Navigation – Plan du site
Les ports de la monarchie espagnole : variété des modèles péninsulaires (XVe-XVIIe siècle)

A Ribeira de Lisboa, porto do Império Marítimo Português : circulação de pessoas e de mercadorias

Maria de Fátima Reis

Résumés

Le « site de Lisbonne », intimement lié au Tage, acquiert une dynamique portuaire singulière au moment des différentes restructurations de la ville aux XIIIe et XIVe siècles, avec les aménagements de la vallée de la Ribeira et la progressive expansion occidentale. La vocation maritime de Lisbonne, et celle d’entrepôt commercial, dans ce contexte expansionniste, firent du port l’un des plus importants d’Europe, transformant la Ribeira das Naus (l’Arsenal) en véritable complexe industriel, intégrant − sous administration royale − diverses activités de transformation relatives aux chantiers navals. Carrefour des bateaux, des marchandises et des hommes, lieu de construction navale, c’est là que fut érigé le Palais Royal, centre du pouvoir.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 Vide Jacinta BUGALHÃO, Núcleo Arqueológico da Rua dos Correeiros, Lisboa : Edição Fundação Milleniu (...)
  • 2 Tem-se uma boa síntese do percurso da Olisipo romanizada, passando pela transformada Ulyssipona med (...)
  • 3 Para a malha urbana da Lisboa medieval com a sua estrutura defensiva (Cerca Velha) e as diversas po (...)
  • 4 Aí ficava o Convento do Espírito Santo da Pedreira, com sua Irmandade dos Mercadores, cuja igreja f (...)

1Tem a historiografia portuguesa, na tradição dos estudos olisiponenses, assinalado o processo de reestruturação urbana da cidade de Lisboa, mostrando a centralidade que o espaço da Ribeira vai tendo ao longo do tempo. De facto, desde tempos remotos que Lisboa está ligada às actividades portuárias, quer pelo pequeno comércio de cabotagem oupelas grandes transacções externas. O Núcleo Arqueológico da Rua dos Correeiros (NARC), a celebrar vinte anos de existência, classificado monumento nacional em Março passado, situado perto do Arco Triunfal da Rua Augusta, preenchendo quase um quarteirão da baixa pombalina de Lisboa, na actual freguesia de Santa Maria Maior, da responsabilidade da Fundação Millennium BCP, revelou, na década de noventa do século XX, aquando das remodelações do respectivo edifício,sinais das civilizações que habitaram a capital ao longo de milénios. Espólio que mostra estruturas e vestígios da ocupação romana com as suas indústrias de conservas de peixes e produção de molhos, marcas da presença islâmica e testemunhos das épocas medieval e moderna, designadamente das concepções arquitectónicas e urbanísticas pombalinas1. Ancoradouro seguro, o « sítio de Lisboa » era procurado por mercadores fenícios, cartagineses, romanos e árabes2, cujas embarcações penetravam a cidade por um esteiro navegável do rio Tejo, que chegaria ao actual Rossio, levando à fixação na margem do estuário. Na sequência das remodelaçõesda cidade, verificadas ao longo dos séculos XIII e XIV3, com a renovação do vale da Ribeira e o progressivo crescimento para ocidente, lugar da Pedreira, encosta nascente do Chiado de hoje4, a ligação ao Tejo afirma a dinâmica da urbe na sua vocação marítima e de entreposto comercial.

2Esta característica, herdada de épocas anteriores, é descrita por Fernão Lopes na primeira metade do século XV, valendo o seu registo neste local :

  • 5 Vide Fernão LOPES, Chronica de El-Rei D. Fernando, vol. 1, Lisboa : Escriptorio, 1895, p. 8-9.

Havia outrossim mais em Lisboa estantes de muitas terras, não em uma só casa, mas muitas casas de uma nação, assim como genovezes, e prazentins, e lombardos, e catalães d’Aragão, e de Maiorca, e de Milão, que chamavam milanezes, e corcins, e biscainhos, e assim d’outras nações a que os reis davam privilégios e liberdades, sentindo-o por seu serviço e proveito; e estes faziam vir e enviavam do reino grandes e grossas mercadorias […]. E portanto vinham de desvairadas partes muitos navios a ella, em guisa que com aquelles que vinham de fóra e com que os que no reino havia jaziam muitas vezes ante a cidade quatrocentos e quinhentos navios de carregação; e estavam á carga no rio de Sacavem e á ponta do Montijo, da parte de Riba-Tejo, sessenta e setenta navios em cada logar, carregando de sal e de vinhos; e por a grande espessura de muitos navios que assim jaziam ante a cidade, como dizemos, iam antes as barcas d’Almada aportar a Santos, que é um grande espaço da cidade, não podendo marear por entre eles5.

  • 6 Vide Leonor FREIRE COSTA, Naus e Galeões na Ribeira de Lisboa. A construção naval no século XVI par (...)

3Decisiva na vida da cidade foi a mudança do centro urbano da colina do castelo para a Ribeira do Tejo, em meados do século XV. Correspondia o local da Ribeira à extensa faixa junto ao Tejo, exterior às cercas medievais, começando nas Portas da Cruz, a oriente, e seguindo no sentido de poente até à Porta da Oura (ou do Ouro) e praia de Cata-Que-Farás (actual Cais do Sodré), ao Corpo Santo e Fontainhas. Sítio de praias e aterros com múltipla funcionalidade que definiu a Lisboa dos descobrimentos: da atracagem de embarcações de pequenas dimensões nos cais da zona oriental, desde a Porta da Cruz até ao grandioso Cais de Pedra para navios de grande calado, começado a construir no final de Quatrocentos, para poente, as areias do Tejo destinavam-se à construção naval e a armazéns de apoio. O amplo terreiro criado no início do reinado de D. Manuel, no sítio então central da cidade, em extensão para ocidente, e o seu reconhecimento como terreiro do Paço, resultante da implantação da residência régia na zona portuária, revela a transformação simbólica de um tempo em que rei e nobreza se envolvem no mundo marítimo e mercantil do império que se formava e sustentava em ligação com o Mar6.

  • 7 Vide Damião DE GÓIS, Descrição da Cidade de Lisboa. Tradução do texto latino, introdução e notas de (...)
  • 8 Vide Helder CARITA, Lisboa Manuelina e a Formação de Modelos Urbanísticos da Época Moderna (1495-15 (...)

4Com as sucessivas transformações urbanas e o intenso comércio no contexto da expansãoe a consolidação como capital do reino, Lisboa torna-se um dos portos mais importantes da Europa. Em 1554, Damião de Góis refere-se a Lisboa e Sevilha como « Rainhas dos Oceanos ». Lisboa por dominar « aquela parte do Oceano que, desde a embocadura do Tejo, envolve num imenso circuito marítimo a África e a Ásia ». Sevilha por « que abriu de par em par à navegação aquela parte do orbe hoje chamada Novo Mundo »7. Nesta projecção de Lisboa como capital imperial há que fixar o papel de D. Manuel I que promoveu diversas obras com vista a dotar a zona da Ribeira das estruturas necessárias à carga e descarga de mercadorias. O programa de reordenamento urbano terá principiado em 1498, tendo como elemento central o conjunto arquitectónico da Ribeira, futuro Terreiro do Paço8. A par da edificação do novo Paço, iniciado segundo a crónica de Damião de Góis em 1500, as propostas incluem obras na praça do Terreiro e a construção de novas tercenas, a Cata-Que-Farás, estaleiros da Ribeira das Naus. Góis elencou essas iniciativas na Crónica do Felicíssimo Rei D. Manuel (1567), sobressaindo com interesse para a perspectiva em foco, a acção do monarca no melhoramento do cais, na construção do Paço e de casas de armazenamento e fiscalização dos produtos transaccionados. Merece que se transcrevam essas passagens.

  • 9 Vide Damião DE GÓIS, op. cit., anexo documental, p. 75.

Mandou fazer de novo o caes da pedra de Lisboa, e tabuleiros de longo da praia, e chafarizes da cidade tudo de pedra canto. Mandou fazer o Terreiro [do Paço] que está diante dos paços da ribeira de Lisboa que era tudo praia, o que se fez com gram trabalho, e despesa até se ganhar ao mar como agora está. Começou a casa da alfândega de Lisboa, a qual acabou El-Rei dom João seu filho. […] Depois que começou a conquistar a Índia mandou de novo fazer os magníficos e sumptuosos Paços da ribeira de Lisboa, para onde se foi dos da Alcáçova, sem mais tornar a viver neles. Fez de novo as casas dos Alamazens de Lisboa, e no das armas pôs em depósito uma grande quantidade de corpos de armas de peões, e dois mil e quinhentos de homens de armas de cavalo, e oitocentos de acobertados, e muitos corpos de couraças, e outras armas, e muitas peças de artilharia grossa, e miúda, arcabuzes, espingardas, piques, lanças, e bestas tudo em muita quantidade. Fez de novo as Casas da contratação de Guiné, e Índia, debaixo do aposento destes paços da ribeira. Começou as Tercenas da porta da Cruz, as quais mandou fazer para se nelas guardar, e fundir artilharia, e assim as [Tercenas] de Cataquefarás, e a casa da pólvora em Lisboa9.

  • 10 Vide João BRANDÃO DE BUARCOS, Grandeza e Abastança de Lisboa em 1552. Organização e notas de José D (...)
  • 11 Vide ibidem, p. 78.
  • 12 Vide ibidem, p. 79.
  • 13 Vide ibidem, p. 76-77.
  • 14 Vide ibidem, p. 89.
  • 15 Vide ibidem, p. 212.
  • 16 Vide ibidem, p. 208.

5Nas proximidades do Paço estabeleceram-se, portanto, os serviços comerciais e fiscais da carreira da Índia e de construção e reparação naval, em edifícios que vão sendo ampliados e melhorados, uns de logística administrativa, outros de estaleiro, de que a actual Avenida da Ribeira das Naus evoca essa dinâmica marítima. Segundo João Brandão (1552), no Arsenal da Ribeira das Naus, reestruturação das antigas tercenas navais, laboravam então muitaspessoas : 200 carpinteiros, a maioria com um criado, sendo 350 homens ; 200 calafates, a mor parte com seu criado, sendo 300 homens10 ; a descarregar madeira, lenha, tojo, farinhas e outras mercadorias « que corre por todo o rio, assim de uma parte como da outra, andam bem trezentos trabalhadores »11 ; no cais do carvão, à descarga dos navios e carretar pela cidade serão 150 indivíduos12 ; homens no serviço das naus « continuadamente tirando madeiras » serão 50 ; ribeirinhos, uns 150 ; a trabalhar na Alfândega, cerca de 100 ; na Casa da Índia, 30 ; no Terreiro do Trigo no descarregamento de nausde trigo, 4013 ; para além das 40 mulheres pobres que desfazem « cabos de cordas de linho, velhos, os quais destorcem, e maçam, e tornam a fiar em estopa de calafetar, para calafetar as naus »14, das 100 mulheres que têm « por ofício fazer redes para pescar »15 e de outras 100 mulheres « que não têm outro ofício senão desfazer cabres de linho velho, e fazer deles estopa para calafetar naus »16.

  • 17 Para esta matéria, vide Francisco CONTENTE DOMINGUES, Os Navios do Mar Oceano. Teoria e empiria na (...)

6Verdadeiro complexo industrial, sob administração régia, a Ribeira das Naus integrava várias actividades transformadoras, atinentes à construção naval17, que exigiam articulação com outras regiões do país no fornecimentode materiais : de Torre de Moncorvo e do Ribatejo vinha o fio de cânhamo parafabrico de enxárcia na cordoaria; de Entre Douro e Minho através do porto de Vila do Conde chegavam os panos para as velas e a estopa de calefetagem ; dos pinhais de Leiria, das matas do Ribatejoe da margem sul do Tejo, da Charneca à Aldeia Galega, provinham as madeiras. Ligações também com o exterior para aquisição complementar desses e outros materiais, nomeadamente com os portos da Biscaia, da Bretanha e de Riga, de onde procediam diversos produtos, como breu e pregaria, panos de linho e madeiras.

  • 18 Vide João BRANDÃO DE BUARCOS, Grandeza e Abastança de Lisboa em 1552…, p. 111-112.
  • 19 Vide Leonor FREIRE COSTA, « Aspectos empresariais da construção naval no século XVI :o caso da Ribe (...)
  • 20 Vide ibidem, p. 297.
  • 21 Vide idem, « Carpinteiros e Calafates da Ribeira das Naus : um olhar sobre Lisboa de Quinhentos », (...)
  • 22 Situação atestada pelos Regimentos de Matrícula dos Oficiais de Navegação de 1591 e de 1626. Vide s (...)

7Grandeza e Abastança de Lisboa mostrada pela estimativa dos 1 160 batéis que serviam a cidade « de todo o necessário que a ela acode » e das mais de 1 500 naus e caravelas que anualmente acorriam ao porto, « o melhor que há em toda a costa do mar descoberto », vindos de todas as partes da Cristandade, afora as naus e navios do reino que « em nenhuma cidade se achará tanta maneira de gente e navegantes » e fora ainda os « de todas as outras terras »18. No estaleiro da Ribeira das Naus, « Empresa de Estado », como foi identificada por Leonor Freire Costa19, se estima um ritmo de produção crescente, quando comparado com outros estaleiros do reino, mormente os do Porto e de Aveiro20. Relevância da construção naval que imprimiu à Ribeira das Naus características de um grande centro marítimo, com paralelo de « modernidade » e « arcaísmos » organizativos no Arsenal de Veneza, e que contou com mão-de-obra diversificada e especializada, alguma institucionalmente vinculada ao estaleiro régio, como carpinteiros e calafates, com reconhecida vantagem económica no tecido social e topográfico da cidade, se bem que concorrendo e até ultrapassados em fortuna pelos mestres e pilotos das carreiras da Índia e Mina21 ; todos estes profissionais em sentida falta de efectivos22.

  • 23 Apud Paulo de Oliveira RAMOS, “Porto de Lisboa”, Dicionário da História de Lisboa, Francisco SANTAN (...)
  • 24 Para esta perspectiva há que ter em conta os contributos de ruptura metodológica firmados por Ferna (...)
  • 25 Local de significado acrescido com a trasladação, em 1880, do corpo de Luís DE CAMÕES, mesmo que a (...)
  • 26 Vide a obra publicada no âmbito das celebrações dos 500 anos do início da construção deste monument (...)
  • 27 Para o vínculo fundacional do mosteiro à rainha D. Leonor, esposa de D. João II, vide Ivo Carneiro (...)
  • 28 De registar que D. Manuel apropria a viragem histórica em curso, acrescentando aos seus epítetos de (...)
  • 29 Tem-se uma boa visão de conjunto no estudo de Teresa RODRIGUES, Portugal nos séculos XVI e XVII. Vi (...)

8A primazia do porto de Lisboa fora já assinalada, em 1502, por Valentim Fernandes ao referir-se ao « nobre porto de Lyxboa » como « sobrepojatodollos portos da nossa Europa, mas ajnda os de Africa e Asya”23. É, pois, no reinado de D. Manuel que Lisboa se destaca nas rotas da « economia-mundo »24, tornando-se a zona da Ribeira e do Terreiro do Paço num núcleo de poder. Tempos de prosperidade simbolizados, no extremo ocidental da cidade, nas construções do Mosteiro dos Jerónimos, na antiga praia do Restelo, representação da riqueza e esplendor dos Descobrimentos Portugueses25, e da Torre de S. Vicente, em Belém26, controleda entrada marítima de Lisboa, ena margem oriental, do Convento da Madre de Deus27, e ainda na criação de infraestruturas de defesa sanitária. Mas, é entre a partida para Ceuta (1415) e a partida para a Índia (1497) que Lisboa vive a transição para a modernidade28, num processo de crescimento demográfico29 e de consolidação como centro económico e político.

  • 30 Vide Fernão LOPES, op. cit., p. 10.
  • 31 Vide a este propósito, Aurora ALMADA E SANTOS, « Estudo codicológico do Foral de Lisboa de 1500 », (...)
  • 32 Tem-se um bom ponto de partida documental nos Elementos para a História do Município de Lisboa, de (...)
  • 33 Para os impostos então lançados para a concretização dessas obras, vide Helder CARITA, op. cit., p. (...)
  • 34 Para o desenvolvimento da aritmetização do real, vide A. A. MARQUES DE ALMEIDA, A matemática no tem (...)
  • 35 Tenham-se presentes os estudos de Luís DE ALBUQUERQUE, A náutica e a ciência em Portugal. Notas sob (...)

9Assim valorizada, a atracção de Lisboa, cidade « de muitas e desvairadas gentes »30, justifica as intervenções manuelinas. A Lisboa concedeu D. Manuel o primeiro dos forais novos31 e em Lisboa criou o monarca, em torno do Terreiro do Paço, estruturas que lhe permitiam controlar o afluxo de mercadorias. A zona da Ribeira, constituída por terrenos de aluvião conquistadas ao rio Tejo, num processo que envolveu demandas jurídicas entre o monarca e a câmara durante os séculos XIX e XV, passará a ser ponto de referência na estrutura da cidade32. À inter-relação entre a Praça da Ribeira e o Rossio, que marcará a imagem da urbe a partir do princípio do século XVI, feita pela Rua Nova D’el-rei, há que mencionar a construção de edifícios de equipamento administrativo e portuário, suporte essencial ao comércio e gestão do império : Alfândega Nova, Armazéns reais, Casa dos Contos. Bem se sabe que estas obras33 requeriam um conjunto de saberes e que o exercício naval impunha conhecimentos técnicos. O que quer dizer que a matemática34 e as ciências náuticas35 – astronomia, cosmografia, cartografia – atingiram em Portugal, nos finais do século XV e princípios do século XVI, um notado desenvolvimento.

  • 36 Para esta óptica será de valia atentar nos resultados do projecto HISPORTOS – « História dos Portos (...)
  • 37 Merece ser lembrada a obra José BACELAR BEBIANO, O porto de Lisboa : estudo de história económica s(...)
  • 38 Expressão desenvolvida sobretudo no século XIX, ainda que com formas discursivas coevas, de máxime (...)
  • 39 É no Arquivo Histórico da Alfândega de Lisboa que se localizam fundos documentais de valia.

10É indiscutível que o movimento portuário exige, para além de um cais que facilite a entrada e saída de embarcações e de uma logística complexa, de que são exemplo os arsenais e os armazéns de apoio, o necessário controlo régio sobre as operações comerciais, ou seja, formas de tributação e fiscalização alfandegária. Convém, contudo, ter em conta a funcionalidade do porto de Lisboa, no contexto do movimento portuário nacional36 e a necessária comparação de estudos que permitam entender a formação dos « sistemas portuários » no espaço europeu e também no americano e asiático. Se é certo que a história do porto de Lisboa já mereceu a atenção de diversos estudiosos37, é também verdade que, por razões que se prendem essencialmente com os efeitos do terramoto na perda irreversível de fundos documentais, mais se conhece o movimento de pessoas e mercadorias para o tempo subsequente a 1755, quando os « fumos da Índia »38 pairavam sobre a capital39.

  • 40 Vide Helder CARITA, op. cit.
  • 41 Vide Carlos CAETANO, A Ribeira de Lisboa na Época da Expansão Portuguesa (Séculos XV a XVIII), Lisb (...)
  • 42 Lisboa antes do Terramoto. Grande vista da cidade, entre 1700 e 1725. Antologia de Textos sobre Lis (...)

11Mas os muitos testemunhos impressos aqui citados e as panorâmicas da cidade anteriores ao Terramoto têm permitido conhecer a imponência dos conjuntos arquitectónicos, actualmente desaparecidos, e perceber a dimensão do trato portuário de Lisboa na época moderna. Da análise urbanística40, à dinâmica marítima41, às descrições da cidade antes do dia 1 de Novembro de 175542, a riqueza literária e iconográfica deixam para a historiografia a representação simbólica do Terreiro do Paço, centro de poder, e da Ribeira das Naus, local de construção de embarcações e de movimento de numerosos navios com transporte de mercadorias e passagem de pessoas. Redimensionada com um alargado conjunto de edifícios destinados a infraestruturas portuárias, Lisboa é a capital económica e administrativa de um império marítimo, polarizada em torno de um novo centro, a Ribeira.

  • 43 Edifício destruído aquando do terramoto de 1755 e do incêndio que se lhe seguiu, com perda da docum (...)
  • 44 Sucessora da antiga Casa de Ceuta, depois Casa da Guiné, a partir de 1482, Casa da Mina, e após 150 (...)
  • 45 Tem-se uma abordagem ao tema dos escravos em Lisboa durante o século XVI, época em que constituíram (...)
  • 46 Sobre o autor, vide José STICHINI VILELA, Francisco de Holanda. Vida, Pensamento e Obra, Lisboa : I (...)
  • 47 Vide Francisco DE HOLANDA, Da Fábrica que Falece à Cidade de Lisboa, Lisboa : Livros Horizonte, 198 (...)

12Na Praça da Ribeira, onde se delineou o Terreiro do Paço, e ao longo da margem do Tejo tinham-se os estabelecimentos ligados ao comércio ultramarino. Em todas as vistas de Lisboa feitas a partir do século XVI sobressai o Paço Real da Ribeira, dependências e edifícios anexos destinados não só à moradia da Família Real, mas também aos Serviços Públicos que requeriam a presença do rei, como o Conselho da Fazenda, o Tribunal do Desembargo do Paço e a Mesa da Consciência e Ordens. E ainda outras construções, umasque facilitavam as operações monetárias e cambiais – a Casa da Moeda e a Casa dos Contos43 – outras que acolhiam o que chegava à capital – Casa da Índia44, Casa dos Escravos (fundada em 1486)45 e Alfândega Nova –, outras que asseguravam o abastecimento dos cereais – Terreiro do Trigo – e o fabrico e armazenamento doapetrechamento naval e militar – Tercenas Novas e Arsenal de Artilharia. Para além destas edificações, o Hospital Real de Todos-os-Santos, erguido no Rossio em finais de Quatrocentos, e a Misericórdia de Lisboa, erigida na Ribeira no final do reinado de D. Manuel I, completam o conjunto arquitectónico que marca a nova imagem da cidade e a sua dinâmica centrada na Ribeira, à volta da qual se foi levantando outro tipo de instalações necessárias a uma população flutuante: casas de comida e dormida e lugares de venda. Movimento de mercadorias e pessoas complementado pela Rua Nova, com variadas lojas de comércio, e o Rossio, onde se mercadejavam os mais diversos produtos oriundos de diferentes paragens. Circulação intensa que contrastava com as condições higiénicas da cidade, como lamentava Francisco de Holanda46 em Da Fábrica que falece à cidade de Lisboa, de 157147.

  • 48 Para o aumento da população de Lisboa durante a época Moderna, vide Teresa RODRIGUES, Cinco Séculos (...)
  • 49 Sobre o então debate e a reivindicação de Lisboa para residência de Filipe II, pela sua natureza ma (...)

13Local de chegada e partida, capital do Reino e do Império, relevante na trajecto do comércio nacional e internacional, com ligação privilegiada ao oriente pela Rota do Cabo e ao Império Sul-Atlântico, pelo comércio triangular, Lisboa crescera demograficamente à medida que aumentavam os tratos ultramarinos48. Vitalidade socioeconómica nem mesmo interrompida durante a dominação filipina, quando Lisboa deixou de ser a sede da Corte49. Espaço mais povoado do reino, com maior concentração de fogos entre as zonas da Ribeira,do Loreto, de Santa Catarina e de Santa Justa, em cujo centro vital, o Rossio, se situavam grandes instituições – Hospital Real de Todos-os-Santos, mosteiro de S. Domingos e palácio do Santo Ofício – há que considerar a mobilidade urbana, derivada da flutuação anual e sazonal de estantes na cidade, sejam negociantes, servidores e viajantes ou doentes, presos e mendigos. Traços de uma cidade, estaleiro régio, cujo alargamento urbano reforçou a centralidade da Ribeira das Naus no contexto do reino como local de produção, aprovisionamento, gestão e trato do negócio da carreira da Índia, em que dominam diferentes grupos sociais e se distingue o « rei-mercador » na legitimação dos interesses do Estado.

Haut de page

Notes

1 Vide Jacinta BUGALHÃO, Núcleo Arqueológico da Rua dos Correeiros, Lisboa : Edição Fundação Millenium BCP, 2009.

2 Tem-se uma boa síntese do percurso da Olisipo romanizada, passando pela transformada Ulyssipona medieval e pela Al Usbuna islâmica até à Lixboa conquistada aos mouros (1147) e à outorga do primeiro foral (1179), em História de Lisboa. Tempos Fortes, José Manuel GARCIA (Dir.), Lisboa : Gabinete de Estudos Olisiponenses, 2009, p. 11-26.

3 Para a malha urbana da Lisboa medieval com a sua estrutura defensiva (Cerca Velha) e as diversas portas e postigos, vide Carlos GUARDADO DA SILVA, Lisboa Medieval. A organização e a estruturação do espaço urbano, Lisboa : Edições Colibri, 2008, em que se pode descobrir a cidade marítima e a ligação da Ribeira com o Rossio.

4 Aí ficava o Convento do Espírito Santo da Pedreira, com sua Irmandade dos Mercadores, cuja igreja fora reconstruída « com larga contribuição » de D. Manuel. Espaço que veio a ser ocupado, em fins do século XIX, pelos futuros Armazéns do Chiado, que sucumbiram ao incêndio de 1988 para dar lugar ao actual centro comercial, aberto ao público em 1999. Vide Ilídio ROCHA, « Convento do Espírito Santo da Pedreira », Dicionário da História de Lisboa. Francisco SANTANA e Eduardo LUCENA (Dirs.), Lisboa, [s.n.], 1994, p. 351-353. Para a devoção ao culto do Espírito Santo em Lisboa, designadamente entre as comunidades ligadas ao mar, vide Maria de Fátima REIS, « Resistências e sentidos do culto do Espírito Santo em Lisboa na época moderna », Em Nome do Espírito Santo. História de Um Culto, Lisboa : I.A.N./T.T., 2004, p. 61-68.

5 Vide Fernão LOPES, Chronica de El-Rei D. Fernando, vol. 1, Lisboa : Escriptorio, 1895, p. 8-9.

6 Vide Leonor FREIRE COSTA, Naus e Galeões na Ribeira de Lisboa. A construção naval no século XVI para a Rota do Cabo, Lisboa : Patrimónia, 1997.

7 Vide Damião DE GÓIS, Descrição da Cidade de Lisboa. Tradução do texto latino, introdução e notas de José DA FELICIDADE ALVES, Lisboa : Livros Horizonte, 1988, p. 29.

8 Vide Helder CARITA, Lisboa Manuelina e a Formação de Modelos Urbanísticos da Época Moderna (1495-1521), Lisboa : Livros Horizonte, 1999, p. 53 e segs.

9 Vide Damião DE GÓIS, op. cit., anexo documental, p. 75.

10 Vide João BRANDÃO DE BUARCOS, Grandeza e Abastança de Lisboa em 1552. Organização e notas de José DA FELICIDADE ALVES, Lisboa : Livros Horizonte, 1990, p. 193.

11 Vide ibidem, p. 78.

12 Vide ibidem, p. 79.

13 Vide ibidem, p. 76-77.

14 Vide ibidem, p. 89.

15 Vide ibidem, p. 212.

16 Vide ibidem, p. 208.

17 Para esta matéria, vide Francisco CONTENTE DOMINGUES, Os Navios do Mar Oceano. Teoria e empiria na arquitectura naval portuguesa dos séculos XVI e XVII, Lisboa, Centro de História da Universidade de Lisboa, 2004 ; idem, Navios e Viagens. A Experiência Portuguesa nos séculos XV a XVIII, Lisboa : Tribuna da História, 2007 e idem, Navios Portugueses dos Séculos XV e XVI, Vila do Conde : Câmara Municipal de Vila Conde, Museu de Vila do Conde, 2007.

18 Vide João BRANDÃO DE BUARCOS, Grandeza e Abastança de Lisboa em 1552…, p. 111-112.

19 Vide Leonor FREIRE COSTA, « Aspectos empresariais da construção naval no século XVI :o caso da Ribeiradas Naus de Lisboa », Análise Social, vol. 31, n° 136-137, Lisboa, 1996 (2.°-3.°), p. 295-312.

20 Vide ibidem, p. 297.

21 Vide idem, « Carpinteiros e Calafates da Ribeira das Naus : um olhar sobre Lisboa de Quinhentos », Penélope. Fazer e Desfazer a História, n° 13, Lisboa, 1994, p. 37-54.

22 Situação atestada pelos Regimentos de Matrícula dos Oficiais de Navegação de 1591 e de 1626. Vide sobre este assunto idem, « Os Regimentos sobre a Matrícula dos Oficiais de Navegação, da Ribeira e Bombardeiros de 1591 e 1626 », Revista de História Económica e Social, n° 25, Lisboa, Janeiro-Abril de 1989, p. 81-125. Para os privilégios do ofício de bombardeiro, vide Tiago MACHADO DE CASTRO, Bombardeiros da Nómina : documentos sobre os privilégios e o vínculo à coroa nos reinados de D. Manuel I e D. João III. Paper apresentado ao III Encontro Internacional de Jovens Investigadores em História Moderna, Évora, 2013, disponível em http://www.academia.edu/3986731/Tiago_Machado_de_Castro_Bombardeiros_da_Nomina_EJHIM2013v2.

23 Apud Paulo de Oliveira RAMOS, “Porto de Lisboa”, Dicionário da História de Lisboa, Francisco SANTANA e Eduardo LUCENA (Dirs.), Lisboa, [s.n.], 1994, p. 724-725.

24 Para esta perspectiva há que ter em conta os contributos de ruptura metodológica firmados por Fernand BRAUDEL em O Mediterrâneo e o Mundo Mediterrânico na época de Filipe II, 2.ª ed., 2 vols., Lisboa : Dom Quixote, 1995 [Paris : ArmandColin, 1.ª ed., 1949 e 2.ª ed. 1966] e em Civilização material e capitalismo : séculos XV-XVIII, 3 vols., Lisboa : Teorema, 1992-1993 [Paris : Armand Colin, 1967-1979]. Vide também para o debate desse conceito, sua periodização e posição de Lisboa nas rotas comerciais e discussão da revisão crítica da proposta de Immanuel WALLERSTEIN sobre a história do sistema mundial e da economia-mundo, adveniente das interpretações do economista alemão Andre Gunder FRANK, Ivo CARNEIRO DE SOUSA, « Colonialismo, Economia-Mundo e Globalização : Trajectórias e Debates Historiográficos », África Subsariana. Globalização e Contextos Locais. Actas do Colóquio Internacional, Porto : Faculdade de Letras da Universidade do Porto e Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto, 2002, p. 137-159, disponível em http://hdl.handle.net/10216/16032.

25 Local de significado acrescido com a trasladação, em 1880, do corpo de Luís DE CAMÕES, mesmo que a recente interpretação do reputado camonista, Vítor AGUIAR E SILVA, questione, na linha das dúvidas então colocadas pela própria comissão, a correspondência das ossadas aí depositadas com os épicos restos mortais do poeta, a difícil asseveração de rigor histórico não retira o valor simbólico do mausoléu. Vide José-Augusto FRANÇA, Lisboa. História Física e Moral, 2.ª ed. revista, Lisboa : Livros Horizonte, 2009, p. 144-170.

26 Vide a obra publicada no âmbito das celebrações dos 500 anos do início da construção deste monumento: José Manuel GARCIA, A Magnífica Torre de Belém/The Magnificent Belém Tower, Lisboa : Verso da História, 2014.

27 Para o vínculo fundacional do mosteiro à rainha D. Leonor, esposa de D. João II, vide Ivo Carneiro DE SOUSA, “A rainha D. Leonor e a experiência espiritual das clarissas coletinas do Mosteiro da Madre de Deus (1509-1525)”, Via Spiritus, n° 1, Porto, 1994, p. 23-52.

28 De registar que D. Manuel apropria a viragem histórica em curso, acrescentando aos seus epítetos de « Rei de Portugal e dos Algarves daquém e dalém mar em África, Senhor da Guiné », « e da Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia, Arábia, Pérsia e da Índia ».

29 Tem-se uma boa visão de conjunto no estudo de Teresa RODRIGUES, Portugal nos séculos XVI e XVII. Vicissitudes da dinâmica demográfica, workingpaper do grupo de investigação « População e Prospectiva », do Centro de Estudos da População, Economia e Sociedade, da Universidade do Porto, 2010, disponível em http://www.cepese.pt/portal/pt/investigacao/working-papers/populacao-e-prospectiva.

30 Vide Fernão LOPES, op. cit., p. 10.

31 Vide a este propósito, Aurora ALMADA E SANTOS, « Estudo codicológico do Foral de Lisboa de 1500 », Cadernos do Arquivo Municipal, 1.ª série, n° 8, Lisboa, 2005, p. 163-171, disponível em http://arquivomunicipal.cm-lisboa.pt/pt/investigacao/cadernos-do-arquivo-municipal/1-serie/numero-8/.

32 Tem-se um bom ponto de partida documental nos Elementos para a História do Município de Lisboa, de Eduardo FREIRE DE OLIVEIRA, 19 vols. + 2 vols. de índices, Lisboa : Tip. Universal e Câmara Municipal de Lisboa, 1882-1943.

33 Para os impostos então lançados para a concretização dessas obras, vide Helder CARITA, op. cit., p. 98 e 119-122.

34 Para o desenvolvimento da aritmetização do real, vide A. A. MARQUES DE ALMEIDA, A matemática no tempo dos descobrimentos, Lisboa : Grupo de Trabalho do Ministério da Educação para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1998 e idem, Aritmética como descrição do real, 1519-1679: contributos para a formação da mentalidade moderna em Portugal, 2 vols., Lisboa : Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, imp. 1994.

35 Tenham-se presentes os estudos de Luís DE ALBUQUERQUE, A náutica e a ciência em Portugal. Notas sobre as navegações, Lisboa : Gradiva, 1989 e de Luís Filipe BARRETO, Os descobrimentos e a ordem do saber. Uma análise sócio-cultural, 2ª ed., Lisboa : Gradiva, 1989, assim como a revisão historiográfica da problemática de construção do saber náutico (teórico e prático) em Portugal, feita por Amélia POLÓNIA, « Arte, técnica e ciência náutica no Portugal Moderno. Contributos da “sabedoria dos descobrimentos” para a ciência europeia », Revista da Faculdade de Letras. História, 3 Série, vol. 6, Porto, 2005, p. 9-20.

36 Para esta óptica será de valia atentar nos resultados do projecto HISPORTOS – « História dos Portos do Noroeste Português na Época Moderna – séc. XV-XVIII » (FCT/POCTI/HAR/36417/2000), desenvolvido entre 2001 e 2005, no Instituto de História Moderna da Universidade do Porto, centrado no estudo integrado e comparativo dos portos marítimos do noroeste português, desde Caminha até Aveiro, quer quanto à implantação de infraestruturas portuárias e articulação desses espaços com o hinterland e o vorland, ou no que respeita à produção de conhecimento científico e aplicação de inovações tecnológicas, mormente ligadas à engenharia hidráulica. Vide Amélia POLÓNIA « Northwest Portuguese Seaport System in the Early Modern Age. Results of a Research Projecte », comunicação apresentada ao XIV International Economic History Congress, Helsinki, 2006, disponível em http://www.helsinki.fi/iehc2006/papers2/Polonia.pdf e idem, « Hisportos. A Research project on Portuguese Seaports in the early Modern Age », European Seaport System in the Early Modern Age. A Comparative Approach. International Workshop. Proceedings, Porto : Instituto de História Moderna/Universidade do Porto, 2007, p. 28-39, disponível em http://ler.letras.up.pt/site/default.aspx?qry=id018id1316&sum=sim.

37 Merece ser lembrada a obra José BACELAR BEBIANO, O porto de Lisboa : estudo de história económica seguido de um Catálogo bibliográfico e iconográfico, Lisboa : Administração Geral do Porto de Lisboa, 1960. Ver também António José CASTANHEIRA, Maia NABAIS e Paulo OLIVEIRA RAMOS, 100 anos do Porto de Lisboa, Lisboa : Administração do Porto de Lisboa, 1987; Ana MARTINS BARATA, « A Ordenação do Espaço Litoral de Lisboa, 1860-1940 », Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografía y CienciasSociales, vol. 13, n° 296 (4), Barcelona, Universidad de Barcelona, 2009, disponível em http://www.ub.edu/geocrit/sn/sn-296/sn-296-4.htm ; Vítor Matias FERREIRA, A cidade de Lisboa : de Capital do Império a centro da Metrópole, Lisboa : Publicações D. Quixote, 1987.

38 Expressão desenvolvida sobretudo no século XIX, ainda que com formas discursivas coevas, de máxime narrativa no teatro de Gil Vicente, de crítica e avaliação das conquistas portuguesas, de sentido decadentista e de denúncia das carências nacionais, que situa o início do declínio no próprio processo expansionista. Ver, como exemplo, Duarte Ivo CRUZ, O Tema da Índia no Teatro Português, Lisboa : Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2011.

39 É no Arquivo Histórico da Alfândega de Lisboa que se localizam fundos documentais de valia.

40 Vide Helder CARITA, op. cit.

41 Vide Carlos CAETANO, A Ribeira de Lisboa na Época da Expansão Portuguesa (Séculos XV a XVIII), Lisboa : Pandora, 2004.

42 Lisboa antes do Terramoto. Grande vista da cidade, entre 1700 e 1725. Antologia de Textos sobre Lisboa do Século XV ao Século XVII. Introdução de Paulo HENRIQUES, [s.l.], Gótica, 2004.

43 Edifício destruído aquando do terramoto de 1755 e do incêndio que se lhe seguiu, com perda da documentação que terá contribuído para a anarquia dos serviços e conduzido à sua extinção e substituição pelo Erário Régio, em 1761. Tem-se uma pronta síntese histórica no sítio electrónico do actual Tribunal de Contas, com links para os antigos regimentos dos Contos e do Erário, em http://www.tcontas.pt/pt/apresenta/historia/tc1389-1761.shtm.

44 Sucessora da antiga Casa de Ceuta, depois Casa da Guiné, a partir de 1482, Casa da Mina, e após 1502, Casa da Índia.

45 Tem-se uma abordagem ao tema dos escravos em Lisboa durante o século XVI, época em que constituíram a décima parte dos habitantes da cidade, maior concentração de negros da Europa, e principal centro financeiro e organizativo do tráfico atlântico de escravos, em Jorge FONSECA, Escravos e Senhores na Lisboa Quinhentista, Lisboa : Edições Colibri, 2010.

46 Sobre o autor, vide José STICHINI VILELA, Francisco de Holanda. Vida, Pensamento e Obra, Lisboa : Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, 1982.

47 Vide Francisco DE HOLANDA, Da Fábrica que Falece à Cidade de Lisboa, Lisboa : Livros Horizonte, 1985.

48 Para o aumento da população de Lisboa durante a época Moderna, vide Teresa RODRIGUES, Cinco Séculos de Quotidiano. A Vida em Lisboa do século XV aos nossos dias, Lisboa : Edições Cosmos, 1997, em especial, p. 21-70.

49 Sobre o então debate e a reivindicação de Lisboa para residência de Filipe II, pela sua natureza marítima, cujos argumentos não resultaram na instalação da corte da monarquia hispânica nesse sítio, vide a perspectiva de Fernando BOUZA ÁLVAREZ em « Lisboa Sozinha, Quase Viúva. A Cidade e a Mudança da Corte no Portugal dos Filipes », Penélope. Fazer e Desfazer a História, n° 13, Lisboa, 1994, p. 71-93. E para os ritmos de prosperidade lisboeta, vide Teresa RODRIGUES, « Um Espaço Urbano em Expansão. Da Lisboa de Quinhentos à Lisboa do Século XX », ibidem, p. 95-117.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Maria de Fátima Reis, « A Ribeira de Lisboa, porto do Império Marítimo Português : circulação de pessoas e de mercadorias  », e-Spania [En ligne], 22 | octobre 2015, mis en ligne le 31 octobre 2015, consulté le 25 juillet 2017. URL : http://e-spania.revues.org/25062 ; DOI : 10.4000/e-spania.25062

Haut de page

Auteur

Maria de Fátima Reis

Centro de História da Faculdade de Letras de Lisboa, Cátedra de Estudos Sefarditas « Alberto Benveniste », Academia Portuguesa da História

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Les contenus de la revue e-Spania sont mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo CLEA
  • Logo GDRE AILP
  • Logo DOAJ
  • Revues.org