Navigation – Plan du site
Literatura artúrica y definiciones del poder en la edad media peninsular

Um outro manuscrito francês (Arsenal 3479-3480) e a tradição textual do Lancelot ibérico

Isabel Correia

Résumés

Au cours de notre recherche de manuscrits arthuriens français en rapport avec des témoins ibériques, spécialement du Libro de Lançarote de Lago, nous avons trouvé les manuscrits 3479 et 3480 de la Bibliothèque de l’Arsenal. Ils contiennent un cycle arthurien révélant plusieurs points de contact avec celui qui a circulé dans le centre et l’occident de la Péninsule Ibérique. Nous nous proposons de présenter une brève description de ce témoin français, tout en réfléchissant sur les concepts actuellement utilisés par la critique, notamment celui de « Vulgate ». Nous démontrerons son caractère inadéquat dans le contexte d’un corpus textuel marqué par la variété des versions ; nous montrerons aussi que cette variété conforte la conception selon laquelle les textes ibériques représentent des versions et des cycles narratifs différents de ceux que la critique a identifiés en se basant sur la tradition manuscrite française.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 Esta designação foi criada por Ferdinand Lot para identificar o ciclo de romances em prosa que se c (...)

1O extenso romance em prosa sobre os feitos e aventuras Lancelot, cavaleiro que devota o seu amor à rainha Guenièvre, é entendido de formas distintas pelos medievalistas que a ele têm dedicado a sua investigação. Na tentativa de compreender a organização interna deste romance, que virá a ser pedra angular do designado Ciclo do Lancelot-Graal1, diversas têm sido as propostas sobre a sua composição.

2O primeiro estudo de fôlego sobre a constituição do Lancelot deve-se a Ferdinand Lot que, através de uma análise minuciosa do conteúdo e estratégias narrativas e discursivas da obra, fornece uma visão da construção do primitivo ciclo em prosa. Na realidade, para Lot, o «Lancelot propre», ou seja, o romance que narrava a biografia do herói, não se compreendia desligado de outros textos que não apenas o completavam, mas constituíam, com ele, uma unidade orgânica:

  • 2 Ibid., p. 10.

Le Lancelot, dont la Quête ne saurait se détacher, suivi de l’épilogue tragique de la Mort d’Arthur, précédé, comme d’un portique, de l’Estoire du Graal où les destinées antiques du vase sacré sont retracées, se dresse comme un édifice à la fois grandiose, simple et harmonieux2.

3Todavia, pese embora a forte coesão que Lot reconhecia a este conjunto de textos, o investigador chega a postular a hipótese da existência de uma versão primitiva do romance, que defende como explicação para as parcas referências ao Graal no Lancelot antes do episódio da Falsa Genevra:

  • 3 Ibid., p. 115.

Si l’on admet l’hypothèse […] que la version courte de l’épisode de La Fausse Guenièvre est une version primitive, une pause se place après l’achèvement de cet épisode, au moment où il va être refait de fond en comble. Ce temps d’arrêt aura été employé à composer l’Estoire et c’est seulement aprés l’achèvement de cette introduction que l’auteur aura refait le commencement de son tome II [...]. Si l’on estime que la version courte est un remaniement de scribe, la pause doit être placée un peu plus loin, mais, au plus tard, immédiatement avant la composition de la Charrette en prose3.

  • 4 Elspeth KENNEDY, Lancelot and the Grail. A Study of the Prose Lancelot, Oxford: Claredon Press, 198 (...)
  • 5 Alexandre MICHA, Essais sur le cycle du Lancelot-Graal, Genève: Droz, 1987.

4Como se verifica, Lot apresenta duas hipóteses distintas: a primeira assenta na ideia de uma versão curta do Lancelot anterior à sua adaptação à temática do Graal; a segunda vai em sentido contrário, considerando a redacção mais breve do episódio da Falsa Genevra como posterior à construção do Lancelot-Graal. Estas duas ideias foram posteriormente desenvolvidas por dois investigadores, respectivamente, Elspeth Kennedy4 e Alexandre Micha5.

  • 6 E. KENNEDY, Lancelot…, p. 2.

5Elspeth Kennedy considera determinante a existência de duas versões dos episódios da Segunda Viagem para Sorelois e da Falsa Genevra para compreender a configuração do Lancelot. Assim, contrariamente a outros estudiosos, nomeadamente Alexandre Micha, Kennedy defende que essas duas narrativas não devem ser entendidas como reescritas diferentes das mesmas aventuras, mas que a mais breve representa «the conclusion of the non-cyclic Prose Lancelot»6.

  • 7 Ibid., p. 247.

6O Lancelot não-cíclico constitui-se, pois, como uma obra coerente cujos principais temas são o amor de Lancelot e da rainha e a construção da identidade do protagonista. Esta estrutura é reforçada não só pela técnica do entrelaçamento, mas também pelo uso de repetições e episódios interligados, como o anúncio de aventuras que mais adiante se cumprem ou premonições que se efectivam no destino das várias personagens7.

7Para Kennedy este texto é anterior à versão cíclica, sendo que esta retoma temas e motivos do Lancelot não-cíclico, dando-lhes uma nova configuração e significado de acordo com a temática do Graal:

  • 8 Ibid., p. 312.

This is done not by rewriting the earlier story but by placing events in a new context, by retelling them in a way which gives them a different emphasis or function within the whole8.

8O que a medievalista não aceita é a hipótese de aquilo que designa Lancelot não-cíclico ser apenas parte do Lancelot-Graal, ideia que alguns críticos, como Alexandre Micha, sustentam como válida.

  • 9 A. MICHA, Essais…, p. 31.

9Descartando a ideia de um Lancelot não-cíclico, Micha defende, pelo menos no que diz respeito à matéria narrada a partir do episódio da Falsa Genevra, a existência de duas versões do Lancelot, uma longa e uma curta, que se documentam em diversos manuscritos9. O problema que o medievalista analisa ao longo de extenso capítulo de uma obra dedicada à composição do Lancelot en Prose, bem como em outros artigos, é o de saber qual destas versões é a mais antiga. Através da análise de vários testemunhos representativos das duas versões, o investigador conclui que a versão longa precede a versão curta.

  • 10 Frank BRANDSMA, Interlace Structure Of The Third Part Of The Prose Lancelot, Cambridge: Boydell & B (...)

10A extensa quantidade de testemunhos do Lancelot-Graal, contendo, grande parte deles, variantes de escrita significativas, dificulta a classificação deste extenso texto (ou deveríamos dizer, «textos»?). De facto, os investigadores têm centrado as suas atenções na delimitação de versões e na determinação de camadas textuais, isto é, na identificação de um texto próximo de um arquétipo tido como perfeitamente terminado. No afã de eleger o «melhor texto», é provável que as edições que são dadas ao leitor moderno estejam longe de alguma vez terem sido lidas pelo homem medieval, como nos diz Frank Brandsma10:

The text base in Micha edition does not give one single manuscript from one end to the other; it uses three […]; he gives a text no medieval eye has ever seen.

  • 11 Oskar SOMMER (ed.), The Vulgate Version of the Arthurian Romances, 7 vol., Washington D.C.: The Car (...)

11Como o investigador holandês acima citado reconhece, a opção de Micha, e até a de Sommer11 que, apesar de eleger um manuscrito para edição, o corrige com recurso a outros que considera terem melhores lições, é justificada, visto que, perante tamanha quantidade de testemunhos, o editor tem de seguir um principio que norteie o texto que quer apresentar ao público. Micha escolheu construir a melhor representação da versão longa, o único Lancelot que muitos académicos conhecem.

12Perante mais de uma centena de testemunhos franceses, alguns holandeses, alemães e ibéricos, para já não mencionar impressos e interpolações em textos italianos, é uma tarefa árdua dar a conhecer aos estudiosos do romance arturiano todos os textos do Lancelot. Este labor levaria várias décadas, seria fundamental analisar as várias variantes exaustivamente para se compreender qual o grau de variação ente eles, ou seja, se as diferenças se verificam ao nível da frase, do léxico, ou se constituem reescritas profundas que mudam o sentido do texto.

  • 12 F. LOT, Étude…
  • 13 Transcrevemos os fólios deste manuscrito que correspondem ao designado episódio da «Falsa Genevra». (...)
  • 14 O Lançarote de Lago é o testemunho ibérico mais íntegro do Lancelot en prose, e conserva-se na BNE, (...)

13A composição interna do Lancelot-propre é tecida, como já bem notou Ferdinand Lot12, em partes distintas, ou seja, há momentos-chave no romance que representam pontos onde as divergências de lições são mais marcadas, a saber: uma extensa parte que vai desde a infância de Lancelot até à primeira viagem para Sorelois; segue-se um outro momento que culmina no episódio da Falsa Genevra; a Charrette é outro ponto central na escrita do romance e, finalmente, o Agrevain. Isto significa que, num destes segmentos narrativos, um manuscrito pode ter uma versão que o filia numa família, para, num outro, se deslocar para distinto grupo de manuscritos. Assim, não é rigoroso afirmar que um determinado testemunho do Lancelot se filia num dado grupo de manuscritos, mas sim que, naquela secção narrativa, ele pertence a determinada família. Por exemplo, o ms. 751BNF13, o testemunho conhecido mais próximo do Lançarote de Lago14, oscila entre as versões curtas e longas, ocupando lugar em diversos grupos, consoante a parte do enredo que contém. Todavia, não é exemplo único: mais de metade dos testemunhos, perto mesmo da totalidade, não se pode fixar numa família do princípio ao fim. Terá sido também esta oscilação que levou Alexandre Micha a eleger vários manuscritos para a sua edição.

  • 15 François MOSÈS (ed.), Lancelot du Lac III. La Fausse Guenièvre, Paris: Librairie Génerale Française (...)

14Alguns editores preferem escolher um único manuscrito para editar determinada parte do romance. Foi esta a opção seguida por uma equipa de investigadores de que François Mosès15 faz parte. Esta edição dá-nos, para a primeira parte do romance, o manuscrito usado por Kennedy e, para a Falsa Genevra, o ms. 752 BNF. O editor chama a atenção para a importância de se considerar as diferenças, não as similitudes, entre os textos. Detenhamo-nos na explicação de Mosès:

  • 16 Ibid., p. 50.

C’est aussi une grave erreur que de se limiter à comparer les manuscrits d’une seule famile; c’est oublier qu’une famille de manuscrits se définit précisément par des fautes communes […] nous avons pris pour base le manuscrit BN752 […] ils nous transmet souvent une version excelente, qui sans lui aurait disparu16.

15Não pretendemos questionar qual a melhor opção ou a mais exequível. A questão essencial é que os investigadores de literatura arturiana não podem construir hipóteses, estudos, conclusões partindo de textos editados. O Lancelot de Micha não é o Lancelot medieval (existirá, este texto?), é necessário ser prudente. Cada um dos textos tem as suas particularidades que merecem ser vistas com apurada reflexão, logo as diferentes lições devem ser valorizadas e preservadas.

  • 17 «...uma mesma matéria narrativa parece desenvolver-se simultaneamente em textos diferentes, num pro (...)

16Para além da diversidade textual que o Lancelot espelha, há ainda a considerar a sua integração em ciclos que, como se lê no texto de apresentação do colóquio Literatura Arturiana e Definições do Poder na Idade Média Peninsular, originaram “narrativas diferentes”17. Como se verifica, a distância temporal que nos separa dos textos e, sobretudo, o diferente conceito de construção da narrativa, levam a que vários investigadores tenham perspectivas distintas sobre o romance arturiano. Tendo em consideração que tudo o que fazemos são hipóteses, tentativas de reconstruir um puzzle que sempre esteve em construção, veremos de seguida o que nos dizem alguns testemunhos pouco conhecidos sobre as concepções que acima brevemente resumimos. É uma breve descrição de um testemunho francês, um dos muitos que ilustram a variedade de versões e a fragilidade do conceito «Vulgata» que nos propomos apresentar. Temos, para além disso, em mente que a diversidade textual em solo francês abona a favor da legitimidade de considerar também os textos ibéricos como representantes de versões e ciclos narrativos diferentes.

  • 18 A. MICHA, «La Tradition Manuscrite du Lancelot en Prose», Romania, 86, 1965, p. 330-359.
  • 19 Ibid., e também Fanni BOGDANOW, La Version Post-Vulgate de la Queste del Saint Graal et de la Mort (...)
  • 20 Annie COMBES (ed.), Le « Conte de la Charrette » dans le « Lancelot » en prose : une version diverg (...)
  • 21 O. SOMMER, The Vulgate…, vol. 5.
  • 22 A. COMBES (ed.), Le «Conte…, p. 14.

17Os mss. 3479-3480 da Biblioteca do Arsenal são manuscritos cíclicos, ou seja, contêm o conjunto do ciclo arturiano que se constituiu em torno do Lancelot: a Estoire del Saint Graal, o Livre de Merlin e a sua Suite, o Livre de Lancelot, a Queste del Saint Graal e a Mort Artu. Este testemunho do século XV foi identificado e descrito por Alexandre Micha18 e é, como se pode ver, um rico manuscrito iluminado que terá pertencido, segundo Micha e Bogdanow19, ao duque de Berry. Mais recentemente, Annie Combes20 defende que o luxuoso códice pertencia, na realidade, a Jean sans Peur. O testemunho contém um incipit e um explicit em que mais adiante nos deteremos, mas não contém rubricas. Tal como outros manuscritos com que se aparenta, os mss. 113-116 e 118-120 BNF, contém as aventuras de Bohort, Lionel, Hector e Gauvain, na secção designada Agrevain, que Sommer21 edita. Porém, o investigador sueco publica, para esta parte do romance, o manuscrito Harley 6432, não se referindo ao da biblioteca do Arsenal. À semelhança de outros manuscritos, os 3479-80 pertencem a famílias transitórias, estando muitas vezes, consoante a parte do Lancelot considerada, no mesmo grupo do ms. 751 BNF, o parente francês do Lançarote de Lago a que já nos referimos, embora se situem, de maneira algo consistente, no grupo das versões longas. A Charrette deste testemunho foi recentemente editada por Annie Combes, no título atrás citado, pois a versão que ele conserva é divergente das demais: «Loin d’être seulement une imitation « exacte » du roman de Chrètien, c’est une rédaction originale de l’episode de la Charrette»22. Não nos detemos nas particularidades desta versão, pois não é este o âmbito do presente artigo. Além disso, o completo volume de Annie Combes dá-nos a conhecer de forma clara e rigorosa esta narrativa.

  • 23 Este apoteótico romance terá sido escrito ao longo do século XIII e tem como fonte o Li Contes du G (...)

18O que é interessante no texto deste manuscrito cíclico é que ele é mais uma prova de que o conceito Lancelot Vulgata deve ser usado com bastante parcimónia. Já vimos que ele se aproxima e afasta de diversas famílias textuais, verificámos também que o Agrevain parece apresentar algumas divergências, para além dos episódios de Boors, Lionel e Hector, em que noutro momento nos deteremos. Este interessante texto apresenta, na Queste del Saint Graal, uma das poucas ligações conhecidas entre o Lancelot Graal e o Perlesvaus ou li Hautes Livres du Graal23.

  • 24 Usamos a edição de STRUBEL (ed.), Le Haute Livre… . A matéria que se documenta no ms. 3480 encontra (...)
  • 25 A. COMBES, Le «Conte…, p. 47.

19Com pequenas variantes, no fólio 483 do ms. 3480 pode ler-se o mesmo texto que inicia o Perlesvaus24. Como já notou Annie Combes, o ms. 3480 contém um texto que «[…] provient du Perlesvaus dont il reprend la branche I et le début de la branche II25». Assim, esta Queste del Saint Graal começa por relatar como José de Arimateia se tornou guardião do Graal, no tempo da crucificação de Cristo, narrando em seguida a genealogia dos guardiães do precioso vaso que culmina no bon chevalier, Perlesvaus. Apresenta-se também a linhagem materna de Perlesvaus, que tem como antepassado primeiro Nicodemos. Segue-se um episódio em que o rei Artur é o protagonista e que marca o verdadeiro início da Queste: Artur está num estado de grande melancolia, a sua corte já não é aventurosa. Guenièvre aconselha-o a ir à «Chapelle Saint Augustin», um sítio muito perigoso e onde só os mais corajosos vão, mas onde se encontra um poderoso ermita que certamente indicará ao rei o caminho a seguir para recuperar a prosperidade de antanho. Artur parte, sozinho, pois o escudeiro que o deveria acompanhar morre na noite anterior, a cavalo em busca de ventura. Passa todos os obstáculos e não só fica a saber das maravilhas do Graal e do cavaleiro predestinado, Perlesvaus, como vê a Virgem Maria levar aos céus a alma de um santo homem. Destaca-se ainda a sua batalha vitoriosa com um demoníaco cavaleiro negro. Situemos este episódio no manuscrito cíclico pois a sua interpolação não nos parece ser mero descuido.

  • 26 Ibid.
  • 27 No ms. BNF 120, que também possui esta interpolação proveniente do Haut Livre du Graal, Gallad está (...)

20Como atrás dissemos, este testemunho conserva uma versão distinta da Charrette. Para além disso, como nota Annie Combes26, os mss. 3479-80 e o ms. BNF 120 fazem parte daquele grupo considerável de manuscritos que ao invés de referir Galaad como o destinado para o Graal, menciona Perlesvaus/Perceval como cavaleiro da Santa Relíquia. Tal não é inusitado no Lancelot en Prose, note-se que também o ms. 751BNF se inclui na família daqueles que algures referem Perlesvaus como o herói do Graal27. Contudo, cremos que a inclusão deste episódio no início da Queste pode ter uma motivação específica, nomeadamente fornecer uma visão do poder muito distinta da que encontramos no ms. 751BNF e no testemunho ibérico, o 9611BNE.

  • 28 A. STRUBEL (ed.), Le Haut…, p. 45-46.

21A propósito desta branche no Haut Livre du Graal, afirma Armand Strubel28:

La visite de la Chapelle Saint-Augustin […] peut être considerée comme la reconquête de la Souveraineté perdue par un retour du roi lui-même payant de sa personne face aux apparitions célestes ou démoniaques à ce qui fait le fondement de son royaume, c’est-à-dire l’aventure […] assumer seul le danger, comme n’importe lequel de ses chevaliers est appelé à le faire.

  • 29 A. CONTRERAS & H. SHARRER (ed.), Lanzarote…, 13, p. 10.

22Estamos bem longe do rei Artur de que se fala no Lançarote de Lago que, para além de inactivo e dependente da cavalaria é «perjurado e gran mintiroso, probado omecida, fornicador, ladrón, ereje e traidor»29.

23A nosso ver, encontramo-nos perante duas concepções diferentes do poder régio – e do poder da cavalaria – nos textos franceses e ibérico que mencionámos. A narrativa do manuscrito do Arsenal, incluindo um episódio cheio de imagens de índole religiosa e sobrenatural, colocando Artur como seu protagonista exclusivo, devolve ao rei o poder de conduzir o reino, a aventura, pelo seu próprio braço. Não esqueçamos que o rei derrota pela força da espada o cavaleiro negro, figuração do diabo. Artur, na versão ibérica, pelo contrário, é mais do que um rex inutilis, é um mau rei cujo desgoverno é um exemplo a não seguir.

  • 30 Recordemos que Jacques Raponde, poderoso comerciante de manuscritos e obras de arte, era amigo do d (...)

24O que terá motivado tão distintos pontos de vista num mesmo enredo? Será que o ms. do Arsenal poderá ter sido redigido para agradar ao seu possuidor, Jean sans Peur, frequentador da corte de Charles VI de França30? Quem terá sido o redactor que decidiu incluir nas primeiras linhas da Queste um episódio onde se combinam os dois poderes, o espiritual e o régio? E, por outro lado, o que motivou o redactor francês do texto do ms. 751, que se documenta na tradução castelhana, a denegrir a imagem régia? Sejam quais forem as hipotéticas respostas a estas questões, o que nos parece importante destacar é que todas estas diferenças numa mesma obra questionam o que, afinal, se entende por «Vulgata». Atentemos numa última particularidade dos testemunhos do Arsenal, desta vez próxima do texto ibérico, que confirma que o Lancelot-Graal é um continuum de reescritas, sendo arriscado apontar a maior legitimidade de uma versão face às demais.

25Mais atrás mencionámos que o manuscrito 3479 continha uma extensa rubrica, melhor dizendo, um incipit, que aparece por baixo de uma iluminura e onde se pode ler o seguinte:

C’est le livre de Messire Lancelot du Lac, ouquel livre sont contenus tous les fais et les chevaliers du dit messire Lancelot, le roy Artus, Galaad le bon chevalier, Tristan, Palamedeset les autres compaignons de la Table Reonde (ms. 3479 Arsenal, fol.1, sublinhado nosso)

  • 31 I. CORREIA, Do Lancelot…

26Neste texto o ciclo do Lancelot-Graal é designado como Livre de Lancelot e inclui Tristan e Palamedes como personagens, mas o conteúdo narrativo não confirma estas alegações. Como é sabido, só os romances do ciclo do pseudo-Boron, e também o Tristan en Prose enquanto romance autónomo, abrangem estas personagens. Basta ter em conta a versão portuguesa da Estoire del Saint Graal; as traduções ibéricas da Suite du Merlin – o fragmento português, o de Salamanca e os Baladros; e ainda a chamada Demanda do Santo Graal na versão portuguesa ou castelhana. Como julgamos ter demonstrado em livro a publicar em breve31, o Lançarote de Lago é também testemunho do Ciclo do Pseudo-Boron, comungando dessas mesmas características.

  • 32 Fanni BOGDANOW, The Romance of the Grail. A Study of the Structure and Genesis of a Thirteenth-Cent (...)

27É verdade que alguns investigadores, dos quais Fanni Bogdanow32 será talvez a voz mais autorizada mas não a primeira nem a única, afirmam peremptoriamente que o Livre de Lancelot não faria parte do conjunto conhecido como Ciclo do Pseudo-Boron. Mas, a ser assim, como entender a alegação do explicit do ms. 9611BNE, Lançarote de Lago, que afirma:

  • 33 A CONTRERAS & H. SHARRER (ed.) Lanzarote…, p. 386.

Aqui se acava el segundo e tercero libros de don Lançarote de Lago y á se de comenzar el Libro de Don Tristán33?

  • 34 José Manuel CACHO BLECUA (ed.), Garci Rodríguez de Montalvo, Amadís de Gaula, 2, Madrid: Cátedra, 2 (...)

28Como sabemos, desconhece-se que «Livro de Don Tristan» seria esse, mas é interessante notar que também no Amadis da Gaula se menciona que para saber o desenlace de aventuras passadas «leyeredes el Libro de Don Tristán y de Lançarote»34, corroborando que não era inédito que ambos os livros coexistissem no ambiente medieval, ao contrário do que sucede para a crítica actual, que tudo faz para os separar por rígidas fronteiras.

  • 35 «Mas yo vos digo que esto [conceção da Besta Ladrador] podés fallar más complidamente en la Gran Es (...)

29E este caso não é exemplo único em ambiente ibérico, já que o conhecido manuscrito castelhano 1877 da Biblioteca da Universidade de Salamanca identifica o Ciclo do Pseudo-Boron por meio da expressão «Gran Historia de Lançarote»35, o que indicia que também neste universo romanesco o Livro de Lançarote tinha lugar central.

30Ora, o que a rubrica do ms. 3479 Arsenal – afim da que encontramos no explicit do Lançarote de Lago – parece indicar é que as personagens Lancelot e Tristan dialogavam de perto no mesmo universo romanesco, mesmo que o texto que vem a ser copiado ou reunido no conjunto dos manuscritos acabasse por elidir essa matéria, fazendo antes emergir um texto proveniente do Perlesvaus, que manifesta orientações ideológicas completamente diversas das que se detectam no ciclo que organizava as matérias relativas a Lancelot e a Tristan, que era o Ciclo do Pseudo-Boron.

31Por tudo o que brevemente vimos expondo até aqui, supomos que é necessário extrair duas conclusões: 1) É mais prudente relativizar o conceito de Vulgata, ou pelo menos, não o usar com um sentido prescritivo, indicador de textos fiéis a arquétipos que, no fundamental, são desconhecidos. Aquilo que se sabe sobre a origem e evolução da construção cíclica dos romances arturianos em prosa é pouco e sujeito a constantes mutações à medida que os testemunhos vão sendo mais conhecidos e estudados; 2) O convívio entre a matéria tristaniana e o Livro de Lancelot, que se verifica flagrantemente em solo peninsular, não é único nem local, correspondendo antes a uma das tendências da evolução da escrita desta matéria romanesca que se verifica já em ambiente linguístico francês, vindo a ser conhecida em regiões tão diversas como a Itália ou a Inglaterra, para além da Península Ibérica.

32Os mss. 3479-80 são mais uma prova de que a escrita medieval é por natureza flutuante, construindo sentidos que podem mudar consoante o público e os redactores. Já o ms. 751BNF, parente próximo do Lançarote de Lago, é prova disso, aproximando-se de famílias e até de romances diversos, conforme o ponto da sua extensa narrativa que se tiver em conta. Estas versões mostram como é perigoso rotular textos desconsiderando a sua movência e particularidades internas. A obra medieval não era fechada nem finita, algo que resulta difícil para um leitor do século XXI, que tendencialmente se perde na floresta de manuscritos e versões, caso não os classifique de uma forma taxativa.

33É verdade que, assim, o leitor pode conseguir orientar-se; mas o texto, esse, pode perder-se definitivamente.

Haut de page

Notes

1 Esta designação foi criada por Ferdinand Lot para identificar o ciclo de romances em prosa que se constituiu em torno do Lancelot. Ferdinand LOT, Étude sur le Lancelot en Prose, Paris: Librairie Honoré Champion, 1954.

2 Ibid., p. 10.

3 Ibid., p. 115.

4 Elspeth KENNEDY, Lancelot and the Grail. A Study of the Prose Lancelot, Oxford: Claredon Press, 1986.

5 Alexandre MICHA, Essais sur le cycle du Lancelot-Graal, Genève: Droz, 1987.

6 E. KENNEDY, Lancelot…, p. 2.

7 Ibid., p. 247.

8 Ibid., p. 312.

9 A. MICHA, Essais…, p. 31.

10 Frank BRANDSMA, Interlace Structure Of The Third Part Of The Prose Lancelot, Cambridge: Boydell & Brewer, 2010, p. 14-15.

11 Oskar SOMMER (ed.), The Vulgate Version of the Arthurian Romances, 7 vol., Washington D.C.: The Carnegie Institute, 1910-12, III-V.

12 F. LOT, Étude…

13 Transcrevemos os fólios deste manuscrito que correspondem ao designado episódio da «Falsa Genevra». Veja-se Isabel CORREIA, «Da «Fausse Guenièvre» do ms. 751BNF à «Falsa Ginebra» do ms. 9611BNE», e-humanista, 23, 2013, p. 389-479. URL: http://www.ehumanista.ucsb.edu/volumes/volume_23/regular/3%20ehumanista23.calvariocorreia.pdf

14 O Lançarote de Lago é o testemunho ibérico mais íntegro do Lancelot en prose, e conserva-se na BNE, num manuscrito em papel do século XVI. Foi editado por Antonio CONTRERAS MARTÍN & Harvey SHARRER, Lanzarote del Lago, Madrid: Centro de Estudios Cervantinos (Los Libros de Rocinante, 22), 2006. Foi sobre esta obra que incidiu a nossa investigação de doutoramento que aguarda publicação: Isabel CORREIA, Do Lancelot ao Lançarote de Lago. Tradição textual e Difusão Ibérica do ms. 9611BNE, Madrid: Centro de Estudios Cervantinos, 2013 (no prelo).

15 François MOSÈS (ed.), Lancelot du Lac III. La Fausse Guenièvre, Paris: Librairie Génerale Française (Lettres Gothiques), 1998.

16 Ibid., p. 50.

17 «...uma mesma matéria narrativa parece desenvolver-se simultaneamente em textos diferentes, num processo de notável complexidade que a designação «ciclo», usada pela crítica contemporânea, pretende ordenar e compreender».

18 A. MICHA, «La Tradition Manuscrite du Lancelot en Prose», Romania, 86, 1965, p. 330-359.

19 Ibid., e também Fanni BOGDANOW, La Version Post-Vulgate de la Queste del Saint Graal et de la Mort Artu, Paris: Honoré Champion, 2001.

20 Annie COMBES (ed.), Le « Conte de la Charrette » dans le « Lancelot » en prose : une version divergente de la « Vulgate », Paris: Honoré Champion, 2011.

21 O. SOMMER, The Vulgate…, vol. 5.

22 A. COMBES (ed.), Le «Conte…, p. 14.

23 Este apoteótico romance terá sido escrito ao longo do século XIII e tem como fonte o Li Contes du Graal de Chrètien e a sua Segunda Continuação. Os textos de Robert de Boron também terão sido usados na conjointure desta narrativa. Recentemente, crê-se que o redactor do Perlesvaus também terá usado o Lancelot-Propre e o Lancelot Graal na composição do seu texto. Ao contrário do Lancelot-Graal, o Perlesvaus não supõe uma organização cíclica sendo que os vários ramos (designação encontrada nos poucos manuscritos conhecidos que o preservam) estão condensados num só livro e parecem ser, na realidade, capítulos de uma mesma obra. Para mais informações, consulte-se, entre outros Ceridwen LLOYD-MORGAN, «The Relationship Between the Perlesvaus and the Prose Lancelot», Maev, 53, 1984, p. 239-52 e Armand STRUBEL (ed.), Le haut livre du Graal [Perlesvaus], Paris: Librairie générale française (Le livre de poche, Lettres gothiques), 2007.

24 Usamos a edição de STRUBEL (ed.), Le Haute Livre… . A matéria que se documenta no ms. 3480 encontra-se nas p. 124-179.

25 A. COMBES, Le «Conte…, p. 47.

26 Ibid.

27 No ms. BNF 120, que também possui esta interpolação proveniente do Haut Livre du Graal, Gallad está, aliás, destinado a outros feitos, isto é, vingar a linhagem paterna contra o usurpador Claudas: « Si tint puis son filz Galaad, dont li comptes vous dira ça avant, enaprés la mort Lancelot son pere, toutes les marches de Galone et le royaume de Benoyc et toute la Terre Deserte », Ibid., p. 8-12.

28 A. STRUBEL (ed.), Le Haut…, p. 45-46.

29 A. CONTRERAS & H. SHARRER (ed.), Lanzarote…, 13, p. 10.

30 Recordemos que Jacques Raponde, poderoso comerciante de manuscritos e obras de arte, era amigo do duque de Borgonha, estando ele e sua família ao lado dos duques nas várias tensões entre os diversos condados, de que se destaca Armagnac, e a realeza francesa e inglesa. Jacques Raponde não era apenas comerciante, mas intervinha na feitura de manuscritos dando instruções aos artistas. Veja-se Brigitte BUETTNER, «Jacques Raponde, marchand de manuscrits enluminés», Médievales, 14, 1988, p. 23-32.

31 I. CORREIA, Do Lancelot…

32 Fanni BOGDANOW, The Romance of the Grail. A Study of the Structure and Genesis of a Thirteenth-Century Arthurian Prose Romance, Manchester: Manchester University Press, 1966.

33 A CONTRERAS & H. SHARRER (ed.) Lanzarote…, p. 386.

34 José Manuel CACHO BLECUA (ed.), Garci Rodríguez de Montalvo, Amadís de Gaula, 2, Madrid: Cátedra, 2004, CXXIX, p. 1677-1678.

35 «Mas yo vos digo que esto [conceção da Besta Ladrador] podés fallar más complidamente en la Gran Estoria de Lançarote, ca no fago aquí sino tener esta una razón; desde ende no avemos que veer en su placer…», Ms. 1877 de la Biblioteca de la Universidad de Salamanca, fol. 296vº (sublinhado nosso).

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Isabel Correia, « Um outro manuscrito francês (Arsenal 3479-3480) e a tradição textual do Lancelot ibérico », e-Spania [En ligne], 16 | décembre 2013, mis en ligne le 18 décembre 2013, consulté le 23 novembre 2017. URL : http://e-spania.revues.org/22641 ; DOI : 10.4000/e-spania.22641

Haut de page

Auteur

Isabel Correia

SMELPS/IF/FCT/
U. Porto/ E. S. E. de Coimbra

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Les contenus de la revue e-Spania sont mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo CLEA
  • Logo GDRE AILP
  • Logo DOAJ
  • Revues.org