ligada à obra historiográfica daquele a quem os medievalistas portugueses costumam chamar, simplesmente, o Conde, de forma a aprofundar o conhecimento sobre a Crónica de 1344 (com toda a problemática atinente às suas enigmáticas fontes e complexa estrutura, às suas sucessivas reescritas, tradução para castelhano e recepção em Castela nos séculos XIV e XVI) e sobre o papel desempenhado por essa obra nas trocas culturais e literárias que sempre caracterizaram a Ibéria medieval.

3A maioria dos artigos aqui incluídos tem origem nas comunicações apresentadas ao colóquio “A Crónica de 1344 e a historiografia pós-alfonsina”, realizado em Julho de 2015, e na produtiva reflexão colectiva que teve lugar nessa ocasião. Nem todos, porém: Leonardo Funes publica uma interessantíssima reactualização das suas considerações de há mais de duas décadas sobre as origens e o percurso da curiosa narrativa da blasfémia que a Crónica de 1344 assaca ao Rei Sábio. Ana Sofia Laranjinha debruça-se sobre a recepção e apropriação da mesma lenda por Lope García de Salazar. Isabel de Barros Dias reflete sobre casos de construção historiográfica na Crónica de 1344 com base na transposição para novas narrativas e personagens de tópicos e motivos previamente utilizados em outras obras historiográficas. António Resende de Oliveira e Filipe Alves Moreira centram a sua atenção na secção textual editada pelo projecto e nas concepções de poder que nela transparecem. O primeiro, reconstruindo, com o seu olhar de historiador, a imagem de Castela enquanto território sobre o qual uma monarquia marcada por conjunto de fragilidades se esforça por consolidar o seu domínio, esboçada pelo Conde ao longo desses quatro reinados; o segundo, analisando detalhadamente o derradeiro deles, o de Afonso XI, e dando a ver a trama política e a problemática ideológica que o atravessam. Alargando o âmbito de análise mas focando-se numa perspectiva mais filológica, Manuel Hijano Villegas e Mariano de la Campa debruçam-se sobre a complexa tradição manuscrita das crónicas alfonsinas e pós-alfonsinas, na qual a Crónica de Castilla, fonte da Crónica de 1344, tem uma função de charneira. Os artigos de Rosa Rodríguez Porto e de María Pandiello sobre as iluminuras do luxuoso manuscrito da segunda redacção da Crónica de 1344 custodiado na Academia das Ciências de Lisboa vêm complementar, com o desvendamento do discurso das imagens, este conjunto de estudos em torno da escrita historiográfica de Pedro de Barcelos. Finalmente, Ingrid Vindel adianta alguns dados sobre a edição da primeira redacção da Crónica de 1344 que pretende elaborar.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Maria do Rosário Ferreira, Maria Joana Gomes et Filipe Alves Moreira, « A Crónica de 1344 e a historiografia pós-alfonsina », e-Spania [En ligne], 25 | octobre 2016, mis en ligne le 01 octobre 2016, consulté le 22 septembre 2017. URL : http://e-spania.revues.org/25872

Haut de page

Auteurs

Maria do Rosário Ferreira

Universidade de Coimbra, SMELPS/IF/FCT

Articles du même auteur

Maria Joana Gomes

Universidade do Porto, SMELPS/IF/FCT

Articles du même auteur

Filipe Alves Moreira

Universidade do Porto, SMELPS/IF/FCT

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Les contenus de la revue e-Spania sont mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo CLEA
  • Logo GDRE AILP
  • Logo DOAJ
  • Revues.org