Navigation – Plan du site
Convivencia de lenguas y conflictos de poder en la península ibérica durante la Edad ‎Media

Notas sobre a convivência de línguas em Portugal no século xv e a tradução da Crónica de Alfonso X

Filipe Alves Moreira

Résumés

Vue d'ensemble sur les relations culturelles luso-castillanes au XVe siécle. Analyse de la traduction portugaise de la Chronique d’Alphonse X et de la fonctionnalité politique et idéologique de cette traduction.

Haut de page

Texte intégral

A convivência de línguas em Portugal no século xv. Bilinguismo, leituras e traduções

1Ao longo do século xv e princípios do século xvi, o português e o castelhano conviveram e interagiram de diferentes formas. No âmbito da cultura escrita em Portugal, podem apontar-se como manifestações privilegiadas desse convívio e interacção o fenómeno do bilinguismo; a presença de textos castelhanos em bibliotecas portuguesas; e a tradução de obras castelhanas para português, ou a incorporação de passagens mais ou menos extensas de textos castelhanos em obras portuguesas. O conjunto destas situações aponta claramente no sentido de uma comunidade textual em boa medida supra-linguística, no seio da qual os diferentes materiais eram partilhados, absorvidos e reformulados a partir de diversas instâncias de poder.

  • 1 Veja-se, a este propósito, as sínteses de Ana Isabel BUESCU, «Aspectos do bilinguismo português-cas (...)
  • 2 É o caso de Pilar VÁSQUEZ CUESTA, A língua e a cultura portuguesas no tempo dos Filipes. Mem-Martin (...)

2De todos estes aspectos, o que mais atenção tem merecido é, sem dúvida, o fenómeno do bilinguismo1. É precisamente no século xv que autores portugueses começam a escrever parte das suas obras na língua do reino vizinho, prática que continuará até ao século xviii e inclui, como é sabido, figuras tão importantes como Gil Vicente, Sá de Miranda, Camões ou o próprio rei D. João IV. A amplitude do fenómeno chegou a ser tão notória, que há mesmo quem fale, a propósito, em «diglosia»2, considerando que o castelhano seria visto por muitos portugueses como língua de prestígio, enquanto o português estaria conotado com as camadas mais pobres e iletradas da população.

  • 3 É, além disso, clara a influência da poesia castelhana do século xv sobre os poetas do Cancioneiro (...)
  • 4 Sobre a funcionalidade política das relações culturais luso-castelhanas ao longo do século xv é imp (...)
  • 5 Este texto foi editado e estudado em István LEON-BORJA e Katalin KLIMES-SZMIK, El Memorial Portugué (...)

3No século xv, a situação estaria, contudo, ainda longe de ser essa. Verifica-se, por um lado, que o uso do castelhano por autores portugueses ocorre somente na segunda metade do século; e, por outro lado, que esse uso está, com poucas excepções, confinado ao Condestável D. Pedro, filho do Infante D. Pedro e neto de D. João I, e a alguma da produção poética que viria a ser recolhida no Cancioneiro Geral (1516) – falamos, na realidade, de cerca de dez por cento das mais de oitocentas composições recolhidas neste Cancioneiro3. Poderá não será um acaso que este cenário acompanhe o que parece ser o movimento geral da política da corte portuguesa face a Castela, no decorrer do século xv: a uma primeira fase de distanciamento, marcada pela necessidade de afirmação de uma nova dinastia que enfrentou lutas várias contra o reino vizinho, sucede uma segunda fase de direccionamento da política portuguesa no sentido de maior aproximação a Castela, em que a própria união ibérica foi um objectivo perseguido por D. Afonso V, D. João II ou D. Manuel, por exemplo através de uniões matrimoniais. O uso do castelhano por parte de poetas portugueses da segunda metade do século poderá assim considerar-se uma forma entre outras de projectar a imagem de uma corte ibérica e não apenas nacional (sendo que a poesia portuguesa conhecida é, nesta época, fundamentalmente uma poesia de corte). Também no caso do Condestável D. Pedro será importante não perder de vista o enquadramento ibérico da sua trajectória política e pessoal após a batalha de Alfarrobeira (1449), incluindo vários anos de exílio em Castela e Aragão, contexto em que o uso do castelhano seria certamente mais apetecível e pragmaticamente viável4. Serão também razões pragmáticas que conduzirão a que, já no final do século, e num contexto marcado pelo confronto entre D. João II e uma parte da nobreza e pela aproximação do tratado de Tordesilhas, um português exilado em Castela escreva em castelhano um ataque demolidor à legitimidade da dinastia de Avis, o chamado Memorial de 1494. É que o destinatário explícito deste texto era a Rainha Isabel I, a quem o Memorial procurava incitar a reclamar direitos à coroa portuguesa, expondo a fundamentação histórico-jurídica desses direitos5.

  • 6 Veja-se o inventário dos livros que pertenceram à biblioteca deste rei em João José Alves DIAS (tra (...)
  • 7 Além disso, D. Duarte possuía também um «Valerio maximo» e uma «Historia de troia», ambos em aragon (...)
  • 8 Veja-se a edição de um inventário dos livros que pertenceram a este rei em Sousa VITERBO, «A Livrar (...)

4Mas se o bilinguismo é, porventura, o aspecto mais visível e impressivo do convívio de línguas em Portugal no século xv e princípios do século xvi, não deveremos por isso menosprezar as restantes formas de presença da língua castelhana no reino português dessa época, às quais comecei por aludir. Os catálogos conhecidos de livrarias da altura demonstram, assim, e eloquentemente, como era intensa a circulação de obras castelhanas junto das elites portuguesas. Por exemplo, D. Duarte6 possuía duas obras seguramente redigidas em castelhano (um «livro da cetraria», talvez o de Ayala, e um «Livro de montaria» que seria seguramente o de Afonso XI) e também várias outras obras de origem castelhana, mas que poderiam ser já conhecidas sob a forma de tradução para português: a «Historia Geral» de Afonso X; o «livro do conde lucanor»; a «Conquista d ultramar»; o «acipreste de fyta»; o «liuro da primeira partida» e «Dous livros de martym perez», para além de um «livro das trouas d el rey dom afonso» compilado por um tal «f. de montemor o nouo» que poderá dizer respeito ao Rei Sábio, tal como algum dos dois livros de astrologia mencionados neste mesmo catálogo7. Duas gerações mais tarde, o Rei D. Manuel8 possuía exemplares das «Sergas de Esplandian», do «Trato das armas» de Diego de Valera (obra aliás dedicada a D. Afonso V de Portugal), do «Frorisamdo» e do «Amadis de Gaula», além de uma «Caronyca Troyana» e de «dous livros das Sete Partidas» que não se sabe ao certo em que língua estariam.

5A tradução de obras castelhanas para português durante este período parece ter sido também uma prática com alguma visibilidade, apesar de menos expressiva do que a tradução de textos latinos. Para além da possibilidade de algumas das obras anteriormente referidas serem traduções portuguesas, podem ainda apontar-se, entre outras, a tradução da «História de Vespasiano», impressa em 1496, e a tradução de uma versão da «Coronica troiana» semelhante à que foi impressa em 14909 (se é que esta não é a mesma que fazia parte da biblioteca de D. Manuel). Faltará ainda, contudo, uma visão de conjunto sobre a funcionalidade histórico-cultural de todas estas traduções. Nos últimos anos foram mesmo descobertas ou identificadas traduções portuguesas de obras castelhanas feitas durante o século xv ou princípios do século xvi de que não havia notícia. É o caso de algumas traduções parciais de obras de Diego de Valera contidas numa miscelânea10 normalmente atribuída a António Rodrigues, rei de Armas de D. Manuel (autor que, como é sabido, traduziu ainda de francês para castelhano a Crónica llamada el Triumpho de los nueve preciados de la Fama), e também de uns estranhos fragmentos do que parece ser uma versão/adaptação quatrocentista do Conde Lucanor, provenientes do fundo monástico de S. Paulo de Almaziva11 (Coimbra).

A historiografia portuguesa do século xv e a historiografia castelhana medieval. A tradução portuguesa da Crónica de Alfonso X

  • 12 Apontem-se, entre outros, os seguintes trabalhos: Isabel de BARROS DIAS, Metamorfoses de Babel, Lis (...)
  • 13 Cf. Aubrey BELL, Fernão Lopes, 2ª edição. Lisboa: José Ribeiro Editor, 1986 e, sobretudo, Teresa AM (...)

6Como se vê, a circulação e apropriação de obras castelhanas em Portugal cobriu praticamente todo o século xv e abrangeu diversos géneros e áreas do saber. Gostaria, contudo, de me concentrar num sector específico da produção escrita e das relações luso-castelhanas desta época: a historiografia. A historiografia portuguesa do século xv e princípios do século xvi está ligada à historiografia castelhana medieval de muitas, estreitas e complexas maneiras. Mas os interesses da crítica não reflectem esta situação. Existe, na verdade, um claro desequilíbrio: enquanto as relações da historiografia portuguesa anterior ao século xv com a historiografia castelhana têm originado importantes e esclarecedores estudos, especialmente na última década e na sequência do trabalho pioneiro de Lindley Cintra12, já no que respeita à historiografia tardo-medieval portuguesa e suas relações com a historiografia do reino vizinho muito pouco foi ainda feito. O estudo do aproveitamento das Crónicas de Ayala por parte de Fernão Lopes constituirá uma das mais importantes excepções neste desolador cenário, e mesmo assim é sobretudo a Crónica de Juan I que mais interesse tem suscitado13.

  • 14 Luis FERNÁNDEZ GALLARDO, «Sobre los orígenes de la crónica real castellana», in: José Manuel FRADEJ (...)

7Pretendo dar uma pequena contribuição para a mudança deste estado de coisas e, nesse sentido, analisarei em seguida o aproveitamento, em Portugal, de uma das Crónicas patrocinadas por Afonso XI e consideradas da autoria de Fernán Sánchez de Valladolid (autoria que, contudo, tem sido posta em causa14), a Crónica de Alfonso X. O meu objectivo é elucidar algumas questões textuais e, sobretudo, procurar entender as estratégias subjacentes ao uso desta crónica castelhana no final da Idade Média portuguesa. Noutra ocasião, ocupar-me-ei do aproveitamento, em Portugal, de outra das Crónicas atribuídas a Fernan Sanchez de Valladolid, a Crónica de Alfonso XI.

  • 15 Ver Reis BRASIL (ed.), Crónica da Tomada de Ceuta de Gomes Eanes de Zurara, Mem-Martins: Publicaçõe (...)

8Nada sabemos sobre como e quando chegaram a Portugal cópias destas crónicas. Gomes Eanes de Zurara, o sucessor de Fernão Lopes nos cargos de cronista-mor e guardador dos arquivos reais, diz, numa passagem da chamada Crónica da Conquista de Ceuta, que D. Duarte, sendo ainda infante (portanto antes de 1433), encarregara o mesmo Fernão Lopes da redacção de trabalhos historiográficos, e que este andou por isso procurando e coligindo diversos materiais, não apenas em Portugal, mas também no reino de Castela15. É tentador pensarmos que foi nesta ocasião e desta forma que cópias das crónicas atribuídas a Fernán Sánchez de Valladolid chegaram a Portugal, embora nada nos permita ir além desta simples suspeita. Seja como for, a verdade é que tais crónicas viriam a ser apropriadas por historiógrafos portugueses do século xv, e naturalmente adaptadas aos seus propósitos e às estruturas linguísticas e culturais próprias do seu meio.

  • 16 MANID 1081 da BITAGAP. Descrição deste manuscrito em Luis Filipe LINDLEY CINTRA (ed.), Crónica Gera (...)

9No caso concreto da Crónica de Alfonso X, ela foi parcialmente traduzida pelas décadas de 20 e 30 do século xv, e essa tradução foi incluída no ms. L da segunda redacção da Crónica de 1344 (ms. Azul 1 da Academia de Ciências de Lisboa), que pertenceu à biblioteca de D. Duarte16.

  • 17 O projeto iconográfico deste riquíssimo manuscrito foi recentemente estudado por Horácio Augusto PE (...)

10O ms. L da Crónica de 1344 é um códice ricamente iluminado17 (embora com alguns sinais de inacabamento) que contém, fundamentalmente, uma cópia da segunda redacção dessa Crónica. Esta cópia apresenta, contudo, três particularidades em relação ao texto original da segunda redacção.

  • 18 MANID 1155 da BITAGAP. Descrição deste manuscrito em L. F. LINDLEY CINTRA (ed.), op. cit., vol. 1: (...)
  • 19 Ibid., p. DXXX-DXXXI.

11A primeira dessas particularidades é uma lacuna que afecta parte do relato do reinado de D. Afonso VI. Como esta lacuna existia inicialmente também num outro manuscrito português irmão deste (o ms. P18, que pertenceu ao Condestável D. Pedro), é seguro tratar-se de uma anomalia herdada do antecedente comum a estes dois manuscritos19.

  • 20 Ibid., p. CDIII-CDIV.

12As restantes particularidades do ms. L em relação ao texto original da segunda redacção são já específicas desta cópia. Uma delas diz respeito à História dos reis de Portugal. O texto original da segunda redacção da Crónica de 1344, tal como a primeira redacção e praticamente toda a cronística afonsina, incluía uma secção especificamente dedicada à História dos reis de Portugal intercalada no relato do reinado de D. Afonso VII. O copista do ms. L omitiu, porém, essa secção (como omitiu a narração do confronto de Badajoz entre Afonso Henriques e Fernando II de Leão incluída no relato do reinado deste último monarca), declarando explicitamente que a sua intenção era contar as histórias dos reis de Portugal «em fim deste livro por se entenderem melhor»20. Essa intenção não chegou a cumprir-se, pelo menos na forma anunciada. Ela é, no entanto, facilmente entendível no quadro da orientação principal do discurso historiográfico promovido pela corte régia portuguesa desta época, orientação essa que consiste fundamentalmente em separar a História de Portugal da História dos restantes reinos peninsulares. Mais adiante voltarei a esta questão.

  • 21 Ibid., vol. 4, p. 499-510.
  • 22 Ibid., p. 511-517. O texto deste manuscrito revela-se, porém, e como digo a seguir, abreviado quand (...)

13A terceira e última particularidade do ms. L em relação ao texto original da segunda redacção tem que ver com a parte final do seu texto. A primeira redacção da C1344 terminaria, após o reinado de Fernando III, com uma breve súmula dos reinados de Afonso X, Sancho IV, Fernando IV e parte do de Afonso XI (até à batalha do Salado) aparentemente da inteira responsabilidade do Conde Pedro de Barcelos. Esta continuação aparece, contudo, apenas em alguns dos manuscritos da segunda redacção, sendo, por isso, difícil definir com precisão o que remonta já à primeira redacção da Crónica, e o que pode porventura ter sido da responsabilidade de refundidores. O texto íntegro da continuação não foi, de resto, editado por Cintra e talvez por isso seja uma das partes mais mal conhecidas de toda a Crónica. Ora, o ms. L é precisamente um dos manuscritos que não contêm essa continuação. No seu lugar, aparece uma tradução incompleta da Crónica de Alfonso X, que abrange os primeiros dez capítulos desta crónica, até à perda de Xerez e à captura do Alcaide Garci Gomez Carrillo21. Esta incompletude não parece ter sido premeditada, pois a tradução acaba a meio de uma frase («E ele [Gomes Carrilho] a leixava rasgar por se nõ…»), no recto do antepenúltimo fólio do manuscrito. Os dois fólios restantes não eram suficientes para albergar o que faltava do texto da Crónica, e isso talvez explique a interrupção abrupta do texto da tradução portuguesa. Este facto impede-nos, por outro lado, de saber se o plano inicial do responsável pelo manuscrito era relatar também as histórias dos reis castelhanos seguintes, porventura a partir das suas respectivas crónicas, ou não. Em todo o caso, e uma vez que o ms. P contém, pelo contrário, a continuação primitiva da C1344 até ao reinado de Afonso XI22, embora aparentemente abreviada e modificada, a substituição desta continuação pela Crónica de Alfonso X foi certamente uma opção do responsável pelo ms. L. Como entender esta atitude?

  • 23 Veja-se, todavia, a nota anterior. O relato do reinado de Afonso XI específico da Crónica de 1344 r (...)
  • 24 Veja-se, a este propósito, Filipe Alves MOREIRA, A «Crónica de Portugal de 1419»: fontes, estratégi (...)

14Arrisco duas hipóteses, não necessariamente conflituosas. A primeira é, muito simplesmente, que o facto de a Crónica de Alfonso X conter muito mais informação do que o breve relato da primitiva continuação da C1344 tenha levado o responsável pelo ms. L a optar por aquela em detrimento desta. A segunda é que o próprio conteúdo da continuação primitiva da C1344 não tenha encontrado as melhores condições de recepção nos círculos próximos de D. Duarte. A julgar pela versão do ms. P, essa continuação teria como um dos seus principais objectivos justificar sucessivas rebeliões contra a autoridade dos monarcas23. Ora, os textos redigidos ou patrocinados por D. Duarte constroem, pelo contrário, a imagem de uma monarquia forte e unida, em que as rebeliões são desencorajadas. É particularmente elucidativa, neste sentido, a forma como a Crónica de 1419, que foi uma iniciativa de D. Duarte, trata a rebelião do Infante D. Afonso, futuro Rei D. Afonso IV, contra seu pai, D. Dinis: as acções do Infante são, nesta Crónica, sistematicamente censuradas e as do Rei justificadas24. É claro que a própria Crónica de Alfonso X narra as rebeliões contra o monarca, em grande medida com o objectivo de justificar as movimentações do Infante Sancho. Mas devido à incompletude da tradução portuguesa não sabemos verdadeiramente como esse assunto seria aí tratado.

  • 25 Ver Teresa AMADO, «O projecto histórico de um Infante», in: Isabel Hub Faria (org.), Lindley Cintra (...)
  • 26 Segundo propôs Armindo de SOUSA, A Morte de D. João I. Um tema de propaganda dinástica, 2ª edição. (...)

15A apropriação, via tradução, da Crónica de Alfonso X por parte da corte de D. Duarte poderá também entender-se no contexto das estratégias historiográficas desenvolvidas por esse meio. A historiografia portuguesa da primeira metade do século xv tem duas características particularmente importantes para a compreensão dessas estratégias. Por um lado, é uma historiografia nacionalizante: ao contrário da historiografia portuguesa dos séculos anteriores, que se ocupava, em boa medida, não propriamente da história portuguesa, mas da história portuguesa como parte da história peninsular, a historiografia de quatrocentos ocupa-se exclusivamente da história portuguesa. Por outro lado, é uma historiografia de iniciativa régia e, mais que isso, começa por ser uma iniciativa pessoal de D. Duarte. Primeiro como Infante, depois como Rei, D. Duarte dá frequentes mostras de ter compreendido como ninguém a importância e o papel político-ideológico do discurso historiográfico25. É D. Duarte quem coloca nas mãos do guarda-mor da Torre do Tombo, Fernão Lopes, a tarefa de escrever a Crónica dos reis de Portugal; é por iniciativa de D. Duarte que se redige a primeira crónica de matéria exclusivamente portuguesa, a Crónica de 1419, que é possivelmente a primeira parte daquela Crónica dos Reis; e é D. Duarte quem, ao que parece, manipula a data da morte de D. João I de forma a extrair do evento leituras proféticas26; como é D. Duarte quem redige as minutas dos sermões das exéquias de D. João I e Nun’Álvares Pereira. Estes factores estão intimamente interligados, porque, e dito de forma simples, o projecto de D. Duarte é, em tudo isto, mostrar que a nova dinastia de Avis e a Coroa portuguesa não são fruto de acasos políticos, mas têm uma forte legitimidade linhagística, pessoal ou mesmo profética.

16Simplesmente, e por mais que a esta estratégia conviesse separar Portugal de Castela, a verdade é que D. Duarte não podia ignorar o discurso historiográfico produzido no reino vizinho ou dedicado ao conjunto da Península. O facto de ter enviado Fernão Lopes a Castela com o intuito de recolher materiais historiográficos, e o próprio luxo com que se confeccionou o ms. L, bem como a circunstância de D. Duarte possuir na sua biblioteca duas «Crónicas de Espanha», demonstram-no eloquentemente. D. Duarte estaria perfeitamente consciente, segundo penso, de que a construção de um discurso legitimatório da nova dinastia e da própria existência da coroa portuguesa teria de basear-se também no conhecimento dos diferentes discursos historiográficos elaborados no reino vizinho, e em certa medida teria de incorporar ou opor-se a esses discursos. É neste contexto que creio que devemos situar a tradução da Crónica de Alfonso X e o que nela existe de manipulação textual. Porque há manipulação nesta tradução. Não muita, mas significativa.

  • 27 Manuel GONZÁLEZ JIMÉNEZ (ed.), Crónica de Alfonso X. Murcia: Real Academia Alfonso X El Sabio, 1998

17A porção existente da tradução é, de facto, quase sempre muito fiel ao texto original27, que parece ter conhecido através de um ms. próximo do ms. 2880 da BNE. Mesmo a divisão em capítulos e respectivas epígrafes é geralmente idêntica ao texto castelhano. Há, contudo, e para além de pequenas diferenças que não sabemos até que ponto estão relacionadas com o exemplar que serviu de base à tradução, duas diferenças de maior vulto.

18A primeira é a ausência de prólogo na versão portuguesa. Admitindo que o exemplar castelhano que serviu de original à tradução tinha prólogo (o que não é seguro), esta ausência será talvez devida à funcionalidade imediata da tradução portuguesa. No contexto do ms. L, o objectivo da tradução da Crónica de Alfonso X é, antes de mais, e como já disse, continuar o texto da C1344. Neste contexto, a ausência de prólogo na tradução da Crónica de Alfonso X contribuiria para criar uma imagem de ausência de solução de continuidade entre o texto dessa Crónica e o texto da C1344.

19Mais interessante é uma outra diferença. Como sabem, a Crónica de Alfonso X começa por narrar um conjunto de episódios aparentemente avulsos relativos aos anos iniciais do reinado: alteração da moeda; embaixada ao Rei da Noruega; conquista de Xerez; cerco de Niebla com a caricata invasão de moscas, etc. Após a conquista de Niebla, diz a Crónica que

  • 28 Ibid., p. 19.

Et el rey don Alfonso, desque ovo ganado Niebla, cobró por todo esto el Algarbe, que son la villa de Niebla com sus términos e Gibraltar e Huelva e Serpia e Moura et Alcantyn et Castro Marin e Tavira e Faro e Laulé28.

20Depois disso, surge um capítulo (o VII, relativo ao sexto ano do reinado) em que se narra a ida de D. Sancho II de Portugal a Toledo, com a intenção de encontrar-se com o rei castelhano. D. Sancho acabara de ser afastado do trono português por seu irmão, o Conde de Bolonha e futuro Afonso III, e, segundo a Crónica, vinha a Toledo solicitar a ajuda de Afonso X. Essa ajuda não teria chegado a existir porque

  • 29 Loc. cit.

El rey don Alfonso su hermano [Afonso III de Portugal], desque esto sopo, enbió rogar al rey don Alfonso de Castilla que touiese por bien de non le estorvar en aquel fecho nin ser contra el, et que casaría com su fija donna Beatriz29

21Acrescentando a Crónica que

  • 30 Ibid., p. 20.

Dióle el rey don Alfonso de Castilla con aquella su fija los lugares del Algarbe quél avía ganado de los moros, que son desde el río de Guadiana contra Portogal et dízenles: Tavira e Faro e Laulé e Castro Marín e Alcantyn. Et por estos logares se llamó despúes aquel rey don Alfonso de Portogal e los otros reyes que venieron después dél «rey de Portogal et del Algarbe30.

22Do ponto de vista histórico, há aqui um anacronismo evidente, pois quando D. Sancho foi deposto do trono português, e durante todos os conflitos que se seguiram (1245-1247), o Rei de Castela não era Afonso X, mas ainda Fernando III. Também a cronologia das conquistas apontadas não coincide com o que historicamente se terá passado. A conquista de Niebla ocorreu, com efeito, mais de dez anos após as conquistas de Faro e Tavira. A estratégia da Crónica parece, todavia, clara: por um lado, sustentar que os territórios algarvios pertenceriam legitimamente, e por direito de conquista, à coroa castelhana; por outro lado, insinuar que a cedência desses territórios a Afonso III de Portugal seria uma das más acções governativas de Afonso X, que, no limite, conduziriam ao seu afastamento do trono.

  • 31 F. A. MOREIRA, A «Crónica de Portugal de 1419»..., p. 88.

23Vistas do lado português, e nos círculos de D. Duarte, estas passagens teriam, no entanto, outras implicações. Não será decerto por acaso que a já referida Crónica de 1419, cujo promotor foi o mesmo D. Duarte, dedica especial atenção à conquista dos territórios algarvios (entre eles Faro, Tavira e Loulé). E fá-lo de modo a acentuar dois aspectos: primeiro, que o principal agente dessa conquista foi a Ordem militar de Santiago capitaneada por Paio Peres Correia, que, salienta a Crónica, era natural do rei português; segundo, que o próprio Rei Afonso III teve uma participação decisiva na conquista de uma das principais cidades algarvias, Faro. Os direitos da coroa portuguesa à posse dos territórios algarvios aparecem, assim, historicamente relacionados com a forma como esses territórios foram conquistados. Não é, aliás, impossível que o redactor da Crónica de 1419 tenha conhecido a versão presente na Crónica de Alfonso X, pois também esta crónica portuguesa narra a conversa entre D. Sancho II e Afonso X em Toledo, cometendo o mesmo anacronismo de considerar que este último era já rei de Castela31.

  • 32 A especificidade do texto português da Crónica de Alfonso X quanto a esta questão foi também notada (...)

24Seja como for, a versão fornecida por esta crónica portuguesa sobre a conquista do Algarve mostra que dificilmente a corte de D. Duarte poderia aceitar, sem mais, a versão transmitida pela Crónica de Alfonso X. Não é por isso surpreendente que a tradução portuguesa desta Crónica altere o texto original precisamente nas passagens que se referem a esta questão32.

25A tradução começa por omitir a referência à tomada de territórios algarvios por parte de Afonso X, que o texto castelhano colocava na sequência da conquista de Niebla e em relação directa com esta conquista. Em seu lugar, aparece apenas uma frase destinada a concluir a narração do episódio de Niebla: «E veosse [Afonso X] pera Sevilha». Em seguida, a tradução conta, tal como o texto original, a ida de Sancho II a Toledo. Mas veja-se como:

  • 33 L. F. LINDLEY CINTRA, Crónica Geral de Espanha de 1344, vol. 4, p. 506.

E, no anno seguinte, partio dhi e veosse pera Toledo e achou hy el rey dõ Sancho Capello, de Portugal, que lhe viinha demandar ajuda contra seu yrmãao dõ Afonso, conde de Bolonha, dizendo que se lhe alçava cõ o reyno. E el rey dom Afonso disse que lhe prazia. E casou depois sua filha dona Beatriz com o dito conde de Bolonha que foy rey de Portugal, segundo mais compridamente volo a estorya adeante en seu logar contará33.

  • 34 Ver F. A. MOREIRA, A «Crónica de Portugal de 1419»..., p. 257.

26A tradução portuguesa resume muito o texto castelhano. E, mais do que resumir, omite. Omite a alusão às doações de terras algarvias por parte de Afonso X, precisamente as terras que anteriormente o texto castelhano (mas não o português) referira como tendo sido adquiridas pelo rei de Castela na sequência da conquista de Niebla. A tradução omite também o nexo de causalidade estabelecido pelo texto castelhano entre o casamento de Afonso III com a filha de Afonso X e a cedência, por parte deste, dos territórios algarvios. E omite ainda um outro nexo de causalidade estabelecido pelo texto castelhano, o de que foi na sequência e por causa desse casamento que Afonso III e os seus sucessores se intitularam «Reis de Portugal e do Algarve». Todas estas omissões parecem claramente intencionais e obecedem a uma estratégia global: o seu objectivo é dissociar a posse dos territórios algarvios da acção conquistadora de Afonso X, de modo, certamente, a defender e salvaguardar os direitos históricos da coroa portuguesa sobre esses territórios. A defesa destes direitos teria ainda muita pertinência no âmbito do discurso historiográfico de quatrocentos. Bastará ver como, no final do século, o já referido Memorial de 1494, procurando contestar a legitimidade histórica da dinastia de Avis e a própria autonomia da coroa portuguesa, refere a subordinação histórica dos reis de Portugal aos reis de Castela e Leão e dá como um dos exemplos dessa situação precisamente a cedência dos territórios algarvios34. As circunstâncias jurídicas e as implicações políticas desta cedência seriam, de resto, retomadas vezes sem conta pela historiografia posterior.

27A alteração do texto castelhano da Crónica de Alfonso X por parte da tradução portuguesa neste ponto específico aponta, assim, para uma intencionalidade política. Tratar-se-ia de divulgar uma parte do discurso historiográfico castelhano que contrariasse os interesses legitimatórios da monarquia portuguesa, acomodando-o a esses interesses. Esta tradução será, por isso, um bom exemplo de como os círculos de D. Duarte estavam atentos à produção historiográfica do reino vizinho, e construiram um discurso legitimatório com base, em certa medida, no diálogo com essa produção. Esta é, de resto, uma característica extensível a praticamente toda a historiografia portuguesa do século xv e princípios do século xvi, por mais nacionalizante que ela tenha pretendido ser, ou justamente por isso. A compreensão mais aprofundada desta historiografia exige, pois, uma atenção permanente à historiografia em língua castelhana. E o mesmo poderá certamente dizer-se em relação a muitas outras áreas da cultura portuguesa dessa época.

Haut de page

Notes

1 Veja-se, a este propósito, as sínteses de Ana Isabel BUESCU, «Aspectos do bilinguismo português-castelhano na Época Moderna», Hispania: revista española de história, 64/1, Madrid, enero-abril 2004, p. 13-38, disponível em http://hispania.revistas.csic.es/index.php/hispania (consultado em 20/03/2012); Ivo CASTRO, Introdução à História do Português, 2ª edição. Lisboa: Edições Colibri, 2006, especialmente p. 223-227; e Ana Maria GARCIA MARTIN, «Bilinguismo Literário Luso-Castelhano no Tempo de Camões», Dicionário de Luis de Camões, coordenação de Vitor Aguiar e Silva. Lisboa: Caminho, 2011.

2 É o caso de Pilar VÁSQUEZ CUESTA, A língua e a cultura portuguesas no tempo dos Filipes. Mem-Martins: Publicações Europa-América, 1988.

3 É, além disso, clara a influência da poesia castelhana do século xv sobre os poetas do Cancioneiro Geral. Sobre estes aspetos, veja-se o estudo clássico de Aida Fernanda DIAS, O Cancioneiro Geral e a poesia peninsular de quatrocentos. Contactos e sobrevivência. Coimbra: Livraria Almedina, 1978.

4 Sobre a funcionalidade política das relações culturais luso-castelhanas ao longo do século xv é imprescindível a análise de Luis Adão da FONSECA, «Política e cultura nas relações luso-castelhanas no séc. xv», Península. Revista do Instituto de Estudos Ibéricos da Faculdade de Letras do Porto, 0, p. 53-61, disponível em http://ler.letras.up.pt/site/default.aspx?qry=id04id12id236&sum=sim (consultado em 20/03/2012).

5 Este texto foi editado e estudado em István LEON-BORJA e Katalin KLIMES-SZMIK, El Memorial Portugués de 1494. Una alternativa al tratado de Tordesillas, 2 vol., Madrid: Ministerio de Cultura, 1994. Veja-se também as considerações de César OLIVERA SERRANO, Beatriz de Portugal. La Pugna Dinástica Avís-Trastámara. Santiago de Compostela: Instituto de Estudos Gallegos «Padre Sarmiento», Cuadernos de Estudios Gallegos, Anexo XXXV, p. 422-432.

6 Veja-se o inventário dos livros que pertenceram à biblioteca deste rei em João José Alves DIAS (transcrição) e A. H. de OLIVEIRA MARQUES (introdução), Livro dos Conselhos de El-Rei D. Duarte (Livro da Cartuxa). Lisboa: Editorial Estampa, 1982, p. 206-208.

7 Além disso, D. Duarte possuía também um «Valerio maximo» e uma «Historia de troia», ambos em aragonês. São conhecidas as estreitas relações estabelecidas entre a corte portuguesa e a corte aragonesa desta época, nomeadamente através de alianças matrimoniais (e o próprio D. Duarte casou-se com uma princesa aragonesa).

8 Veja-se a edição de um inventário dos livros que pertenceram a este rei em Sousa VITERBO, «A Livraria Real especialmente no reinado de D. Manuel», Memória apresentada à Academia Real das Ciências de Lisboa. Lisboa: Tipografia da Academia, 1901. Este mesmo estudo inclui ainda a edição de inventários da livraria de D. João III e da Rainha D. Catarina. Uma análise global de todos estes inventários (bem como do, acima referenciado, de D. Duarte) foi feita por Ana Isabel BUESCU, «Livros e livrarias de reis e de principies nos séculos xv e xvi. Algumas notas», in: Na corte dos Reis de Portugal. Saberes, ritos e memórias. Lisboa: Edições Colibri, 2010.

9 Irene Freire NUNES (coordenação da edição), Coronica Troiana em linguajem portuguesa. Lisboa: Edições Colibri, 1996.

10 MANID 3158 da BITAGAP (http://bancroft.berkeley.edu/philobiblon/bitagap_en.html).

11 MANID 3370 da BITAGAP.

12 Apontem-se, entre outros, os seguintes trabalhos: Isabel de BARROS DIAS, Metamorfoses de Babel, Lisboa: FCG/FCT (Coleção «Textos Universitários de Ciências Sociais e Humanas»), 2003; e Maria do Rosário FERREIRA (coordenação), O Contexto Hispânico da Historiografia portuguesa nos séculos xiii e xiv. Em memória de Diego Catalán, Cadernos de Literatura Medieval do CLP, Coimbra: Imprensa da Universidade, 2010.

13 Cf. Aubrey BELL, Fernão Lopes, 2ª edição. Lisboa: José Ribeiro Editor, 1986 e, sobretudo, Teresa AMADO, Fernão Lopes. Contador de História, 2ª edição. Lisboa: Editorial Estampa, 1997.

14 Luis FERNÁNDEZ GALLARDO, «Sobre los orígenes de la crónica real castellana», in: José Manuel FRADEJAS RUEDA, Déborah DIETRICK SMITHBAUER, Demetrio MARTÍN SANZ e Mª Jesus DÍEZ GARRETAS (ed.), Actas del XIII Congreso Internacional de la Asociación Hispánica de Literatura Medieval. In Memoriam Alan Deyermond, Valladolid: Universidad de Valladolid, 2010, vol. 1, p. 761-774.

15 Ver Reis BRASIL (ed.), Crónica da Tomada de Ceuta de Gomes Eanes de Zurara, Mem-Martins: Publicações Europa-América, p. 44-45.

16 MANID 1081 da BITAGAP. Descrição deste manuscrito em Luis Filipe LINDLEY CINTRA (ed.), Crónica Geral de Espanha de 1344 (reedição), 4 vol., Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2009, vol. 1, p. CDXCIII-DI.

17 O projeto iconográfico deste riquíssimo manuscrito foi recentemente estudado por Horácio Augusto PEIXEIRO, «Imagem e Tempo. Representações do Poder na Crónica Geral de Espanha», Revista de História da Arte, 7, 2009: A Imagem. Memória e Poder. Disponível em http://iha.fcsh.unl.pt/apresentacaoDetalhe.php?id=41&nr=120, consultado em 20/03/2012.

18 MANID 1155 da BITAGAP. Descrição deste manuscrito em L. F. LINDLEY CINTRA (ed.), op. cit., vol. 1: p. DII-DXVIII.

19 Ibid., p. DXXX-DXXXI.

20 Ibid., p. CDIII-CDIV.

21 Ibid., vol. 4, p. 499-510.

22 Ibid., p. 511-517. O texto deste manuscrito revela-se, porém, e como digo a seguir, abreviado quando comparado com o texto respetivo do ms. Q [10815 da BNE], um dos manuscritos castelhanos que preservam a parte final da Crónica de 1344. Além disso, o ms. P termina o reinado de Afonso XI bruscamente, com o cerco a D. Juan Manuel em Escalona. Devo a M. Hijano Villegas a possibilidade de consultar uma reprodução do referido manuscrito da BNE, pelo que lhe gostaria de deixar aqui consignada a minha gratidão.

23 Veja-se, todavia, a nota anterior. O relato do reinado de Afonso XI específico da Crónica de 1344 revela, por outro lado, caraterísticas diversas. Tenciono ocupar-me com mais detalhe deste assunto noutra ocasião.

24 Veja-se, a este propósito, Filipe Alves MOREIRA, A «Crónica de Portugal de 1419»: fontes, estratégias e posteridade, Dissertação de Doutoramento apresentada à Faculdade de Letras do Porto, policopiada, 2010, p. 137-143 e 182-192.

25 Ver Teresa AMADO, «O projecto histórico de um Infante», in: Isabel Hub Faria (org.), Lindley Cintra. Homenagem ao homem, ao mestre a ao cidadão, Lisboa: Cosmos, 1999 e Luis Miguel DUARTE, D. Duarte. Requiem por um Rei triste, Lisboa: Círculo de Leitores (coleção «Reis de Portugal»), 2005.

26 Segundo propôs Armindo de SOUSA, A Morte de D. João I. Um tema de propaganda dinástica, 2ª edição. Porto: Fio da Palavra, 2009.

27 Manuel GONZÁLEZ JIMÉNEZ (ed.), Crónica de Alfonso X. Murcia: Real Academia Alfonso X El Sabio, 1998.

28 Ibid., p. 19.

29 Loc. cit.

30 Ibid., p. 20.

31 F. A. MOREIRA, A «Crónica de Portugal de 1419»..., p. 88.

32 A especificidade do texto português da Crónica de Alfonso X quanto a esta questão foi também notada, embora sem grandes comentários, por Manuel GONZÁLEZ JIMÉNEZ, «Alfonso X en la historiografía medieval portuguesa», in: Estudios Alfonsíes, Granada: Universidad de Granada / Universidad de Murcia, 2009.

33 L. F. LINDLEY CINTRA, Crónica Geral de Espanha de 1344, vol. 4, p. 506.

34 Ver F. A. MOREIRA, A «Crónica de Portugal de 1419»..., p. 257.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Filipe Alves Moreira, « Notas sobre a convivência de línguas em Portugal no século xv e a tradução da Crónica de Alfonso X », e-Spania [En ligne], 13 | juin 2012, mis en ligne le 25 juin 2012, consulté le 22 septembre 2014. URL : http://e-spania.revues.org/21113 ; DOI : 10.4000/e-spania.21113

Haut de page

Auteur

Filipe Alves Moreira

UP/IF/SMELPS, Bolseiro da FCT, AILP (GDRE 671, CNRS)

Haut de page

Droits d’auteur

© e-Spania

Haut de page