Navigation – Plan du site
Varia

A equivocatio na narrativa historiográfica ibérica dos sécs. XIII e XIV

Isabel de Barros Dias

Résumés

Étude de quelques expressions d’equivocatio et des situations d’équivoque qui en résultent dans des textes historiographiques ibériques des XIIIe et XIVe siècles. Dans les passages concernés, le langage est utilisé par des personnages spécifiques, dotés d’intentions des plus concrètes. On apprécie ensuite ces pratiques discursives dans différents domaines où elles s’inscrivent : les discussions concernant leur dimension éthique ; les implications de certaines expressions également utilisées dans des définitions médiévales de l’equivocatio ; et quelques modèles de comportement qui, dans les chroniques analysées, peuvent sous-tendre la façon d'agir des figures historiques ainsi que le jugement qui est porté sur elles.

Haut de page

Texte intégral

A equivocatio - contextualização

  • 1  Sobre estas questões, ver, Irène ROSIER (ed.), L’ambiguïté. Cinq études historiques, Lille : PUL, (...)

1A ambiguidade foi objecto de discussão na Antiguidade Greco-latina e na Idade Média, no âmbito da dialéctica, da retórica e da gramática, quando nestas disciplinas se reflectia sobre as potencialidades semânticas das palavras e dos enunciados. São de salientar, em particular, as considerações sobre a polissemia, no quadro da oposição entre sinonímia (duas palavras que remetem para um mesmo significado) e homonimia (um mesmo som / palavra que remete para vários significados), bem como a oposição equivocatio / univocatio, tendo as particularidades, especificidades e potencialidades destas diversas formas linguísticas e dos seus vários entendimentos sido extensamente estudadas, discriminadas e caracterizadas1.

2O cerne do funcionamento da equivocatio encontra-se precisamente no jogo com as possibilidades semânticas da palavra / do discurso que podem ser entendidos como simultaneamente verdadeiros e enganadores. Coloca-se aqui a questão dos múltiplos níveis interpretativos dos enunciados e a necessidade de uma certa agudeza de espírito que permita descortinar o caminho que afaste o fantasma da obscuritas e conduza às «interpretações correctas». Porém, em determinadas situações, a equivocatio, ou seja, a ambiguidade linguística, pode constituir motivo de desencontros e de confusões, dando origem a situações, por vezes, constrangedoras, ou seja, a equívocos.

3Este tipo de acidente foi aproveitado como motivo literário. Neste campo, o jogo com a duplicidade semântica das palavras e dos enunciados e os equívocos que podem decorrer da interpretação desacertada de palavras e expressões polissémicas constituíram um campo fértil, explorado no quadro de temáticas relacionadas com estratégias e com enganos. Não se circunscrevendo a qualquer forma textual específica, a equivocatio, mesmo se em diferentes graus de densidade, constituiu assim um procedimento retórico presente em grande parte da produção literária, nomeadamente na do período medieval.

4Apesar desta presença ser constatável e apesar dos artifícios retóricos em geral serem olhados com alguma benevolência em textos literários, particularmente nos de carácter lírico, é necessário sublinhar que, em contraposição, a clareza discursiva foi uma obsessão de bastantes autores medievais. Com efeito, múltiplas são as obras que no Prefácio referem e sublinham o esforço realizado para dotar os seus enunciados de claritas. Esta característica é vista como uma virtude maior da linguagem, à qual se opõem defeitos a evitar a todo o custo como a ambiguitas ou a obscuritas. A procura da maior limpidez discursiva, além de ser verbalizada por vários autores, como uma intenção primordial, é também patente na extensa e intensa produção de glosas e de marginalia explicativas de tudo o que poderia parecer mais obscuro no texto de um autor e que culminam nas summas que, neste período, reúnem a informação disponível a fim de comentar e explicar o sentido (que se acredita ser o correcto) de múltiplos textos, mormente daqueles cujas origens remontavam à Antiguidade e que eram assim igualmente adaptados aos valores e aos modos coevos de pensar.

  • 2  Sobre a ambiguidade inerente a todos os discursos e ao modo como a historiografia a procurou camuf (...)

5O corpus específico que constitui o objecto do presente estudo situa-se precisamente na confluência destas duas forças. A historiografia é uma forma textual cujo discurso se caracteriza especialmente por sobrevalorizar a clareza semântica dos seus enunciados. Esta promoção da univocidade da sua narrativa implica a sua própria valorização como transmissora de verdades, o que constitui ponto fundamental da imagem que, em termos gerais, a história tem e procura veicular de si própria, mesmo se em oposição às características inerentes à sua própria natureza discursiva2.

  • 3  Serão aqui consideradas as crónicas e edições a seguir indicadas. Para a Estoria deEspanna afonsin (...)

6Neste quadro conceptual, uma preocupação fundamental da historiografia é o seu distanciamento, quer da literatura (onde o uso de ornamentos e de expressões em sentido figurado é lícito), quer da retórica sofística, sempre olhada com grande desconfiança pelo seu uso dissimulado da linguagem. A historiografia procura demarcar-se como «discurso da verdade», assente em narrativas simples. Porém, independentemente destas preocupações, por vezes, os historiadores também tiveram conhecimento e reportaram situações onde uma personagem recorre a discursos ambíguos. Tal acontece em múltiplos textos historiográficos incluindo, mais especificamente, a historiografia ibérica, em vernáculo, sobretudo a oriunda do scriptorium afonsino e outros textos seus derivados, redigidos nos sécs. XIII e XIV, em castelhano e em português3, que constitui o objecto de estudo do presente artigo.

7O levantamento de situações onde a linguagem é usada de modo equívoco estimula interrogações diversas, seja no que se refere ao modo como estas situações funcionam no quadro narrativo em que se inserem, seja no que toca ao modo como os historiadores vão lidar com este tipo de relato uma vez que o uso do discurso que aí é feito contraria os princípios reclamados pela forma textual onde se insere.

A equivocatio em algumas crónicas ibéricas medievais

  • 4  Para conhecer o percurso histórico de Afonso Henriques, ver a biografia elaborada por José MATTOSO (...)

8Neste corpus textual, as ocorrências de cenas de contornos mais falaciosos encontram-se, regra geral, associadas a situações de desvio de uma violência, como é o caso de ocasiões de prisão. Um bom exemplo do uso de um enunciado equívoco como forma de escapar a uma situação de encarceramento efectivo é a promessa feita por Afonso Henriques4 para não ter de voltar à prisão do seu ex-genro Fernando II de Leão:

  • 5  Esta situação já aparece na «versão crítica» da Estoria de Espanna mas com um tom bastante diferen (...)

E, despois que el rey dõ Affonso foy preso e os seus vençidos, foisse el rey dõ Fernando pera a villa e levou cõsigo el rey dõ Affonso preso e fezelhe muy bem pensar da perna e fezlhe muyta honrra e preytejou cõ elle que lhe desse termho des o Minho ataa o castello de Lobeira que era seu e que lhe fezesse menagẽ que, tanto que cavalgasse ẽ besta, que tornasse a sua prisom. E elle fezeo assy como lhe foy demãdado, ca lhe nõ cõviinha de fazer outra cousa. [...]
E el rey dom Fernando, despois que teve as fortalezas e recebeo delle a menagem, soltouo. E el rey dom Affonso tornousse pera sua terra e, despois, nunca cavalgou en besta por non aver razõ de tornar aa menagem. E sempre se des ally ẽ diante fez trager ẽ andas e ẽ collos d’homẽs. E assy ãdou toda sua vida (1344b, 4, p. 236)5.

9Caso semelhante é o da promessa de Roy Gutierrez, que voltaria à prisão de Fernão Ruiz logo que enterrasse o seu irmão Alvar:

  • 6  Podemos encontrar a mesma história na PCG acrescida de mais alguma informação sobre a reacção que (...)

En el diez e nueue años del rreynado del rrey don Ferrando, que fue en la era de mill e dozientos e quinze años, don Ferrán Rruys, non sabiendo estar quedo, començó de auer contienda e guerra con los castellanos e lidió con los condes de Castilla en Canpos, en vn lugar que llamauan Lobregal, e vençiólos e mató a su suegro, el conde don Suero, que era con los castellanos, e a Aluar Gutierres, hermano de Rruy Gutierres, e mató otros muchos e catiuó dellos, e siguió los otros e prendió al conde don Nuño e a Rruy Gutierres. Mas fizieron estos pleito e omenage a don Ferrand Rruys que les dexase yr enterrar a Aluar Gutierres, e quando le oviesen enterrado que tornasen luego a la prisión. Mas Rruy Gutierres, que fue artero, metió a su hermano en vn athaút e púsole en vna torre que nunca le enterraron fasta que Ferrand Rruys finó; asy se saluó del omenage de la prisión(Cr20R, p. 275b - lv. 13, cap. 12)6.

Nestes casos, é possível dizer que é o carcereiro quem fica «preso» no jogo das palavras uma vez que estas, em si, não foram falsas ou mentirosas: foram só deficientemente interpretadas pelo interlocutor. Por isso, torna-se impossível reclamar o retorno dos prisioneiros ou qualquer tipo de reparação uma vez que não se pode provar a existência de uma incorrecção.

  • 7  Para conhecer o percurso histórico da rainha Urraca, ver Bernard REILLY, The Kingdom of Léon-Casti (...)

10A promessa equívoca, nestes contextos, deve ser demarcada dos rituais de humilhação, que também são usados para obviar possíveis situações de violência. Nas crónicas em análise vemos esta estratégia ser usada por Pero Ansures e por Egas Moniz. O primeiro, Pero Ansures, ao ver-se obrigado a escolher entre dois laços de fidelidade, decide a favor da sua rainha, Urraca de Leão e Castela7, que ele próprio criara. Porém, como também tinha prestado vassalagem ao ex-marido de Urraca, Afonso I de Aragão, sente-se no dever de se apresentar na corte deste rei, montado num cavalo branco e com uma corda ao pescoço, ou na mão, segundo as variantes. Explica-lhe que optou pela fidelidade à rainha e põe-lhe à disposição o corpo, as mãos e a cabeça com que fizera o juramento. O rei exalta-se, irado, mas os seus vassalos lembram-lhe que o conde procedera lealmente relativamente a ambos e o rei reconsidera, acabando por louvar o procedimento de Pero Ansures e por honrá-lo (PCG, 2, p. 646b).

  • 8  «-Senhor, vós nõ fezestes cordura de viir aco, ca, se vos algue disse que ligeiramete poderiades (...)

11Egas Moniz protagoniza um caso semelhante. Para salvar o seu suserano, a quem também criara, Afonso Henriques, que estava em Guimarães, cercado pelo primo, o Imperador Afonso VII, usa argumentos eloquentes e empenha a sua palavra para convencer o Imperador a abandonar o cerco8. Sendo responsável pelo falso juramento que fizera, Egas Moniz encena um ritual de humilhação e submissão prostrando-se a si e à sua família, em traje de penitentes, à mercê do rei que enganara (1344b, 4, p. 222-223). Após um primeiro momento de cólera, o Imperador acaba por perdoar e mesmo elogiar o aio. Para este desfecho também concorrem os conselhos dos nobres que lembram ao soberano que «se elle fora enganado, que o nõ fora se nõ per si meesmo» (1344b, 4, p. 223).

12O estratagema da humilhação ritual revela-se bastante arguto dadas as questões éticas e morais que se poderiam levantar caso um soberano agisse contra uma pessoa que se apresenta humildemente, se coloca à sua mercê e confessa uma falta que decorre da lealdade que tem a uma sua fidelidade mais imediata. Castigar alguém neste quadro seria, de certo modo, agir contra a relação de fidelidade vassálica, o valor basilar da sociedade medieval e das respectivas soberanias. Consequentemente, podemos dizer que a prática ritual deste tipo de humilhação é uma forma de impedir qualquer tipo de punição uma vez que a exposição de uma lealdade tem, forçosamente de suscitar clemência, não castigos.

13Os juramentos equívocos e as humilhações rituais assemelham-se assim, na medida em que ambos obviam situações de violência, colocando o eventual «castigador» numa situação constrangedora perante alguém que «lhe foge por entre os dedos». Porém, há uma diferença basilar entre estes dois tipos de situação. Os rituais de humilhação pressupõem uma falta pela qual alguém poderá ter de responder, apesar dos valores mais altos que poderão justificar os actos praticados. No caso dos juramentos ambíguos, a questão da mentira não se coloca, nem a da falsidade das palavras ou de um juramento. O que se verifica é uma interpretação de um discurso, por um interlocutor mais desprevenido, de acordo com um contexto e um horizonte de expectativas específicos, sem considerar outras possibilidades interpretativas, o que vai acarretar consequências a seu desfavor.

  • 9  Para conhecer o percurso histórico de Afonso VI, ver Bernard F. REILLY, The Kingdom of León-Castil (...)

14Podemos ainda notar que a situação contrária pode também verificar-se, ou seja, uma interpretação de acordo com o que se deseja, como se verifica com o futuro Afonso VI9, em Toledo, quando aí se encontra exilado mas de onde tem de escapulir-se, aquando da morte do seu irmão Sancho II, para evitar uma muito provável situação de encarceramento:

Otros dizen de otra guisa, quel rrey don Alfonso non quiso dezir nada al rrey Almemón de la muerte del rrey don Sancho, mas que le dixo que quería yr a su tierra e quel diese algunos moros que fuesen con él a acorrer sus vasallos e su gente, que estaua en grand cuyta con el rrey don Sancho, su hermano, e Almemón dixo que se guardase de yr allá, ca se temía quel prendería mucho ayna su hermano; e el rrey don Alfonso le dixo que bien sabía él las costunbres e las maneras de su hermano, e que se non temería dél si le él quisiese dar alguna ayuda de moros. Almemón en todo esto yuale deteniendo de día en día, que non le mandaua yr, el rrey don Alfonso cuytáuase por ende diziéndogelo muy a menudo. El rrey moro, auiendo enojo porque así ge lo dezía cada día, díxole commo con saña: «Ve tu vía agora e después fablaremos en esto más de vagar». Don Per Ansures en todo esto mandara ensillar las bestias muy encubiertamente fuera de la villa ante que las puertas çerrasen. El rrey don Alfonso, quando aquello oyó, teniendolo commo por mandamiento, salióse luego dél, e tomaron sus vasallos e deçendiéronle por cuerdasesa noche, per somo del muro, e andaron toda la noche. Almemón, non sabiendo nada desto, perguntó a los moros que y estauan con él sy sabían por qué se quería yr don Alfonso para su tierra. Los moros le dixieron: «Por aventura, a mandado que es su hermano muerto». Entonçes ouieron su acuerdo quel prendiesen otro día mañana porque non les viniese dél mal ninguno en ninguna cosa. Quando fue la mañana, enbió Almemón sus monteros quel prendiesen a don Alfonso, e quando supo que fuxera, enbió en pos dél muchos caualleros quel prendiesen, mas non le fallaron. Mas esto non fue asy nin de creer, synon aquello que contamos primero, en el comienço del capítulo, pero quesímoslo aquí poner porque fallamos que lo cuentan así algunos e porque escriua cada vno aquello quel semeja que es más con guisa e más con verdat(Cr20R, p. 194a).

15Nesta cena há ainda que notar as palavras finais, que põem o acontecimento em dúvida, o que se revela como uma forma de salvaguardar a boa imagem do futuro rei perante eventuais interpretações menos favoráveis que esta «esperteza» possa suscitar. No entanto, não podemos dizer que os casos de equivocatio até agora apresentados, bem como as situações de equívoco que decorrem do leque semântico imputável à ambiguidade dos discursos proferidos sejam criticados. Os seus protagonistas também não são desvalorizados por lançarem mão deste recurso. Provam simplesmente serem capazes de jogar com enunciados de hesitação, em periclitante equilíbrio entre a verdade, o possível, a ficção e a mentira sem, no entanto, caírem nas duas últimas, o que joga a favor da sua sagacidade e capacidade estratégica.

16Porém, nem sempre é assim. As crónicas relatam também situações em que a mesma estratégia é posta em prática por personagens mais dúbias, frequentemente menos bem tratadas pela historiografia, geralmente mulheres. É este o caso das palavras que a infanta Urraca de Zamora dirige a Velido Dolfos que a seguir assassina o rei Sancho II, irmão de Urraca. As promessas veladas da infanta a Velido estarão subsequentemente na base das suspeitas quanto ao seu envolvimento na morte do irmão:

  • 10  A cena também se encontra na PCG, 2, p. 510a – cap. 835 (que neste momento corresponde à «versão a (...)

Doña Vrraca le dixo entonçes: «Velido Dolfos, dezirte he lo que dixo el sabio: que sienpre mierca bien el omne con el torpe o con el cuytado, e asy faría yo agora contigo sy quisiese mi daño otorgar, pero non te mando yo que fagas ninguna cosa de mal que tú has pensado, mas dígote que non ha omne en el mundo que a my hermano tolliese de sobre Çamora e me la fiziese deçercar que non diese que quier que me demandase»(Cr20R, p. 190a - lv. 9, cap. 21)10.

  • 11  Sobre este assunto ver Maria João BRANCO e Isabel de Barros DIAS, «Metamorfoses de Urraca de Caste (...)
  • 12  Antonio UBIETO ARTETA (ed.), Crónicas Anónimas de Sahagún, Zaragoza : Anubar Ediciones, 1987 (=Cr. (...)

17Outra mulher particularmente mal tratada pela historiografia medieval foi a rainha Urraca de Castela e de Leão11. Nas Crónicas Anónimas de Sahagún12, podemos vê-la, numa situação de pressão popular, ter a rapidez de raciocínio necessária para tornar um juramento suficientemente ambíguo de maneira a obviar qualquer tipo de comprometimento:

«Bosotros bien sabedes que mi padre en aquesta villa non quiso nin apropió a sí alguna cosa, sacando el real señorío, ca todas las cosas son dadas e consagradas a Dios e a los sus mártires. E ninguno de los mortales, por raçón e respeto de heredad e posesión, puede aver firmes nin seguras; mas que quier que ello sea, quanto lo que a mi pertenesçe, aquesta carta yo confirmo»
Aquesto ella deçía por quanto de las cosas que la carta contenía ninguna cosa a ella pertenesçía para confirmar (Cr.An.Sh, p. 113).

Ao que se segue o juramento do abade de Sahagún, igualmente ambíguo: «E yo vos confirmo aquesta carta, salva sienpre mi orden e salva la justiçia d’este monasterio». (Cr.An.Sh, p. 114).

18Perante as situações de equívoco que são postas em cena nas crónicas medievais ibéricas consideradas, e o modo como os historiadores as reportam, podemos questionar-nos sobre o modo como são vistos o recurso linguístico da equivocatio e as situações daí resultantes, bem como sobre os contextos ideológicos e o(s) imaginário(s) que lhes estarão subjacentes.

Contextos ideológicos e de imaginário

19Para uma proposta de resposta a estas questões torna-se necessário aduzir três grandes linhas de força que, a nosso ver, concorrem para o modo como a equivocatio e o consequente equívoco surgem e são entendidos, na historiografia aqui aduzida. Os três grandes domínios a equacionar são: as discussões sobre a dimensão ética do fomentar de equívocos, as implicações de expressões usadas nas definições que temos de equivocatio e, finalmente, alguns possíveis modelos de conduta que podem estar subjacentes às actuações das figuras históricas apresentadas nas crónicas estudadas, bem como à respectiva valorização.

A dimensão ética do equívoco

  • 13  Posição defendida por Santo Agostinho (nomeadamente no seu De mendacio).

20As discussões sobre a equivocatio não se limitaram a questionar as possibilidades e o funcionamento deste procedimento em termos semânticos. A dimensão ética desta prática também foi objecto de reflexão, nomeadamente no que se refere à sua utilidade como forma de fugir à mentira, que se deveria evitar a tudo o custo, mesmo quando inofensiva, ou seja, aquela que pode ajudar alguém, sem prejudicar ninguém13. Nestes casos, o recurso à equivocatio torna-se lícito. Apesar de se avizinhar perigosamente do odiado domínio da mentira, distingue-se desta do mesmo modo como o uso do discurso ambíguo se distingue da prática da humilhação ritual, tal como já foi apontado.

  • 14  Sobre este assunto, apesar de se reportar a uma época posterior, ver Jean-Pierre CAVAILLÉ, « L’art (...)

21Porém, o discurso ambíguo também pode ser usado de modo iníquo, por culpados, como forma de camuflar as respectivas faltas. Neste caso, aproximável de um uso sofístico da linguagem, a equivocatio torna-se sinal de manha fraudulenta e quem a pratica deve ser desmascarado e castigado14.

22A consideração destas duas dimensões da equivocatio (com intuitos eticamente aceitáveis ou reprováveis) remete-nos para a ambiguidade que parece reinar sobre a prática deste procedimento. Deste modo, além da duplicidade na recepção / interpretação dos discursos equívocos, fruto da(s) ambiguidade(s) semântica(s) que carregam, temos de contar também com a eventual ambiguidade que se pode encontrar na sua produção, ou seja: se a produção intencional de um enunciado ambíguo é eticamente justificável ou se, pelo contrário, serve para mascarar actos ou intenções reprováveis. Com base nesta separação, compreendemos o que distancia os equívocos protagonizados por Afonso Henriques ou pelo futuro Alfonso VI, que se enquadram na defesa dos respectivos reinos, do uso que é atribuído a Urraca de Zamora. Esta, apesar de estar a defender os seus direitos sobre o território que lhe foi atribuído em herança, abre caminho para a iniquidade que consiste no assassinato traiçoeiro do irmão, Sancho II.

As expressões «arteiro» e «palavras cubertas»

  • 15  Com efeito, além das duas expressões salientadas, é possível apontar ainda pequenos indícios que, (...)

23No que se refere a alguns termos específicos usados nos textos que se debruçam sobre a noção de equivocatio ou que relatam situações de equívoco, além de alguns indícios que mostram como o narrador vê a cenas que relata com alguma distância (pois veicula pistas para uma leitura não inocente das mesmas)15, é interessante reter o uso de duas expressões: «palavras cubertas» e «arteiro».

24A expressão «palavras cubertas» surge na definição teórica das cantigas de escárnio, tal como esta é veiculada na Arte de Trovar, e onde a equivocatio é identificada como uma estrutura retórica distintiva deste tipo de cantigas satíricas:

  • 16  Giuseppe TAVANI (ed.), Arte de trovar do Cancioneiro da Biblioteca Nacional de Lisboa, Lisboa : Co (...)

Cantigas d'escarneo som aquelas que os trobadores fazen querendo dizer mal d'alguen en elas, e dizen-lho per palavras cubertas, que hajam dous entendimentos, pera lhe-lo non entenderen ... ligeiramente; e estas palavras chamam os clerigos «hequivocatio»16.

  • 17  Situações deste tipo são muito frequentes, por exemplo, no teatro de Gil Vicente. Para alguns exem (...)

25O uso de «cuberto» remete-nos para roupa, vestimenta, ou seja, aquilo que cobre algo, nomeadamente um corpo nu. Porém, a roupagem, além de cobrir e proteger, também pode mascarar. Este parece ser o sentido em que é usada a expressão «palavras cubertas», o que vai assim remeter para o travestissemento da linguagem. Este entendimento implica uma aproximação à prática teatral, enquanto espaço de súmula ou de confluência onde a máscara física dos actores que se cobrem com roupas de modo a travestirem-se em «personagens outras» coincide com o uso frequente do procedimento retórico da equivocatio, nomeadamente em situações de qui pro quo17. A culminar, a própria criação de outros mundos possíveis que se verifica no teatro pode ser aproximável, mutatis mutandis, da interpretação de um discurso equívoco de acordo com o horizonte de expectativa do destinatário, em desconformidade com o que seria a sua interpretação mais avisada ou cautelosa.

26Tendo a prática teatral sido, com frequência, criticada durante o período medieval, precisamente pelo seu carácter duplo e dúbio, que facilmente se pode confundir com a mentira, isso remete-nos para a possibilidade do vocabulário usado na Arte de Trovar trair uma consideração da equivocatio que ombreia alguma suspeição, o que também se justifica tendo em consideração as duas vertentes éticas (positiva ou negativa) desta prática.

  • 18 Arte de Trovar, op. cit., p. 42.

27O uso da palavra «arteiro» vem acentuar esta possibilidade. O termo também surge na Arte de Trovar, reportando-se a cantigas idênticas às de escárnio: «E pero que alguns dizen que ha i alguas cantigas de «joguete d'arteiro», estas non son mais ca d'escarnho»18. O termo recorre ainda na descrição de um dos juramentos equívocos aqui aduzidos: «Mas Rruy Gutierres, que fue artero [...]» (Cr20R: 275b).

  • 19  Neste sentido de disciplina prática, ars opõe-se a sapientia (sabedoria superior, relacionada com (...)
  • 20  A título de curiosidade, refira-se que Afonso X, na General Estoria, organiza e classifica a magia (...)

28A palavra significa astuto, habilidoso e tem na sua raiz «arte», ou seja, capacidade, habilidade prática19, o que nos remete, não só para as artes «lícitas» (ex: ars scribendi, ars praedicandi...), mas também para outras práticas mais reprováveis, como as artes mágicas, também elas criadoras de dissimulações e de mundos fictícios, consequentemente, suspeitas e, na sua maior parte, liminarmente reprovadas20.

  • 21  Este topos surge, por exemplo, na Cr. 1344b, cap. 204 mas, também, em inúmeros outros textos, caso (...)

29E, no entanto, algumas estratégias de criação de uma outra realidade, por uma encenação enganosa podem ser vistas como feitos audaciosos e de bons resultados. Para uma situação recorrente em diversas crónicas (e em textos de outros tipos), é possível referir o subterfúgio que consiste em armar mulheres inofensivas e fazer com que o inimigo as veja e confunda com verdadeiros guerreiros21... Mais uma vez, a validade da intenção subjacente domina a consideração positiva ou negativa que é dada à ocorrência...

Os modelos: Ulisses e Isolda

  • 22  Sobre esta questão dos Modelos ver Isabel BECEIRO, Libros, lectores y bibliotecas en la España med (...)

30Intenções didácticas e moralizantes terão dominado a maior parte da produção textual do período medieval. A historiografia assumiu plenamente esta corrente, oferecendo-se aos seus leitores como magistra vitae, ou seja, transmissora de exemplos válidos e memoráveis do passado para os vindouros, tanto os positivos, a imitar, como os reprováveis, a evitar. No entanto, para além da sua dimensão de transmissora de modelos, também é certo que a historiografia absorveu diversos arquétipos comportamentais pré-existentes, seja nas suas fontes historiográficas, seja nos modelos retóricos e literários que seguiu para formatar as imagens que veicula das diferentes personalidades históricas referidas22.

31Neste sentido, cumpre perguntar que modelos poderão ter estado subjacentes às situações equívocas e, mormente, aos casos de juramentos ambíguos que encontramos relatados nas crónicas em estudo. Para o caso dos líderes e dos cavaleiros que fazem promessas equívocas e / ou interpretam os discursos a seu favor, podemos recordar a figura maior que encarnou o modelo do guerreiro astuto, já na tradição greco-latina: Ulisses, sendo de salientar a cena em que, na Odisseia (canto 9), este herói se «identifica» de modo particularmente ambíguo e astuto face ao embriagado ciclope Polifemo.

  • 23  Afonso X, na General estoria, op. cit. (parte 2) conta extensamente a guerra de Tróia, desde os se (...)

32Ulisses foi conhecido, no período medieval sobretudo graças à tradição que se formou em torno da história da Guerra de Tróia. O herói grego encarna aqui o papel de um guerreiro astuto, hábil com as palavras e, consequentemente, escolhido para mensageiro e negociador entre as partes em conflito. Esta tradição textual era conhecida também na Península Ibérica, tendo sido usada como fonte pela historiografia em vernáculo redigida sob Afonso X23. Apesar de Ulisses não deixar de ser uma personagem um pouco ambígua, uma vez que a sua sagacidade também pode ser equacionada com traços menos louváveis, não deixa de ser um herói da Antiguidade, um dos bravos do cerco e da conquista de Tróia. Integra o imaginário guerreiro medieval e poderá ser associado a algumas formas mais benignas da prática da equivocatio onde um líder ou um guerreiro evita a violência, não necessariamente por covardia, mas por uma questão de sensatez e de vontade de poupar esforços desnecessários, afastando conflitos frontais.

  • 24  «-“Seignors”,  fait el, “por Deu merci, / Saintes reliques voi ici. / Or escoutez que je ci jure, (...)
  • 25  Sobre o conhecimento de Tristão e Isolda na Península, ver : Harvey L. SHARRER « La materia de Bre (...)

33Resta-nos a procura de um modelo que seja predominantemente suspeito, o que também encontramos, e com a agravante de se reportar a uma mulher, o que vai coincidir com as personagens que, nas crónicas, protagonizam os juramentos equívocos mais duvidosos. Referimo-nos à rainha Isolda, em torno da qual gravitam dois homens, o seu marido, o rei Marc, e o sobrinho deste, Tristão. Isolda é figura central de um conhecido juramento equívoco: tendo as suspeitas do seu marido levado a sujeitar a rainha a um ordálio, Isolda jura que nunca teve entre as pernas mais do que o seu marido e um andrajoso que acabara de a levar às cavalitas, ajudando-a assim a atravessar uma área enlameada e que não era mais do que Tristão, o seu amante, que se disfarçara assim. Isolda jura verdade e, simultaneamente, dissolve as suspeitas de infidelidade que ensombravam o rei Marc uma vez que este interpreta o juramento da rainha de acordo com o seu horizonte de expectativas, nunca colocando a hipótese do andrajoso em causa e do seu sobrinho serem a mesma pessoa24... Dado este contexto, bem como o conhecimento desta história na Península25, Isolda poderá aqui ser vista como um possível arquétipo para as cenas de uso de equivocatio mais duvidosas que encontramos nas crónicas. Este possível modelo coaduna-se ainda com as linhas de pensamento mais misóginas que tradicionalmente apresentam a mulher como um ser dúbio, dissimulado, mentiroso, enganador face ao qual todas as suspeitas são recomendáveis.

34Verificamos assim como os casos de equívoco reportados na historiografia ibérica dos sécs. XIII-XIV podem ser vistos como representativos de várias linhas de entendimento existentes sobre a matéria. Nota-se ainda uma predominância do uso da equivocatio como forma de desviar possíveis situações de violência, em particular, pelo recurso a juramentos ambíguos. Podemos também dizer que o olhar do historiador hesita sobre boa parte destas situações, sem argumentos para as atacar liminarmente mas com alguma desconfiança. Na maior parte dos casos, opta por um relato asséptico, descritivo, mas onde se pode adivinhar alguma admiração pela capacidade em usar os expedientes em questão. Só no caso específico de Afonso VI, o historiador opta por descartar a situação, remetendo-a para uma fonte menos fiável. No entanto, não deixa de a reportar...

35Mediante os excertos analisados e o modo como os respectivos historiadores os veiculam, verificamos que apesar do discurso ambíguo ou velado suscitar suspeita, dada a sua proximidade do engano e da mentira, os relatos destas situações escudam-se tal como os seus protagonistas se escudaram: não desfazendo os equívocos e mantendo as dúvidas, em permanente equilíbrio sobre areias movediças, entre a verdade e a não verdade e na indecisão sobre as boas ou más intenções que lhes poderão ter estado subjacentes.

Haut de page

Notes

1  Sobre estas questões, ver, Irène ROSIER (ed.), L’ambiguïté. Cinq études historiques, Lille : PUL, 1988 que dá uma visão bastante completa das diferentes aproximações, dos vários autores e das variações e evoluções patentes nos textos que se debruçaram sobre os conceitos em questão, desde a Antiguidade Greco-latina até à Idade Média e em diferentes domínios de estudo. A questão da ambiguidade (e o modo como esta foi entendida) tem sido abordada por autores diversos, em distintos quadros e sobre temáticas diversificadas. A título de exemplo, ver Mischa VON PERGER, «Understanding the Categories by division : Walter Burley vs. William of Ockham», Joël BIARD e I. ROSIER-CATACH (ed.), La tradition médiévale des catégories (XIIe-XVe siècles). Actes du XIIIe symposium européen de logique et de sémantique médiévales (Avignon, 6-10 juin 2000), Louvain – Paris : Éditions de l’Institut Supérieur de Philosophie – Éditions Peeters, 2003, p. 37-52 ou Jean-Claude CHEVALIER, « La synonymie dans les manuels pédagogiques du début de la Renaissance », Langages, 31 (128), 1997, p. 8-24 – disponível em Persée [acedido a 15 de Julho de 2009]. Sobre a questão do valor e do peso da palavra na cultura medieval, nomeadamente, da palavra mal utilizada, ver o interessante estudo de Carla CASAGRANDE e Silvana VECCHIO, Les péchés de la langue, Paris : Les Éditions du Cerf, 1991. Para uma visão geral das Artes Poéticas, no período medieval, ver Edmond FARAL, Les arts poétiques du XIIe et du XIIIe siècle. Recherches et documents sur la technique littéraire du Moyen Âge, Paris / Genève : Champion / Slatkine, 1982. Finalmente, para uma ideia mais lata dos tipos e formas de equívoco teorizados ver o que é dito sobre o assunto por Heinrich LAUSBERG, Elementos de retórica literária, 3ª ed., trad. e pref. de Raúl Miguel Rosado FERNANDES, Lisboa : Fundação Calouste Gulbenkian, 1982 - «aequivocum (ambiguitas, amphibolia, homonymum)» - de salientar aqui a articulação da noção de equívoco com as noções de ambiguitas, obscuritas ou dissimulatio. Para um estudo mais particularizado, sobre as cantigas de escárnio e a equivocatio em articulação com a teoria da suposição ou das falácias, ver Yara Frateschi VIEIRA, «A cor do potro prometido: lógica, ética e teologia na lírica trovadoresca», in : Ana PAIVA MORAIS, Teresa ARAÚJO e Rosário SANTANA PAIXÃO (coord.), Da decifração em textos medievais. IV Colóquio da Secção Portuguesa da Associação Hispânica de Literatura Medieval, Lisboa : Colibri, 2003, p. 331-347.

2  Sobre a ambiguidade inerente a todos os discursos e ao modo como a historiografia a procurou camuflar, ver Hayden WHITE, The content of the form : narrative discourse and historical representation, Baltimore / London : Johns Hopkins University Press, 1989.

3  Serão aqui consideradas as crónicas e edições a seguir indicadas. Para a Estoria deEspanna afonsina e pós-afonsina, é usada a edição de Ramón MENÉNDEZ PIDAL (ed.) / Diego CATALÁN (reed.), Primera Crónica General de España, 2 vol., Madrid : Gredos, 1977 (=PCG). Este texto integra, até ao cap. 616, a «versão régia» afonsina (representante da «versão primitiva», de cerca de 1270), e textos posteriores, na sua maior parte da «versão retoricamente amplificada de 1289». É usada a transcrição de José Manuel RUIZ ASENCIO e Mauricio HERRERO JIMÉNEZ (transcr.), Crónica de Veinte Reyes, Burgos : Ayuntamiento de Burgos, 1991 (=Cr20R) como representante da «versão crítica» afonsina (cerca 1282-84). Sobre as versões afonsinas da Estoria de Espanna e suas reelaborações, ver Diego CATALÁN, De Alfonso X al conde de Barcelos, Madrid : Gredos, 1962 e, mais recentemente, id., De la silva textual al taller historiográfico alfonsi – códices, crónicas, versiones y cuadernos de trabajo, Madrid : Fundación Ramón Menéndez Pidal / Universidad Autónoma de Madrid, 1997 e id., La Estoria de España de Alfonso X – creación y evolución, Madrid : Fundación Ramón Menéndez Pidal / Universidad Autónoma de Madrid, 1992. Ainda sobre as versões da Estoria de Espanna afonsina e seus derivados, ver Inés FERNÁNDEZ-ORDÓÑEZ, Versión crítica de la Estoria de España, Madrid : Fundación Ramón Menéndez Pidal / Universidad Autónoma de Madrid, 1993, bem como a útil síntese : id., « La transmisión textual de la “Estoria de España” y de las principales “Crónicas” de ellas derivadas », in : id. (coord.), Alfonso X el Sabio y las crónicas de España, Valladolid : Fundación Santander Central Hispano / Centro para la Edición de los Clásicos Españoles, 2000, p. 219-260. No que se refere a textos pós-afonsinos mas que se reportam à mesma grande família textual e que foram produzidos no Ocidente peninsular, é considerada a edição de Ramón LORENZO (ed.), Latraducción gallega de la Cronica General y de la Crónica de Castilla, Orense : Instituto de Estudios Orensanos «Padre Feijoo», 1975 (=Trad.Gall). Para a Crónica de 1344 é considerada a sua segunda versão : Luís Filipe Lindley CINTRA (ed.), Crónica Geral de Espanha de 1344, 4 vol., Lisboa : IN-CM, 1951-1990 (=1344b). A primeira redacção, redigida em 1344, em português, perdeu-se. Só resta uma tradução em castelhano da qual o melhor exemplar é o ms. 2656 da Biblioteca Universitaria de Salamanca, do qual foi feita uma edição parcial : Diego CATALÁN e María Soledad DE ANDRÉS (ed.), Edición crítica del texto español de la Crónica de 1344 que ordenó el Conde de Barcelos don Pedro Alfonso, Madrid : Gredos, 1970.

4  Para conhecer o percurso histórico de Afonso Henriques, ver a biografia elaborada por José MATTOSO, D. Afonso Henriques, Lisboa : Círculo de Leitores, 2006.

5  Esta situação já aparece na «versão crítica» da Estoria de Espanna mas com um tom bastante diferente : « El rrey de Portugal teniéndose por muy quebrantado e que errara mucho contra el rrey don Ferrando, e por fazerle gran emienda dáuale el rreyno e su cuerpo, que él fiziese ende a su plazer. Mas el rrey don Ferrando, commo era manso e muy piadoso, non quiso nada de lo suyo, mas díxole quel diese todo lo suyo. Des y fizole el rrey de Portugal pleito e omenage que tanto que caualgase que fuese a él o que quier quél mandase. [...] El rrey don Alfonso de Portugal fuese entonçes para Coynbria e por achaque de la pierna nunca quiso caualgar en todos sus días nin salió de Coynbria fasta que murió. » (Cr20R, p. 276a-b). De notar que aqui o facto de Afonso Henriques não voltar a montar a cavalo é atribuído aos problemas físicos com a perna partida. Já de tom diferente é o testemunho da TradGal, onde se denota o despontar de um tom pró-português, uma vez que se afirma que Afonso Henriques não volta a montar para não ter que cumprir o juramento que fizera ao ex-genro, de voltar para a sua prisão «tal ora como fosse são, que caualgasse en besta» (Trad. Gall, p. 691). Este simples pormenor é suficiente para instaurar a dúvida, no que respeita à pretensa piedade de Fernando II e para reverter a postura de submissão de Afonso Henriques que, nesta versão, se limita a pedir perdão sem oferecer qualquer reparação. Sobre esta cena e suas implicações textuais e ideológicas, ver L. F. Lindley CINTRA (ed. Cr. 1344), op. cit., 1 (intr.), p. 90, 361-62 e 238-240, bem como Isabel de Barros DIAS, «O “Desastre de Badajoz” em crónicas medievais do Ocidente e do Centro da Península Ibérica» (no prelo).

6  Podemos encontrar a mesma história na PCG acrescida de mais alguma informação sobre a reacção que a atitude provocou: «Mas Roy Gutierrez era omne sabidor, et luego que fue en su logar, metio a su hermano Aluar Royç en un ataud et dexol por enterrar, et si Fernand Royç le enuiaua dezir que guardasse ell omenage et se tornasse a la prision como era puesto, enuiaual el dezir que non auie aun enterrado a su hermano Aluar Royç. Et Fferrand Royç, non auiendo carrera por o passar a el nin reptarle por ello, dexolo assi estar» (PCG, 2, p. 674b).

7  Para conhecer o percurso histórico da rainha Urraca, ver Bernard REILLY, The Kingdom of Léon-Castilla under Queen Urraca. 1109-1126, Princeton : Princeton University Press, 1982.

8  «-Senhor, vós nõ fezestes cordura de viir aco, ca, se vos algue disse que ligeiramete poderiades tomar esta villa, nõ vos disse verdade, ca çerto seede que ella sta açalmada do que há mester pera dez anos. E bem sabees vós que jaz hi o principe vosso primo, que he muy bõo fidalgo, cõ muytas cõpanhas e muy bem guisadas pera guerra, por a qual razõ non poderees fazer o que querees. E, em stando aquy, poderees receber dampno dos mouros em vossa terra. E, quanto he por o facto da reya sua madre, nõ o devees culpar, ca elle fez o que devya, ca ella o quisera matar ou deserdar da terra que seu padre gaanhou aos mouros e que el rey dom Affomso, vosso avoo e seu, lhe leixou. Mas, quanto he do que dizees que he razõ de vos conhecer senhorio e hir a vossas cortes, e eu assy o tenho que he bem, mas vós nõ o devees culpar ca os seus mesteres forom tantos que nõ pode al fazer. Mas, se vós ho quiserdes segurar e alçarvos daquy e hirvos pera vossa terra, eu vos farey que huu dia qual vós quiserdes que vaa a vossas cortes onde vós divisardes. E desto vos farey menagem» (1344b, 4, p. 219-220). Mediante este discurso, o imperador levanta o cerco : «E, quando o principe dom Affomso Anrriquez vyo assi hir o emperador e nõ sabia a razom por que, foy muy maravilhado e preguntou a dõ Egas Muniz se sabia que era aquello. E elle lhe disse toda a verdade como passara. E, quando o principe o ouvio, ouve tam grande pesar que parecia que queria morrer e disse:- Çerto, eu queria ora seer ante morto de maa morte.E dom Egas Muniz lhe disse:- Senhor, nõ vos queixees, ca eu penso que vos fiz muyto serviço, ca vós nõ avyees aquy senõ muy pouco mantiimeto e, falecendo, tomarãvos a villa per força e vos forees morto ou preso e o senhorio de Portugal dado a outrem. E pore, senhor, nõ vos devees de queixar, ca tenho que vos livrey da morte e de seerdes desherdado. Quanto he a menagem que eu fiz, esto foy sem vosso mãdado ne doutro ne huu e assy sem vosso conselho ne doutro nehuu a livrarey muy bem prazendo a Deus, assy como vós bem poderees veer. Ca, ainda que la vós quisesses hir, non vollo cõsentiria eu, ca nõ entedo hi a vossa prol» (1344b, 4, p. 221-222).

9  Para conhecer o percurso histórico de Afonso VI, ver Bernard F. REILLY, The Kingdom of León-Castilla under King Alfonso VI, 1065-1109, Princeton: Princeton University Press, 1988.

10  A cena também se encontra na PCG, 2, p. 510a – cap. 835 (que neste momento corresponde à «versão amplificada de 1289») e na 1344b, 3, p. 383 – cap. 496.

11  Sobre este assunto ver Maria João BRANCO e Isabel de Barros DIAS, «Metamorfoses de Urraca de Castela-Leão e de Teresa de Portugal: construções e desconstruções das imagens de duas rainhas», in : Armando LÓPEZ CASTRO e Luzdivina CUESTA TORRE (ed.), Actas del XI Congreso Internacional de la Asociación Hispánica de Literatura Medieval (Universidad de León, 20 al 24 de septiembre de 2005), León : Universidad de León, 2007, p. 335-347.

12  Antonio UBIETO ARTETA (ed.), Crónicas Anónimas de Sahagún, Zaragoza : Anubar Ediciones, 1987 (=Cr.An.Sh).

13  Posição defendida por Santo Agostinho (nomeadamente no seu De mendacio).

14  Sobre este assunto, apesar de se reportar a uma época posterior, ver Jean-Pierre CAVAILLÉ, « L’art des équivoques : hérésie, inquisition et casuistique, questions sur la transmission d’une doctrine médiévale à l’époque moderne », Médiévales, 43 (2002), p. 119-146, disponível em Persée [consultado a 15 de Julho de 2009].

15  Com efeito, além das duas expressões salientadas, é possível apontar ainda pequenos indícios que, não dando uma explicação circunstanciada da estratégia aplicada (como acontece no trecho da Cr.An.Sh citado), remetem, quer para algumas vertentes explicativas dos motivos que estimularam esta prática (cf. no excerto sobre Afonso Henriques : «ca lhe nõ cõviinha de fazer outra coisa» 1344b, 4, p. 236), quer para o clima de ambiguidade e as eventuais omissões inerentes à criação de equívocos (cf. no trecho citado sobre Afonso VI : «non quiso dezir [...] mas que le dixo» e, pouco adiante, «mui encubiertamente» – Cr20R, p. 194a ; e no relativo a Urraca : «non te mando [...] mas dígote» – Cr20R, p. 190a) quer, sobretudo, para sublinhar a intencionalidade das acções realizadas / dos entendimentos escolhidos (Cf. na história de Afonso Henriques: «por nõ aver razõ de tornar aa menagem» – 1344b, 4, p. 236 ; na de Roy Gutierrez: «asy se saluó del omenage» – Cr20R, p. 275b ; e na de Afonso VI : «teniendolo commo por mandamiento»– Cr20R, p. 194a).

16  Giuseppe TAVANI (ed.), Arte de trovar do Cancioneiro da Biblioteca Nacional de Lisboa, Lisboa : Colibri, 2002, p. 42.

17  Situações deste tipo são muito frequentes, por exemplo, no teatro de Gil Vicente. Para alguns exemplos deste tipo de situações, ver José ROSO DÍAZ, «El enredo en las comedias de Gil Vicente», in : María Jesús FERNÁNDEZ GARCÍA e Andrés José POCIÑA LÓPEZ (coords.), Gil Vicente : clásico luso-español, Mérida : Junta de Extremadura, 2004, p. 91-120.

18 Arte de Trovar, op. cit., p. 42.

19  Neste sentido de disciplina prática, ars opõe-se a sapientia (sabedoria superior, relacionada com o divino) e a scientia (estudo das coisas humanas).

20  A título de curiosidade, refira-se que Afonso X, na General Estoria, organiza e classifica a magia de acordo com diversos parâmetros como seja o tipo (de imagens, de poções ou de sortes), as matérias-primas utilizadas (pedras, ervas ou palavras) e as feiticeiras mais famosas de cada «especialidade» (Diana, Circe e Medeia). Este espírito racionalista irá até à criação de uma ordem de proximidade (ou afastamento) da divindade, uma vez que a magia de Diana, que se baseia em imagens, procuraria Deus e as almas mais do que qualquer outra. A magia de Circe, concentrada em ervas e que tem como finalidade a saúde dos corpos, estaria a meio caminho, enquanto que a pior espécie seria aquela que não procura senão riquezas e vaidades, tentando saber mais do que deve, uma vez que aqueles que consultam os adivinhos ou que procuram os augúrios fazem-no a fim de melhorar as suas vidas (cf. Alfonso X, General estoria,Segunda Parte, António G. SOLALINDE, Lloyd A. KASTEN e Víctor R. B OELSCHLÄGER (eds.), 2 vol., Madrid : Consejo Superior de Investigaciones Cientificas, Instituto «Miguel de Cervantes», 1961, 2, p. 335-343). Veja-se ainda o artigo de Jacqueline CERQUIGLINI, « Polysémie, ambiguïté et équivoque dans la théorie et la pratique poétiques du Moyen Âge français », in : I. ROSIER (ed.), L’ambiguïté… , p. 167-180 que refere precisamente como o discurso ambíguo era equacionado com as palavras suspeitas de adivinhos, feiticeiros e advogados (p. 171).

21  Este topos surge, por exemplo, na Cr. 1344b, cap. 204 mas, também, em inúmeros outros textos, caso da Crónica Seudo Isidoriana, (Antonio BENITO VIDAL (ed.), Crónica Seudo Isidoriana, Valencia : ed. de autor, 1961, p. 52-53). A situação de disfarce é relativamente recorrente nesta historiografia, dando provas de alguma ambivalência consoante as circunstâncias em que ocorre. Por exemplo, Fernão Gonzales, o herói fundador de Castela foge da prisão do rei de Leão graças a uma troca de roupa com a sua mulher sem que isso seja, de algum modo, criticado (cf. por ex. 1344b, 3, p. 94 – cap. 354). No Livro de Linhagens do Conde D. Pedro o rei Ramiro também não é criticado quando se disfarça de «lazerado» para entrar em território inimigo à procura da sua mulher (PEDRO AFONSO, conde de Barcelos, Livro de Linhagens do Conde D. Pedro, José MATTOSO (ed.), Portugaliae Monumenta Historica – Nova Série, 2 vols, Lisboa : Academia das Ciências, 1980, p. 206-207 – tit. 21A1). Porém, já serão mais duvidosas as cenas que nos mostram um rei mouro cuja cidade é invadida pelos Almoades esconder-se vestido de mulher (cf. por ex. PCG, 2, p. 566b – cap. 897) ou usar a mesma estratégia para escapar a uma prisão domiciliária (cf. por ex. Cr20R, p. 218b – lv. 10, cap. 31 ou PCG, 2, p. 552b – cap. 882 ou 1344b, 4, p. 32 – cap. 565). Outra situação onde se verifica uma encenação consiste no topos do cavaleiro morto. Também aqui encontramos valorizações diferentes: quando o Cid morto é colocado sobre o seu cavalo e levado à batalha onde o rei Bucar é vencido, tal atitude é vista como positiva (cf. PCG, 2 – cap. 956 ou 1344b, 4 – cap. 681). Mais duvidosa, porém, é a atitude do rei Afonso III que devolve a Bernardo do Carpio o seu pai já morto simulando que este ainda estava vivo (cf. PCG, 2 – cap. 655 ou 1344b, III – cap. 278).

22  Sobre esta questão dos Modelos ver Isabel BECEIRO, Libros, lectores y bibliotecas en la España medieval, Murcia : Nausícaä, 2007 (em particular o capítulo «El pasado nacional y los referentes del caballero» – p. 321-342). Ver ainda Isabel de Barros DIAS, Metamorfoses de Babel. A historiografia ibérica (sécs. XIII-XIV) : construções e estratégias textuais, Lisboa : Fundação Calouste Gulbenkian / Fundação para a Ciência e Tecnologia – Ministério da Ciência e do Ensino Superior 2003 (sobretudo II parte).

23  Afonso X, na General estoria, op. cit. (parte 2) conta extensamente a guerra de Tróia, desde os seus antecedentes até ao seu termo, remetendo para as fontes tradicionalmente referidas (Dares de Tróia e Dictis da Grécia – cf. cap. 604). A tradição remonta ao poema de meados do séc. XII, Roman de Troie, de Benoît de Sainte Maure que, além da sua recepção na historiografia afonsina deixou o seu rasto em outras obras, sendo de destacar a Crónica Troiana. Sobre este assunto, nos seus contornos gerais, ver Juan CASAS RIGALL, La Materia de Troya en las letras romances del siglo XIII hispano, Santiago de Compostela : Universidade de Santiago de Compostela, 1999.

24  «-“Seignors”,  fait el, “por Deu merci, / Saintes reliques voi ici. / Or escoutez que je ci jure, / De quoi le roi ci aseüre : / Si m’aït Dex et saint Ylaire, / Ces reliques, cest saintuaire, / Totes celes qui ci ne sont / Et tuit icil de par le mont, / Qu’entre mes cuises n’entra home, / Fors le ladre qui fist soi some, / Qui me porta outre les guez, / Et li rois Marc mes esposez”», Béroul, Le Roman de Tristan, Ernest Muret (ed.), L. M. Defourques (rev.), Paris : Champion, 1962, p 128-129 (v. 4197-4208).

25  Sobre o conhecimento de Tristão e Isolda na Península, ver : Harvey L. SHARRER « La materia de Bretaña en la poesía gallego-portuguesa », in : Vicente BELTRÁN (ed.), Actas del I Congreso de la Asociación Hispánica de Literatura Medieval, Barcelona : PPU, 1988, p. 561-569 ; Carlos ALVAR, « Poesía gallego-portuguesa y Materia de Bretaña : algunas hipótesis », in : Mercedes BREA (coord.), Paz LAMELA VILARIÑO e Xabier SENÍN FERNANDEZ (orgs.), O Cantar dos Trobadores : Actas do Congresso Celebrado en Santiago de Compostela, Santiago de Compostela : Xunta de Galicia, 1993, p. 31-51 e ainda Santiago GUTIÉRREZ GARCÍA e Pilar LORENZO GRADÍN, A literatura artúrica en Galicia e Portugal na Idade Media, Santiago de Compostela : Universidade de Santiago de Compostela, 2001.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Isabel de Barros Dias, « A equivocatio na narrativa historiográfica ibérica dos sécs. XIII e XIV », e-Spania [En ligne], 8 | décembre 2009, mis en ligne le 25 mai 2011, consulté le 23 novembre 2017. URL : http://e-spania.revues.org/18640 ; DOI : 10.4000/e-spania.18640

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Les contenus de la revue e-Spania sont mis à disposition selon les termes de la Licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo CLEA
  • Logo GDRE AILP
  • Logo DOAJ
  • Revues.org