Navigation – Plan du site
Literatura artúrica y definiciones del poder en la edad media peninsular

A tradução galego-portuguesa do romance arturiano nos séculos XIII e XIV

Simona Ailenii

Résumés

Cet article présente une étude interdisciplinaire des plus anciens témoins de la traduction galaïco-portugaise du roman arthurien conservés dans les archives et les bibliothèques ibériques : les fragments de la Estória do Santo Graal, du Livro de Merlin e du Livro de Tristan. Les deux premières parties (codicologique et paléographique) de ce travail se concentrent sur la description des manuscrits, tenant compte de leur destin commun après l’avènement de l'imprimerie et classifiant les différents types d’écriture gothique qu’ils conservent. Les deux dernières parties sont dédiées à l'étude des textes afin de comprendre, d'une part, le rapport des témoins galaïco-portugais avec la source française et leur place dans le stemma codicum de chaque roman et, d'autre part, le profil du traducteur et les transformations qui découlent du processus de traduction.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 O presente estudo retoma algumas das conclusões da dissertação de doutoramento de Simona AILENII, O (...)

1Entre os testemunhos do romance arturiano conservados em arquivos e bibliotecas europeias, subsistem traduções em três línguas do espaço peninsular ibérico1. Referimo-nos ao galego-português, castelhano e catalão. A nossa atenção centrar-se-á sobre os três testemunhos fragmentários que transmitem versões do ciclo do Pseudo-Robert de Boron em galego-português, os mais antigos testemunhos do romance arturiano na Península Ibérica. Trata-se do manuscrito de Santo Tirso, conservado no Arquivo Distrital do Porto (NOT/CNSTS01/001/0012), que transmite a Estória do Santo Graal, do manuscrito da Biblioteca da Catalunha (ms. 2434) em que lemos o Livro de Merlin e o manuscrito do Arquivo Histórico Nacional de Madrid (Códices. Leg. Carp. 1501 B, n. 7) que transmite o Livro de Tristan.

2Num primeiro e num segundo momento procurámos observar a dimensão material destes testemunhos de forma a dar conhecimento das condições em que chegaram até aos nossos dias e perceber a sua organização física, por um lado, e, por outro, identificar o traçado da sua escrita. Num terceiro e num quarto momento chamámos a atenção para a dimensão textual. Através de um estudo comparativo com os textos correspondentes franceses tentámos identificar, por um lado, as relações com a fonte francesa que terá dado origem à tradução galego-portuguesa e, por outro, ilustrar algumas especificidades dos textos peninsulares decorrentes do acto de tradução.

  • 2 Nuno Garcia GUINA, Levantamento de manuscritos em capas de livros notariais do Arquivo Distrital do (...)
  • 3 Aida Fernanda DIAS, «A matéria da Bretanha em Portugal: relevância de um fragmento pergamináceo», R (...)
  • 4 Manuel SERRANO Y SANZ, «Fragmento de una versión galaico-portuguesa de Lanzarote del Lago», Boletín (...)
  • 5 José PENSADO TOMÉ, «Fragmento de um Livro de Tristan galaico-portugués», Cuadernos de Estudios Gall (...)
  • 6 BITAGAP, Manid 1483 (http://bancroft.berkeley.edu/philobiblon/bitagap_po.html) (2.XI.2013).
  • 7 Ibidem.

3Das descrições anteriores da responsabilidade dos primeiros editores dos três manuscritos, sabemos o seu destino comum após o advento da imprensa, ou seja, foram reutilizados na confecção de encadernações, processo que, por um lado, poderá ter assegurado a sua sobrevivência durante séculos, mas que também levou à sua fragmentação. Mais exactamente, o bifólio que transmite a Estória do Santo Graal, achado pelo aluno Garcia Guina em 19922 e tornado público, pela primeira vez, em 2003, pela Professora Aida Fernanda Dias, serviu de encadernação, até há um ano atrás, para um livro notarial datado do século XVII, oriundo de Santo Tirso e conservado no Arquivo Distrital do Porto3; o meio fólio e o bifólio que preservam o Livro de Merlin, achado por Amadeu-J. Soberanas em 1979 enquanto estudava, na Biblioteca da Catalunha, uma edição do Chronicon de 1491 de Antonino Pierozzi, serviram de reforço de encadernação desta mesma obra e, por último, um outro bifólio que transmite o Livro de Tristan, descoberto, pela primeira vez, por Manuel Serrano y Sanz4 em 1928 e cujo texto será correctamente identificado por Pensado Tomé5 em 1962, foi utilizado na encadernação de uma cópia notarial do testamento do poeta do século XV, D. Iñigo López de Mendoza, Marquês de Santillana. O paradeiro do manuscrito permaneceu durante décadas desconhecido. Muito recentemente tivemos, através da BITAGAP6, a notícia da sua relocalização e reidentificação no Arquivo Histórico Nacional de Madrid por Pedro Pinto, com uma nova cota, acima indicada7.

4O facto de terem servido de encadernação tanto para um livro notarial do século XVII, como para o testamento de um poeta do século XV ou para uma obra significativa do mesmo período indica que, no fundo, as práticas de encapamento permaneceram semelhantes às do período anterior ao advento da imprensa, reaproveitando-se o material pergamináceo medieval sem olhar ao texto que transmitia.

  • 8 Kieth BUSBY, «Rubrics and the Reception of Romance», French Studies, LIII (2), Society for French S (...)
  • 9 Cedric Edward PICKFORD, L’évolution du roman arthurien en prose vers la fin du Moyen Âge d’après le (...)

5A análise codicológica dos três manuscritos permite-nos, também, observar a forma como é dividido o texto dentro da caixa da escrita. Assim, no manuscrito do Arquivo Distrital do Porto, transmitindo parcialmente a Estória do Santo Graal, constatámos uma divisão por parágrafos através de capitais, enquanto nos fragmentos da Biblioteca da Catalunha e do Arquivo Histórico Nacional de Madrid, preservando parcialmente o Livro de Merlin e, respectivamente, o Livro de Tristan, encontrámos uma prática divisória por rubricas, atestando, desta forma, uma organização do texto relativamente tardia no romance arturiano, segundo revelam estudos sobre a recepção da tradição manuscrita da obra de Chrétien de Troyes que, de qualquer modo, originou a temática da matéria arturiana em prosa8. O facto de o manuscrito de Santo Tirso não apresentar a técnica de rubricação pode significar um primeiro indício no que concerne à antiguidade do testemunho ou da sua fonte directa, dado que só a partir do século XIV se verificou a introdução de rubricas nos manuscritos arturianos franceses9. Assim, estes elementos de estratégia divisória textual podem tornar-se indícios, no caso dos manuscritos da Catalunha e de Madrid, no que respeita à sua datação do século XIV.

  • 10 Gerard Lieftinck, «Pour une nomenclature de l’écriture livresque de la période dite gothique», Nome (...)
  • 11 Maria João Oliveira e SILVA, A Escrita na Catedral: A Chancelaria Episcopal do Porto na Idade Média (...)

6Debruçando-nos, neste momento, sobre a dimensão física do texto traçado nos três manuscritos em análise, é importante sublinhar, em primeiro lugar, que estamos no domínio da escrita gótica e, em segundo lugar, que, no arco cronológico indicado como datação destes testemunhos, se dá o fenómeno de intromissão da escrita cursiva utilizada, por tradição, no campo administrativo na escrita do âmbito librário, sendo esta invasão considerada fundamental na evolução da escrita librária durante os séculos XIV e XV10. Ou seja, elementos cursivos ocupam cada vez mais o lugar dos específicos textualis no traçado do códice medieval. Nas investigações da área adiantou-se a hipótese de que uma das causas deste fenómeno de intromissão poderia ter sido a execução de códices nos scriptoria em que se realizavam documentos11. Os elementos por nós analisados poderiam realçar esta hipótese.

7Passemos, então, a uma breve análise paleográfica dos três manuscritos. Com base numa análise morfológica, observámos que a escrita do manuscrito de Santo Tirso apresenta, por um lado, características dominantes textualis, como, por exemplo, o perfil grosso resultante da utilização de uma pena de bico largo, a presença do d uncial (Figura 1) ou a ausência de arco nas hastes verticais de h (Figura 2)e l (Figura 3) e a reduzida extensão das hastes ascendentes e descendentes, em comparação com o que se poderá verificar nos outros dois manuscritos que adiante analisaremos.

Figura 1: «todos» (f. 1r/col.I/l.8)

Figura 1: «todos» (f. 1r/col.I/l.8)

Figura 2: «estranha» (f. 1r/col.I/l.28)

Figura 2: «estranha» (f. 1r/col.I/l.28)

Figura 3: «eles» (f. 1r/col.II/l.5)

Figura 3: «eles» (f. 1r/col.II/l.5)
  • 12 Albert DEROLEZ, The Paleography of Gothic Manuscript Books, Cambridge: Cambridge University Press, (...)

8Por outro lado, neste manuscrito existem também elementos cursivos que fazem com que a sua escrita se enquadre no tipo híbrido, segundo a nomenclatura de Albert Derolez, desenvolvido na Península Ibérica12. Destaquem-se, assim, a utilização do r longo (Figura 4), em primeiro lugar, do f, r, s duplos no início de palavra (Figura 5), em segundo lugar, e do g com a cauda estendida excessivamente à esquerda, em terceiro lugar (Figura 6).

Figura 4: «crauo» (f. 1r/col.I/l.18)

Figura 4: «crauo» (f. 1r/col.I/l.18)

Figura 5: «ffezeralhe» (f. 1r/col.I/l.1); «rrecear» (f. 2v/col.II/l.33); «ssayras» (f. 2v/col.II/l.29)

Figura 5: «ffezeralhe» (f. 1r/col.I/l.1); «rrecear» (f. 2v/col.II/l.33); «ssayras» (f. 2v/col.II/l.29)

9A simples observação do fragmento de códice que se preservam na Biblioteca da Catalunha, em que lemos em parte o Livro de Merlin, revela que estamos perante uma escrita distinta da evidenciada no manuscrito anterior. A título de exemplo, assinalamos os elementos paleográficos seguintes: o alógrafo longo da letra r, mesmo em contextos de fusão de curvas com as letras o ou y, ou seja, a regra de Meyer segundo a qual o r redondo aparece anteposto a qualquer letra de curva contraposta já não é sempre respeitada (Figura 6); o d em arco inclinado à esquerda (Figura 7); a cauda em arco fechado muito largo do g (Figura 8); as hastes verticais excessivamente estendidas das letras s longo e f (Figura 9).

Figura 6: «sobyr» (f. 123r/col.II/l.7); «sobyr» (f. 123r/col.II/l.13); «fora» (f. 3r/col.I/l.2); «fora» (f. 123r/col.II/l.15)

Figura 6: «sobyr» (f. 123r/col.II/l.7); «sobyr» (f. 123r/col.II/l.13); «fora» (f. 3r/col.I/l.2); «fora» (f. 123r/col.II/l.15)

Figura 7: «donas» (f. 123r/col.II/l.4)

Figura 7: «donas» (f. 123r/col.II/l.4)

Figura 8: «rrogo» (f. 67r/col.II/l.16)

Figura 8: «rrogo» (f. 67r/col.II/l.16)

Figura 9: «ffoy» (f. 67v/col.I/l.30); «penssou» (f. 67v/col.I/l.31).

Figura 9: «ffoy» (f. 67v/col.I/l.30); «penssou» (f. 67v/col.I/l.31).

10Todos estes elementos permitem-nos classificar a escrita deste manuscrito como cursiva, sendo este testemunho uma expressão da intromissão no campo da librária de traçados provindos do campo administrativo.

11Apesar de apenas recentemente termos tido a notícia da relocalização no Arquivo Histórico Nacional de Madrid do bifólio que preserva parcialmente o Livro de Tristan, como atrás mencionámos, considerámos oportuno destacar alguns elementos gráficos, a fim de distinguir o seu traçado do dos manuscritos anteriores.

12Em primeiro lugar, chamamos a atenção para o uso de dois alógrafos do d, a saber, a forma uncial e a de haste em arco (Figura 10); em segundo lugar, notamos a morfologia da letra g, cuja cauda apresenta uma diminuição do arco inferior (Figura 11), em relação ao documentado no manuscrito da Catalunha (Figura 8); em terceiro lugar, assinalamos a particularidade do traço vertical da base do s longo e f em curva inclinada à esquerda, enquanto no manuscrito anterior, a haste termina sem qualquer estilização gráfica (Figura 12).

Figura 10: «diz» (f. 1r/col.I/l.17); «ardidos» (f. 1r/col.II/l.22)

Figura 10: «diz» (f. 1r/col.I/l.17); «ardidos» (f. 1r/col.II/l.22)

Figura 11: «golpes» (f. 2v/col.I/l.12)

Figura 11: «golpes» (f. 2v/col.I/l.12)

13O prolongamento da haste final das letras m e h, nos dois manuscritos, pode indicar, também, uma característica de uma cursiva muito divulgada no século XIV, embora se observem diferenças estilísticas no seu contorno devidas ao tipo distinto de cursiva praticado (Figura 13).

14Em último lugar, no que concerne à morfologia do q, abreviando a conjunção «que», evidencia-se a extensão da haste vertical à esquerda, terminando num traço horizontal que marca a respectiva abreviatura. Nada disso se verifica no traçado da mesma letra no manuscrito da Catalunha, cuja haste vertical termina sem qualquer tratamento gráfico de relevo, apenas acompanhada pelo traço horizontal, marcando a abreviatura de «que» (Figura 14).

  • 13 Mª Josefa SANZ FUENTES, «Paleografia de la baja Edad Media castellana», Anuario de Estudios Medieva (...)

15Além desta modificação morfológica, o manuscrito de Madrid apresenta, em geral, a particularidade de uma forma redonda mais acentuada e contínua, resultante, provavelmente, da execução mais veloz do ductus. Este facto proporciona uma escrita mais ligada que se distancia, desta forma, da que observámos no manuscrito da Catalunha. Em relação ao tipo de cursiva que se atesta tanto no manuscrito de Madrid, como no da Catalunha, apesar de ser possível detectar semelhanças entre estes e outros tipos de cursiva específicos de uma área geográfica próxima, como é, por exemplo, Castela e Leão13, resta-nos pensar que pode ter havido uma centralização e uma divulgação do conhecimento da prática da escrita nas áreas próximas. Contudo, para poder extrair dados concludentes e adiantar hipóteses, seria necessária uma futura investigação paleográfica sistemática com base numa vasta documentação material dos campos librário e administrativo, oriunda do ocidente peninsular ibérico.

16Ora, os elementos evidenciados pela análise codicológica e paleográfica permitiram-nos ainda indiciar como datação, no caso do manuscrito de Santo Tirso, os finais do século XIII, inícios do século XIV pela dominante textualis e, também, pela ausência de rubricas na organização textual. As características da gótica cursiva atestada no manuscrito da Catalunha, bem como a existência de rubricas permitem supor que este testemunho poderá situar-se, pelo menos, na primeira metade do século XIV. No que concerne ao manuscrito de Madrid, pelas particularidades da cursiva destacadas e pela existência de rubricas, poderá apontar para a segunda metade deste século.

17Centraremos, de seguida, a atenção sobre a dimensão textual do material em análise. Num primeiro momento, a abordagem de colação terá como objectivo indicar as relações dos textos peninsulares com os elementos correspondentes franceses e, num segundo momento, a análise comparativa entre os mesmos textos propõe-se destacar as características da linguagem romanesca resultantes do processo de tradução.

  • 14 Henry Hare CARTER, The Portuguese Book of Joseph of Arimathea, Chapel Hill: The University of North (...)
  • 15 Oskar Sommer, The Vulgate Version of the Arthurian Romances, Washington: The Carnegie Institution o (...)
  • 16 Para outros dados sobre a tradição manuscrita da Estoire del Saint Graal, ver Jean-Paul PONCEAU, In (...)
  • 17 Ibidem.
  • 18 A. F. DIAS, «A matéria...»; S. AILENII, «O arquétipo da tradução galego-portuguesa da Estoire del S (...)
  • 19 Amadeu SOBERANAS, «La version galaïco-portugaise de la Suite du Merlin», Vox Romanica, XXXVIII, 197 (...)
  • 20 Gilles ROUSSINEAU, La Suite du Roman de Merlin, 2 vol., Genève: Droz, 1996.

18Para a concretização dos nossos objectivos, procedemos a uma colação dos testemunhos portugueses com os textos correspondentes franceses. Assim, os testemunhos peninsulares que transmitem a Estória do Santo Graal, a saber, o oriundo de Santo Tirso, acima referido sob a cota NOT/CNSTS01/001/0012 do Arquivo Distrital do Porto, e o manuscrito quinhentista conservado no Arquivo Nacional da Torre do Tombo, sob a cota 643, através da edição paleográfica de Henry Hare Carter14, foram confrontados com os correspondentes franceses nas edições de Oskar Sommer15, que se baseia no manuscrito 10292-10294, Londres, British Museum, datado do século XIV, e a edição de Jean-Paul Ponceau, que se serve, também, de um manuscrito do século XIV, a saber, o manuscrito de Amsterdão, Biblioteca Philosophica Hermetica (sem cota), e de um que poderá remontar à década de 1220, o de Rennes, Bibliothèque Municipale, 25516. O testemunho editado por Oskar Sommer representa a redacção breve e o por Jean-Paul Ponceau a longa desta obra17. Em relação aos testemunhos peninsulares é importante especificar que, como verificámos em investigações anteriores18, representam cópias distintas descendentes do mesmo texto traduzido. No que diz respeito ao Livro de Merlin, conservado em galego-português em testemunho único já referido (ms. 2434, Biblioteca da Catalunha), foi, por sua vez, comparado com as redacções francesas transmitidas no manuscrito Add. 7071, Cambridge, através da transcrição de Amadeu Soberanas19, no manuscrito Huth, editado por Gilles Roussineau20 e, por último, no manuscrito francês 112, BNF, também através da mesma edição da responsabilidade de Gilles Roussineau.

  • 21 Philippe MÉNARD, Le Roman de Tristan en prose : des aventures de Lancelot à la fin de la Folie de T (...)
  • 22 Renée CURTIS, Le Roman de Tristan en prose, 3 vol., Cambridge: D.S. Brewer, 1963-1985.
  • 23 Foi, também, consultada a transcrição de Lourdes SORIANO ROBLES,Livro de Tristan. Contribución al e (...)

19Finalmente, o Livro de Tristan, conservado, igualmente, em testemunho único, acima referido sob a cota Códices. Leg. Carp. 1501 B, n. 7 do Arquivo Histórico Nacional de Madrid, foi colacionado com cinco correspondentes franceses, a saber, o manuscrito 2542, Biblioteca Nacional de Viena, editado por Philippe Ménard21, o manuscrito 404, Carpentras, editado por Renée Curtis22 e os manuscritos franceses 75023, 756 e 99 da Biblioteca Nacional de França.

  • 24 S. AILENII, Os primeiros testemunhos da tradução galego-portuguesa..., p. 106-139.

20No que concerne à relação entre os testemunhos peninsulares que transmitem a Estória do Santo Graal e os correspondentes franceses, atrás mencionados, uma colação pormenorizada levou-nos a concluir que o fragmento galego-português, ora se aproxima, ora se afasta destes através de lições comuns ou de casos de afinidade lexical24.

  • 25 Fanni BOGDANOW, «The relationship of the Portuguese Josep Abarimatia to the extant French MSS. of t (...)
  • 26 J.-P. PONCEAU, Introduction...

21Com base num confronto entre vários testemunhos da Estoire del Saint Graal, incluindo o galego-português atestado, na altura, apenas no manuscrito quinhentista, Fanni Bogdanow25 concluiu que este, assim como o de Rennes, por alternarem entre os testemunhos da redacção longa e os da redacção curta, representam o resultado de uma contaminação, assumindo-se, assim, uma prévia bifurcação em versão longa e curta desta obra, ou transmitem o arquétipo que deu origem às versões longa e breve, situando-se, desta forma, antes da fase de diversificação em versões longa e curta. Tendo em conta a datação muito antiga do manuscrito de Rennes, confirmada por Jean-Paul Ponceau26 e também os argumentos paleográficos e codicológicos que nos levaram a defender que o fragmento de Santo Tirso poderia remontar aos finais do século XIII – inícios do século XIV, parece-nos mais provável que este testemunho descenda de uma versão anterior à referida bifurcação.

22Também, à luz dos elementos conferidos pelo confronto dos testemunhos peninsulares e os correspondentes franceses, tornou-se evidente que nenhum dos testemunhos franceses colacionados serviu como modelo directo da tradução galego-portuguesa, por um lado, e, por outro, verificou-se que a versão que se transmite em galego-português alinha, geralmente, com a redacção curta, apresentando contudo elementos comuns à longa, de onde pode resultar que se trataria de uma posição intermédia no caso da versão que se transmite na tradução peninsular.

23Debruçamo-nos agora sobre o Livro de Merlin que, em galego-português, como referimos atrás, se transmite em testemunho único. Dentro da tradição textual, o caso peninsular ocupa um lugar muito representativo pelo facto de ser o único testemunho a transmitir em conjunto dois episódios: a história do príncipe Anasten que Merlin conta à Donzela do Lago e a Roche aux Pucelles. No primeiro episódio, por um lado, do acordo entre a versão peninsular e a contida no manuscrito de Cambridge e, por outro, da divergência entre os mesmos, pode decorrer que nenhum dos testemunhos colacionados representa, nesta porção de texto, a versão que esteve na base da tradução galego-portuguesa do Livro de Merlin.

  • 27 S. AILENII, Os primeiros testemunhos da tradução galego-portuguesa..., p. 139-159.

24No tocante ao segundo episódio contemplado apenas no manuscrito francês 112, BNF, editado por Gilles Rousineau, revelou-se que o texto francês que originou a tradução galego-portuguesa não partilha as mesmas características estilísticas do ms. BNF, fr. 11227.

  • 28 Pilar LORENZO GRADÍN e Eva DÍAZ MARTÍNEZ, «El fragmento gallego del Livro de Tristán. Nuevas aporta (...)
  • 29 S. AILENII, Os primeiros testemunhos da tradução galego-portuguesa..., p. 159-180.
  • 30 L. SORIANO ROBLES, Livro de Tristan..., p. 51.

25E, finalmente, o confronto de várias redacções do Tristan en prose com a tradução peninsular revelou que nenhuma daquelas pode ter representado a sua fonte. Constatámos, também, que existe um número elevado de lições comuns ao testemunho peninsular e a dois dos testemunhos consultados, ou seja, os manuscritos BNF, fr. 750 e 2542, Viena (ed. Philippe Ménard). Este facto permitiu-nos verificar que é possível que o seu antepassado se possa situar bastante próximo da fonte francesa que deu origem à tradução peninsular. Apesar de ter sido verificado o fenómeno de ausência de passagens por parte do testemunho vienense, segundo referem, também, Pilar Lorenzo Gradín e Eva Díaz Martínez28, o confronto sistemático entre os testemunhos em análise, revelou, porém, uma maior aproximação entre o testemunho editado por Philippe Ménard e o peninsular através de lições comuns29. Por outro lado, a hipótese de o antepassado do ms. BNF, fr. 750 estar próximo da fonte francesa que deu originou à tradução peninsular não deve ser posta de parte, tendo em conta as lições comuns que estes apresentam e o facto de conter, segundo assinala Lourdes Soriano Robles30, a mesma sequência narrativa que o testemunho peninsular.

26Finalmente, a comparação dos textos peninsulares com os correspondentes franceses permitiu-nos detectar técnicas idênticas de tradução nos três textos traduzidos. Trata-se de traduções bastante literais, que, através dos procedimentos de ausência por redução e de reformulação sintética terão procurado a contracção lexical de que decorre uma expressão económica e, através da técnica de amplificação, terão procurado facilitar a compreensão do conteúdo original nos casos em que este parece carecer de clareza.

27Por outro lado, verificou-se, também, que a Estória do Snato Graal e o Livro de Merlin, nas porções de texto conservadas, se mantêm, de um modo geral, mais fiéis no plano da forma face aos textos franceses consultados do que o Livro de Tristan à sua fonte. Conforme constatámos, este último não só operou uma redução sistemática de elementos relacionados com as cenas bélicas, como não menciona os escudeiros de Lancelot: (i), (ii).

(i)

Livro de Tristan (ed. Gradín/ Cabo, p. 74/l.26-28)

ms. BNF, fr. 99

(f. 144r/col.I)

ms. BNF, fr. 756

(f. 151r/col.II)

2542 Viena (ed. Ménard, vol.I, § 1/l.17-21)

404 Carpentras (ed. Curtis, § 710/l.13-16)

ms. BNF, fr. 750

(f. 128v/col.I)

En outro dia manaa

quando quis cavalgar

dissolle seu ospede et Rogoo ben assy como rrogara o da ssaya mal tallada

A l'endemain

quant Lancelot se deust de leans partir entre lui et ses escuers

tout autretel priere come le preudoms avoit faite au Chevaliers a la Cote Maltaillee por son fils le jour devant fist il a Lancelot

A l'andemant

quant il se dut de leenz partir entre lui et ses escuers

toute autretele priere come li preudons avoit fet le jor devant a Celui a la Cote Mautallie por son fill fist il a monseigneur Lancelot

A l’endemain, auques matin, Lanselos se lieve et apareille.

Et quant il se dut de laiens partir entre lui et ses esqueirs,

tout autretel proiiere com li preudom avoit faite le jour devant a celui a la Cote Mautaillie pour son fil fist il a Lanselot

A l'endemen

quant Lanceloz se dut de leanz partir entre li et ses escuiers, tout autretel proiere com li preudons avoit fait le jor devant au chevalier a la Cote Mautailliee por son fil fist il a Lancelot

A 1'endemain, quant Lancelot se dut de leienz de partir entre lui et ses escuiers,

tote autel proiere com il avoit faite le jor devant a celui a la Cote Maltaillie por son fill fist il a monseignor Lancelot

(ii)

Livro de Tristan (ed. Gradín/ Cabo p. 75/l.38-40)

ms. BNF, fr.99

(f. 144r/col.I)

ms. BNF, fr. 756

(f. 151r/col.II)

2542 Viena (ed. Ménard, vol.I, § 2/l.1-6)

404 Carpentras (ed. Curtis, § 711/l.1/5)

ms. BNF, fr. 750

(f.128v/col.I)

Depoys que sse

lançarote partiu de casa de seu ospede

non andou muyto que achou dous Caualeiros andantes que tragian senllos escudeyros

Quant Lancelot se fu partis du preudome a qui il avoit faite la promesse telle come je vous ai devise, il se mist tout maintenant a la voie entre lui et ses escuers.

Il n'ot mie granment ale qu'il atant li chevaliers errans que chevauchoient tout le grant chemin et menoient avec eulx II escuers

Quant Lancelot se fu departi del preudome a qui il avoit fete la promesse cele come je la vous ai devisie il se mist tout maintenant a la voie entre lui et ces escuers.

 Il n'ot mie granment ale quant il ataint II chevaliers qui chevauchoient tout le grant chemin et menoient avoec euls II escuers de la Table Reonde

Quant Lanselos se fu partis du preudoume a qui il avoit faite la proumesse tele com je vous ai devisee, il se mist maintenant au chemin entre lui et ses esquiers.

 Dont n’ot mie granment ale quant il ataint deus cevaliers errans ki cevauchoient tout le grant cemin et menoient avoec ax deus esquiers tant seulement

Quant Lanceloz se fu partiz dou preudome a qui il ot faite la promesse tele come je vos ai devise, il se mist tot mentenant au chemin entre li et ses escuiers.

 Il n'ot mie granment alé qu'il ataint deus chevaliers erranz qui chevauchoient tot le grant chemin, et menoient avec eus deus escuiers

Quant Lancelot se fu parti du preudome a cui il avoit faite la promesse tele com ge vos ai devisee, il se mist maintenant a la voie entre lui et ses escuiers.

 Dont n'ot mie granment ale quant il ataint deus chevaliers erranz qui chevauchoient tot le grant chemin et menoient avec elx deus escuiers

28Por outro lado, esta ausência de equivalente da referida companhia de Lancelot (i, ii) pode explicar-se por uma tendência para secundarizar estas personagens muito representativas na ideologia cavalheiresca medieval. Tratar-se-á de uma eliminação da companhia de Lancelot operada pelo tradutor ou de uma ausência da mesma referência no texto fonte? Em qualquer das hipóteses, estamos perante uma tendência para distinguir a forma como os heróis se deslocam: Lancelot, neste caso, vai sozinho, enquanto os outros, Brandeliz e Queia, aparecem acompanhados por escudeiros nas suas demandas. Poderá este ritual denotar, também, a valentia do herói que anda sozinho nas suas aventuras?

29No seu todo, o texto tristaniano revelou-se mais redutor do que a Estória do Santo Graal e o Livro de Merlin, verificando-se ausências de segmentos mais compósitos, o que nos levou a crer que estas modificações poderiam ter sido feitas em território peninsular.

30Todavia, dado que se conservam unicamente testemunhos tardios da tradição textual francesa do Tristan en prose, não podemos afastar definitivamente a hipótese de uma fonte francesa, igualmente breve e anterior às redacções francesas que chegaram até aos nossos dias, poder ter dado origem ao texto peninsular.

31Não deixa, porém, de ser importante assinalar que, com a análise paleográfica do manuscrito do Livro de Tristan, observámos um conjunto de elementos que nos permitiram postular a hipótese de a economia do texto redigido se poder relacionar com certas condições de ordem material. Referimo-nos ao traço contínuo da letra que denota uma escrita mais rápida, uma letra mais compacta, mais miúda, de hastes ascendentes e descendentes menos elaboradas, em comparação com a do Livro de Merlin, de que resulta um maior número de palavras na linha e um maior número de linhas na caixa da escrita. Este traçado cursivo do Livro de Tristan parece conjugar as necessidades funcionais e económicas do texto. Assim, todos estes elementos paleográficos permitem-nos indiciar que a condensação do texto tristaniano pode ter sido induzida por condicionantes de ordem material, ou seja, pelo facto de haver apenas uma quantidade diminuta de pergaminho disponível para a cópia do texto.

32Também a existência de treze rubricas, introduzindo capítulos no manuscrito do Livro de Tristan, num espaço de um bifólio, enquanto o manuscrito do Livro de Merlin apresenta seis num espaço de um meio fólio e de um bifólio reforça, a nosso ver, a hipótese de uma maior redução do texto no primeiro.

33Neste estudo foi também nosso propósito identificar o(s) perfil(s) do tradutor dos textos peninsulares. O confronto de um conjunto de casos lexicais e unidades sintagmáticas presentes em todos os textos analisados permitiu-nos determinar perfis e atitudes distintas na tradução dos textos arturianos para galego-português. Conforme já constatámos, apesar do carácter mais conservador no plano da forma da Estória do Santo Graal e do Livro de Merlin relativamente ao Livro de Tristan, existem inovações em todos os três textos. Assim, verificámos que o Livro de Merlin (iii, iv) se opõe ao Livro de Tristan (v, vi) pela ausência de equivalente dos títulos de cortesia «don» / «senhor», correspondendo a «monseigneur»/ «sire», no primeiro. Um outro ponto de divergência entre estes textos encontra-se nas soluções de tradução «amjgo» ou «caualeiros» ou «eles» correspondendo ao francês «compagnons» no Livro de Merlin(vii), enquanto o Livro de Tristan equivale o mesmo correspondente francês por «conpaneiro» (viii). No que respeita às formas de tratamento, a singularidade do Livro de Merlin pode ter-se fundamentado numa atitude, por parte do tradutor/ redactor, de igualdade no tratamento das personagens. Esta atitude pode, assim, ter sido induzida pelo perfil sócio-cultural do próprio tradutor/ redactor. Em relação às opções de tradução do vocábulo «compagnons» podem ser motivadas pelo valor semântico que o tradutor pretende realçar.

34A opção pelo emprego do nome «amjgos» e pela conjugação do verbo «fyaua» no texto de chegada [(vii) (a)] ilustra uma distribuição semântica diferente nos corespondentes «compaignons» e «amoit» do texto de partida. Ou seja, o sema «amor» do texto de partida encontra-se no nome «amjgo» no texto de chegada e o sema «confiança» do nome «compaignons» visa a forma verbal «fyaua» no texto de chegada. Neste caso, enfatiza-se, no texto de chegada, a qualidade das personagens (cavaleiros ou/e companheiros), reflectida na relação de proximidade e revela-se, assim, uma coerência linguística interna, dado o uso do mesmo lexema num outro contexto em que traduz o título honorífico «sire» [(vii) (b)]. No exemplo [(vii) (c), as personagens são identificadas pelo termo com o valor genérico: «caualeiros» em oposição à categoria social designada por «damoiseles», legível apenas em francês. O lexema «caualeiros» refere a função social das personagens e é um lexema hiper-ordenador designando genericamente os homens das armas. A identificação das personagens na situação [(vii) (d)] realiza-se pela forma pronominal «eles» que, o mais provável, ilustra uma preferência lexical da parte do tradutor para uma expressão neutra e sintética na designação das personagens.

35Daí decorre a liberdade que o tradutor se pode permitir ao «interpretar» o (con)texto de partida.

(iii)

Livro de Merlin (ed. Gradín/Cabo)

ms. BNF, fr. 112 (ed. Roussineau)

(a) Ca yuan con quen ela ffal<...>ra aquel dya (p. 152/l.33-34)p.152/l.33-34)

car messier Yvain, auquel elle avoit le jour mesmes parlé (§ 493/l.12-13)

(b) Ay Deus disse Maroth que ffassen ala suso ben o podedes ueer disse Galuam (p. 156/l.97-98)

– Ha! Dieux, fait le Morholt, de quoi servent elles lasus?

– Or le poués veoir, fait messire Gauvain (§ 496/l.40-41)

(c) E Galuan lhy preguntou que pensauam (p. 156/l.99)

et messier Gauvain lui demande qu’il pense (§496/l.43)

(d) E verdade e disse Galuam (p. 157/l.109)

– Est ce voir? fait messier Gauvain (§ 496/l.60)

(e) onde auẽo este desamor antre uos eMaroth (p. 153/l.35)

dont est ceste grant haine venue qui est entre vous et monseigneur le Morholt? (§ 493/l.16-18)

(iv)

Livro de Merlin (ed. Gradín/Cabo)

ms. BNF, fr. 112 (ed. Roussineau)

(a) Se Deus me aiude disse a donzela (p. 153/l.49)

– Par mon chief, seigneurs, fait la damoiselle (§ 494/l.22)

(b) Non ueedes as marauilhas que aca suso esta pena. donas moran y fremosas (p. 156/l.89-90)

Avés vous veu, sire, merveilles, qu’il a lassus ou sommet de celle roche demoiselles manans belles et coinctes? (§ 496/l.24-25)

(v)

Livro de Tristan

(ed. Gradín/ Cabo)

ms. BNF, fr. 750

2542 Viena (ed. Ménard)

404 Carpentras (ed. Curtis)

ms. BNF, fr. 756

ms. BNF, fr. 99

(a) E coñocedes vos disseron eles dom Lançarote do Lago

(p. 76/l.56-57)

Et monseignor Lancelot dou Lac, font il, connoissiez le vos?

(f. 129r/col.I)

– Et Lanselot

du Lac, font il, connissiés vous? (vol. I,

§ 3/l.6-7)

Et Lancelot du Lac, font il, connoissiez vos? (§ 712/l.6)

et Lancelot de Lac, font il, conoissies vous?

(f. 151v/col.I)

et cognoissez voz Lancelot

(f. 144r/col.II)

(b) Todo aquel dia pensara Lançarote en don Tristan, que non pensou en al (p. 74/l.20-21)

Tot celui jor pensa tant a monseignor Tristan qu'il ne pensa mie granment a autre chose

(ff. 128r/col.II-128v/col.I)

Tout celui jour

pensa tant

Lanselos a monsigneur

Tristran k’il

ne pensa mie

granment a

autre cose

(vol. I, § 1/l.9-

10)

Tot celi jor pensa tant a Tristan qu'il ne pensa mie granment a autre chose (§ 710/l.7-8)

Tot celui jor pensa tant a Tristan qu'il ne pensa granment a autre chose

(ff. 151r/col.I-151r/col.II)

Tout celui jour pensa tant a Tristan qu'il ne pensa mie granment a autre chose

(f. 144r/c)ol.I)

(vi)

Livro de Tristan

(ed.Gradín/ Cabo)

ms. BNF, fr. 750

2542 Viena (ed. Ménard)

404 Carpentras (ed. Curtis)

ms. BNF, fr. 756

ms. BNF, fr. 99

(a) Senor Caualeiro, derrebastesme (p. 78/l.86-87)

Ge voi bien que vos m'avez abatu

(f. 129r/col.II)

Sire cevaliers, je voi bien que vous m’avés abatu (vol.I, § 5/l.25-26)

Sire chevaliers, je voi bien que vos m'avez abatu (§ 713/l.21)

Sire chevalier, je voi bien que vous m'aves abatu

(f. 152r/col.I)

Sire chevaliers, je vois bien que voz m'aves abatu

(f. 144v/col.II)

(b) Quando o senor do castelo esto oyu non soubo que fezesse (p. 83/l.181)

Quant li sires dou chastel entent ceste novele, il devient un poi esbahiz et est auques espoentez

(f. 136r/col.II)

Quant li sires entent ceste nouvele, il devient un poi esbahis et est auques espoentés (vol.I, § 31/l.20-21)

Quant li sires dou chastel entent ceste parole, il en devient toz esbahiz et auques en est espoentez (§ 736/l.1-2)

Quant li Sires del chastel entent ceste parole il en devient moult esbahis et auques en est espoventes

(f. 158r/col.I)

Et quant le Sire du chastel entent ceste parole il endement tous esbahis et auques en est espovente

(f. 150r/col.I)

(vii)

  • 31 A parte do texto contendo as situações (b) e (c) tem correspondente francês apenas no testemunho da (...)

Livro de Merlin (ed. Gradín/ Cabo, p. 152/l.19-20)

ms. Add. 7071 Cambridge (trans. Soberanas, pp. 179-180)

ms. Huth (ed. Roussineau § 381/l.16-17)

(a) e adusse sigo de seus amjgos aqueles <...> que sse mais fyaua

e amena od lui ceus de ces compaignons qu’il mieux amoit

et amena cheus de ses compaignons que il plus amoit

Livro de Merlin (ed. Gradín/Cabo)31

ms. BNF, fr. 112 (ed. Roussineau)

(b) E Maroth disse

Amigo, que me demandades (p. 153/l.41-42)

-Sire, fait le Morholt,

que me demandés vous? (§ 494/l.6-7)

(c) Manhãa <…> foy manhaa espediusse <...> <…> os caualeiros ffolgaron <…> (p. 155/l.72-73)

A l’endemain, si tost comme le jour fu venus, se leva la demoiselle et prist congié aux .II. compaignons et s’en ala en sa besoingne (§ 495/l.5-7)

(d) E quando eles as uiron (p. 156/l.88-89)

Quant les .II. compaignons les voient lasus (§ 496/l.22-23)

(viii)

Livro de Tristan (ed. Gradín/

Cabo)

ms. BNF, fr. 750

2542 Viena (ed. Ménard)

404 Carpentras (ed. Curtis)

ms. BNF, fr. 756

ms. BNF, fr. 99

(a) Brandeliz, que uiu seu Conpañeiro derribado (p. 78/l.93)

Brandelis, qui Keux d'Estraux, son compaignon, voit abatu

(f. 129v/col.I)

Brandelis, qui Kex d’Estraus son compaingnon voit abatu (vol.I, § 6/l.2-3)

Brandeliz, qui Kex d'Estax, son compaignon, voit abatu (§ 714/l.2-3)

Brandelis, qui Keu d'Estraus, son compaignon voit abatu

(f. 152r/col.II)

Brandeliz qui Kahedin d'Estraux voit son compagnon abatu

(f. 144v/col.II)

(b) Depoys que Lançarot foy partido de seus conpaneyros (p. 79/l.104)

Quant Lancelot se fit partiz de ces deus compaignons

(f. 135r/col.I)

Quant Lanselos se fu partis de ses deus compaingnons (vol.I, § 27/l.1-2)

Quant Lanceloz se fu departiz de ses compaignons (§ 731/l.1)

Et quant Lancelot se fu departis de ces conpaignons

(f. 157r/col.I)

Quant Lancelot se fu partis de ces compagnons

(f. 149r/col.I)

36Existe um outro caso de tradução que determina a oposição, desta vez, entre a a Estória do Santo Graal e o Livro de Merlin. Conforme constatámos, o vocábulo «meesmo» representa, numa das ocorrências da Estória do Santo Graal, o correspondente formal de «mesmes» (ix), enquanto no Livro de Merlin aparecem diversas soluções, a saber, a conjugação do verbo «osmar» ou a utilização do demonstrativo «aquel», «aquela», como equivalente do mesmo (x, xi). Os exemplos destacados evidenciam, assim, opções diferentes de tradução em textos distintos na expressão do valor intensivo do lexema «mesmes».

37O segundo valor semântico que marca o lexema «mesmes» é a identidade. Apesar de o Livro de Merlin ser o único a conter registos do lexema com este valor, não deixa de ter interesse pelo modo particular de tradução: «aquela camara» [(ix) (a)] e «aquel dya» [(xi) (b)]. O sistema demonstrativo do latim clássico sofre alterações no latim vulgar. Entre estas alterações mencionamos o desenvolvimento de novas funções das formas pronominais de demonstrativo, como ipse, a, um. Esta função exemplifica-se pela tradução galego-portuguesa do Livro de Merlin: no primeiro caso, o demonstrativo «aquel» / «aquela» realiza uma identidade no espaço, enquanto no segundo uma temporal. O texto de chegada parece traduzir, de facto, através do lexema «mesmes» do texto de partida, o latim ipse, a, um com o valor que este desenvolve já no latim vulgar.

(ix)

Estória do Santo Graal (f. 1r/col.I/l.19-21)

ed. Carter (p. 163/l.37-39)

ed. Sommer (p. 83/l.21-22)

ed. Ponceau (§ 283/l.9-13)

Entõ entrou el rrey dentro

e tomoua lymagẽ ele meesmo aa costas e deytoua no ffogo ante todos

e depoys que abrio ẽtrou demtro

e elle mesmo as suas costas tomou ha ymagem e diamte todos a deytou no fogo

puis entra ens

et il mismes prinst limagene et le porta el fu uoiant aus tous

et en cheste maniere entroit ens

li rois, quant il voloit aler a l'ymage pour faire sa desloiauté et son pechié. Quant il lor eut moustré la grant soutilleche de l'huis, si les mena en la chambre et, quant il vint el sousterrin,

si prist il meïsmes l'ymage

et si la porta el fu ardant, voiant aus tous

(x)

Livro de Merlin (ed. Gradín/Cabo)

ms. BNF, fr. 112 (ed. Roussineau)

(a) Entonosmo<...> que eram encantados. e disse

(p. 153/l.38-39)

Lors dist a soi mesmes: «Par foi, je cuid que ceulx sont enchantés (§ 493/l.23-24)

(b) E e<…> uos ficarey ia <…> oie de ffa<...>er <…> donzela os guiou a abadya

(p. 154/l.66-67)

Et jemesmes, se vous y voulés venire, yray la pour l’amour de vous et y demoreray anuyt pour vous faire compaignie. Et ilz la mercient moult de ce qu’elle leur offre. Alés, font ilz, devant, et nous vous suivrons. Et celle le fait tout ainsi comme ilz luy requierent (§ 494/l.56-61)

(c) mays de que comen ou de que beuen soo chus marauilhado Ca non ueio como ala possam auer

(p. 156/l.95-97)

Mes de leur manger et de leur boire suis je plus esmaiés que elesmesmes ne sont, car je ne voy en nulle guise comment elles puent avoir a manger (§ 496/l.33-35)

(xi)

Livro de Merlin (ed. Gradín/ Cabo, p. 152/l.26-27)

ms. Add. 7071 Cambridge (trans. Soberanas, p. 179-180)

ms. Huth (ed. Roussineau, § 381/l.26-27)

(a) E fforon soterrados desũú enaquelacamara

e furent enterré ensemble en la chaumbre mesme

et furent mis en terre ensamble en la chambremeesmes

Livro de Merlin (ed. Gradín/ Cabo, p. 152/l.33-34)

ms. Huth (ed. Roussineau, § 493/l.12-13)

(b) con quen ela ffal<...>ra aqueldya

auquel elle avoit le jourmesmes parlé

38Ainda sobre o perfil do tradutor do texto arturiano em galego-português, por exemplo, em relação ao que se salienta no Livro de Merlin, verificámos, através da utilização do vocábulo «senhor» enquanto equivalente de «dame» (xii), um muito provável modelo de expressão que provém da lírica trovadoresca (onde a figura amada é habitualmente designada pela forma de tratamento «senhor», apesar de no Livro de Merlin não se tratar necessariamente deste tipo de relacionamento, mas de um diálogo entre as donzelas da Roche aux Pucelles!).

39Trata-se, assim, de elementos que abonam, a nosso ver, a favor da hipótese de a tradução do romance arturiano ter sido a incumbência de mais do que um tradutor ou, pelo menos, parecem destacar-se atitudes distintas no que diz respeito à forma de solucionar os mesmos vocábulos e/ou construções sintagmáticas.

(xii)

Livro de Merlin (ed. Gradín/ Cabo, p. 157/l.124-125)

ms. Huth (ed. Roussineau, § 496/l. 80-83)

Enton <…> cuydaron e ouuiron o que hũa <...> disse

Senhor destes dous caualeiros que <…>

Lors commencent a escouter les damoyselles qui ensemble parloient, tant que l’une dist:

«Et de ces .II. chevaliers qui nous escoutent, dame, que dictes vous?

40O percurso analítico sobre a dimensão material e textual dos primeiros testemunhos da tradução galego-portuguesa do romance arturiano conservados até aos nossos dias mostrou-se, como se pode verificar, complementar da abordagem codicológica, paleográfica e textual, permitindo a sua corroboração e tornando possível a fixação dos testemunhos num arco cronológico determinado no âmbito do stemma codicum de cada obra representada.

Haut de page

Notes

1 O presente estudo retoma algumas das conclusões da dissertação de doutoramento de Simona AILENII, Os primeiros testemunhos da tradução galego-portuguesa do romance arturino (tese policopiada), Porto: Universidade do Porto, 2013.

2 Nuno Garcia GUINA, Levantamento de manuscritos em capas de livros notariais do Arquivo Distrital do Porto, cartórios de Santo Tirso e Penafiel (texto policopiado), Coimbra: Universidade de Coimbra, 1992.

3 Aida Fernanda DIAS, «A matéria da Bretanha em Portugal: relevância de um fragmento pergamináceo», Revista Portuguesa de Filologia, Miscelânea de estudos in memoriam José G. Herculano de Carvalho, vol. XXV, tomo 1, 2003-2006, p. 145-221.

4 Manuel SERRANO Y SANZ, «Fragmento de una versión galaico-portuguesa de Lanzarote del Lago», Boletín de la Real Academia Española, vol. 15, 1928, p. 308-314.

5 José PENSADO TOMÉ, «Fragmento de um Livro de Tristan galaico-portugués», Cuadernos de Estudios Gallegos, Anejo XIV, Santiago de Compostela: Instituto de Estudos Gallegos, 1962.

6 BITAGAP, Manid 1483 (http://bancroft.berkeley.edu/philobiblon/bitagap_po.html) (2.XI.2013).

7 Ibidem.

8 Kieth BUSBY, «Rubrics and the Reception of Romance», French Studies, LIII (2), Society for French Studies, 1999, p. 129-141.

9 Cedric Edward PICKFORD, L’évolution du roman arthurien en prose vers la fin du Moyen Âge d’après le manuscrit 112 du fond français de la Bibliothèque Nationale, Paris: A. G. Nizet, 1960; Armando PETRUCCI, Writers and Readers in Medieval Italy: studies in the history of written culture, Yale: Yale University Press, 1995.

10 Gerard Lieftinck, «Pour une nomenclature de l’écriture livresque de la période dite gothique», Nomenclature des écritures livresques du IXe au XVIe siècle, Premier colloque international de paléographie latine (Paris, 28-30 avril 1953), Paris: Colloques internationaux du C.N.R.S., Sciences humaines, 4, 1954, p. 15-33.

11 Maria João Oliveira e SILVA, A Escrita na Catedral: A Chancelaria Episcopal do Porto na Idade Média (Estudo Diplomático e Paleográfico), Tese de doutoramento, Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2010, p. 242.

12 Albert DEROLEZ, The Paleography of Gothic Manuscript Books, Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

13 Mª Josefa SANZ FUENTES, «Paleografia de la baja Edad Media castellana», Anuario de Estudios Medievales, 21, 1991, p. 531 e seguintes.

14 Henry Hare CARTER, The Portuguese Book of Joseph of Arimathea, Chapel Hill: The University of North Carolina Press, 1967.

15 Oskar Sommer, The Vulgate Version of the Arthurian Romances, Washington: The Carnegie Institution of Washington, 1908-1916, vol. 1, L’estoire del Saint Graal. O editor inclui, no aparato crítico, lições de outros três manuscritos de Londres, B.L.: Royal 19 C XII, Royal 14 E III e Add. 32125.

16 Para outros dados sobre a tradição manuscrita da Estoire del Saint Graal, ver Jean-Paul PONCEAU, Introduction a L’Estoire del Saint Graal, Paris: Honoré Champion, 1997, vol. 1, passim.

17 Ibidem.

18 A. F. DIAS, «A matéria...»; S. AILENII, «O arquétipo da tradução galego-portuguesa da Estoire del Saint Graal à luz de um testemunho recente», in: Seminário Medieval de Literatura, Pensamento e Sociedade 2007-2008, Maria do Rosário FERREIRA, José Carlos MIRANDA e Ana Sofia LARANJINHA (coord.), Porto, 2009. Disponível em: http://seminariomedieval.com/ineditos.html (Guarecer on-line) e posteriormente publicado em Revista Galega de Filoloxía, nº 10, 2009, p. 11-38.

19 Amadeu SOBERANAS, «La version galaïco-portugaise de la Suite du Merlin», Vox Romanica, XXXVIII, 1979, p. 174-193.

20 Gilles ROUSSINEAU, La Suite du Roman de Merlin, 2 vol., Genève: Droz, 1996.

21 Philippe MÉNARD, Le Roman de Tristan en prose : des aventures de Lancelot à la fin de la Folie de Tristan, Genève: Droz, 1987, vol. 1.

22 Renée CURTIS, Le Roman de Tristan en prose, 3 vol., Cambridge: D.S. Brewer, 1963-1985.

23 Foi, também, consultada a transcrição de Lourdes SORIANO ROBLES,Livro de Tristan. Contribución al estudio de la filiación textual del fragmento gallego-portugués, Roma: Edizioni Nuova Cultura, 2006, p. 74-84.

24 S. AILENII, Os primeiros testemunhos da tradução galego-portuguesa..., p. 106-139.

25 Fanni BOGDANOW, «The relationship of the Portuguese Josep Abarimatia to the extant French MSS. of the Estoire del Saint Graal», Zeitschrift für romanische Philologie, 76, 1960, p. 343-375; id., The Romance of the Grail, New York: Manchester University Press, Barnes & Noble, INC, 1966.

26 J.-P. PONCEAU, Introduction...

27 S. AILENII, Os primeiros testemunhos da tradução galego-portuguesa..., p. 139-159.

28 Pilar LORENZO GRADÍN e Eva DÍAZ MARTÍNEZ, «El fragmento gallego del Livro de Tristán. Nuevas aportaciones sobre la collatio», Romania, 122, 2004, p. 371-396.

29 S. AILENII, Os primeiros testemunhos da tradução galego-portuguesa..., p. 159-180.

30 L. SORIANO ROBLES, Livro de Tristan..., p. 51.

31 A parte do texto contendo as situações (b) e (c) tem correspondente francês apenas no testemunho da BNF, ms. fr. 112.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1: «todos» (f. 1r/col.I/l.8)
URL http://e-spania.revues.org/docannexe/image/22611/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre Figura 2: «estranha» (f. 1r/col.I/l.28)
URL http://e-spania.revues.org/docannexe/image/22611/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre Figura 3: «eles» (f. 1r/col.II/l.5)
URL http://e-spania.revues.org/docannexe/image/22611/img-3.png
Fichier image/png, 23k
Titre Figura 4: «crauo» (f. 1r/col.I/l.18)
URL http://e-spania.revues.org/docannexe/image/22611/img-4.png
Fichier image/png, 24k
Titre Figura 5: «ffezeralhe» (f. 1r/col.I/l.1); «rrecear» (f. 2v/col.II/l.33); «ssayras» (f. 2v/col.II/l.29)
URL http://e-spania.revues.org/docannexe/image/22611/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre Figura 6: «sobyr» (f. 123r/col.II/l.7); «sobyr» (f. 123r/col.II/l.13); «fora» (f. 3r/col.I/l.2); «fora» (f. 123r/col.II/l.15)
URL http://e-spania.revues.org/docannexe/image/22611/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre Figura 7: «donas» (f. 123r/col.II/l.4)
URL http://e-spania.revues.org/docannexe/image/22611/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre Figura 8: «rrogo» (f. 67r/col.II/l.16)
URL http://e-spania.revues.org/docannexe/image/22611/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre Figura 9: «ffoy» (f. 67v/col.I/l.30); «penssou» (f. 67v/col.I/l.31).
URL http://e-spania.revues.org/docannexe/image/22611/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre Figura 10: «diz» (f. 1r/col.I/l.17); «ardidos» (f. 1r/col.II/l.22)
URL http://e-spania.revues.org/docannexe/image/22611/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 8,0k
Titre Figura 11: «golpes» (f. 2v/col.I/l.12)
URL http://e-spania.revues.org/docannexe/image/22611/img-11.png
Fichier image/png, 13k
Titre Figura 12
URL http://e-spania.revues.org/docannexe/image/22611/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Figura 13
URL http://e-spania.revues.org/docannexe/image/22611/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre Figura 14
URL http://e-spania.revues.org/docannexe/image/22611/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Simona Ailenii, « A tradução galego-portuguesa do romance arturiano nos séculos XIII e XIV », e-Spania [En ligne], 16 | décembre 2013, mis en ligne le 18 décembre 2013, consulté le 27 mai 2017. URL : http://e-spania.revues.org/22611 ; DOI : 10.4000/e-spania.22611

Haut de page

Auteur

Simona Ailenii

Universidade Alexandru Ioan Cuza, Iași/Roménia
SMELPS/IF/FCT

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Les contenus de la revue e-Spania sont mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo CLEA
  • Logo GDRE AILP
  • Logo DOAJ
  • Revues.org