Navigation – Plan du site
Légitimation et lignage en péninsule Ibérique au Moyen Âge

O genealogista e as suas linhagens: D. Pedro, Conde de Barcelos

António Resende de Oliveira

Résumés

Partant des études déjà menées par d’autres chercheurs sur D. Pedro, Comte de Barcelos, l’auteur cherche dans un premier temps à éclaircir le parcours biographique de ce personnage et à en établir les phases principales par rapport à sa participation plus ou moins intense dans la vie politique de la première moitié du XVI siècle. Il procède ensuite à la reconstitution de ce qui aura été le patrimoine du Comte, presque totalement acquis dans la courte période allant de 1302 à 1314, et qui fut obtenu soit par la voie du mariage soit grâce à des donations du roi D. Denis. Finalement, l’auteur cherche à élucider les raisons de la projection politique du Comte dans le contexte des projets de centralisation poursuivis par la cour portugaise vers la fin du XIIIe siècle et au début du siècle suivant.

Haut de page

Texte intégral

1Pouco antes de 1650, quase três séculos depois da morte do Conde D. Pedro, Frei Francisco Brandão, ao escrever na Monarquia Lusitana a parte relativa ao reinado de D. Dinis e ao falar do Conde, referia, a certa altura, que «foi avido pelo homem de mais galharda disposição que então avia em Espanha, por ser quasi agigantado, & tão proporcionado, que encubria a demasiada grãdeza do corpo». E depois, como que a justificar o retrato traçado, dava conta da recente abertura da arca tumular de D. Pedro, no contexto da sua transferência da parte direita do cruzeiro da igreja do mosteiro de S. João de Tarouca para a nave direita da mesma igreja:

  • 1 Frei Francisco BRANDÃO, Monarquia Lusitana, V, Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2008, p. 18 (...)

[...] & abrindoa por curiosidade, acharão a armação dos ossos toda inteira medirão o corpo com hua cana & constou ter de comprido quasi onze palmos & meio; a sepultura não promettia menos corpo, porque he grande em demasia. Respondia a grossura, & mais compaginação a esta grandeza: na meia cabeça da parte direita, tinha meio barrete de cetim amarelo tostado, forrado de tafeta da mesma còr, tudo mui são ainda, & o cabelo desta mesma parte crecido com grande melena, & sobremaneira ruivo: calçava esporas douradas, & dentro dellas estavão as solas do calçado inteiras de ponta aguda, como então se custumava. Os que estiverão presentes mo certificarão cõ miudeza1.

  • 2 Para o conjunto de indicações que é possível retirar da análise dos ossos veja-se, para um período (...)
  • 3 A biografia do Conde beneficiou já da atenção de alguns investigadores. Salientamos os balanços mai (...)

2Retenhamos, deste relato, a imponente e bem proporcionada figura do Conde e o seu cabelo ruivo, lamentando que Francisco Brandão não tenha deixado uma descrição mais circunstanciada dos despojos e que a paleobiologia não tenha ainda sido chamada a desvendar os seus segredos2. E relembremos alguns fragmentos do seu percurso biográfico e o seu património e luzidia casa, procurando integrá-los nas estratégias políticas desenvolvidas junto da corte portuguesa pelos inícios do século XIV3.

Percurso biográfico

  • 4 Se o encontro de D. Gracia com o rei esteve dependente da itinerância régia, poderia ter-se verific (...)
  • 5 Sobre estas e outras doações e respectiva concretização patrimonial vejam-se as sínteses biográfica (...)

3Os traços recuperados por Francisco Brandão no século XVI correspondiam ao porte adulto de alguém de quem continuamos a desconhecer a data do nascimento, mas que terá sido gerado porventura perto de meados da década de oitenta do século XIII, em resultado de uma ligação fortuita do rei D. Dinis com uma dona natural de Torres Vedras de nome Gracia Anes Froiaz4. O documento mais antigo que refere D. Pedro é, porém, uma carta régia de 10 de Dezembro de 1289, altura em que D. Dinis lhe doa alguns bens em Lisboa, Estremoz e Évora Monte. É a primeira de várias cartas em que o monarca lhe vai constituindo, de momento, um modesto património. A ela se associariam duas outras cartas, dos primeiros anos do século XIV, com bens em Sintra e em Tavira. A este núcleo régio juntar-se-iam ainda, até 1304, alguns bens em Torres Vedras e sua região, provenientes da sua adopção por parte de D. Maria de Leça e, mais tarde, de Vicente Domingues Franco, que têm sido vistos como familiares maternos do futuro Conde5. Por esta altura, deteria, assim, alguns bens na Estremadura, no Alentejo e no Algarve, mas resultantes, no essencial de bens que haviam pertencido a alguns funcionários régios ou a familiares de D. Gracia.

  • 6 A viagem decorrerá entre Junho e Setembro desse ano, e dela deixou o Conde um substancial relatório (...)
  • 7 Cf. J. A. DE SOTTO MAYOR PIZARRO, Linhagens Medievais..., 1, p. 189-190. Este historiador admite qu (...)
  • 8 A documentação relativa a este casamento e suas perturbações foi estudada e dada a conhecer por Fer (...)

4A partir de 1304, porém, ano em que acompanha D. Dinis a Aragão para as negociações de paz entre os reis de Castela e Aragão6, a sua vida irá tomar um novo rumo. Já em Março do ano anterior surgira pela primeira vez na chancelaria régia testemunhando uma doação à Ordem de Avis. E é por este período, talvez entre 1303 e 1306, que casará com Branca Peres de Portel, filha de Pero Anes de Portel e de Constança Mendes de Sousa, como veremos uma das herdeiras mais ricas do Portugal de finais do século XIII. Apesar da importância do matrimónio, somente o conhecemos indirectamente graças a uma confirmação régia tardia de uma troca de bens efectuada pelo casal com D. Garcia Martins, comendador da Ordem do Hospital entre 1303-13067. Neste escambo, através do qual recebiam os senhorios de Eixo e de Óis da Ribeira em troca dos bens do casal em Montoito, junto a Monsaraz, se confirmava que o património de D. Pedro se alterara significativamente graças à sua participação na herança das linhagens de Sousa e de Portel, alteração que se tornaria mais notada nos anos subsequentes. Somente então o rei juntou ao património por essa via constituído uma primeira importante doação: a da terra de Gestaçô, próxima de Amarante, com seus termos e jurisdições, à qual agregaria no ano seguinte (1307) o prestigiante cargo de mordomo da infanta D. Beatriz de Castela, mulher do infante herdeiro. O casamento de D. Pedro com D. Branca concluir-se-ia em 1307 ou um ano depois, na mesma estranha obscuridade com que se desenrolara. Sabemo-lo indirectamente, mais uma vez, porquanto pelos finais de 1308, por iniciativa da rainha portuguesa, Martim Peres Alvim se encontrava em Aragão com procuração do futuro Conde para tratar do seu novo casamento. Acabaria por se reunir, neste segundo matrimónio, com a aragonesa D. Maria Jiménez Cornel, matrimónio já ameaçado nos inícios de 1316 em virtude de uma não esclarecida difamação de que era alvo D. Maria, mencionada em correspondência diplomática da altura8.

  • 9 Nomeadamente, entre 1309 e 1314, da quintã de Brunhido, na terra de Vouga, de metade do castelo de (...)
  • 10 Fernando Felix LOPES, «O primeiro manifesto de El-Rei D. Dinis contra o infante D. Afonso seu filho (...)
  • 11 Sobre as perturbações do período final do reinado de D. Dinis e seus antecedentes veja-se José MATT (...)

5Afastado deste percurso pessoal mais sinuoso, prosseguia pelos anos seguintes o engrandecimento da sua casa. Não só ou não tanto através de algumas doações particulares, de que continuou a beneficiar9, mas sobretudo pelo facto de, em Maio de 1314, o pai o ter agraciado com a posse de Barcelos, acompanhada pelo título condal, e de surgir no ano seguinte na corte com o cargo de alferes-mor. Pareciam inverter-se, portanto, os termos da sua afirmação como grande senhor, com o rei a ter finalmente uma participação mais activa nesse processo. Ambas as benesses ocorriam após a morte do anterior conde e alferes-mor, D. Martim Gil de Riba de Vizela II, que falecera pouco antes exilado em Castela. O próprio Conde D. Pedro se veria obrigado a procurar também esse exílio entre 1317 e 1322, quando se tornou clara a fractura verificada em Portugal entre a nobreza senhorial e a corte régia, após a cooptação do infante herdeiro pela nobreza. De acordo com o primeiro manifesto de D. Dinis contra seu filho e herdeiro, de Julho de 1320, o afastamento do Conde devera-se à sua ligação ao magnate castelhano D. João Nunes de Lara, então em rota de colisão com o monarca português, e ao facto de se ter disponibilizado para servir de correio aos recados de D. João Nunes para o Infante D. Afonso10. Como o Lara faleceu em 1315, o conluio do Conde com os opositores régios ter-se-ia verificado por 1313 ou 1314, embora a sua saída de Portugal somente se tivesse verificado por meados de 1317 quando esteve eminente um confronto militar entre ele e seu irmão mais novo D. João Afonso. Dada a cronologia dos acontecimentos poderemos perguntar-nos se Barcelos e o título condal não correspondiam a uma jogada régia no sentido de reter junto de si o filho bastardo. Mas se assim foi, o futuro viria a revelar que a estratégia régia não teve os resultados desejados. Regressado do exílio pelos inícios de 1322, dedicou-se nos últimos anos do reinado do pai, e juntamente com a rainha D. Isabel, a tentar reconciliar a desavinda família régia, estando presente e participando activamente nas diferentes composições entre o rei e o herdeiro11.

  • 12 Tratando-se de uma ama da rainha D. Beatriz, e sendo o Conde mordomo-mor desta já em 1307, D. Teres (...)
  • 13 Sobre este hospital é elucidativo o estudo de Maria José PIMENTA FERRO, «Nótulas para o estudo da a (...)

6Com a morte de D. Dinis em 1325, abre-se uma última fase da sua vida. Ao contrário daquilo que porventura de esperaria, dada a anterior ligação ao irmão e a manutenção do cargo de alferes-mor, inicia-se um período de grande afastamento da corte régia, à qual regressará bem mais esporadicamente. Aí estará entre 1336 e 1340 — no contexto da guerra com Castela e dos preparativos para a batalha do Salado, na qual acabará por não participar —, obstando, no primeiro desses anos a uma tentativa de invasão do território por parte de um exército galego comandado pelo arcebispo de Santiago de Compostela. Cerca de 1340 queixar-se-á ao rei de pretensos abusos jurisdicionais do corregedor do Entre Douro e Minho nas suas honras, mantendo alguns contactos com a corte nos anos seguintes. Permanecendo separado da Condessa D. Maria Jiménez, que acompanharia a corte, algumas das presenças nela dever-se-ão à necessidade de dar continuidade à administração dos bens do casal ou de solucionar questões patrimoniais, quando se tornou evidente a inevitabilidade da separação definitiva pelo afastamento de D. Maria para terras aragonesas. As negociações para a divisão do património concluem-se em 1347, com a compra, por parte do Conde, dos bens que lhe havia cedido em arras. No ano seguinte vêmo-lo já com D. Teresa Anes de Toledo, a quem entrega diversas propriedades em pagamento da quantia monetária que D. Teresa lhe disponibilizara para a compra dos bens da mulher12. Esta dama da rainha D. Beatriz acompanha-lo-á nos anos seguintes, fazendo, nos finais do mesmo ano de 1348, o seu testamento, no qual, para além de deixar o local do seu enterramento ao cuidado do Conde, institui um hospital em Lisboa, nas casas que tinham pertencido à mãe de D. Pedro e cuja manutenção ficaria a cargo dos bens que possuía em Lisboa e na Estremadura13. Se este testamento resultara de uma saúde porventura mais debilitada, nesse estado se manteria ainda em meados de 1350 quando, em Lalim, no principal paço do Conde, encontrando-se doente, apresentou uma cópia do testamento para ser trasladada. É a última notícia que dela temos.

7Nesse mesmo ano de 1350, a 30 de Março, também em Lalim, o próprio Conde cuidava das suas últimas vontades. Tendo deixado já diferentes bens a várias instituições, sobretudo monásticas, do vasto património que detinha apenas menciona no seu testamento as suas pousadas de Lamego, que na altura deixava a D. Teresa Anes, bem como os bens que possuía em Santarém e no seu termo, que seriam entregues ao mosteiro que o acolheria, de acordo, aliás, com a vontade de D. Branca, que o Conde recorda:

  • 14 Ibid., p. 176.

[...] e esta erdade dei eu assi e entreguei ao dito mosteiro, porque o prometi assi a Dona Branca com que eu fui casado primeiro, onde a dita herdade decende, e esto lhe prometi assi em sa vida, e ella a mi outro si, que fosse assi feito e outorgado à boa fe, pondo ella as sas maos entre as minhas, e eu as minhas mãos antre as suas della que fosse assi feito, como dito he pola minha alma, e pola sua, dizendo ella a mim que esta erdade nam podia ser dada em lugar hu tanto fosse sa vontade come ao dito mosteiro de Sam Johane porque hy jazem Dom João Peres seu irmam, e Dom João Garcia e Dom Esteveanes seus tios. E porque a Ordem de Sam Domingos de Santarem hu se ella mandou leitar com sa madre que hy jaz nom podem aver proprio [...].14

  • 15 A importância da obra do Conde no quadro da cultura medieval portuguesa tem vindo a ser reconhecida (...)

8Do testamento fazia igualmente parte a referência a uma das compilações da produção cultural que o Conde tinha desenvolvido nos anos anteriores. Refiro-me ao seu Livro das cantigas, que pretenderia que fosse enviado a D. Afonso XI de Castela, rei que acabara de falecer. Tratava-se, de qualquer modo, da única menção documental à importante actividade cultural a que se dedicara após a morte de D. Dinis15.

9Pelos inícios de 1351, preocupava-se já com a fundação do hospital de D. Teresa Anes, nomeando o seu vedor Pero Esteves como provedor e doando-lhe, ainda no mesmo ano, as casas de sua mãe junto à Sé de Lisboa. Nesse local seriam acolhidos os pobres e os capelães, a serem suportados pelos bens deixados por D. Teresa e por alguns bens do próprio Conde, nomeadamente os que detinha em Torres Vedras e no seu termo, doados ao hospital no ano seguinte. Enquanto o seu vedor tratava da administração dos bens da nova instituição, D. Pedro manter-se-ia no seu paço de Lalim de onde, muito provavelmente num qualquer dia do mês de Maio de 1354, saiu, como pedia no seu testamento, «muito honradamente para o dito mosteiro, assim como a meu corpo pertence de se fazer», efectuando uma última viagem para o mosteiro de S. João de Tarouca.

Património e casa

10Dos três períodos assinalados, o mais importante, quer do ponto de vista da constituição do seu património e senhorio, quer mesmo do ponto de vista da sua própria acomodação ao espaço conflituoso em que se transformara a corte régia — e que ditaria, de algum modo, a sua actividade após o primeiro quartel do século—, foi, sem dúvida, o que decorreu desde os inícios da sua vida adulta até ao ano da morte do pai, em 1325. É portanto nele, nas vertentes patrimonial e politica, que centrarei a minha atenção.

  • 16 Vejam-se as biografias indicadas na nota 3.
  • 17 M. J. PIMENTA FERRO TAVARES, «Nótulas para o estudo da assistência hospitalar...», p. 394-395. A ca (...)

11Nos primeiros anos do século XIV, quando andaria pelos 20 anos, o conjunto de bens de que dispunha, dispersos sobretudo pelo Sul do território, não projectava ainda, longe disso, a poderosa casa senhorial que acabaria por constituir. Tratava-se, no essencial, de pequenas propriedades de antigos funcionários régios e de um reguengo e alguns bens particulares em Torres Vedras e seu alfoz, região que constituía o limite norte deste património disperso pela Estremadura, o Alto Alentejo (na zona de Estremoz) e a costa algarvia junto a Tavira16. Até meados dos anos noventa, dada a sua pouca idade, a gestão desses bens tinha sido assegurada por Pedro Afonso Ribeiro, vassalo régio, a quem D. Dinis tinha dado a tutoria dos seus filhos bastardos, com a obrigação de administrar e proteger os respectivos patrimónios. Foi cumprindo essas funções que este Ribeiro tratou da aquisição dos bens de Torres Vedras que foram deixados ao bastardo régio por D. Maria de Leça, núcleo que seria alargado com uma segunda adopção, por Vicente Domingues Franco, vizinho da mesma povoação, em 130417.

  • 18 Em apêndice incluímos um esquema genealógico que dá conta dos ascendentes de D. Pedro Afonso e das (...)
  • 19 O património dos Sousas no início do reinado de D. Dinis foi estudado por Luís KRUS, «O rei herdeir (...)
  • 20 Na doação que o pai lhe faz em Agosto de 1303 não há ainda qualquer referência a D. Branca. Mas pod (...)
  • 21 Dessa terra fariam parte, em 1220, as povoações de Aboadela, Bustelo, Carneiro, Candomil, Gondar, L (...)
  • 22 Foram reivindicados pelo mosteiro de Pombeiro, a quem D. Dinis deu razão em carta de 12 de Abril de (...)
  • 23 J. A. DE SOTTO MAYOR PIZARRO, Linhagens Medievais..., 1, p. 190; A. DE ALMEIDA FERNANDES, História (...)
  • 24 Frei Francisco BRANDÃO, Monarquia Lusitana, VI, Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1980, p. 2 (...)

12A viragem patrimonial chegaria com o casamento com Branca Peres, filha de Pero Anes de Portel e de Constança Mendes de Sousa, que com ela traria os bens de duas das principais linhagens do Portugal de duzentos18: em primeiro lugar, a velha linhagem dos senhores de Sousa, que construíra o seu património e poder entre os séculos X e XIII, primeiro na região de Sousa, de onde retirou o nome, depois em ligação com as respectivas estratégias familiares e com uma presença constante na corte, onde ocupou os mais importantes cargos até ao governo de D. Afonso III; e em segundo lugar, a mais recente linhagem dos senhores de Aboim/Portel, vassalos de Afonso III e para quem este monarca constituiu um senhorio centrado em Portel, mas cujos bens continham importantes núcleos na região da Estremadura19. Desconhecemos a data do casamento, mas não andaríamos longe se o situássemos em 1305 ou em 130620, antes, de qualquer modo, da doação que lhe fará o rei em Setembro deste último ano da terra de Gestaçô, com jurisdição sobre algumas povoações situadas entre Amarante e a serra do Marão21. Com o escambo efectuado com a Ordem do Hospital, onde o casal trocou Montoito (no Alentejo) pelas honras de Eixo e de Óis da Ribeira (junto ao Vouga), vemos começar a esboçar-se o interesse por parte de D. Pedro na constituição de um senhorio em regiões mais nortenhas, projecto que se acomodaria melhor à localização do património que Branca Peres trazia com ela. A partir desta altura, a documentação começa a sinalizar a presença de D. Pedro junto desses bens, nem sempre pelas melhores razões como no caso dos tributos de que se terá apropriado nas honras de Freixieiro, de Cegoela e da Bornaria, em Celorico de Basto, todas provenientes da herança sousã22. De idêntica proveniência seriam as honras e coutos que possuía nos julgados de Benviver e de Panoias, documentados nas Inquirições de 1307-1311, ou a honra de Caria, situada próximo de Moimenta da Beira, onde, na última data agora referida, tivera de restituir ao mosteiro de Salzedas o que lhe sonegara indevidamente23. Enquanto ia sendo desvendado o senhorio trazido ao Conde por Branca Peres, o rei, cerca de dois anos após a morte do segundo conde de Barcelos, isto é, em 1314, transferia para ele, como vimos, o título condal e a povoação que o identificava, naquilo que representava um reforço do património e do prestígio socio-político do novo titulado24. Ao mesmo tempo ter-lhe-á cedido o cargo curial que tinha andado associado ao conde, o de chefe do exército régio, cargo com o qual o veremos no ano subsequente e que manterá ainda depois de meados do século.

  • 25 J. A. DE SOTTO MAYOR PIZARRO, Linhagens Medievais..., 1, p. 176.

13Com a doação de Barcelos concluía-se a constituição da parte mais substancial do senhorio de D. Pedro, mesmo que a dimensão do seu património somente vá sendo conhecida à medida dos conflitos de interesse sobre alguns dos bens, ou de escambos ou doações futuras. Exilado em Castela entre 1317 e 1322, somente retomaremos o contacto com o Conde em meados deste último ano, quando o mosteiro de S. João de Tarouca lhe cede a povoação de Várzea da Serra, esperando ser defendido e ajudado. Entre conflitos ou contractos com os mosteiros de Lorvão e de Arouca sobre os bens junto ao Vouga, os bens de origem sousã serão ainda objecto de composição com os descendentes de Inês Lourenço de Valadares, filha de Maria Mendes de Sousa, o que obrigará o Conde a abandonar algumas honras e coutos situados nos julgados de Amarante, Celorico de Basto e Vila Real, próximo de regiões tradicionalmente ligadas aos Sousas25.

  • 26 Na realidade, do documento de Santo Tirso sobreviveu apenas um sumaríssimo extracto que menciona o (...)
  • 27 A. H. DE OLIVEIRA MARQUES (org.), Chancelarias Portuguesas. D. Afonso IV, vol. III, Lisboa: INIC, 1 (...)
  • 28 Os bens da região de Lisboa e sua gestão são bem conhecidos graças à sua integração no património d (...)

14Afastando-se da corte após 1325, os poucos documentos através dos quais o podemos seguir na década seguinte situam-no no Entre Douro e Minho, onde faz doações a dois dos mais importantes mosteiros beneditinos do território, os de Paço de Sousa e de Santo Tirso26. E ainda em 1341 é essa mesma região que tem em mente quando se queixa ao rei dos pretensos abusos jurisdicionais do corregedor do Entre Douro e Minho, nomeadamente sobre os seus homens moradores em Barcelos27. Somente a partir de então parece dedicar uma maior atenção aos bens da região de Lisboa e de Sintra, nomeando procuradores para a sua gestão, bem documentada ao longo da década. As Inquirições de 1343 mencionam alguns dos seus rendimentos ou bens nos julgados de Guimarães, de Faria e de Celorico de Basto, e no ano seguinte, nas suas casas em Gestaçô escamba com o mosteiro de Paço de Sousa a quintã de Azóia, próximo de Lisboa, pelo direito de padroado e os bens que detinha na honra de Louredo. Será um dos bens com os quais compensará, nos inícios de 1248, D. Teresa Anes pelo empréstimo que lhe fez para pagamento das arras da mulher. Como vimos, o testamento do Conde mencionará, dois anos depois, apenas as pousadas que possuía em Lamego, bem como os bens dos Aboim/Portel que detinha em Santarém, devendo estes últimos ser entregues ao mosteiro de S. João de Tarouca. A partir de 1351, a nomeação do provedor do hospital para o qual D. Teresa Anes tinha legado casas em Lisboa e alguns bens na Estremadura, que o próprio Conde acrescentaria, marcariam a documentação condal dos anos seguintes, mas sem acrescentarem dados relevantes para o conhecimento do senhorio condal28.

  • 29 Procuramos concretizar geograficamente a maior parte do património situado entre os rios Lima e Vou (...)
  • 30 Para além desse documento de 1341, antes mencionado, que remetia para estadias na vila em data próx (...)

15Deste modo, verificamos que o património do Conde de Barcelos se constituiu, na sua parte mais significativa, num curto espaço da sua vida, na dezena de anos que se seguiu à viagem que fez com o pai a terras castelhanas e aragonesas, quando andaria pelos 20 anos. Nesse curto período agregou a um pequeno núcleo de bens de pequena dimensão dispersos pelo Sul do território, de alguns dos quais se foi desfazendo posteriormente, agregou-lhes, dizia, um importante senhorio situado entre os rios Vouga e Lima, e proveniente quer dos bens que acabou por herdar da velha e desaparecida linhagem dos Sousas, quer de alguns bens dos Portel e de doações que o pai lhe fez na sequência do seu primeiro casamento29. Apesar do título condal, o grupo mais significativo desses bens parece ter-se situado entre os rios Tâmega e Paiva, com duas áreas de maior incidência: a implantada ao Sul de Lamego, onde, para além de algumas honras, se encontrava o paço que terá privilegiado e no qual o vemos em vários momentos da sua vida; e a situada na bacia do Tâmega, próximo de Amarante e de Marco de Canaveses. Fora destas áreas devem assinalar-se os bens que possuiu na margem esquerda do Vouga, já próximo da sua foz, e finalmente, o seu condado de Barcelos, onde não o conseguimos documentar mas por onde terá passado em diferentes momentos da sua vida, como decorre das queixas apresentadas na corte contra o corregedor de Entre Douro e Minho30.

  • 31 No traslado do testamento de Teresa Anes de Toledo aí efectuado em Maio de 1350 é mencionada a «câm (...)
  • 32 Sobre os paços da região do Vouga, Delfim Bismarck FERREIRA, A Terra de Vouga nos Séculos IX a XIV. (...)
  • 33 Possuía ainda casas em Gestaçô, onde escamba bens com o mosteiro de Paço de Sousa em 1344, e em Tor (...)

16Era nesta geografia nortenha que se encontravam os seus principais paços, onde o encontrámos por vezes a tratar de diferentes assuntos relacionados com a gestão do seu senhorio. Com excepção do que se situava em S. Vicente da Beira, uma povoação mais afastada das zonas antes referidas, os restantes paços implantavam-se nas regiões onde os núcleos patrimoniais eram mais densos. Assim sucedia na região de Lamego, onde dispunha do paço de Lalim — o seu paço preferido atendendo aos documentos de diferentes períodos que aí mandou redigir31. E na região do Vouga disporia do paço de Brunhido, do qual o seu mordomo Vasco Martins da Cunha tomou posse em 1309, ou do de Eixo e, eventualmente, de Óis da Ribeira, onde se sabe que os Sousas tiveram paços32. Igualmente o teria em Barcelos, no centro do seu condado, embora não esteja documentado e se desconheça a sua localização33.

  • 34 J. A. DE SOTTO MAYOR PIZARRO, Linhagens Medievais..., 1, p. 191 e Id., Os Patronos do Mosteiro de G (...)

17Terá sido neles que terá estanciado quando não se encontrava na corte régia, ou seja, sobretudo a partir de 1325, após a morte do pai e quando o meio-irmão iniciou o tão ansiado governo. Da dimensão e opulência da sua casa nos falaram já os diferentes historiadores que se debruçaram sobre a sua vida, tendo José Augusto Pizarro elencado mais de duas dezenas de nomes, entre cavaleiros do seu séquito e funcionários da sua casa ou das diferentes parcelas do seu senhorio. Da documentação agora disponível seria possível retirar mais uns quantos nomes ligados às múltiplas funções e cargos que contribuíam para a manutenção de qualquer casa senhorial: os oficiais maiores — mordomo, alferes e chanceler —, os funcionários encarregados da justiça e da administração ou arrecadação de impostos e tributos das respectivas honras — como vedores, ouvidores, dizimeiros, vigários ou algozes, os membros do séquito vassálico com que deambulava pelo território, composto por cavaleiros e escudeiros, ou os encarregados da mesa e da deslocação da corte senhorial, como o saquiteiro e o pousadeiro. Seriam sobretudo os últimos que acompanhariam o Conde nos frequentes percursos entre os seus diversos domínios do Norte, alguns dos quais nos são devolvidos pela documentação então produzida. Foi num desses percursos, onde a gestão patrimonial se conjugaria com o prazer da caça e outras actividades lúdicas, que uma queixa do abade de Paço de Sousa nos permite surpreendê-lo a pousar e fazer exigências indevidas nos 18 casais que o mosteiro possuía em Galegos, onde se amesendou com muitos cavaleiros e escudeiros, alimentando-se e exigindo foros que pertenceriam ao mosteiro, e desrespeitando, consequentemente a legislação régia que, desde D. Afonso III, procurava reduzir drasticamente a presença de largas comitivas senhoriais nos mosteiros e suas propriedades34.

Dos usos da bastardia

  • 35 J. MATTOSO centrou a sua atenção neste momento privilegiado da criação do Estado em «1258-1264: o t (...)
  • 36 Id., Identificação de um País. Composição, reed. em Obras Completas, vol. 3, Lisboa: Círculo de Lei (...)

18Esta legislação restritiva de Afonso III quanto ao direito de padroado de que a nobreza se habituara a usufruir sem grandes entraves e que ameaçava a sobrevivência das instituições monásticas, aliada às Inquirições Gerais de 1258, tinham iniciado, algumas décadas antes do nascimento do Conde, uma política de maior controle por parte da corte régia sobre os meios senhoriais. Tal ocorria depois de um largo período de anarquia interna concluído pela deposição de seu irmão Sancho II. O novo monarca, com uma larga experiência resultante de uma estadia prolongada na corte francesa, procurou reforçar o seu poder tentando não só controlar mais eficazmente a nobreza e o clero, mas criando novos órgãos de governo que, a prazo, permitiriam à realeza portuguesa prescindir do apoio da alta nobreza no governo do território. Os principais elementos desta estratégia foram esclarecidos por José Mattoso e dispenso-me de os relembrar35. A este reforço do papel do Estado deu sequência D. Dinis multiplicando as Inquirições e prestando uma atenção mais constante à situação da propriedade e jurisdições nobiliárquicas, em legislação que ia coarctando alguns privilégios — como a que abolia o direito de amádigo, a já mencionada legislação sobre a proibição da aposentadoria nos mosteiros, a intervenção em conflitos de heranças, etc, etc —, ou na proibição da construção de residências fortificadas e, em termos mais gerais, na reivindicação da «jostiça maior»36.

  • 37 Veja-se o esclarecedor quadro apresentado em Leontina VENTURA, D. Afonso III, Lisboa: Círculo de Le (...)

19Para além destas medidas, os monarcas mencionados socorreram-se dos filhos bastardos para associarem à corte e fazerem regressar à coroa importantes senhorios resultantes do próprio serviço cortesão ou de políticas matrimoniais bem conduzidas, aliadas à presúria ou à simples usurpação. Estratégia bem visível já com Afonso III, cujos bastardos Martim Afonso e Afonso Dinis casam, respectivamente, com Inês Lourenço de Valadares, filha de D. Maria Mendes de Sousa, e com D. Maria Peres Ribeira, filha de Constança Mendes de Sousa, enquanto as filhas Urraca e Leonor Afonso casavam, a primeira com um Riba de Vizela e, depois, um Briteiros, e a segunda com Estêvão Anes de Sousa e, após a morte deste, com o novo e último representante da linhagem, D. Gonçalo Garcia, ou seja, movendo uma verdadeira «perseguição» aos chefes desta linhagem37.

  • 38 Trata-se dos casamentos de Fernão Sanches com Fruilhe Anes de Briteiros, de Maria Afonso Chichorro (...)
  • 39 J. A. DE SOTTO MAYOR PIZARRO, Linhagens Medievais..., 2, p. 522. Acrescente-se que na primeira das (...)

20D. Dinis, neste particular, seguiu também a política do pai, como vimos já com D. Pedro — que casou com Branca Peres de Portel, uma irmã da Maria Peres Ribeira que casara na geração anterior com Afonso Dinis. As fortunas reunidas pelos Sousas desde o século X e pelos Aboim/Portel já no século XIII, surgiam, assim, como as mais cobiçadas, mas com os Briteiros a serem igualmente cercados por via de três casamentos com bastardos régios ou seus descendentes38. No entanto, mercê de uma diferente conjuntura e da situação da alta nobreza, o monarca português propôs-se ir mais longe procurando prescindir da sua presença na corte. Na verdade, por ausência de varonia ou por outros motivos, as grandes linhagens portuguesas, que haviam dominado a corte nos séculos XII e XIII, foram paulatinamente desaparecendo ao longo da segunda metade do século XIII ou nos inícios do século seguinte. Os números recolhidos por José Augusto Pizarro impressionam, na sua crueza: «de 17 linhagens que ao longo de três quartos de século (1248-1325) representaram a nobreza portuguesa ao seu mais alto nível, apenas uma, a de Briteiros, atingiu o segundo quartel de Trezentos com o mesmo estatuto»39. E D. Dinis em vez de, como o pai, se ter socorrido de uma nova nobreza optou por se apoiar na própria família régia, por intermédio dos meios irmãos e filhos bastardos, e, escudando-se no fortalecimento da sua máquina administrativa, por acabar de vez com as tenências, isto é, com o recurso à alta nobreza para a administração do território.

  • 40 A guerra civil com se concluiu o reinado foi analisada por J. MATTOSO, «A guerra civil de 1319-1324 (...)

21Ora, foi por aqui que entrou a «fortuna» de D. Pedro Afonso e seus irmãos, em particular de D. Afonso Sanches. Neles desaguou, não apenas a riqueza daquelas linhagens, mas também os principais cargos da corte e algumas doações régias que confirmavam o novo estatuto destes bastardos. Só que, o rei português não terá ponderado alguns elementos que poderiam pôr em causa uma tão bem arquitectada inovação política: a capacidade de insinuação junto do herdeiro por parte dos mais atingidos por esta politica régia; a idade do próprio herdeiro na parte final do seu reinado, e que daria uma maior urgência à sua vontade de assumir as rédeas do poder; a defecção de alguns, enfim, que esperaria que se mantivessem junto dele40.

  • 41 F. FÉLIX LOPES, «O primeiro manifesto de El-Rei D. Dinis...», p. 28.
  • 42 A importância cultural dos meios senhoriais portugueses dos séculos XIII e XIV é assinalada e enqua (...)

22Um destes foi D. Pedro Afonso, cujo sinuoso percurso político exige alguma reflexão. Mantendo-se na corte e apoiando o rei até meados de 1317, como vimos, teve de procurar guarida na corte castelhana, onde permanecerá durante mais de quatro anos e, tendo regressado a Portugal para junto do infante, acabará por voltar rapidamente à corte onde permanecerá até à morte do rei. No primeiro manifesto contra o herdeiro, de Julho de 1320, D. Dinis aborda a ligação do Conde ao infante herdeiro, parecendo atribuir grande importância à amizade existente entre D. Pedro e D. João Nunes de Lara, magnate castelhano então desavindo com o rei português41. Dada a contemporaneidade desta amizade com a doação a D. Pedro da povoação de Barcelos acompanhada do título condal, ficará sempre a dúvida se esta doação não foi fruto da própria conjuntura, isto é, da necessidade de o rei assegurar o concurso do novo Conde num momento em que se acentuavam as clivagens entre o rei e a nobreza. Se fora esta a intenção, rapidamente o Conde a desvaneceria com a presença junto do infante D. Afonso, ao lado do qual se encontrava também o seu cunhado D. João Peres de Portel. Talvez esta redefinição do seu lugar político se coadunasse melhor com um poder e património que provinha sobretudo de bens dos Sousa e dos Portel. Na verdade, se na constituição do património dos irmãos, mormente de Afonso Sanches, o rei terá tido uma maior intervenção directa, tal não terá acontecido na parte mais significativa do senhorio do Conde, que emergia sobretudo como herança de duas grandes linhagens portuguesas. Como quer que seja, a permanência em Castela ter-lhe-á permitido uma reflexão mais distanciada do conflito. Pelo menos, a partir de 1322 a sua postura aparece como mais equidistante dos contendores, preocupada com a tentativa de uma solução pacífica do confronto, ensaiada por diversas vezes, apesar de voltar ao convívio da corte e permanecer nela até à morte do pai. Posteriormente, mantendo um maior afastamento da corte, um sinal de que a relação com o novo rei não seria das melhores — pelo menos não o cativou para uma permanência junto dele —, recolhe-se ao seu senhorio nortenho onde o vemos tratando da gestão dos seus bens, com o aparato e a magnificência próprios da mais alta nobreza da altura, como se depreende da queixa apresentada pelo abade de Paço de Sousa e à qual nos referimos já. Começaria a preparar, por então, as obras onde manifestaria o apreço pelas grandes manifestações culturais que tinham sido acolhidas e cultivadas no meio nobiliárquico português, a canção trovadoresca e a literatura genealógica, e com materiais em parte trazidos de Castela, construiria a primeira grande crónica produzida em Portugal42.

  • 43 Livro de Linhagens do Conde D. Pedro, José MATTOSO (ed.), Lisboa: Academia das Ciências, 1980, II/1 (...)

23Deixemo-lo, porém, nos inícios do reinado do meio-irmão, quando, provavelmente, se afadigava já, procurando com “gram gram trabalho, por muitas terras, escripturas que falavam dos linhagees”43.

Haut de page

Notes

1 Frei Francisco BRANDÃO, Monarquia Lusitana, V, Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2008, p. 180.

2 Para o conjunto de indicações que é possível retirar da análise dos ossos veja-se, para um período próximo, Eugénia CUNHA, Carina MARQUES e Vítor MARQUES, «Os mais verdadeiros testemunhos da batalha de Aljubarrota: os ossos dos seus combatentes», em João Gouveia MONTEIRO (coord.), Aljubarrota Revisitada, Coimbra: Imprensa da Universidade, 2001, p. 133-191.

3 A biografia do Conde beneficiou já da atenção de alguns investigadores. Salientamos os balanços mais abrangentes de Anselmo BRAAMCAMP FREIRE, Brasões da Sala de Sintra, I, Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2006, p. 263-271; Armando DE ALMEIDA FERNANDES, «Pedro (D.)», em Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, vol. XX, Lisboa/Rio de Janeiro: Editorial Enciclopédia, s/d, p. 802-811; Luís Filipe LINDLEY CINTRA, Crónica Geral de Espanha de 1344, I, Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1983, cap. IV; A. DE ALMEIDA FERNANDES, A História de Lalim, Lamego: Câmara Municipal de Lamego, 1990, parte III; José Augusto DE SOTTO MAYOR PIZARRO, Linhagens Medievais Portuguesas. Genealogias e estratégias (1279-1325), vol. 1, Porto: Universidade Moderna, 1999, p. 187-191.

4 Se o encontro de D. Gracia com o rei esteve dependente da itinerância régia, poderia ter-se verificado em Setembro de 1281, quando D. Dinis se encontrava em Torres Vedras, ou nos anos de 1284 ou de 1287, quando a corte está documentada um pouco mais a norte, na Lourinhã e em Óbidos. Veja-se o percurso da corte nestes anos em Virgínia RAU (dir.), Itinerários Régios Medievais. Itinerário del-rei D. Dinis, Lisboa: Centro de Estudos Históricos, 1962. Encontram-se esboços biográficos recentes da mãe do Conde em Mário Jorge BARROCA, Epigrafia Medieval Portuguesa (862-1422), vol. II, t. 2, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian/Fundação para a Ciência e Tecnologia, 2000, p. 1470-1472; Carla VARELA FERNANDES, Memórias de Pedra. Escultura tumular medieval da Sé de Lisboa, Lisboa: IPPAR, 2001, p. 35-37. Pelo apelido, D. Gracia poderia ser familiar do trovador Fernão Froiaz, figura dos cancioneiros ainda não documentada.

5 Sobre estas e outras doações e respectiva concretização patrimonial vejam-se as sínteses biográficas indicadas na nota 3.

6 A viagem decorrerá entre Junho e Setembro desse ano, e dela deixou o Conde um substancial relatório. Cf. J. A. DE SOTTO MAYOR PIZARRO, D. Dinis, Lisboa: Círculo de Leitores, 2006, p. 239-242.

7 Cf. J. A. DE SOTTO MAYOR PIZARRO, Linhagens Medievais..., 1, p. 189-190. Este historiador admite que o casamento com Branca Peres possa ter-se efectuado já nos últimos anos do século XIII.

8 A documentação relativa a este casamento e suas perturbações foi estudada e dada a conhecer por Fernando FÉLIX LOPES, «Alguns documentos respeitantes a D. Pedro conde de Barcelos», Itinerarium, XI, 1965, p. 486-503.

9 Nomeadamente, entre 1309 e 1314, da quintã de Brunhido, na terra de Vouga, de metade do castelo de Albuquerque e seu senhorio, e de bens do templário João Soares. Carece de confirmação documental segura a possibilidade da existência de um irmão homónimo do Conde, a quem teria sido doada, de acordo com Almeida Fernandes, a metade do castelo de Albuquerque. Cf. A. DE ALMEIDA FERNANDES, A História de Lalim..., p. 251-252.

10 Fernando Felix LOPES, «O primeiro manifesto de El-Rei D. Dinis contra o infante D. Afonso seu filho e herdeiro», Itinerarium, XIII, 1967, p. 28.

11 Sobre as perturbações do período final do reinado de D. Dinis e seus antecedentes veja-se José MATTOSO, «A guerra civil de 1319-1324», em Portugal Medieval. Novas interpretações, reed. em Obras Completas, vol. 8, Lisboa: Círculo de Leitores, 2002, p. 217-227. A versão do Conde de alguns acontecimentos em que foi protagonista foi transmitida pela Crónica Geral de Espanha de 1344. Cf. Luis Felipe LINDLEY CINTRA (ed.), Crónica Geral de Espanha de 1344, IV, Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1990, p. 252-259.

12 Tratando-se de uma ama da rainha D. Beatriz, e sendo o Conde mordomo-mor desta já em 1307, D. Teresa Anes seria uma mulher madura pela altura em que aparece ligada ao Conde. As suas origens toledanas não foram ainda investigadas.

13 Sobre este hospital é elucidativo o estudo de Maria José PIMENTA FERRO, «Nótulas para o estudo da assistência hospitalar aos pobres de Lisboa: os hospitais de D. Maria de Aboim e do conde D. Pedro», em A Pobreza e a Assistência aos Pobres na Península Ibérica na Idade Média. Actas das Iª Jornadas Luso-Espanholas de História Medieval, vol. I, Lisboa, p. 371-399. O testamento de Teresa Anes, bem como os do Conde e de sua mãe D. Gracia, foram publicados por António CAETANO DE SOUSA (ed.), Provas da História Genealógica da Casa Real Portuguesa, vol. 1, Coimbra: Atlântida, 1946, p. 165 e seguintes.

14 Ibid., p. 176.

15 A importância da obra do Conde no quadro da cultura medieval portuguesa tem vindo a ser reconhecida sobretudo a partir dos estudos que Lindley Cintra lhe dedicou em meados do século passado. L. F. LINDLEY CINTRA, Crónica Geral de Espanha de 1344..., I; José MATTOSO, A Nobreza Medieval Portuguesa. A família e o poder, reed. em Obras Completas, vol. 7, Lisboa: Círculo de Leitores, 2001, parte II; Id., Obras Completas, vol. 1, Lisboa: Círculo de Leitores, 2000, parte III; Luís KRUS, A Concepção Nobiliárquica do Espaço Ibérico (1280-1380), Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian/Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica, 1994; Antonio RESENDE DE OLIVEIRA, Depois do Espectáculo Trovadoresco. A estrutura dos cancioneiros peninsulares e as recolhas dos séculos XIII e XIV, Lisboa: Edições Colibri, 1994, sobretudo p. 275-282 e 402-405, e balanço do papel cultural do Conde em «A cultura das cortes», em Joel SERRÃO e Antonio Henrique de Oliveira MARQUES (dir.), Nova História de Portugal, III, Lisboa: Presença, 1996, p. 660-691; no campo cronístico, onde a figura do Conde é incontornável, um balanço muito recente dos principais caminhos da investigação pode ser visto em Maria do Rosário FERREIRA (coord.), O Contexto Hispânico da Historiografia Portuguesa nos Séculos XIII e XIV. Em memoria de Diego Catalán, Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2010.

16 Vejam-se as biografias indicadas na nota 3.

17 M. J. PIMENTA FERRO TAVARES, «Nótulas para o estudo da assistência hospitalar...», p. 394-395. A carta de tutoria dos infantes foi editada por Luís Miguel RÊPAS, Quando a Nobreza Traja de Branco. A comunidade cisterciense de Arouca durante o abadessado de D. Luca Rodrigues (1286-1299), Leiria: Magno edições, 2003, doc. 96b.

18 Em apêndice incluímos um esquema genealógico que dá conta dos ascendentes de D. Pedro Afonso e das ligações familiares estabelecidas por via matrimonial.

19 O património dos Sousas no início do reinado de D. Dinis foi estudado por Luís KRUS, «O rei herdeiro dos condes: D. Dinis e a herança dos Sousas», em Passado, Memoria e poder na Sociedade Medieval Portuguesa. Estudos, Redondo: Patrimonia, 1994, p. 59-99. Sobre as linhagens de Sousa e de Portel vejam-se Leontina VENTURA, A Nobreza de Corte de Afonso III, Coimbra: Faculdade de Letras, 1992, vol. II, p. 705-722 e 565-574, respectivamente (com os mapas e esquemas genealógicos correspondentes), e J. A. DE SOTTO MAYOR PIZARRO, Linhagens Medievais..., vol. 1, p. 205-224 e vol. 2, p. 275-284.

20 Na doação que o pai lhe faz em Agosto de 1303 não há ainda qualquer referência a D. Branca. Mas poderia também ter casado entre esta última data e meados do ano seguinte, altura em que parte com o rei em direcção a Aragão.

21 Dessa terra fariam parte, em 1220, as povoações de Aboadela, Bustelo, Carneiro, Candomil, Gondar, Lufrei, Padornelo, Paus, Sanche, Santa Comba de Penaguião, Várzea e Vila Chã. Cf. «Terra», Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, vol. XXXI, Lisboa/Rio de Janeiro: Editorial Enciclopédia, s/d, p. 444-445.

22 Foram reivindicados pelo mosteiro de Pombeiro, a quem D. Dinis deu razão em carta de 12 de Abril de 1307. Frei António DA ASSUNÇÃO MEIRELES, Memórias do Mosteiro de Pombeiro, Lisboa: Academia Portuguesa de História, 1942, p. 23.

23 J. A. DE SOTTO MAYOR PIZARRO, Linhagens Medievais..., 1, p. 190; A. DE ALMEIDA FERNANDES, História de Lalim..., p. 258.

24 Frei Francisco BRANDÃO, Monarquia Lusitana, VI, Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1980, p. 208.

25 J. A. DE SOTTO MAYOR PIZARRO, Linhagens Medievais..., 1, p. 176.

26 Na realidade, do documento de Santo Tirso sobreviveu apenas um sumaríssimo extracto que menciona o Conde mas não permite enquadrar essa referência. António CRUZ, «Breve estudo dos manuscritos de João Pedro Ribeiro», Boletim da Biblioteca da Universidade de Coimbra (suplemento ao vol. XIV), Coimbra, 1938, p. 200 (doc. CXXII).

27 A. H. DE OLIVEIRA MARQUES (org.), Chancelarias Portuguesas. D. Afonso IV, vol. III, Lisboa: INIC, 1992, doc. 298.

28 Os bens da região de Lisboa e sua gestão são bem conhecidos graças à sua integração no património do hospital fundado em Lisboa por D. Teresa Anes, que o Conde acrescentaria após a sua morte. M. J. PIMENTA FERRO TAVARES, «Nótulas para o estudo da assistência hospitalar...».

29 Procuramos concretizar geograficamente a maior parte do património situado entre os rios Lima e Vouga no mapa que remetemos para apêndice. A esse património apenas foi acrescentada a localização de algumas importantes instituições monásticas com as quais vemos o Conde envolvido em transacções de diferente tipo.

30 Para além desse documento de 1341, antes mencionado, que remetia para estadias na vila em data próxima, terá acompanhado a construção da ponte sobre o Cávado, edificada por 1325-1328, bem como da colegiada, cuja construção datará de perto de meados do mesmo século. Cf. Carlos Alberto FERREIRA DE ALMEIDA, Barcelos, Lisboa: Presença, 1990, p. 31 e 42 e seguintes.

31 No traslado do testamento de Teresa Anes de Toledo aí efectuado em Maio de 1350 é mencionada a «câmara de D. Tareja», que dava para um alpendre no qual se encontravam as testemunhas do acto. Cf. A. CAETANO DE SOUSA, Provas da História Genealógica..., 1, p. 168-169. Para o que resta deste paço, A. DE ALMEIDA FERNANDES, História de Lalim..., p. 275-281.

32 Sobre os paços da região do Vouga, Delfim Bismarck FERREIRA, A Terra de Vouga nos Séculos IX a XIV. Território e nobreza, Aveiro: Aderav, 2008, p. 90-93.

33 Possuía ainda casas em Gestaçô, onde escamba bens com o mosteiro de Paço de Sousa em 1344, e em Torres Vedras na rua da Corredoura, local onde um familiar do provedor do hospital fundado por D. Teresa Anes, após a morte do Conde, toma posse dos bens que esse hospital possuía em Torres Vedras e no seu termo. A. BRAAMCAMP FREIRE, Brasões da Sala de Sintra..., I, p. 270.

34 J. A. DE SOTTO MAYOR PIZARRO, Linhagens Medievais..., 1, p. 191 e Id., Os Patronos do Mosteiro de Grijó, Ponte de Lima: Edições Carvalhos de Basto, 1995, p. 99-102, para a legislação régia contra os abusos dos padroeiros. Aos gastos resultantes deste aparato com que o Conde se deslocava no território, ou quando dele se ausentava, se ligariam algumas das dívidas que contraiu a partir do seu exílio castelhano, das quais se encontram ainda vestígios no seu testamento.

35 J. MATTOSO centrou a sua atenção neste momento privilegiado da criação do Estado em «1258-1264: o triunfo da monarquia portuguesa. Ensaio de história politica», Obras Completas, vol. 1, Lisboa: Círculo de Leitores, 2000, p. 529-560.

36 Id., Identificação de um País. Composição, reed. em Obras Completas, vol. 3, Lisboa: Círculo de Leitores, 2001, p. 111-125; J. A. DE SOTTO MAYOR PIZARRO, D. Dinis...

37 Veja-se o esclarecedor quadro apresentado em Leontina VENTURA, D. Afonso III, Lisboa: Círculo de Leitores, 2006, p. 316.

38 Trata-se dos casamentos de Fernão Sanches com Fruilhe Anes de Briteiros, de Maria Afonso Chichorro com Gonçalo Anes de Briteiros e de Rodrigo Afonso de Sousa com Violante Ponço de Briteiros. Cf. L. VENTURA e A. RESENDE DE OLIVEIRA, «Os Briteiros (séculos XII-XIV) 2. Estratégias familiares e património», Revista Portuguesa de História, XXXI, vol. 2, 1996, p. 71-76 e esquema genealógico da p. 99.

39 J. A. DE SOTTO MAYOR PIZARRO, Linhagens Medievais..., 2, p. 522. Acrescente-se que na primeira das datas indicadas os Briteiros estavam apenas a iniciar a sua presença junto da mais alta nobreza portuguesa.

40 A guerra civil com se concluiu o reinado foi analisada por J. MATTOSO, «A guerra civil de 1319-1324...».

41 F. FÉLIX LOPES, «O primeiro manifesto de El-Rei D. Dinis...», p. 28.

42 A importância cultural dos meios senhoriais portugueses dos séculos XIII e XIV é assinalada e enquadrada em A. RESENDE DE OLIVEIRA, «A cultura das cortes...». No que ao Conde diz respeito ˗e decorrente da completa ausência de indicações sobre o seu paradeiro e meios com os quais se relacionou durante o período do exílio castelhano˗, falta ainda concretizar o papel que a sua ligação aos círculos aristocráticos castelhanos teve no afastamento da corte a partir de 1325, bem como nas preocupações culturais que parecem absorvê-lo a partir da mesma data e o acompanharão até à morte.

43 Livro de Linhagens do Conde D. Pedro, José MATTOSO (ed.), Lisboa: Academia das Ciências, 1980, II/1, p. 55.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

António Resende de Oliveira, « O genealogista e as suas linhagens: D. Pedro, Conde de Barcelos », e-Spania [En ligne], 11 | juin 2011, mis en ligne le 02 octobre 2016, consulté le 25 juillet 2017. URL : http://e-spania.revues.org/20374 ; DOI : 10.4000/e-spania.20374

Haut de page

Auteur

António Resende de Oliveira

Universidade de Coimbra, Centro de História da Sociedade e da Cultura (FCT), Seminário Medieval de Literatura, Pensamento e Sociedade (IF/FCT)

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Les contenus de la revue e-Spania sont mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo CLEA
  • Logo GDRE AILP
  • Logo DOAJ
  • Revues.org